Arquivo da categoria: artilharia

O í”cone” da injustiça

Leia o post original por Rica Perrone

Não convém fazer de Fred um jogador do tamanho que ele merece.  Talvez porque não seja de um dos times mais populares do país, talvez porque parte da mídia tenha vergonha de reconhecer o exagero no massacre de 2014.

Seja pelo motivo que for, Fred coleciona títulos, artilharias, números e argumentos que só mesmo um desequilibrado pode contestar.  Mas esses não faltam. E ontem Fred escreveu mais um capítulo na história do futebol brasileiro que será citado com menos entusiasmo que um gol de Benzema em Madrid.

Passou Zico, encostou em Edmundo e Romário. O artilheiro do Galo deve encerrar a carreira perdendo, talvez, só para o Dinamite, artilheiro maior da competição.

E quando ultrapassar Romário usarão uma nova mentira para menosprezar o melhor 9 que tivemos desde a curta carreira de Adriano.

Gostemos ou não, Frederico não tem culpa de não estar na linhagem Careca, Romário e Ronaldo. O que não faz dele menor, apenas não lhe dá a condição de gênio.

Sabe aquele filme muito bom mas que você sai frustrado do cinema porque você criou uma expectativa sobre ele ainda maior? Então. A culpa normalmente não é do filme.

Pelé teve média de 0,57 gols por jogo no Brasileiro.  Zico de 0,54. Edmundo 0,48. Fred tem 0.53.  Longe de ousar compara-los, mas será possível que a gente vá passar a carreira toda desse cara contestando e colocando “poréns” ao invés de curtir a história sendo escrita e poder dizer, em alguns anos, “Eu vi o Fred jogar”?

abs,
RicaPerrone

Maradona, Edu, Ronaldo, Neto, Cabañas e Walter: o futebol também é dos gordinhos!!! Alexandre Pato não provou no Corinthians que merece ser chamado por Felipão. Essa vaga deveria ser do bom Éderson, do Furacão, ou do faminto Walter!!!

Leia o post original por Milton Neves

Qual é a lógica para um jogador ser convocado para a seleção?

Grosso modo, espera-se que o técnico chame aqueles que atravessam melhor fase, aliando os novos nomes aos jogadores que já passam segurança e confiança.

Se Felipão tivesse tal “modus operandi”, Alexandre Pato e Jô não preencheriam as lacunas deixadas por Fred e Hulk.

Os melhores atacantes brasileiros em atividade estão disputando o Brasileirão.

Éderson, do Atlético-PR, lidera a artilharia do nacional e pode ser considerado revelação do campeonato.

Levando o Goiás nas costas e faminto por gols, Walter é outro camisa nove que merece uma chance.

Afinal, não é a forma física uma barreira para seu ótimo rendimento.

E lembre-se de outros “gordinhos” que se destacaram: Maradona, Edu, Ronaldo, Neto, Cabañas…

O que fez Alexandre Pato desde que chegou ao Corinthians?

Jô é um ótimo finalizador, mas não balança as redes desde que conquistou a América.

Além dos jogadores citados acima, você lembra de outros craques que brigavam com a balança?

Chama o gordinho, Felipão!

Opine!!!

Ganância por artilharia custou caro ao São Paulo

Leia o post original por Mion

Luis Fabiano não é especialista em penalidade máximas. Na hora de decisão o certo é apostar em Rogério.

O futebol brasileiro sofreu bastante nos últimos anos por causa da busca de marcas individuais. A fome de bater recordes e colocar o nome da história. O maior exemplo disso tivemos na Copa de 2006: fora de forma e sem condições normais, Ronaldo jogou a Copa de 2006 tudo porque queria superar o alemão Gerd Mulller e ser o maior artilheiro da história de todas as Copas. Fez os 3 gols ( dois contra o Japão e um diante da briosa Gana). Na hora decisiva, Ronaldo pifou e o Brasil não passou das quartas-de-final.

Nos clubes não é diferente. Esta briguinha entre Fred, Luis Fabiano e Bruno Mineiro para ver quem será o artilheiro do Brasileiro causou um estrago danado ao tricolor. Perdeu 3 pontos diante do Flamengo e ficou mais distante do Grêmio. Caso vencesse, até poderia pensar em pelo menos conquistar o vice-campeonato e agora depende do jogo do Vasco para ver o tamanho real do estrago.

Seria natural Luis Fabiano bater caso o tricolor não tivesse Rogério Ceni. É claro que também poderia errar já aconteceu. Rogério também tem as suas marcas individuais já é o maior goleiro artilheiro do futebol mundial, aumentar o número de gols distanciaria cada vez mais a possibilidade de alguém tentar superá-lo no futuro. Ceni abre mão em nome de algo maior, a vaga da Libertadores e respeito ao Fabuloso, artilheiro do time.

Há mais um agravante. Luis Fabiano errou o seu terceiro pênalti no campeonato. Na rodada passada diante do Atlético-GO desperdiçou e também perdeu outro no primeiro turno quando o tricolor venceu apertado o Cruzeiro por 3 a 2. Por pouco não jogou fora mais pontos. Na hora de decisão a opção é não arriscar: Ceni teria que bater as penalidades nesta reta final do Brasileiro. Como já disse, pode errar, porém as chances de conversão em são bem maiores com Rogério.

Quando Fabiano perdeu o pênalti o jogo estava 0 a 0. Com certeza, caso marcasse o gol, o Flamengo teria que abrir e atacar mais, daria espaços para os contra-ataques tricolores. Com Lucas e Osvaldo voando os 3 pontos estariam bem encaminhados. Depois da partida alguns companheiros chegaram a insinuar que Luis Fabiano necessita treinar mais as cobranças. Isso significa que anda desleixado neste aspecto. Se não treina normalmente e resolve cobrar em jogos decisivos, é irresponsabilidade, pensou simplesmente na sua marca de ser artilheiro do Brasileiro.

O coerente seria chamar Rogério Ceni e dizer: vai mano, aqui você é o craque em bola parada. Infelizmente para o São Paulo e para o próprio Fabuloso prevaleceu a vaidade, a disputa egoísta de atingir uma marca individual. Nenhum time conquista grandes vitórias e títulos se os interesses individuais estiverem acima das metas do coletivo. É fracasso na certa!