Cruzeiro 2 x 0 Atlético Paranaense – Mais do líder

Leia o post original por Mauro Beting

A bola cai na esquerda e quase escapa. Mas quem vai por ali em velocidade de Cruzeiro é Alisson. A nova aposta de Marcelo.

Ele avança e, desta vez, o que é muito raro no grande líder, não tem tanta opção dentro da área. O Cruzeiro também é tudo isso por sempre ter muita gente de azul para tentar o gol na área rival.

Alisson corta pra dentro e meio que chuta e meio que cruza. Se é chute, não é tão forte. Se é passe, não vai dar certo.

Mas a sorte tabela com quem merece e faz por onde. A bola bate no rival Gustavo, mais um dos tantos rubro-negros plantados atrás da bola e bem posicionados por Claudinei, desvia de Weverton, e faz chuá na rede atleticana.

E um gigantesco buá ecoa pelo Brasil. Mais um do Cruzeiro.

Teria mais um com o iluminado Moreno. O Marcelo que o Grêmio não quis quando comprou Barcos. O artilheiro que o pai não quis ver no Palmeiras e se acertou meio a contragosto com o Flamengo. Não teve o jogo que agora volta a ter no Mineirão. E nos campos onde o Cruzeiro desfila a arte de Everton Ribeiro, que abriu bela chapelaria e fechou a rodada ainda mais na ponta pelo tropeço são-paulino contra o rival figadal do Furacão.

Rival celeste que ainda pode sonhar com o título se não pisar na bola. Mas, principalmente, e quase que tão somente, só se o Cruzeiro quiser deixar de ser bicampeão.

O que parece muito difícil para quem tem jogado tão fácil. E não tem deixado o adversário jogar.

Procure algum lance de perigo do Furacão em BH. Mal se vê Fábio em ação. Mal se vêem os rivais do Cruzeiro na tabela.