Di Maria mostra em amistoso como talento supera campeões

Leia o post original por blogdoboleiro

Um amistoso, o primeiro depois da Copa do Mundo, tem tudo para ser um jogo esquecível. Mas o que Di Maria fez contra a Alemanha nesta quarta-feira em Dusseldorf , faz pensar – e muito – que os atuais campeões do mundo terão o que lembrar até colocarem o título em jogo na Rússia. Afinal, todo discurso do futebol planejado e organizado foi destruído por canhoto, orelhudo, que reinicia a temporada voando.

Di Maria vale ou não vale os 98 milhões de dólares investidos pelo Manchester United para tirá-lo do Real Madrid? Três assistências e um gol, todos com muito jeito, habilidade e visão. Os passes para Agüero (1 a 0) e Lamela (2 a 0) foram primorosos. O toque por cima do goleiro reserva alemão Weindefeller (4 a 0), foi com jeito de craque.

Para quem gosta de futebol, a Argentina do técnico Tata Martino veio para o Sprit Arena marcando pressão na saída de bola adversária e caprichando na troca de passes. A Alemanha, um pouco mais frágil e sem Schweinsteiger, até chegou na cara do gol de Romero com  chances até de empatar depois do 1 a 0, mas a evidente falta de jeito de Mario Gomez andou frustrando os donos do mundo.

Depois de estar perdendo por 4 a 0, a Alemanha finalmente correu atrás. Schürrle (1 a 4), Götze (2 a 4) chegaram ao gol. A bola andou batendo na trave.

Mas foi só um amistoso, disputado depois das férias pós-Mundial. Terminou com vitória dos vice campeões sobre os campeões: 4 a 2.

Só se esqueceram de avisar Di Maria, que jogou o que sabe. Nem deixou espaço para saudade de Messi.

O jogo serviu então para dois alertas: 1) Jamais ganhe uma Copa do Mundo e dispute o próximo amistoso contra a Argentina. Alemanha e Espanha fizeram isso e levaram de quatro e 2) Dunga e sua comissão técnica podem começar a pensar em colocar em campo quem tem habilidade para resolver no talento o que o esquema tático não salva.

Dá para começar contra a Colômbia.