Arquivo da categoria: Brasileirão

Não adianta homeopatizar a queda

Leia o post original por Rica Perrone

Todo saopaulino que encontro puxa o mesmo assunto: o possível rebaixamento. Diante de um rival bancamos firmes e valentes que “nem fudendo”. Entre nós, como toda torcida, a conversa é outra. Saopaulino é o cara que menos quer cair no mundo. Ele passou a vida jurando que “ele não”. E quando alguém sugeria a idéia …

Opinião: Luxa age como iniciante desesperado ao expor jogadores

Leia o post original por Perrone

Em sua entrevista coletiva após a derrota do Sport por 5 a 0 para o Grêmio neste sábado, Vanderlei Luxemburgo nem parecia um dos técnicos mais experientes e vitoriosos do país. Ao expor jogadores dando a entender que há gente fazendo corpo mole e ao jogar nos ombros de seus comandados o peso do fracasso, Luxa agiu como um iniciante inábil e com medo de perder o emprego.

O principal erro foi se arriscar a perder a confiança do elenco depois de espinafrar jogadores sem dar nome aos bois e deixar todos sob suspeita com declarações como sobre levar para as partidas só jogadores que se doarem 100% e que o que está errado não pode ser o técnico outra vez.

Dá pra acreditar que os atletas manterão a obediência e o respeito ao treinador depois dessas estocadas? Dizer que o problema não pode ser o treinador é ao mesmo tempo entregar a cabeça de seus comandados para a torcida e deixar a impressão de desespero diante do risco de perder o emprego.

A afirmação de que não estava mandando recado para o grupo porque já havia dito o mesmo no vestiário é uma transgressão ao código de comportamento informal tanto usado pelos treinadores e que prega que tudo deve ser resolvido no vestiário.

Outro erro de Luxemburgo foi desvalorizar sua imagem com gestos que nada tem a ver com o carimbo de modernidade que ele sempre tentou estampar em seu perfil. Sua fala foi uma das mais retrógradas ouvidas no Brasileirão deste ano. Chega a ser triste para o futebol nacional ter um ex-treinador de seleção brasileira e do Real Madrid demonstrando tanto desrespeito em relação aos jogadores e desespero num momento que deveria saber tirar de letra.

Quatro sinais de alerta que a primeira derrota dá ao Corinthians

Leia o post original por Perrone

1 – Problemas em casa

A derrota em Itaquera para o Vitória, por 1 a 0, neste sábado, reforça o que já tinha sido sinalizado no primeiro turno. O Corinthians tem mais dificuldades como mandante do que como visitante. Dos 13 pontos perdidos pelos alvinegros até aqui, nove foram deixados em sua própria casa. Os outros foram nos empates contra Chapecoense, Flamengo e Atlético-PR.

2 – Eficiência nas finalizações (todos os dados estatísticos deste post a partir de aqui são do site footstats)

Desperdiçar poucas chances de gol foi uma das marcas do Corinthians no primeiro turno do Brasileirão. Na abertura do segundo, porém, não foi assim. No campeonato, em média, a equipe alvinegra faz um gol a cada sete finalizações. Ontem foram 14 arremates sem conseguir balançar a rede. Foram mais conclusões do que a média do time na competição, que é de 11 por jogo.

3 – Nervosismo

Outra característica corintiana até aqui tem sido a tranquilidade mesmo em momentos difíceis. Diante do Vitória, porém, os comandados de Fábio Carille demonstraram afobação, especialmente no segundo tempo. O zagueiro Balbuena avançando como se fosse meia foi um dos sintomas. Outro sinal de nervosismo foi o abuso da ligação direta entre defesa e ataque, a partir da metade do segundo tempo, fugindo da característica de troca de passes. O resultado foi uma piora no índice de acerto de lançamentos. Em sua primeira derrota no campeonato, o Corinthians só acertou 29%  do lançamentos. A média de acerto alvinegro na disputa é de 42,8%.

4 – Dependência dos laterais títulares

Quando Fágner e Arana não estão bem ou não jogam, as dificuldades corintianas aumentam significativamente. Na única derrota até aqui na competição, Arana, contundido, foi substituído no intervalo e Fágner foi recordista de passes errados ao lado de Jô com dez erros. O lateral-esquerdo ainda foi quem mais errou lançamentos pelo lado corintiano: 5. Os números de Fágner foram bem piores em relação ao que ele apresenta no campeonato. Sua média de passes errados por jogo é de 6,2 enquanto a de lançamentos defeituosos fica em 2,4. Fágner ainda foi o jogador de seu time que mais errou cruzamentos: 7. Sua média de erros nesse fundamento é de 3,8. Por outro lado, nenhum companheiro seu acertou tantas bolas cruzadas como ele contra o Vitória. Foram 4 acertos contra média de 1,3 por partida. Depois da derrota, Carille reclamou que o time explorou pouco as laterais, concentrando seu jogo pelo meio.

Veja como está fácil para meu querido e amado Timão ser campeão! Volta, mata-mata!

Leia o post original por Milton Neves


Foto: Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians

É, meus amigos, o sistema de pontos corridos é horroroso mesmo!

Afinal, o primeiro turno do Brasileirão ainda nem acabou e só uma tragédia pode tirar o título do meu querido e amado Corinthians.

Duvida?

Então acompanhe o raciocínio:

Desde 2006, quando o Campeonato Brasileiro passou a contar com 20 equipes, os vice-campeões com melhores aproveitamentos foram Grêmio, em 2008, e Atlético-MG, em 2012, ambos com 72 pontos.

Então, é correto afirmar que o time que chega aos 73 pontos praticamente garante o título.

Com a vitória de ontem, sobre o Atlético-MG, a equipe de Fábio Carille alcançou, na 18ª rodada, 44 pontos.

Precisa, agora, nos 20 jogos que faltam para o término do Nacional, somar apenas 29 pontos (de 60 possíveis) para alcançar os tais 73 que praticamente garantem o caneco.

Ou seja, o Corinthians pode até perder sete partidas, empatar cinco e vencer só oito que, mesmo assim, levantará a sua sétima taça do Brasileirão.

Esse é o “maravilhoso” sistema de pontos corridos…

E tem quem goste!

Abaixo, veja o que os cinco primeiros colocados do Brasileirão precisam fazer para alcançar os 73 pontos:

Só garotos

Leia o post original por Rica Perrone

Hoje eu não ia no estádio. Estava num dia ruim, numa semana horrível. Nem queria ir, pra se ter idéia. Mas, meu amigo disse que não iria também se eu não fosse. Então, como que por instinto masculino de companheirismo eu logo disse que “então eu vou”. Fomos. Lá chegando pegamos nossos ingressos e fomos …

Todo o possível

Leia o post original por Rica Perrone

Eu gosto de ver o Grêmio e o Corinthians jogar pelo mesmo motivo: os dois fazem tudo que podem. O “tudo que pode” do Grêmio é evidentemente melhor que o do Corinthians, por limitações técnicas, o que torna ainda mais incrível o trabalho até aqui.  Mas ainda que os dois times tenham propostas de jogo …

Opinião: seis fatores explicam força corintiana

Leia o post original por Perrone

Desacreditado no começo do ano, campeão paulista meses depois e time que terminou a quinta rodada do Brasileirão na liderança. Como explicar a força da atual equipe do Corinthians? Abaixo, seis pontos que explicam a boa fase alvinegra na opinião deste blogueiro.

1 – Padrão de jogo

O novato Fábio Carille implantou um sistema de jogo eficiente e fácil de ser assimilado pelos jogadores. Esse padrão facilita a entrada de quem vem do banco de reservas. Os substitutos se encaixam sem muito sofrimento. Foi o que aconteceu na vitória contra o Vasco, por 5 a 2, no Rio de Janeiro, apesar de desfalques como os de Rodriguinho, Fágner e Romero.

2 – Bom visitante

Desde o campeonato estadual, o Corinthians se acostumou a jogar fora de casa em busca da vitória. Assim, os triunfos contra Vasco, Atlético-GO e Vitória não podem ser considerados surpreendentes.

3 – Força individual

Não é só o poder de seu jogo coletivo que empurra o Corinthians, mas contar com jogadores que têm desequilibrado, mesmo sem serem tão badalados, também ajuda a explicar a posição do time de Carille na tabela. São os casos do lateral Arana e do meia Rodriguinho.

4 – Recuperação

Atletas que vinham de rendimentos pouco animadores e deram a volta por cima colaboram para o bom momento corintiano. Bons exemplos são Cássio, vindo de temporada irregular no ano passado, e Jô, que chegou desacreditado após um período sem clube.

5 – Descanso

Fora da Libertadores, eliminado da Copa do Brasil e sem jogar pela Copa Sul-Americana desde 10 de maio, o Corinthians tem mais tempo para descansar do que outros rivais que iniciaram o Brasileirão na condição de favoritos ao título, como o Palmeiras, envolvido na Copa do Brasil e na principal competição continental.

6 – Preparo físico

A boa preparação física dos corintianos permite com que os atletas sigam fielmente o plano de jogo de Carille, com todos voltando para marcar e explorando rápidos contra-ataques a fim de surpreender os adversários.

Sem muita “frescura” Carille vem realizando excelente trabalho no Corinthians.

Leia o post original por Nilson Cesar

Muitos afirmam que o Corinthians não têm elenco para conquistar o campeonato brasileiro. Sinceramente não entro nesse time. Acho que o Corinthians pode sim brigar pelo título brasileiro nesta temporada de 2017. Tem um bom time e se conseguir mais 3 ou 4 peças de reposição pode brigar pela ponta até o final da competição. O fato de não estar  disputando Libertadores da América também pode ser um fator positivo em se tratando de conquista do título do Brasileirão. Não vejo nenhum “bicho  papão”. Claro que só estamos no começo da competição, mas o Corinthians tem também um treinador que sem muita “frescura” ,vem realizando o seu trabalho de maneira muito positiva.Parabéns ao Carille, para todo grupo de jogadores do Corinthians . Não será fácil derrotar o Corinthians nesta competição. Os adversários sabem muito bem disso.