Arquivo da categoria: brasília

Um por todos…

Leia o post original por Rica Perrone

Talvez pela ansiedade, talvez pela carga da obrigação de vencer bem. Talvez pela expectativa criada na “magia” do trio de ataque. Seja lá qual for o motivo, a seleção jogou uma partida impressionantemente igual hoje. Repetiu do primeiro ao último minuto as mesmas tentativas esperando que uma hora desse certo. E daria, é verdade. Gabriel …

Não fosse o placar…

Leia o post original por Rica Perrone

Nada é mais mentiroso num esporte do que placar de uma partida de futebol. Ele ignora tudo que de fato aconteceu e nos devolve uma avaliação que nos faz sermos apaixonados exatamente pela falta de lógica dele. Veja você.  O Flamengo, que tem menos qualidade técnica individual do que o SPFC, deu 31 chutes a …

Como tem que ser

Leia o post original por Rica Perrone

Se você me pedir a fórmula de um grande clássico eu citaria boa parte do jogo desta noite como “receita”. Do empurra empurra a polêmica não expulsão. Da burra cotovelada ao beliscão nos mamilos.  Dos gols perdidos, dos gols marcados e por quem foram marcados. Clássico que é clássico não tem mandante. Clássico que é …

“Praticamente”

Leia o post original por Rica Perrone

O Fluminense tropeçou na primeira rodada da Liga em casa diante do Atlético PR. Ali, com o Cruzeiro pela frente em pleno Mineirão, jogando mal e ensaiando crise, o Fluminense estava “praticamente” eliminado na primeira fase. A vitória no Mineirão na única grande noite do clube na temporada até aqui. Depois disso mais jogos ruins …

Má fé, vontade ou capacidade?

Leia o post original por Rica Perrone

Basta uma frase para que seja aberta a caça as bruxas no futebol brasileiro. As vezes as bruxas merecem, outras não.  Neste caso, simples como uma página de regulamento, o auê é mera preguiça de informar direito ou vontade de ver o circo pegar fogo. O Flamengo PODE fazer todos os seus jogos em Brasília …

2×1 foi pouco

Leia o post original por Rica Perrone

Usarei aquela frase irritante sobre os “7×1” para o clássico deste domingo. Não porque tenha acontecido um baile ou qualquer coisa do tipo, mas porque a soma dos méritos pela vitória e do quanto o Flu mereceu perder me fazem chegar a essa conclusão. Se havia uma coisa que deixaria o jogo do jeito que …

MP do futebol: A lei feita para não pegar

Leia o post original por Quartarollo

Populismo, demagogia barata, são termos que podem ser considerados nessa MP do Futebol aprovada a toque de caixa no Senado na última segunda feira e que corre risco de ser vetada pela presidenta Dilma.

A dívida do futebol é de 4 bilhões de reais e perfeitamente pagável se analisarmos o que os clubes arrecadam por ano.

O Corinthians já fez o seu refinanciamento e está pagando em dia. Outros clubes também entraram no chamado Refis e não precisaram dessa nova lei para organizar o atrasado.

Várias empresas do Brasil fazem o mesmo e conseguem assim se estabilizar e pagar as dívidas com o governo federal, estadual e municipal.

Mas para o futebol inventaram uma nova lei. É que o principal esporte do país dá manchete para um monte de gente que devia se preocupar em fazer cumprir as leis que já existem e não fingir que estão preocupados com o que na verdade dizem conhecer.

A MP do futebol não vai pegar. Ela depende da adesão dos clubes para valer de verdade.

Se não aderir, o clube está fora do alcance da lei. É o feito para não fazer.

Eu lhe pergunto porque um presidente de um clube endividado vai aderir e correr esses riscos de perder pontos, ficar fora de campeonatos, ver seu time rebaixado?

Ele simplesmente deixará como está até porque pode seguir por outros caminhos e tentar quitar sua dívida.

A lei se mete em coisas que não lhe dizem respeito como por exemplo a reeleição dos dirigentes.

Isso não tem nada a ver com a dívida. É o problema do sócio que vota no presidente e que pode alterar o estatuto do clube.

O mais irônico é que o pessoal que votou esse artigo é o mesmo que vive da política se elegendo em campanhas seguidas para deputado e senador lá em Brasília.

Deveria valer para eles também, seria salutar e mais honesto, diga-se de passagem.

Se um clube quer perpetuar o presidente é problema dele, não meu e não mexe com a minha vida, mas se um bando de politiqueiros se elege por várias eleições é problema meu porque esses é que mexem com a vida do país e por consequência com a minha vida.

Que todo clube que aderir a lei tem que dar uma contrapartida, é natural. Mas querer se meter na vida dos clubes é demais. Na verdade é até inconstitucional.

Outra coisa é obrigar os clubes a destinarem parte do ingresso com preços mais baratos.

Não há controle de preço no país e ninguém é obrigado a vender nada mais barato porque um bando de políticos pensa que assim está ajudando o povo.

Na verdade eles estão apenas atendendo apelo das nefastas torcidas organizadas que não fazem nenhuma falta ao futebol.

São antros de violência e só atrapalham o futebol afastando o bom torcedor do estádio.

Os políticos que lutem para baratear a comida já que nós somos um dos maiores produtores de alimentos do mundo.

Futebol não enche barriga de torcedor e não é de primeira necessidade. Se não der para ir, não vai morrer por causa disso.

Aliás é indo que às vezes morre por causa da violência que diziam seria combatida por outra lei que não produz efeito nenhum que é o Estatuto do Torcedor.

Pela nova redação da MP do futebol, os clubes teriam 20 anos para pagar as dívidas. Justo, se deve tem que pagar.

Nós cansamos de ouvir que o governo em todos os seus níveis faz esse tipo de acordo para receber atrasados porque só o futebol não pode fazer?

Ah, mas eles querem o perdão da dívida. Renegociar a dívida não é perdoar, é equacionar o problema e tentar receber de alguma forma.

Do jeito que está a dívida só irá aumentar e ninguém vai receber nada. É melhor resolver enquanto é tempo e aquele sofrerá sanções econômicas e até técnicas nos Campeonatos. É justo.

Já há lei para tudo isso. E o que tem de demagogo fazendo discurso a respeito é uma grandeza.

São os mesmos que aceitaram a tese que os jogadores devem votar nas eleições para as federações e para a CBF.

Por que não também para as eleições nos clubes? Só faltou essa.

Isso é muito bonitinho, parece democracia plena, mas não é. Uma entidade tem seus sócios e a eles, gostem ou não, é que responde diretamente.

Lembram-se de outra grande bobagem quando alguns “intelectuais esportivos” diziam que o povo devia escolher o técnico da Seleção Brasileira?

E desde quando o nosso povo sabe votar? Não vota bem nas eleições que nos interessam muito mais que a Seleção?

E desde quando jogador de futebol sabe administrar alguma coisa?

Há exceções, é claro, mas a maioria não sabe nem organizar sua própria vida.

Menos gente, menos. E menos leis e mais cumprimento das leis que já existem e que servem para solucionar várias situações sem precisar perder tempo com os políticos profissionais.

Mas tem gente que ainda acredita neles.

Fazer o quê?

 

 

 

Kaká só melhorou o São Paulo e custa barato

Leia o post original por Quartarollo

Grande vitória do São Paulo, em Brasília, consolidou a recuperação do time no Brasileiro e o coloca como principal perseguidor do Cruzeiro, que no entanto ainda terá o Bahia hoje e deve vencer. O jogo hoje será em Belo Horizonte, … Continuar lendo