Arquivo da categoria: Bahia

São Paulo vira o turno entre os últimos

Leia o post original por Flavio Prado

Foto: Rubens Chiri/SPFC

Depois da improvável virada contra o Botafogo, o São Paulo perdeu para dois adversários diretos na luta contra o rebaixamento e jogou fora o que conseguiu no Rio de Janeiro.

A situação é preocupante, claro que o São Paulo não tem um dos 4 piores times do campeonato, mas isso tem um peso relativo no momento. Outros fatores pesam bastante contra o São Paulo.

O time foi montado com o campeonato em andamento, o preço da falta de um planejamento melhor está sendo cobrado e o emocional também pesa bastante. Um time grande ameaçado joga com um peso enorme. As duas derrotas quebram totalmente o emocional que parecia melhor.

 

E o sofrimento do SP continua…

Leia o post original por Antero Greco

Imagino o que sente o torcedor do São Paulo ao ver seu time em ação. Mistura de raiva, susto, impaciência, inconformismo, suavizada de vez em quando com pitada de esperança. Como na virada sensacional sobre o Botafogo, oito dias atrás, ao sair de 3 a 1 para 4 a 3.

Mas episódios como aquele no Rio têm sido esporádicos. A rotina, no primeiro turno do Brasileiro, se caracterizou por apresentações instáveis, sofrimento e derrotas. Muitas derrotas, dez em 19 rodadas. Campanha de time de zona de rebaixamento.

Não por acaso está em 17.º lugar, com 19 pontos. A pá de cal, no encerramento da primeira parte da Série A, veio neste domingo, com os 2 a 1 para o Bahia. Duelo entre equipes que tentam fugir do fundo da tabela; portanto, com o perdão do lugar-comum, jogo de seis pontos. Confronto que não se pode perder, sob risco de afundar.

E o São Paulo não teve forças para, ao menos, roubar um ponto. Ok, até poderia reclamar de lance de Edson, que puxou Militão dentro da área, quase na cara do juiz. Jogada para pênalti, quase na metade do segundo tempo. Quem sabe poderia mudar o rumo da partida? Quem sabe?

O que se sabe é que Dorival Júnior manteve a base com a qual tem trabalhado e, na fase inicial, o time se comportou relativamente bem. Teve duas chances boas, até permitir que o Bahia ficasse na frente, com Régis aos 39 minutos. Pouco depois, aos 42, Mendoza aumentou a diferença. Foram duas falhas da defesa. Hernanes suavizou o drama ao marcar de pênalti, momentos antes do intervalo.

O segundo tempo foi um festival de tentativa e erro. A turma tricolor paulista indo à frente do jeito que dava, o pessoal tricolor baiano se segurando e à espera de um contragolpe. Dorival mexeu, empurrou o time para o ataque, na base do abafa, do seja o que Deus quiser. Bem o estilo de quem sente o desespero por não sair da maré ruim.

Esse roteiro às vezes tem final feliz – e o São Paulo conta com 19 rodadas para tirar os pés da lama. Como consolo há o fato de que outros concorrentes também fazem força para descer a ladeira. Mas, se de fato pretende evitar queda inédita, mais do que se dar bem diante dos que estão na parte de cima da tabela, precisa ganhar do pelotão de baixo.

Porque o campeonato que o São Paulo faz, por ora, é para não cair, é com o bloco do 11.º em diante. Infelizmente, é a realidade.

 

É muito amor! São Paulo perde outra vez e vive paixão inédita com a “zona da degola”!

Leia o post original por Milton Neves

Ehhh são-paulino, você ainda vai sofrer muito este ano…

E eu, que afirmo que o São Paulo é “incaível”, começo a ter as minhas dúvidas.

Contra o Bahia, mais uma vez, nada funcionou para o time paulista.

Erros primários e absurdos, da defesa ao ataque, foram exaustivamente repetidos.

Os baianos também erraram demais, mas ainda sim, foram superiores.

Um jogo para ser esquecido, pois teve qualidade técnica digna de várzea.

Daí torcedor, não adianta reclamar, os gols do Bahia foram legais!

Arbitragem perfeita, a não ser pelo pênalti marcado em Pratto, lance normal.

Futebol é esporte de contato, “sô”!

E quando a fase é ruim, não adianta chorar e mendigar pênaltis, faltas e cartões…

O negócio é jogar simples e não esquecer a objetividade, coisas que o Tricolor do Morumbi não faz. Além de gol, não é mesmo?

Após a nova derrota, o que você espera torcedor, o São Paulo vai cair?

OPINE!!!

Corinthians segue líder

Leia o post original por Flavio Prado

(Foto: Djalma Vassao/Gazeta Press)

Mais uma vitória do líder Corinthians em Itaquera. O Bahia é um time bem organizado, surpreendeu o Corinthians nos primeiros minutos com marcação adiantada e deu trabalho para Cássio, mas não é fácil jogar contra o time de Carille.

O Corinthians mesmo quando não está bem não sofre muito e tem força e organização para estabilizar e se acertar no jogo.

O time evoluiu com posse de bola, as triangulações pelo lado são muito bem feitas, o Corinthians tem a melhor dupla de laterais do Brasil. Fágner e Arana contam com o apoio e a aproximação de Romero, Maycon, Rodriguinho e Jádson nas tabelas.

Ainda é cedo para falar em título ou final antecipada contra o Grêmio, mas não imagino uma queda grande do Corinthians. O time é muito regular, sofre poucos gols e consequentemente perde pouco.

Vixe! O Pica-Couve apareceu e já sumiu! É brincadeira???

Leia o post original por Craque Neto

Aleluia! Fiquei sabendo que na tarde desta segunda-feira a diretoria acertou o empréstimo do colombiano Stiven Mendoza para o Bahia. Ele! O famoso Pica-Couve vai jogar no Tricolor da Boa Terra. É mole? Incrível! Esse rapaz está esse período todo escondido, ganhando uma baita grana dos cofres do Corinthians e ninguém falou absolutamente nada. Ele foi obra do ex-presidente Andrés Sanchez, que o contratou dizendo que era o novo Asprilla. Só pode ser piada de mau gosto, vai! Esse Mendoza é terrivelmente grosso. Corre pra caramba, é verdade. Dá pra por na disputa dos 100 metros rasos dos Jogos Olímpicos […]

O post Vixe! O Pica-Couve apareceu e já sumiu! É brincadeira??? apareceu primeiro em Craque Neto 10.

O Palmeiras vai precisar jogar muito mais bola na próxima fase da Libertadores!

Leia o post original por Milton Neves

Palmeiras 3 x 1 Tucumán

O milionário Palmeiras venceu, é verdade, o modesto Tucumán no belíssimo Allianz Parque.

Mas, assim como em toda a primeira fase da Libertadores, o Verdão, pelo elenco que tem, ficou devendo bom futebol.

Afinal, o time argentino, que não é nada demais – nada demais MESMO -, pressionou, meteu bola na trave, teve gol mal anulado…

Pô, Palmeiras, a sua obrigação era garantir a classificação para a próxima fase da Libertadores sem levar nenhum tipo de susto!

Assim não dá, não é mesmo?

E por falar na próxima fase da Libertadores, o Palmeiras terá que melhorar muito para seguir avançando na competição.

Pela bola que tem jogado, se pegar um time encardido nas oitavas, sei não…

E uma coisa é certa:

O Verdão vai melhorar 76,4% quando Cuca deixar de insistir no mico Borja e colocar o iluminado Willian como titular.

Aí, meu amigo, não tem para ninguém!

Atlético-GO 1 x 2 Flamengo

Outro milionário que ficou devendo bom futebol foi o Flamengo.

Que sufoco, hein, rubro-negros?

Mas, agora, vejamos se o Mengão consegue recuperar a confiança, que ficou muito abalada após a precoce eliminação da Libertadores.

Bahia 1 x 0 Sport

Mas quem não ficou devendo bom futebol foi o meu querido Bahia.

O Tricolor de Aço simplesmente não tomou conhecimento do Sport na Arena Fonte Novo.

Tanto que o placar ficou barato.

Era para ter sido 3, 4 ou 5 a 0 para o time da casa.

Mas é isso aí, parabéns ao Bahia, merecidamente campeão da Copa do Nordeste!

Paraná 3 x 2 Atlético-MG

E, quem diria, o Galo terá que suar muito para eliminar o Paraná na Copa do Brasil.

Isso porque, em Curitiba, conseguiu levar incrível virada após estar vencendo o jogo por duas vezes.

Agora, em BH, a história tem que ser diferente, hein?

Opine!

Contrato de TV: cinco rivais se unem para tentar alcançar Corinthians e Fla

Leia o post original por Perrone

Com Napoleão de Almeida, colaboração para o UOL em Curitiba

Cinco clubes da Série A que têm contrato com o Esporte Interativo para transmissão de jogos do Brasileirão por TV fechada a partir de 2019 discutiram nesta sexta durante reunião no Palmeiras uma estratégia para ficarem mais fortes nas próximas negociações de contrato. O objetivo é equilibrar o jogo com Flamengo e Corinthians, tradicionalmente donos das maiores cotas de televisão.

Além do alviverde, Santos, Coritiba, Atlético-PR e Bahia participaram do encontro. A estratégia deles é fazer as próximas negociações em bloco. Todos teriam uma só posição, o que em tese aumentaria o poder do grupo. A ideia é atrair os demais times que fecharam com o EI, que também participou da reunião para tratar de assuntos ligados ao seu acordo.

O raciocínio é que se estiverem separados no mercado, Flamengo e Corinthians continuarão tendo mais peso nas tratativas com as emissoras por terem as maiores torcidas do país.

O primeiro teste da nova tática deve ser a negociação da transmissão pelo pay-per-view. Os cinco clubes combinaram de negociar em conjunto. Eles já decidiram que não aceitam as pesquisas com assinantes como um dos critérios para dividir as cotas, método previsto no acordo atual com a Globosat. A ideia é que todos compradores de pacotes declarem seus times para dar mais precisão ao levantamento. Acreditam que dessa forma, a diferença para Flamengo e Corinthians vai cair.

Outra briga será para que a emissora que fechar contrato aumente a participação dos clubes na arrecadação obtida com o pay-per-view. Hoje, eles ficam com cerca de 30% da receita. A fatia maior beneficiaria a todos, incluindo os que não estiverem negociando em bloco.

Entre alguns dos participantes, o projeto é visto como uma tentativa de reconstruir o que foi destruído com o fim do Clube dos 13, entidade que era encarregada de negociar os contratos de transmissão pela TV. Em 2011, o Corinthians, presidido por Andrés Sanchez, liderou a implosão do C13 ao sair dele para negociar separadamente seus contratos. Dessa forma, conseguiu um trato muito mais vantajoso. O mesmo aconteceu com o Flamengo.

Outras tentativas de uma nova união entre os clubes já foram feitas, mas todas sem sucesso.

A próxima reunião para debater esse posicionamento unificado está prevista para 15 de março, em Santos.

Gol especial para papai Cajá e a torcida do Bahia

Leia o post original por Antero Greco

Passou correndo pela beirada do campo, subiu os degraus mais rápido do que qualquer zagueiro inimigo, driblou o segurança e caiu nos braços da torcida na Fonte Nova.

Renato Cajá é um jogador raro na Série B: tem toques inteligentes, bate com perfeição na bola e aciona os companheiros com passes certeiros. Foi o dono da partida na vitória por 4 a 2 sobre o Goiás – resultado que conduziu o Bahia de volta ao G-4, com chances de se classificar e voltar à elite nacional em 2017.

Mas a comemoração alucinada do gol, o segundo dos baianos, quando o jogo estava 1 a 1, não se deveu somente à importância ou à beleza do lance, em que driblou um zagueiro e tocou sem chance para o goleiro Márcio. A vibração tinha que sair do estádio, chegar à Paraíba e viajar até um hospital em João Pessoa, onde o pai está internado.

“Ele está na UTI, está entubado, mas vai sair dessa”, comentou emocionado ao final da partida, ainda em campo.

Renato Cajá acha que o Bahia também vai seguir em frente e lutar para obter uma das quatro vagas para a Série A. “Nosso próximo jogo é contra o CRB na casa deles. Jogo de seis pontos, confronto direto.”

No meio do campeonato, quando os baianos chegaram a cair para a 11. ª posição, poucos acreditavam na reação. A partida deste sábado era importantíssima, pois a vitória levaria o Bahia ao 4.º lugar, com 39 pontos, ao lado de outros quatro concorrentes. A vantagem está no saldo de gols.

Logo aos dois minutos, Juninho fez um gol olímpico para o Bahia, em jogada na qual o goleiro Márcio falhou ao tentar cortar o cruzamento. Dezenove minutos depois, pênalti infantil de Edgar Júnio sobre Patrick, do Goiás. O mesmo goleiro Márcio foi bater. E marcou o empate e o 35. º gol da carreira.

Aos poucos parecia que o goleiro sergipano iria virar o personagem da partida. No início do segundo tempo, o juiz Luís Teixeira Rocha inventou pênalti para o Bahia; Márcio não só defendeu a cobrança, como impediu que no rebote Ernani conseguisse marcar. Duas defesas incríveis.

Era Márcio o grande nome da partida.

E foi assim, até que aos 21 minutos Renato Cajá marcou um golaço, sem chance de defesa. Hernane aumentou para 3 a 1 e Edgar Júnio marcou o quarto. Léo Gamalho ainda diminuiu para os goianos: 4 a 2, grande resultado para reanimar a torcida do Bahia e homenagear o pai do craque do time.