Arquivo da categoria: adriano

E quem não quer ver o milagre?

Leia o post original por Rica Perrone

Aos 30, fora de forma, era um risco. Aos 32, uma última chance. Aos 35 anos, sem se cuidar há muitos deles, Adriano e a bola flertam, tem todo o apoio dos lados necessários, até a vontade, mas talvez dessa vez não seja mais suficiente.

Quando esse cara sorri alguma coisa nele transmite sinceridade. Não há um ser humano sensível capaz de ignorar a pureza que há no Adriano.

Eu não o via pessoalmente desde 2008, quando trabalhamos no SPFC.  Encontrei há 2 ou 3 semanas num restaurante no Rio. Ele estava com Carlos Alberto e eu não sabia se ele sequer se lembraria de mim. Parei do lado e arrisquei: “Imperador?”

Cara, ele não é daqui.

Levantou, me abraçou, me deu um beijo, perguntou como eu tava, por onde andei, foi carinhoso ao extremo.  Falou da derrota pro Flu em 2008, que foi uma das ultimas vezes que nos vimos.  Mas independente da educação, a pureza.  Eu sou jornalista. Ele tava bebendo.  Eu podia ser um dos milhões de babacas que cobrem a vida pessoal dele como novela. Que garantia ele tem?

Ele parte do princípio que as pessoas são boas a volta dele. E isso o prejudica muito, mas também faz dele um puta cara diferente. Gostar do Adriano é uma questão de bom senso. Confirmar o que ele transmite é uma oportunidade rara que tive o privilégio.

É o Imperador da favela. O cara que jogava na Inter ainda sendo um moleque que empinava pipa.  Ele nunca saiu da favela, nunca fez mais do que 19 anos, e o corpo dele não acompanha. A cobrança idem.

Ele quer voltar.  Mas aos 35, sem ser um “Zé Roberto”, tudo que ouço dos preparadores físicos é a palavra “milagre”. Todos que consultei falaram em “milagre”.

É realmente muito difícil. Improvável. Talvez, um milagre.

Mas imaginar a volta de Adriano aos gramados pode até parecer um milagre. Não sorrir com essa possibilidade é quase um desvio de caráter.

Viva o Imperador! Com ou sem chuteiras, tanto faz.  Desconfiar dos motivos que levam o povo a adora-lo é um atestado de falta de sensibilidade e, porque não, burrice.

abs,
RicaPerrone

Marketing ou bola?

Leia o post original por Neto

Última aparição do Imperador foi no Atlético/PR há 6 meses

Última aparição do Imperador foi no Atlético/PR há 6 meses

Quando o Corinthians anunciou o Ronaldo Fenômeno como novo reforço fiquei com uma pulga atrás da orelha. Afinal ele estava em baixa na carreira e vinha se recuperando de mais uma das suas dezenas de cirurgias. Pois bem, o cara não só se recuperou como foi peça fundamental na nova reestruturação do clube. Mas muita gente vincula a chegada dele apenas como uma ação de marketing. Poucas pessoas acreditavam que ele poderia realmente voltar a jogar bola em alto nível. Só pra variar o R9 contrariou todo mundo e participou ativamente do título estadual invicto de 2009 e da Copa do Brasil na mesma temporada. Portanto recolocou o Timão na Libertadores da América.

Fico abismado em ver gente pensando que dá pra fazer o mesmo com o Adriano Imperador. Só pode ser piada, né? O ex-atacante já provou por ‘A’ mais ‘B’ que não se recuperou nem fisicamente nem psicologicamente para voltar aos gramados. Depois de todos os problemas o Flamengo tentou, o Corinthians também e mais recentemente o Atlético/PR cometeu a loucura de escalá-lo em uma Libertadores. Não virou. Mais do que previsível. O que significa dizer que nem pra marketing esses rapaz funcionaria.

Pelas informações que constam os interessados recentes são os pequenos Linense, do interior do futebol paulista e Le Havre, da segunda divisão francesa, além do Al-Jazira, de Dubai. Se o negócio vai virar eu não sei. A única coisa que tenho certeza absoluta é que o Adriano não quer mais jogar bola. Precisa sim é da grana. Daí em diante cada um faz a bobagem que quiser.

Finais inglórios*

Leia o post original por Antero Greco

O domingo promete, com decisões estaduais pra todo canto. O começo da noite será de festas com rojões, voltas olímpicas e taças. Mas a semana embicou na reta final com duas histórias duras da rotina do futebol. A Lusa jogou a toalha, na luta contra a CBF, e engole a punição de disputar a Série B nacional de 2014, mesmo a contragosto e com a sensação de injustiça. E Adriano, que um dia acreditou na história de que fosse uma espécie de imperador, viu encerrada a passagem-relâmpago pelo Atlético-PR e está de novo à procura de quem aposte em seus gols, cada vez mais raros e peças de acervo histórico.

A Lusa tentou, mas não suportou o tranco ao topar com a mão pesada dos donos da bola, que em nenhum momento admitiram a hipótese de contrariar o tribunal esportivo. O jogo bruto de bastidores a empurrou para o limbo da Segundona, com a perda de pontos como consequência da escalação irregular de Héverton, na rodada final do Brasileiro de 2013. Houve esboço de guerra de liminares na justiça comum, mas o clube paulistano viu a corda romper-se de seu lado com muita facilidade. O fôlego foi curto, como o poder lusitano de argumentação e persuasão.

A capitulação veio com a declaração do presidente Ilídio Lico de que não via saída e a alternativa única era a de regressar para a divisão de acesso. Não deu maiores detalhes a respeito do humilhante recuo. Da mesma forma, não convenceu a tentativa de morde e assopra da nota oficial, em que a Lusa diz que jogará a Série B, mas continuará a debater-se até o fim por seus direitos. Isso e nada é a mesma coisa.

O conformismo não fecha o episódio; apenas empurra a poeira para baixo do tapete e evita dor de cabeça para a CBF e parceiros. Há questões sem resposta. Por que a Lusa acionou a marcha à ré, depois de triunfos iniciais? Por que a direção atual não cobrou explicações de Manuel da Lupa, o presidente na época da confusão? Se o Ministério Público de São Paulo, que entrou no caso pra valer e viu fortes indícios de irregularidades, não foi cobrado? Por que não se esclarece se houve apenas erro grosseiro na escalação do atleta ou má fé? Alguém, ou alguma agremiação, foi beneficiado com a patetada?

A polêmica foi enorme desde a metade de dezembro, as teorias de conspiração brotaram aqui, ali e acolá, indícios de mutreta despontaram. Até Héverton saiu da Lusa, foi para o Pará, anunciou a aposentadoria, voltou atrás. A troco de quê? E a celeuma morre assim, ingloriamente, como se nada de estranho tivesse acontecido? Uma pedra em tudo e vida que segue? E o torcedor da Portuguesa fica com cara de quê?

Por falar em torcida: o que dizer aos atleticanos que confiaram no canto da sereia de que Adriano finalmente estava recuperado e seria a estrela da companhia na Libertadores, na Copa do Brasil e no Brasileiro de 2014? O moço passou meses a preparar o enésimo retorno, postou fotos em que aparecia fininho, como demonstração de força de vontade. Otimistas o viam como a salvação da lavoura para o comando do ataque da seleção na Copa! E, de quebra, fez um gol, um gol!, na partida que marcou a eliminação do Furacão no torneio continental.

Daí, veio o de sempre: faltou a treinos, foi visto belo e faceiro na noite de Curitiba, para em seguida receber o muito obrigado, passar bem e até logo. Adriano infelizmente é página virada, sombra do centroavante rompedor e de chute potente. Não é o primeiro caso de promessa que tem um brilhareco e se encaminha para final de carreira opaco, triste. A vida nos cobra pelas opções que fazemos.

Quem leva? Um dos hinos do Santos diz que é ele quem “dá a bola”, no sentido de estar por cima, impor-se como vencedor. Então, está na hora de justificar a fama, no segundo duelo com o Ituano pelo título paulista. Na primeira parte, o Galo cantou no Pacaembu, ganhou com garbo e empurrou o ônus da reação para o rival famoso. Não creio que os santistas repitam atuação apagada, mas vão dançar miúdo para sair da enrascada.

*(Minha crônica publicada no Estado de hoje, domingo, 13/4/2014.)

Adriano humilhado por técnico gringo na Argentina e Cruzeiro, aluno repetente assustado, desta vez “estudou antes” já fora do horário de Verón e goleou no Mineirão. E no Rio Grande nasce um craque: Luan, do Grêmio!!! E hoje, o que farão Galo, Flamengo e Botafogo???

Leia o post original por Milton Neves

charge_imperador

Vi tudo ontem de Libertadores pela TV.

O jornalista Edu Zebini, hoje executivo, se reinventou muito bem na FOX Sports.

Meu velho companheiro de excepcionais sete anos de Rede Record, montou rapidamente um bom time.

Isso é ótimo para o nosso mercado tão apertado atualmente.

E vi Adriano badalado, filmado, agoniado, humilhado e mal utilizado.

Ora, que entrasse no 0 a 1 na Argentina ou que não entrasse no 0 a 2.

Foi cruel e Adriano, de novo em míseros minutos,  só “cercou Lourenço”.

Também, o que se esperar de um técnico gringo burro que o Petraglia inventou após demitir o bom Vágner Mancini que colocou o Furacão na Libertadores?

Já o Cruzeiro, agora “véiaco”, estudou antes (ou “Estudiantes”?) e fora do horário de Verón passou na prova, goleou o time chileno, entrou na Universidad, mas logo toma bomba.

Mas o melhor foi em Porto Alegre.

Ontem, nasceu um belo jogador também de nome Luan.

É Luan demais hoje no futebol e sugiro diferenciar, porque os outros são comuns!

Deviam encompridar o nome dele para Luan Bala, Luan Torpedo, Luan Chimarrão, Luan Azul, Luan Pavilhão, Luan Olímpico ou Luan Maragato.

O moleque é bom de bola e tivesse aparecido no ano passado, como o atualmente sumido Marcelo, do Furacão, iria para a Copa.

Mas, e hoje o que vai dar nos jogos Unión Espanhola x Botafogo, Atlético-MG x Santa Fé e Flamengo x Emelec?

Sei lá, quem sabe é Deus e Deus não fala porque já tem muita coisa para fazer.

OPINE!!!

Adriano é Brasil na Libertadores

Leia o post original por RicaPerrone

adriano-divulgacao-cap

Assim como você, nunca ouvi falar em Miguel Ángel Portugal.  E sim, também demorei pra perceber que o técnico do CAP era ele e não o Petkovic.

Não, eu nunca falo do Atlético PR no blog.

Miguel Ángel Portugal tem 58 anos, nunca ganhou porra nenhuma e hoje comprovou sua tendência ao anonimato.  Enquanto pela primeira vez os olhos do continente miravam o Atlético, o treinador resolveu mostrar “quem manda” e deixar seu único fator de desequilíbrio no banco até faltar 10 minutos pra constatação do óbvio.

Adriano passou o segundo tempo todo olhando pro treinador.  Como eu sei disso? A TV filmou mais o Imperador do que o jogo. Naturalmente, já que ele é mais famoso e impactante ao futebol do que os dois times que estavam em campo.

Com todo respeito, sem média, o jogo de hoje era Adriano x o ex time do Chilavert.  Se fosse numa fase adiante, até seria diferente. Mas hoje não.

E então o treinador o irrita. Cansa quem transmitiu, quem parou pra ver, e perde o jogo porque apostou que ele, Bruno Mendes, poderia ser letal.

Bobagem.

Todos querem ver Adriano. Pra secar, experimentar ou torcer.  É dele que estamos falando, não do Atlético na Libertadores.

Mais do que vencer na Argentina, deveria ser prioridade do clube tentar ter no elenco um dos melhores atacantes do mundo. Mas pra isso, ele precisa jogar.

Miguel Ángel Portugal optou pelo conjunto. Depois, por Bruno Mendes.

Deu merda.

abs,
RicaPerrone

Vale a pena ver de novo

Leia o post original por RicaPerrone

adriano-brasil-600

Estava lendo essa bosta de matéria sobre o que fez o Adriano em seu dia de folga quando notei que as fotos que causaram a notícia de sua diversão poderiam alertar também, ou até unicamente, para o fato dele parecer bem mais magro.

É repetitivo, quase cansativo, mas eu vou te confessar que sou um sujeito de muito otimismo. Toda vez que o Adriano aparece num clube treinando eu me pego pensando se dá tempo, como seria, o quanto seria difícil, o quanto seria útil pra seleção, enfim.

O “projeto Adriano” acontece todo ano desde 2011 e eu sigo torcendo pra bola entrar no VT.

Penso, como muitos pensam e não falam, que são só 7 jogos, então… quem sabe?

Mas sabemos ser muito complicado. Com o diferencial desta vez de ser num clube sem pressão, sem tanta mídia, jogando a Libertadores e com muito mais foco, já que seu cofrinho não será perseguido no Paraná.

Ele emagreceu. Não sei do seu tornozelo, nem de seu problema com bebida. Mas ele emagreceu.

E sonhar que em 1 mes volte a jogar, em 2 retome 70% do que era, não é necessariamente um delírio.  Um sonho, talvez.

Adriano magro, pra 7 jogos, seria não apenas convocado como titular da seleção. Além de deixar o time consideravelmente mais forte. Eu sei que o Felipão sabe disso. E por isso ele está treinando pra tentar voltar.

A chance do “vilão” morrer no final é enorme. Mas eu vou assistir de novo. Vai que…

abs,
RicaPerrone

Acreditar ou não no improvável?

Leia o post original por Neto

Após dois anos parado, Adriano treina no Furacão

Após dois anos parado, Adriano treina no Furacão

Apesar de estar de férias acompanhei o ‘Donos da Bola’ da Band e vi os amigos levantando uma questão que para mim parecia esquecida no passado. Os caras discutiram se o Adriano Imperador vai ou não voltar a jogar em alto nível. Só pode ser brincadeira, né? Primeiro a reflexão que tem que ser feita é se ele vai ou não voltar a entrar em campo profissionalmente. Isso sim! Na minha visão acho muito difícil isso acontecer. Primeiro porque ele não deve parar de levar a vida boêmia, o que é totalmente incompatível com o profissionalismo que o futebol exige nos dias atuais. E mesmo que a diretoria do Atlético/PR passe a mão na cabeça dele e lhe dê regalias, a tendência é que isso arrebente o bom clima do elenco paranaense.

Vejam bem, torço também para que ele volte. Sempre torci. Mas prefiro enxergar o óbvio do que trabalhar o improvável. Fazer um jogador retornar após dois anos parado não é nada fácil. Fazer isso com um cara com mais de 30 e que tem sério problemas psicológicos é pior ainda. Isso sem contar que o Adriano teve uma grave cirurgia no tendão de aquiles.

Adriano foi um centroavante espetacular, um dos melhores que vi jogar no estilo de força física. Mas a bola dele ficou no passado. Ainda assim respeito os sonhadores.