Grêmio scolástico e Felipão esgremiando

Leia o post original por Mauro Beting

“Esgrimir” é um verbo que existe. Entre tantas acepções relativas à luta, a que mais parece com um clube tricolor que conheço é “vibrar”.

Agitar.

Como vibra e agita o torcedor. Como parece ter voltado a tudo isso o Grêmio de Felipão.

O treinador que melhor esgrime pelo Grêmio.

Esgremia, posso dizer, se o corretor ortográfico permitir.

Como, acredito, também pode o Grêmio recuperar a formação scolástica. A escola de entrega, suor e superação da classe 1993-96 no saudoso Olímpico e na América que foi tricolor, e no mundo que quase foi Grêmio mais uma vez.

Uma vez mais, Felipão mudou o time para ser o velho Grêmio respeitável.

Quando mais e só se falava Flamengo, Luan acabou com o jogo na última bola, no Maracanã, na partida anterior.

Quando mais só dava Atlético Paranaense, que começa a ter cara em mais um bom trabalho de Claudinei, quando só Marcelo Grohe merecia elogios, quando Giuliano mais uma vez não funcionava (e os três volantes antes, também não), quando tudo se arrastava para empate (que já era bom negócio pela melhor atuação do Furacão), eis que Barcos faz um belíssimo gol, de novo na última bola do jogo.

Duas vitórias na última bola?

Só o Grêmio que esgremia. Só o Felipão que faz escola.

Pelo futebol, não era para tanto. Ainda tem muita coisa a ser melhorada.

Mas quem diz que Grêmio e Felipão dão bola pra isso?

Tem de aturar. E, mais que tudo, respeitar.

Não vai dar para ser campeão mais uma vez. Ainda acho difícil que dê G-4.

Mas já está dando jeito de Grêmio no time e com o torcedor.

Pode tudo voltar a cambalear e sair do rumo. Assim é o futebol de hoje, tem sido demais assim o Grêmio, também com o elenco atual, com alguns bons jogadores jogando pouco (Giuliano) e outros mostrando o não muito que sabem.

Mas quem sabe de Grêmio é o Felipão. Quem sabe o Felipão ainda não consegue algo mais?

É preciso respeitar. O clube e o treinador. Até pela raríssima simbiose na história de qualquer clube e treinador.

Alguém daqui a pouco vai escrever “gol da Alemanha”. É do jogo.

Mas o jogo com Felipão e Grêmio exige respeito.