Arquivo da categoria: Campeonato Paulista

Direção corintiana é cobrada para explicar em conselhos impostos não pagos

Leia o post original por Perrone

Colaborou Dassler Marques, do UOL em São Paulo

A diretoria do Corinthians deverá ser cobrada nos conselhos de Orientação (Cori) e Deliberativo (CD) para explicar por que não pagou em dia cerca de 13 milhões em tributos federais. A inadimplência fez com que a Receita Federal notificasse o clube. Para quitar o débito e evitar maiores problemas a direção vai usar receita referente às cotas de TV do Campeonato Paulista de 2018, o que gera mais polêmica interna.

O não pagamento foi identificado pelo sistema de controle da receita em relação aos times que refinanciaram suas dívidas fiscais pelo Profut. A lei exclui do parcelamento agremiações que deixarem de pagar três prestações. Isso também contribui para a pressão dos conselheiros sobre a diretoria.

Membros do Cori querem que a direção explique ao órgão os motivos para o atraso e detalhem a operação com a Federação Paulista envolvendo as receitas do Paulista de 2018. “Ainda não examinei o caso, mas claro que uma situação dessa magnitude precisa ser explicada ao Cori pela diretoria”, afirmou ao blog Osmar Basílio, presidente do Conselho de Orientação.

Em outra frente, integrantes da oposição estudam apresentar um requerimento para o Conselho Deliberativo também para que a direção detalhe o episódio.

Além do atraso no pagamento, existe a queixa do comprometimento de receita que seria recebida pela administração que vai suceder a de Roberto de Andrade no ano que vem sem consulta ao Cori e ao CD.

Porém, Emerson Piovezan, diretor financeiro alvinegro, alega que não houve antecipação de verba do próximo Estadual. Segundo ele informou à assessoria de imprensa corintiana, a FPF costuma liberar nessa época do ano quantia referente ao Estadual do ano seguinte. Por isso, ele entende que a operação não pode ser tratada como antecipação.

Opinião: quatro pontos em que Carille foi superior a rivais

Leia o post original por Perrone

Em seu primeiro trabalho como treinador, o corintiano Fábio Carille conquistou o campeonato paulista. Claro que não ganhou sozinho, além dos jogadores contou com a importante ajuda do assistente Osmar Loss. Óbvio também que ainda é um treinador em formação. Em termos de análise, é justo que se compare seu desempenho com os de colegas que comandaram os outros grandes do Estado na competição. Na opinião deste blogueiro, ele superou os rivais em pelo menos quatro fatores. Veja abaixo.

Defesa

Já na pré-temporada, Carille mostrou um sistema defensivo forte. Foi o primeiro setor da equipe arrumado por ele. O trabalho resultou no time menos vazado do Paulista com 11 gols sofridos. Novato como o corintiano, Rogério Ceni teve como sua maior dificuldade fazer o São Paulo tomar menos gols. O clube do Morumbi viu suas redes serem balançadas 20 vezes.

Organização tática

A equipe de Carille foi a mais organizada taticamente entre as quatro grandes. Baptista, Ceni e Dorival não conseguiram o mesmo equilíbrio entre ataque e defesa, nem eficiência tática semelhante à alcançada pelo corintiano.

Vestiário sob controle

Carille não enfrentou rebeldias de atletas e conviveu com um vestiário em paz. Cristian fez reclamações públicas, mas o alvo foi a diretoria. Já Eduardo Baptista, demitido na semana passada pelo Palmeiras, teve que tentar explicar que não havia crise entre alguns jogadores. Felipe Melo discutiu com Roger Guedes num treino. Borja se irritou ao ser substituído no segundo jogo contra a Ponte Preta pelas semifinais, e o treinador respondeu em entrevista dizendo que o atacante foi contratado a peso de ouro, mas não estava rendendo o esperado. Para conselheiros do clube, Baptista perdeu o controle do vestiário, e alguns atletas não corriam por ele.

Força fora de casa

Nas semifinais e na final, Carille fez o Corinthians jogar para vencer fora de casa. Mais do que isso. A postura foi de quem queria resolver o confronto já no primeiro duelo. Tanto que o alvinegro venceu o São Paulo no Morumbi por 2 a 0, e a Ponte Preta por 3 a 0 em Campinas. O Santos de Dorival Júnior não conseguiu mostrar no interior a mesma força que exibe na Vila Belmiro e perdeu da Ponte por 1 a 0. No Palmeiras, a apatia da equipe e a falta de poder de reação na derrota como visitante diante do alvinegro campineiro por 3 a 0 foram motivos que contribuíram para a demissão de Baptista.

Cambista cobra até cerca de 20 vezes mais por ingresso da final do Paulista

Leia o post original por Perrone

Cambistas pedem até cerca de 20 vezes mais do que o valor de face de ingressos para a partida deste domingo entre Corinthians e Ponte Preta pela final do Campeonato Paulista. É o caso do tíquete do setor sul, pelo qual um dos vendedores pedia durante a semana R$ 800. Com descontos para os sócios-torcedores mais assíduos, o mesmo bilhete custava R$ 40,50.

Neste sábado (6) a presença de cambistas na arena corintiana era pequena. Um deles oferecia ingressos das áreas sul e norte (R$ 32 com descontos) por R$ 600. E o comprador teria que retirar o bilhete com outra pessoa em frente ao Parque São Jorge.

Longe da arena, outro cambista, por telefone, oferecia bilhete do setor oeste superior por R$ 300. Na venda oficial, o mesmo ingresso valia de R$ 40,80 a  R$ 136, de acordo com o desconto.

Na partida de abertura da decisão, em Campinas, a pedida era de R$ 200 pela entrada de visitante, vendida oficialmente por R$ 80.

Vale lembrar que, apesar da falta de cerimônia dos cambistas, a prática é proibida.

Corinthians coloca as duas mãos na taça!

Leia o post original por Milton Neves

Ponte Preta 0 x 3 Corinthians

Contra o Santos e contra o Palmeiras, a Ponte Preta enfrentou times valentes, que jogam para frente, e se deu muito bem.

Agora, contra o Corinthians, que joga mais fechado que porta de submarino, a Macaca precisava de uma nova tática para conquistar o primeiro caneco de sua história.

Mas, no Moisés Lucarelli, Gilson Kleina mandou seus comandados para o ataque, e o resultado foi completamente desastroso!

Afinal, sejamos francos, só um milagre – e dos grandes – tira a taça do Parque São Jorge.

Mas, além de o esquema de jogo não ter encaixado contra o Timão, eu senti que os atletas da Macaca entraram meio que com as pernas bambas em campo, não é verdade?

Bom, mas méritos para Carille – que tira leite de pedra deste limitado elenco alvinegro -, para Jadson e para Rodriguinho – o grande nome da final!

Agora, é só esperar domingo e comemorar, corintianos.

O segundo jogo, no Itaquerão, será apenas para “cumprir tabela”.

Opine!

Como repetição da final de 1977 em SP explica mudanças no futebol do Brasil

Leia o post original por Perrone

Quarenta anos após a épica final do Campeonato Paulista de 1977, Corinthians e Ponte Pretafazem um reencontro na decisão do estadual marcado por diferenças que ajudam a entender o que aconteceu nas últimas quatro décadas com o futebol brasileiro. Confira abaixo.

Debandada de jovens talentos e força de empresários

Em 1977, a Ponte Preta chegou à final com vários destaques formados em casa e que fizeram história no clube, antes de vingarem em times maiores e até na seleção.

Em 2017, a Macaca tem entre seus principais nomes jogadores formados fora de Campinas. Alguns devem sair depois do Paulista, como Clayson, desejado pelo Corinthians, e Pottker, acertado com o Inter. Outro nome importante é o de Lucca, emprestado pelo adversário na final. O goleiro Aranha foi formado em casa, mas rodou antes de voltar ao time.

Na Ponte de 1977, Carlos, Oscar, Polozzi e Dicá, por exemplo, iniciaram a carreira profissional na Macaca e fizeram mais temporadas pela equipe depois de se destacarem no ano do vice-campeonato estadual.

A diferença entre passado e presente explica como os clubes brasileiros, não só os do interior, passaram a se desfazer de seus jovens talentosos muito cedo. Ninguém consegue segurar craque como há 40 anos.

O futebol ficou mais caro, o dinheiro rareou e os estrangeiros passaram a monitorar as promessas brasileiras desde cedo.

Tal situação costuma ser embalada por discussões acaloradas sobre o efeito que a Lei Pelé teve nos clubes brasileiros. Ela acabou com o passe, que ajudava os times a prender seus jogadores, deu lugar à multa contratual e valorizou o direito econômico, que passou a ser adquirido por empresários como joia. Eles ganharam poder diante dos clubes. Porém, agora estão proibidos de fazer essas aquisições por regras da Fifa. Muitos se associaram com times que mal jogam ou compraram agremiações para manter os rendimentos.

Local do último jogo explica de briga à Copa e Lava Jato

Em 1977, os três jogos da decisão foram no Morumbi. Na ocasião a Ponte topou atuar fora de Campinas por uma renda melhor. O alvinegro da capital não tinha estádio e a casa do São Paulo era adotada com naturalidade em grandes jogos. Agora serão dois confrontos. O primeiro será no Moisés Lucarelli e o segundo na Arena Corinthians.

A situação mudou porque a equipe paulistana, na gestão de Andrés Sanchez, entrou em rota de colisão com o São Paulo.

Como parte da briga, o então presidente corintiano trabalhou para tomar do Cícero Pompeu de Toledo o posto de favorito a palco de abertura da Copa de 2014 com a construção da arena corintiana.

No lançamento do projeto, o ex-presidente Lula foi ao Parque São Jorge fazer discurso como um dos mentores da obra. Agradeceu a Emílio Odebrecht por topar o negócio. Hoje, a história de como nasceu a Arena Corinthians está registrada nos volumosos arquivos da Lava Jato, maior operação de combate à corrupção no país. A investigação escancarou as relações inescrupulosas entre políticos e donos de construtoras.

Sanchez foi citado em delação premiada de Marcelo Odebrecht, segundo a Follha de S.Paulo, como recebedor de dinheiro de caixa 2 para sua campanha a deputado federal. Ele nega. Existem também registros em planilhas da Odebrecht que indicam suspeitas de pagamentos de propinas referentes à arena alvinegra, o que Andrés também diz não ter acontecido.

Sem invasão corintiana

Um ano antes da final lendária contra a Ponte, a Fiel protagonizou um dos maiores momentos de sua história ao invadir o Rio e dividir o Maracanã com a torcida do Fluminense na semifinal do Brasileirão de 1996.

 Isso não vai acontecer amanhã porque o procedimento de divisão de ingressos começou a mudar em 2009, quando Juvenal Juvêncio decidiu dar apenas 10% dos bilhetes disponíveis  para o Corinthians como visitante contra o São Paulo. “É uma tendência, é inexorável”, disse o presidente são-paulino na ocasião.

 A decisão gerou a reação corintiana de não jogar mais no Morumbi (citada acima) e com o tempo se tornou regra no país. Para a partida de abertura da final, a diretoria da Ponte diz ter cedido 2.200 ingressos aos adversários por receber a mesma carga para a finalíssima na Arena Corinthians.

Decadência de técnicos experientes

Quando Corinthians e Ponte Preta se enfrentaram em 1977, no comando do time da capital estava o veterano Osvaldo Brandão. Havia sido com ele o último título conquistado pelo Corinthians, o Paulista de 1954. O treinador retornou ao Parque São Jorge e tirou o clube da fila.

Em 2017, quem segura a prancheta corintiana é Fábio Carille, que disputa sua primeira temporada desde o início como técnico de um time profissional.

 A presença do novato explica o que aconteceu com parte dos treinadores mais experientes do Brasil nos últimos anos. Eles perderam prestígio, principalmente após a derrota por 7 a 1 da seleção para a Alemanha na Copa de 2014 com Felipão no comando.

 Os mais antigos ficaram com rótulo de desatualizados e perderam espaço para jovens com salários mais baixos e pinta de atualizados, como Jair Ventura (Botafogo), Rogério Ceni (São Paulo) e Zé Ricardo (Flamengo). Virou moda técnico brasileiro visitar clube europeu e se esforçar para mostrar ser moderno.

Mecenas

Há 40 anos, a Ponte tinha um dos times mais fortes do País. Sua trajetória de 1977 para cá simboliza em parte o que aconteceu com a maioria dos clubes do interior do país. A Macaca quase faliu e foi rebaixada até no Campeonato Paulista.

A recuperação dela também indica o modo de sobrevivência de muita equipe de menor porte: a ajuda de um mecenas. Sérgio Carnielli, no caso da Ponte.

De acordo com a Folha de S.Paulo, o clube deve R$ 102 milhões para ele, que é presidente de honra. E não são só os times menores que recorrem à ajuda de endinheirados apaixonados. Paulo Nobre chegou a colocar no Palmeiras R$ 180 milhões enquanto era presidente do clube. O caminhão de dinheiro foi fundamental para recolocar o alviverde no topo do futebol.  A dívida com ele hoje é de cerca de R$ 60 milhões.

Ponte destrói o salto alto palmeirense!

Leia o post original por Milton Neves

Ponte Preta 3 x 0 Palmeiras

A melhor definição do que realmente foi o jogo saiu da boca do sempre sincero Felipe Melo, no intervalo da partida: “A Ponte comeu a gente”.

Só que eu diria mais: a Macaca devorou, trucidou e massacrou o Palmeiras em Campinas.

E a humilhação acaba sendo ainda maior se você comparar quanto cada diretoria investiu para a temporada.

Méritos para Gilson Kleina, que voltou ao comando técnico da Ponte Preta no mês passado e transformou a Macaca em um gorila furioso e faminto.

Já Eduardo Baptista, pelo visto, conhece o time campineiro do mesmo jeito que Dante conhecia os alemães…

Além de Kleina, destaco também como grandes nomes desta goleada Fernando Bob, Clayson e o “corintiano” William Pottker.

Pottker que sofreu escandaloso pênalti não assinalado pela arbitragem no final da partida.

E, pouco antes, Mina meteu a mão na bola após cruzamento na área, e o árbitro também não marcou a penalidade

Ou seja, não fosse pelo apito, o vexame palmeirense teria sido ainda maior!

Bom, agora, o Palmeiras, pelo time que possui, claro que tem condições de reverter o resultado em São Paulo.

Mas, convenhamos, é improvável!

E os são-paulinos que me desculpem, mas se a Macaca confirmar a classificação para a final, eu quero que o Timão passe pelo Tricolor.

Seria maravilhoso ver a Ponte se vingar do Corinthians exatamente 40 anos depois do escândalo de 77.

Opine!

Corinthians conta com avanço em mata-mata para compensar público na arena

Leia o post original por Perrone

O Corinthians viu sua média de público pagante como mandante na primeira fase do Paulistão cair de 28.939 por jogo em 2016 para 20.935,3 na atual temporada, de acordo com os boletins financeiros dos jogos.

A renda bruta (sem descontar as despesas) média em casa desceu de R$ 1.503.254,18 para R$ 991.215.83.

Contra o Novorizontino, pela primeira fase do Paulista atual, a Arena Corinthians registrou o pior público da sua história em jogos do time profissional: 11.708 pagantes. A marca representa pouco mais da metade da menor presença de torcedores na casa alvinegra na etapa de grupos do Estadual do ano passado. Ela foi de 22.029 pagantes diante da Ponte Preta.

 Em 2017, apenas em duas das seis partidas da primeira fase do Paulista o público foi superior a 19 mil pessoas. Isso só aconteceu nos clássicos contra Palmeiras (30.727 pagantes) e Santos (36.111 torcedores). Na temporada anterior, a marca dos 30 mil pagantes na arena foi superada contra XV de Piracicaba, Linense, São Paulo e Novorizontino. Ou seja, na metade das atuações em Itaquera na etapa inicial.

Diante da queda demonstrada pelas comparações, o discurso corintiano não é de preocupação por enquanto. A expectativa é de que o clube siga avançando no Paulista e na Copa do Brasil para compensar públicos considerados fracos.

“Como venho informando há anos, o Corinthians trabalha na questão da venda de ingressos se planejando para uma temporada, não para um jogo. Precisamos esperar a temporada acabar para avaliar nosso desempenho”, afirmou Lúcio Blanco, gerente de operações da Arena Corinthians.

Indagado sobre quais as médias de público e renda projetadas pelo clube para a atual temporada, ele afirmou que os números não podem ser divulgadas.

Não custa lembrar que as rendas dos jogos são importantes para o pagamento da dívida pela construção do estádio.

Novorizontino perde para o Verdão, mas prova que jogar em casa faz diferença, sim!

Leia o post original por Milton Neves

Novorizontino 1 x 3 Palmeiras

Disparado, foi o melhor jogo da fase quartas de final do Paulistão até aqui.

Disputado, corrido, polêmico, com muitos gols, com virada no placar…

E, claro, com a torcida do Novorizontino empurrando o time no Estádio Jorge Ismael de Biasi.

Com a força de seus torcedores, o time da casa vendeu muito caro a derrota para o todo poderoso Palmeiras.

Viu só, Linense, como jogar em seus domínios (ou pelo menos em um estádio que não seja o do seu adversário) faz MUITA diferença?

Mas, sejamos francos, a classificação do Verdão para a semifinal está praticamente selada.

Afinal, um tropeço alviverde no Pacaembu (o Allianz Parque está recebendo shows) seria uma das maiores zebras da história da bola!

Não é verdade?

Opine!

Opinião: FPF mata o Paulistinha ao beneficiar São Paulo com 2 jogos em casa

Leia o post original por Perrone

A Federação Paulista matou a credibilidade de seu principal campeonato ao beneficiar o São Paulo com dois jogos no Morumbi contra o Linense nas quartas de final do Estadual.

Inversão de mando é uma das práticas mais condenáveis no esporte. Já aconteceu antes no Paulista e foi repugnante​ te do mesmo jeito.

E se um ou mais dos outros três grandes apanharem no interior e acabarem eliminados? Será justo se isso acontecer e o São Paulo passar para as semifinais?

Caso os quatro principais clubes paulistas se classifiquem será certo o São Paulo ter o desgaste de uma partida fora de casa a menos?

O equilíbrio da competição foi aniquilado.

Pior será se os outros seis times vivos no campeonato não protestarem.

Se o Linense quer ganhar mais dinheiro que procure um estádio maior fora da capital. O clube não possui uma casa em condições de receber o jogo? Então, deveria ter sido barrado do campeonato.

Só não poderia dar um mando de presente pro São Paulo em troca de dinheiro. É um gesto ético favorecer seu concorrente e ainda botar uma grana no bolso? Na minha opinião não é.

A FPF tinha a obrigação de impedir isso, mas preferiu tratar o campeonato como um torneio interno de colégio. Até intercolegial costuma ter mais cuidado com mandos de jogos.

 

 

Desde que vença, tudo bem

Leia o post original por Odir Cunha

preto no branco - filme
Ontem à noite, no Cine Belas Artes, aconteceu a pré-estreia do filme Preto no Branco, o Clássico do Século, que com belas imagens e uma edição fantástica conta a história do grande jogo Santos e Corinthians. Participei do filme, assim como o historiador Plínio, do Corinthians, o conselheiro santista Carlos Cunha, e outros. Uma ideia genial do diretor Kim Teixeira, que na foto é o que aparece de pé, bem no centro. Em outro post falarei mais desse filme produzido pela Limonada Suíça, com coprodução da Canal Azul, pois mistura as artes populares do rap e do futebol de uma maneira harmoniosa, envolvente e emocionante. Saí de lá com a certeza de que podemos ser rivais, sim, mas sem ser inimigos, que um complementa o outro, que assim como o Corinthians é importante para o Santos, o Santos é essencial para o Corinthians. Preto no Branco, Branco no Preto. Se puder, assista. Você vai gostar.


Participação especial dos rappers Ice Dee, Xis, Criminal D e Fernandinho Beat Box, alvinegros da Vila e do Parque, que se misturam para cantar a história desse embate, em clima de paz e bom humor.

Desde que vença, tudo bem

Mesmo sem seis titulares, poupados pelo técnico Dorival Junior, é aconselhável que o Santos vença o Novo Horizonte hoje, às 21h45, na Vila Belmiro, para ter a vantagem de fazer o segundo jogo das quartas de final em casa e criar possibilidades de também jogar a segunda partida da semifinal diante de seus torcedores.

Com os mesmos 19 pontos da Ponte Preta, o Santos terminará essa fase atrás da rival caso esta vença o Palmeiras, em Campinas, e o Santos não consiga o mesmo diante do Novo Horizontino. A lógica indica que o Santos vencerá, e a Ponte, mais enfraquecida este ano, alcance no máximo o empate. Porém, para não depender de outros resultados, o Alvinegro Praiano precisa mesmo é da vitória.

Sem Victor Ferraz, David Braz, Lucas Veríssimo,Renato, Lucas Lima e Ricardo Oliveira, Dorival deve escalar o time com Vanderlei, Matheus Ribeiro, Cleber, Yuri e Zeca; Thiago Maia, Leandro Donizete e Vitor Bueno; Copete, Kayke e Vladimir Hernández.

As dúvidas que devem afligir a muitos santistas são:

Se Yuri é um quebra-galho na zaga, por que não escalar o argentino Fabián Noguera? E se a ideia é não colocar mais o gringo para jogar, por que relacioná-lo para o jogo?

Se o goleiro João Paulo é o terceiro reserva, por que não foi ao menos relacionado? Caso não haja nenhuma confiança no rapaz, por que mantê-lo no elenco?

Se Jean Mota e Rafael Longuine se saíram bem na última vez em que entraram no time, por que não podem começar o jogo agora?

Por que o Santos precisará de dois volantes – Leandro Donizete e Thiago Maia – contra um time que, previsivelmente, irá à Vila Belmiro para se defender? Isso não é queimar uma substituição logo de cara?

Não seria melhor colocar LD ou TM e depois substituir um pelo outro?
Pelo que foi pago por seu passe, Kayke tem de jogar, claro, mas a verdade é que o torcedor quer ver mesmo o jovem atacante Arthur Gomes.

Os atacantes Rodrigão, com inflamação no pé direito, e Bruno Henrique, gripado, estão fora do jogo. Thiago Ribeiro está relacionado.

O Novo Horizontino, que já está classificado e nas quartas enfrentará o Palmeiras, deverá ser escalado pelo técnico Silas Pereira com Michael, Moacir, Domingues, Diego Sacoman e Igor; Doriva, Jéci (ou Caíque) e Fernando Gabriel; Cléo Siva, Everaldo e Roberto. A arbitragem será de Salim Fende Chavez, auxiliado por Risser Jarussi Corrêa e Vitor Carmona, todos de São Paulo.

Creio que a possibilidade de o Corinthians não vencer o Linense, no Itaquerão, é pequena, mas o time de Lins vem jogando bem e caso consiga ao menos o empate hoje poderá ajudar o Santos a se tornar o time com a segunda melhor campanha na competição, posição que, se for mantida com os jogos das quartas, dará ao Alvinegro Praiano a vantagem – nada desprezível – de fazer o segundo jogo da semifinal também em casa.

Uma particularidade que ajudou o Santos em quase todas as campanhas que o levaram às finais dos oito mais recentes Campeonatos Paulistas foi jogar os jogos decisivos em casa. Este ano ele tem, até agora, apenas a terceira campanha, o que o faria decidir a vaga para a final no campo do adversário caso a situação não seja mudada nos próximos três jogos. Porém, como os pontos das diversas fases são cumulativos, vitórias hoje, diante do Novo Horizontino, e contra a Ponte Preta, nas quartas, podem devolver-lhe essa vantagem. Torçamos.

E você, o que acha disso?

A história do Santos em PDFs a preços simbólicos

DonosdaTerraNa Raça!Ser Santista

Diante de constantes pedidos de livros já esgotados em papel, como Donos da Terra, Na Raça, Ser Santista e Pedrinho escolheu um time, o blog está oferecendo cópias em PDF dessas obras por apenas R$ 4,50 (quatro reais e cinquenta centavos). O PDF é enviado pelo e-mail que o comprador designar no endereço para a entrega.

Clique aqui para comprar o PDF do livro “Donos da Terra” por apenas R$ 4,50

A seguir, apresento um artigo de um notável historiador do Esporte Clube Bahia. O amigo Antônio Matos, jornalista e delegado de Polícia, que está finalizando o livro ‘Heróis de 59’, sobre a conquista pelo Bahia da I Taça Brasil, escreve sobre dois ídolos esquecidos do grande Tricolor Baiano.

HENRIQUE E CARIOCA, DOIS ÍDOLOS ESQUECIDOS DO BAHIA
Por Antônio Matos*

Meio desengonçado nos seus quase dois metros, o zagueiro de área Henrique, revelação do campeonato carioca de 1956 pela Associação Atlética Portuguesa, chegou a Salvador em janeiro de 1957, juntamente com o volante Joe, também da Portuguesa, por indicação do treinador Lourival Lorenzi, o ‘Mariposa’.

Vestiu a camisa três do Bahia por quase 10 anos e em 405 jogos. Foi campeão brasileiro de 1959, vice em 1961 e 1963 e conquistou os títulos estaduais de 1958, 1959, 1960, 1961 e 1962, no primeiro pentacampeonato do clube.

O ‘Gigante de ébano’, apelido cunhado pelo consagrado radialista baiano Carlos Lima, numa referência a cor e ao seu tamanho, era quase imbatível pelo alto e tinha um bom desarme no chão. Nascido em 30 de agosto de 1933, o carioca Henricão se distinguia pela lealdade, jamais utilizando o porte físico para intimidar os adversários.

Para que os torcedores mais novos tenham ideia de quem se tratava, ele lembrava, por ser negro e alto e pelos poucos recursos técnicos que dispunha, os também zagueiros tricolores Advaldo, o ‘NBA’ (1994), e Rafael Donato (2012/2013). Possuia, entretanto, uma garra incomum e um futebol melhor do que os dois juntos.

Na I Taça Brasil, machucado e afastado dos gramados por mais de 70 dias, só entrou no time a partir do primeiro jogo contra o Sport, na Fonte Nova. Na partida decisiva contra os pernambucanos, foi um dos destaques, marcando implacavelmente o perigoso centroavante Osvaldo, artilheiro do Sport, com quatro gols, nos dois primeiros compromissos diante do Bahia.

Formou dupla de zaga com inúmeros companheiros dos mais diversos estilos, a exemplo de Bacamarte, do lendário Juvenal Amarijo, Vicente, Pinheiro, Russo, Gonzaga, Ivan, Pepeu, Hílton, Thiago, Dario e até com a então jovem promessa Roberto Rebouças.

Sob o comando do folclórico treinador Pedrinho Rodrigues, atuou pela Seleção Brasileira, representada por jogadores em atividade no futebol baiano, contra o Chile, em 1957, pela segunda edição da Taça Bernardo O’Higgins. Ficou no primeiro jogo na reserva de Valder, do Fluminense de Feira, substituindo-o no decorrer da partida. No segundo compromisso, já era titular.

Sofrendo de Alzheimer, Henricão atualmente mora no Rio, para onde retornou em maio de 1967, após encerrar a carreira em meio a um sério desentendimento com o presidente Osório Villas-Boas.

Embora mineiro de Ponte Nova, José Paulo de Souza, ponta esquerda inteligente e driblador, era conhecido como Carioca. Participou dos dois primeiros jogos (Bahia 5 x CSA 0, no Mutange, e Bahia 2 x CSA 0, na Fonte Nova) na campanha do time baiano na Taça Brasil de 1959 e foi dele, aos 20 minutos do segundo tempo, o terceiro gol no chocolate aplicado à equipe alagoana, em Maceió.

Revelado pelo Sete de Setembro (Belo Horizonte) e com apenas 22 anos, teve, em maio de 1959, o passe adquirido a peso de ouro ao Cruzeiro.
Uma memorável partida, com direito a ‘baile’ no marcador Leone, num jogo diante do Bahia em Salvador, foi o suficiente para os dirigentes baianos abrirem o cofre e desembolsassem Cr$ 250 mil: Cr$ 150 mil à vista e Cr$ 100 mil equivalentes a renda de um amistoso com o próprio Cruzeiro, na Fonte Nova.

Carioca chegava para ser titular da extrema esquerda, mas uma discussão com o dirigente Benedito Borges mudou seu destino. Transtornado, alegando saudades da família e doença da mulher, voltou – por conta própria e com apenas quatro meses de clube – para Belo Horizonte.

Como a legislação esportiva da época, lastreada em conservadoras resoluções da Confederação Nacional de Desportos (CND), era muito pouco protetiva para os jogadores, o jovem rebelde Carioca teve o contrato suspenso e jamais conseguiu o atestado liberatório.

O Bahia exigia que ele devolvesse os Cr$ 100 mil que recebera de luvas e, como isto não aconteceu, foi obrigado a encerrar precocemente as atividades profissionais como atleta.

Filho de um motorista de táxi e com muito tino comercial, teve um restaurante na capital mineira, chamado ‘Recanto da Bahia’, com a cozinha dirigida por pessoas recrutadas em Salvador. Em seguida, esteve à frente de postos de gasolina e, também ligado a setor hoteleiro, chegou a comandar uma rede de motéis.

Embora com um agressivo glaucoma, que lhe reduziu bastante a visão, continuou trabalhando até que um câncer de pâncreas lhe tirou a vida em junho de 2015.

Dentre outras coisas, os filhos de Henricão se queixam que ele, ainda lúcido, não foi convidado para participar do filme ‘Bahêa Minha Vida’, que registrou depoimentos de Nadinho, Leone, Vicente, Marito e Léo, seus companheiros de jornada na I Taça Brasil.

Apesar de apenas dois jogos e de um gol naquela competição, Carioca legitimamente sempre reivindicou o título nacional. Reclamava de ser esquecido nas diversas comemorações promovidas pela conquista da TB/59 e lastimava não ter uma foto sequer com a camisa tricolor. “O Bahia vem, pelo menos, uma vez por ano a BH e ninguém me procura. Acho que o pessoal pensa que eu não integrei aquele elenco campeão”, lamentava.

Hoje, 29 de março de 2017, faz 57 anos em que o capitão Beto levantou, no Maracanã, o troféu de campeão brasileiro de 1959, após uma indiscutível vitória do Bahia sobre o Santos, por 3 x 1. Em relação a Carioca isto já não é mais possível, mas ainda é tempo de se homenagear em vida Henrique.

*Antônio Matos, jornalista e delegado de Polícia, está finalizando o livro ‘Heróis de 59’, sobre a conquista pelo Bahia da I Taça Brasil.