Arquivo da categoria: arbitragem

Presidente do Santos faz campanha por fim de assistentes atrás dos gols

Leia o post original por Perrone

Modesto Roma Júnior, presidente do Santos, está em campanha pelo fim dos auxiliares de arbitragem que ficam atrás dos gols nas partidas do Brasileirão e dos outros campeonatos no país. O dirigente disse ao blog que já expressou sua opinião para Marco Polo Del Nero, presidente da Confederação Brasileira de Futebol, mas não obteve resposta.

“Precisamos tirar aqueles dois mancebos que ficam atrás dos gols. Eles servem como cabides. Não ajudam em nada”, disse o dirigente ao blog.

O cartola não é o primeiro a levantar bandeira contra os árbitros assistentes adicionais. “Gostaria de saber diretamente da comissão de arbitragem o que eles fazem. Se ganham, eles precisam ajudar. Se eles não veem, não precisam (estar lá)”, afirmou Renato Gaúcho em setembro, após derrota para o Bahia. Ele reclamava de suposta omissão de um dos assistentes adicionais em pênalti marcado contra o Grêmio.

O lance mais polêmico envolvendo os assistentes atrás adicionais no Brasileirão foi o gol de braço feito por Jô no Vasco.

As principais ligas do mundo, como as da Espanha, Inglaterra, Itália e Alemanha não usam esses assistentes. Porém, eles estão presentes na Champions League.

Além da campanha pelo fim dos auxiliares atrás dos gols, Modesto está entre os dirigentes que defendem a implantação do árbitro de vídeo só no Brasileirão de 2018. “É uma questão de isonomia. Já fizeram o campeonato até aqui sem o recurso do vídeo e muitos clubes foram prejudicados. O modelo tem que ser o mesmo no campeonato inteiro”, declarou o santista.

O cartola também teme que falte preparo para colocar o sistema em operação e que em caso de falhas a ideia fique queimada.

Mas não há consenso entre os dirigentes de clubes da Série A sobre quando o Brasileirão deve começar a contar com o árbitro de vídeo. Eduardo Bandeira de Mello, do Flamengo, e Daniel Nepomucento, do Atlético-MG, por exemplo, defendem a novidade tecnológica ainda neste Brasileirão.

“Sou a favor (do árbitro de vídeo) o quanto antes. Tecnologia só ajuda”, disse Nepomuceno.

 

Polêmicas do apito NUNCA acabarão! NUNCA!

Leia o post original por Craque Neto

Só para variar essa rodada do Brasileirão foi marcada por vários lances polêmicos. No clássico do Morumbi pelo menos dois lances capitais decidiram o jogo e tiraram a provável vitória do São Paulo contra o arquirrival e líder Corinthians. Em um dos lances o Tricolor reclama de um gol legal do zagueiro Militão. O árbitro deu falta do atacante Lucas Pratto no goleiro Cássio. Em conversa com muitos amigos cheguei a conclusão que as opiniões ficaram divididas. Eu achei que o lance foi normal e o gol deveria ter sido validado. Em contrapartida várias pessoas – e não só corintianos […]

O post Polêmicas do apito NUNCA acabarão! NUNCA! apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Tropeção da arbitragem em Itaquera

Leia o post original por Antero Greco

Na segunda-feira, o árbitro Ricardo Marques Ribeiro vibrou, assim que apitou o final de São Paulo 1 x Grêmio 1, no Morumbi. Estava feliz pelo excelente desempenho em um jogo complicado.

Neste domingo, não repetiu o gesto, no encerramento de Corinthians x Fla (mesmo placar), em Itaquera. Nem poderia. Talvez por modéstia (o gesto do início de semana foi criticado por alguns) e por pudor (errou ao anular gol legítimo de Jô quando estava 0 a 0.)

A tropicada da arbitragem foi decisiva no resultado final, de um duelo em que cada equipe mandou um tempo – o líder do Brasileiro no primeiro e o Fla no segundo. O lance importante ocorreu aos 12 minutos. Num contragolpe, Rodriguinho serviu Maycon, que passou para Jô mandar para o gol. Ricardo Marques vinha na corrida, trombou com Rodriguinho na entrada da área, caiu e se deixou enganar pela decisão do auxiliar Pablo Costa. Erro grave.

Mas o Corinthians superou a falha e abriu vantagem, com o Jô de sempre, aos 21 minutos, numa bola roubada por Balbuena, na defesa, e com o lançamento longo. Jogada impecável, bem a caráter do que faz a turma de Fábio Carille neste campeonato. Foram três finalizações em 45 minutos, duas no gol e uma apenas válida.

O Corinthians econômico, firme na marcação, prevaleceu no primeira parte. Mal sentiu ausência de Pablo e Jadson (fora há algumas rodadas) e de Romero. Ainda perdeu Marquinhos Gabriel aos 38, por contusão, substituído por Giovanni Augusto. O padrão de desempenho manteve-se inalterado. O Fla deu um chute, apenas, com Romero.

No segundo tempo, o panorama mudou. O Fla avançou, Diego e Everton Ribeiro se apresentaram mais para criação e finalização. O Corinthians optou pela armadilha habitual, de atrair o adversário e partir para o contra-ataque veloz. Não deu certo. Cássio apareceu em duas defesas, veio o empate (com Réver), uma bola na trave (quase Pedro Henrique faz contra) e o alívio final com o ponto conquistado.

Para o Corinthians não alterou grande coisa a situação na tabela. A vantagem em relação ao Grêmio subiu para nove pontos (41 a 32). Pode cair, se os gaúchos ganharem do Santos. Mas mantém distância confortável em relação ao Fla.

Os dois times mostraram que: 1 – o Corinthians se vale do conjunto e de esquema tático definido, o que ajuda a consolidar a incrível série invicta e a liderança; 2 – o Flamengo tem bons jogadores, porém carece de conjunto. Por isso, não decola.

Mas é bom ressaltar: a arbitragem desta vez interferiu no resultado.

Entre o clubismo a hipocrisia e os fatos

Leia o post original por Rica Perrone

Há o rubro-negro que está puto com a suspeita e que a rejeita embora saiba que se fosse ao contrário teria a mesma desconfiança dos santistas.  Há o santista, que acha que é justo um não penalti ser marcado porque é um erro legítimo do juiz e isso torna o lance penalti. Há toda a …

A alegria do juiz

Leia o post original por Antero Greco

São Paulo e Grêmio fizeram jogo difícil, na noite de segunda-feira, no Morumbi lotado. O empate por 1 a 1 não ajudou muito a vida de nenhum dos dois no campeonato, mas isto parece ter ficado em segundo plano.

O que chamou a atenção, e continua a ser discutida, foi a reação de Ricardo Marques Ribeiro. Assim que deu a última assoprada no apito e apontou o fim do clássico, o árbitro ergueu os punhos, vibrou, fez o sinal da cruz, comemorou com seus colegas.

Imagem bonita, forte, diferente. Espontânea. E que, por isso mesmo, incomodou muita gente.

A que ponto chegamos: o sujeito fica feliz por ter executado bem a tarefa que lhe incumbiram e, em vez de elogios, desperta desconfiança, comentários irônicos, memes e afins.

A maledicência preenche vidas vazias. Triste.

Na dúvida a arbitragem sempre erra contra a equipe menor.

Leia o post original por Nilson Cesar

Historicamente é sempre assim. Quando joga uma equipe grande contra um pequeno a arbitragem na dúvida é pró grande. Acho isso lamentável. Joga-se o  trabalho de profissionais sérios na lata do lixo. Acho que a única solução para tentar minimizar essa situação é punir o árbitro na mesma proporção em que os atletas são punidos. A Federação Paulista deveria vir a público e fazer algo para tentar mudar esse quadro que é histórico.  Dificilmente alguém tomara uma atitude. Afinal de contas não existe mesmo interesse em mudar. Acho triste e lamentável que os chamados “pequenos” sejam  sempre prejudicados por arbitragem.

Por arbitragem e status de quem briga pelo título, Santos vai à CBF

Leia o post original por Perrone

Um dia após o Santos se tornar vice-líder do Brasileirão, Modesto Roma Júnior esteve na CBF para fazer pedidos em relação à arbitragem, reclamações e dar status de time que briga pelo título ao seu clube.

 “Os presidentes de Palmeiras, Flamengo e Atlético-MG posicionam seus clubes diante da CBF com a importância de quem briga pelo título. Eu fiz o meso”, afirmou o dirigente santista.

Ele se encontrou com Marcos Cabral Marinho de Moura, presidente da Comissão Nacional de Aribitragem, Sérigo Corrêa, ex-chefe do juízes e agora responsável por implementar o programa de uso de vídeos na arbitragem, e Marco Polo Del Nero.

Aos homens do apito, o presidente do Santos reclamou de um impedimento inexistente de Thiago Maia marcado no final da vitória por 2 a 1, sobre a Ponte Preta, e pediu que a comissão privilegie os times que estão brigando por algo na reta final do Brasileiro com os melhores árbitros em suas partidas. Porém, o cartola ouviu que não será atendido.

“Eles explicaram que praticamente todo mundo ainda está brigando por alguma coisa no campeonato, então não podem privilegiar ninguém com os melhores juízes. Entendi a posição deles. O cobertor é curto, faltariam árbitros bons em jogos importantes”, disse Modesto.

Ao presidente da CBF, o dirigente santista voltou a reclamar do fato de a partida contra a Ponte ter sido alterada de sábado à noite para domingo de manhã em cima da hora, prejudicando a preparação de sua equipe. “Ele me disse que (por causa de pedido da PM) passou a partida para o horário mais próximo ao que estava marcada, mas não me convenceu. Continuo achando que fomos prejudicados.”

 A Polícia Militar pediu a alteração com medo de um possível encontro entre torcedores de Ponte Preta e Guarani, caso o alviverde campineiro conquistasse o título da Série C, o que não ocorreu.

Irritado, o Santos jogou com a frase “faltou respeito” nas costas de sua camisa. Modesto disse não temer represálias da CBF por conta da atitude. “Não ouvi reclamação e nem senti um clima favorável a retaliações”, declarou o cartola.

Erros de arbitragem têm para todos os lados

Leia o post original por Nilson Cesar

Temos um campeonato brasileiro longo demais. É evidente que erros de arbitragem irão ocorrer.

As vezes o clube é beneficiado e em outras oportunidades acaba sendo prejudicado. Entendo que ao longo da competição as coisas se compensam. Acho que nenhum arbitro entra com o objetivo de errar ou prejudicar premeditadamente. Existe sim árbitros ruins de verdade. O Palmeiras está muito próximo do título brasileiro e acho ridículo entender que se for campeão é por causa de auxílio de arbitragem.

O Palmeiras vem liderando o campeonato já faz muitas rodadas e mesmo sem jogar um futebol excepcional as outras equipes ainda não ultrapassaram. Na verdade estamos vivendo um campeonato muito legal em termos de disputa e emoções estarão reservadas até o final. Eu continuo apostando as minhas fichas no Verdão.