Arquivo da categoria: chelsea

PSG 2 x 1 Chelsea

Leia o post original por Mauro Beting

Organização tática das equipes para a primeira etapa. (TacticalPad)

Organização tática das equipes para a primeira etapa. (TacticalPad)

ESCREVE DANIEL BARUD —- @BarudDaniel

O já tradicional duelo entre PSG e Chelsea em mata-mata de Champions League teve mais um capítulo iniciado ontem. No Parque dos Príncipes, o time de Laurent Blanc enfrentou os comandados por Guus Hiddink, tentando não sofrer gols em casa para encaminhar uma possível classificação.

A equipe francesa começou em cima, pressionando, sufocando o Chelsea, compacto, duas linhas. D. Costa e Willian na frente. Muita movimentação e jogadas pelo flanco esquerdo de ataque, com Lucas indo em profundidade. Triângulações pelo franco esquerdo, com Maxwell, Matuidi e Lucas. Marcação alta, pressionando no campo de ataque. Ibra se movimentava bastante, saía da área, abrindo espaços para infiltrações de Di María e Lucas, os pontas parisienses.

 

Flagrante do 4-4-2 inglês, com Willian e Diego Costa na frente. Note, que no ataque parisiense, Ibra não está alinhado entre os zagueiros. Ele se encontra alinhado ao lateral esquerdo, abrindo espaços para infiltrações dos pontas Lucas e Di Maria. (Reprodução: Esporte Interativo MAX)

Após os 20 primeiros minutos, o Chelsea começou a sair, equilibrando o jogo. Diego Costa quase abriu o placar, em cabeçada, após cruzamento vindo da esquerda. Kevin Trapp salvou de mão trocada.

O jogo era aberto, equilibrado, ambas as equipes tentando criar chances. Com o Chelsea mais no campo de ataque. Até que Obi Mikel cometeu falta em Lucas na entrada da área. Ibrahimovic cobrou, a bola desviou no próprio africano, que cometeu a falta, e não deu chances para Courtois. PSG 1 a 0.

O Chelsea se manteve no ataque, tentando o empate. O PSG se fechou, tentou compactar as linhas, mas sofreu o gol de empate no último minuto da primeira etapa. Após cobrança de escanteio de Willian, Obi Mikel dominou na pequena área e fuzilou. 1 a 1.

Primeiro tempo justo. Domínio territorial inicial dos franceses, que perdeu força e foi equilibrado pelos ingleses. Em jogadas de bola parada, 1 a 1 ficou de bom tamanho.

A segunda etapa começou corrida, com as duas equipes querendo ampliar o placar. O PSG sempre buscando Ibrahimovic na área e o Chelsea visando a velocidade de Hazard e Diego Costa.

O PSG começou a adiantar suas linhas, com uma postura ofensiva, pois o gol fora de casa, dava a vantagem do empate por 0 a 0 aos ingleses. Tentando chutes de área, com defesas de Courtois, falhas na finalização. Só pressão do PSG. Ivanovic e Cahill salvava os Blues. Pedro cometeu falta em Hazzard na entrada da área que Di Maria cobrou e Courtois fez grande defesa.

Cavani entrou no lugar de Lucas. Ataque total parisiense. Oscar também entrou no lugar de Hazard. Ele foi lançado no campo de ataque, mas não conseguiu chegar na bola.

O Chelsea parecia feliz com o 1 a 1. Até que, faltando 10 minutos para terminar, Di María centralizou e lançou para Cavani, que bateu firme, rasteiro no canto esquerdo do goleiro belga do Chelsea. PSG 2 a 1.

O PSG tentou ampliar, pressionou, em vão. O Chelsea estava satisfeito com o placar, afinal, uma vitória inglesa por 1 a 0 os classifica para a próxima fase.

Vale lembrar que, na temporada 13/14, o PSG venceu em casa por 3 a 1 e perdeu em Londres por 2 a 0. Portanto, o gol fora de casa, pelo menos para o Chelsea, vale MUITO. Resta saber o que acontecerá em Stamford Bridge, no dia 9 de Março.

ESCREVEU DANIEL BARUD — @BarudDaniel

Ótimo negócio para Pato e Corinthians

Leia o post original por Antero Greco

Muito tempo atrás fez sucesso uma música que dizia algo como “Jogue suas mãos para o céu e agradeça etc., etc.” Pois bem, a canção se encaixa para a situação atual de Pato. O moço andava escanteado no Corinthians, à margem dos demais, sem rumo e agora arruma as malas e bate asas para a Inglaterra. O Chelsea topou tê-lo por empréstimo até o meio do ano.

O negócio é uma dádiva, para o jogador e para o campeão brasileiro. Para Pato significa ficar em vitrine de luxo, num mercado em que não falta grana. Para o Corinthians, a nova saída representará economia de uns 5 milhões de reais, nada mal para quem anda com as finanças curtas.

E para o Chelsea? Será que foi um bom negócio? Daí é outra história. O técnico Guus Hiddink não deu pulos de alegria com o “reforço”.

Mas também nem adianta chiar, porque a transação veio de cima e o holandês sabe que, em princípio, fica no cargo só até o final da temporada. Depois, vem substituto.

Melhor ficar quieto e ver se o moço se mostra alternativa útil. Se não der certo, paciência e devolva-se à origem. O Chelsea não lamentará o gasto, já que dinheiro não é problema para o russo Abramovic. Ele já torrou tanta grana que o investimento em Pato não passa de troco.

Fim da novela: por empréstimo, Pato jogará em 2016 pelo Chelsea! A milionária contratação do atacante pelo Corinthians foi o maior mico da história do futebol brasileiro?

Leia o post original por Milton Neves

pato che

Chegou ao fim uma das novelas mais chatas da história do futebol brasileiro.

Enfim, Chelsea e Corinthians entraram em um acordo e, por empréstimo, Alexandre Pato reforçará o time inglês até julho de 2016.

Com isso, o Timão ainda não conseguiu recuperar o valor milionário (R$ 40,5 milhões) que gastou para contratá-lo, em 2013.

Mas, só de salários, economizará quase R$ 5 milhões.

Já é alguma coisa, né?

E vale lembrar ainda que emprestando o jogador ao São Paulo, o Alvinegro recebeu o meia Jadson, que além de ter jogado muita bola, rendeu R$ 6,3 milhões ao Timão com sua venda para a China.

Levando em consideração tudo isso, responda: a milionária contratação de Alexandre Pato pelo Corinthians foi o maior mico da história do futebol brasileiro?

Opine!

Passado de lesões faz Pato enfrentar desconfiança de torcedores do Chelsea

Leia o post original por Perrone

Leia abaixo o que torcedores do Chelsea falam sobre a possibilidade de o clube contratar Alexandre Pato num dos fóruns de discussão para fãs do time. A maioria dos autores dos comentários usou apelidos, por isso os créditos não foram publicados.

“Vendendo um (Remy) bichado para comprar um ainda mais bichado. Faz sentido”.

“Pato começou mais de 50 jogos no ano passado”.

“Ainda (é) um anão frágil”.

“Absolutamente desesperanço. O clube dele (Corinthians) não pode esperar para vê-lo partir”.

“Só outro inútil sem esperança pago em excesso se juntando a nós”.

“Pato? Por que nós devemos preferir um jogador propenso a se lesionar, um artista mulherengo e não (escolher) o melhor de nossas categorias de base?”

“Acho que assinar com Pato pode se transformar numa excelente contratação, se ele chegar com a atitude certa”.

“Espero que esse rumor seja lixo. É o tipo de contratação que não queremos”.

“Não posso vê-lo como um jogador da Liga Inglesa”.

“(A tentativa de contratar Pato é) um sinal claro de que tudo é gerenciado terrivelmente dentro do clube”.

“Pato não esteve jogando numa liga de bar (liga amadora)?”

“Ele, aparentemente, virá para ganhar 50 mil euros por semana, o que provavelmente é o salário mais baixo do nosso time”.

“Se ele estiver com a metade da forma que está nesse momento, teremos um Aguero em nossas mãos”.

“Nós precisamos de um atacante que possa driblar e criar espaço para os outros. Pato é uma barganha”.

“Ele é uma excelente ideia”.

“Se ele realmente está em forma, será uma melhoria em relação a (Radamel) Falcao”.

 

Tite tinha razão. Nem o Corinthians venceria o Barcelona

Leia o post original por Quartarollo

Poucos dias antes de entrar de férias fiz uma longa entrevista com Tite, técnico campeão brasileiro e o melhor do país no momento, e vários assuntos importantes vieram à tona.

Foi na verdade uma ótima conversa de duas pessoas que já se conhecem há um bom tempo.

Para mim Tite sempre foi um treinador muito à frente do seu tempo, sempre quis saber e estudar mais, metido a perfeccionista no bom sentido, hoje já mais rodado dá mais sentido a tudo que aprendeu.

Por isso quando falam do ano sabático de Tite para estudar na Europa, eu sempre dou risada. Ele se aperfeiçoou mais, é claro, mas ele já era bom muito antes disso.

Desde os tempos idos do Grêmio que talvez tenha sido o último Grêmio que jogou com triangulações e com bola no chão.

Os demais foram mais força que técnica e talvez agora com um dos seus pupilos, Roger Machado, que era seu lateral e depois virou zagueiro, volte a jogar como na época de Tite.

Lembrei dessa bate-papo gostoso com Tite justamente hoje ao ver em campo o Barcelona mais uma vez massacrar um time sul-americano na final do Mundial.

Não deu para o River Plate, campeão da América e pela conquista considerado o melhor desse lado do planeta, ou pelo menos, o seu digno representante.

Tite disse nessa entrevista que se fosse o Barcelona ao invés do Chelsea o adversário da final do Mundial, em 2012, o Corinthians não seria campeão.

A diferença era e é muito grande, segundo o treinador corintiano, que justificou que nesse tipo de enfrentamento não perguntamos mais qual time vai ganhar, mas sim de quanto a equipe sul-americana vai perder?

É triste, mas hoje mais uma vez com os 3 x 0 do Barça a tese se confirmou.

A pergunta é: E como mudar isso? Acho que vai demorar um bom tempo para mudar, se mudar.

Os clubes europeus têm muito dinheiro à disposição. Barcelona, Real Madrid, Bayern e PSG, só para ficar nos quatro mais badalados do momento, são seleções internacionais.

Contratam grandes jogadores de todos os cantos do mundo e vivem fazendo negócio que fariam vergonha para o PIB de vários países do mundo.

Só transam milhões de euros. São equipes bilionárias e que desequilibram a balança ferozmente a seu favor.

O Campeonato Espanhol mostra isso claramente todo fim de semana. Hoje enquanto o Barcelona chacoalhava o River na final do Mundial, o Real Madrid batia dava de dez no Rayo Vallecano, time tradicional, mas cada vez menor no concerto do futebol espanhol.

Lá também os menos favorecidos começam a sofrer. O que destoa é o rico Chelsea que demitiu finalmente o onipotente José Mourinho e corre risco de rebaixamento no Inglês onde o Leicester é líder destacado e ninguém consegue explicar porque.

Na Alemanha sobra dinheiro para o Bayern que lidera com grande folga o Campeonato e mesmo assim vai trocar de treinador.

Guardiola vai embora depois de ganhar tudo, menos a Liga dos Campeões, e chega o ótimo Ancelotti, até outro dia técnico do Real Madrid que pode apostar novamente em José Mourinho para a próxima temporada.

E tudo isso acontece envolvendo um dinheiro impensável para os padrões sul-americanos. Diante desta situação, resta pouco a fazer.

Os bons jogadores que aparecem por aqui irão rapidinho para a Europa para reforçar as endinheiradas equipes que até por isso continuarão na ponta e os mais pobres continuarão cada vez mais pobres pois vendem as pedras brutas, elas valem cem vezes mais depois de lapidadas e quem ganha é o atravessador e o vendedor final.

Se não fizerem nada para impedir esse tipo de comércio dos chamados pés de obra, a distância ficará cada vez maior, cada vez mais inalcançável.

Quem ganha são os agentes, os empresários, alguns dirigentes inescrupulosos e os clubes europeus, principalmente os de ponta, e nós vamos continuar vendo tudo pela televisão e torcendo por uma grande zebra.

Mourinho com tempo livre para ser papai Noel

Leia o post original por Antero Greco

Quando se manda técnico embora, aqui no Brasil, logo vem a comparação com a Europa. Porque na Europa não é assim, porque na Europa treinador tem estabilidade, porque na Europa conta o projeto e não só os resultados. Porque na Europa isso, na Europa aquilo.

Pois bem, o Chelsea anunciou nesta quinta-feira que José Mourinho está livre para buscar novos desafios no mercado, ou seja, levou um chega pra lá, foi demitido. E por quê? Porque o time não engrena na atual temporada e, em 16 rodadas, ganhou 4 jogos, empatou três e perdeu nove. Está no fundo da tabela da Premier League.

Quer dizer, tanto lá como cá, o “professor” é gênio enquanto a equipe vai bem. Se vacilar, fica prestigiado; se continuar a frustrar, é dispensado e dá lugar a outro. Sem choro nem vela. E, no caso do Mourinho, tem uma agravante: ele conquistou o último título inglês. Em sete meses, passou de bestial para besta, para usar um trocadilho antigo.

Mourinho sai cheio da grana – a rescisão pode lhe render até R$ 58 milhões. Graninha suficiente para uma boa ceia de Natal, por uns 200 anos… Mas resta a mancha no currículo de um personagem controvertido, posudo, metido, autossuficiente… Enjoado que só.

Ele gosta de referir-se a si próprio como o “Special One” – em tradução livre, O Único – e costuma ser irônico, sarcástico no contato com a imprensa. Dá entrevistas com um pouco caso também único. No entanto, é igual aos outros: tem qualidades e defeitos como todo ser humano. É de fato bom no que faz. Mas, por presunção, também demora a enxergar erros.

Foi isso que o empurrou para a porta de saída do Chelsea. Por considerar-se infalível, acima do bem e do mal, não notou que o trabalho emperrou, que houve cisão no grupo, que as instruções dele não eram recebidas mais como orientações divinas.

Consequência disso? As derrapadas se acumularam, a torcida pegou no pé e os dirigentes se encheram. E cartola, amigo querido, é igual no mundo todo. Dão tapinhas nas costas na boa fase e um pé no traseiro quando a maré vira.

O Special One pode fazer um bico de Papai Noel no Natal.

Mourinho pode acabar em time que desdenhou

Leia o post original por Quartarollo

José Mourinho nunca perdeu tanto na sua vida. Aquele que se considera o melhor técnico do Mundo segundo sua própria avaliação, está perdidinho da vida no Chelsea e flerta com a zona de rebaixamento na liga inglesa.

Mourinho que sempre se colocou no lugar mais alto do pedestal e sempre provocou polêmicas com seus comentários ácidos, é um dos técnicos mais sujos do futebol mundial.

Embora tenha mesmo uma carreira vencedora desde que ganhou a Liga com o Porto, de Portugal, um feito e tanto para o futebol europeu.

Mourinho brigou com Eva Carneiro, médica do Chelsea no início da temporada, porque ela retirou do gramado Hazard que se queixava de dores quando faltava pouco para terminar o jogo que o time empatou (2 x 2) com o pequeno Swansea. O detalhe é que o time já tinha um jogador a menos por expulsão.

O técnico não gostou e xingou a médica de vários nomes feios. A televisão fez leitura labial, a médica se desentendeu com Mourinho, foi demitida e agora processa o Chelsea e o treinador.

Ele disse que Eva não entende nada de futebol indicando que ela atrapalhou o time ao se preocupar apenas com atendimento ao jogador e não com o placar da partida.

Cada um na sua. Eva fez o que um médico deveria fazer e Mourinho saiu do banco extrapolando todos os limites do razoável.

Agora está pendurado no Chelsea e pode ser demitido a qualquer momento, o que por si só já seria inédito para o Deus-Mourinho, uma vez que quase nunca se demite técnico no meio da disputa da Liga Inglesa.

Seria uma séria derrota para a sua vitoriosa carreira. Só Felipão conseguiu algo igual.

Os jogadores comentam intra-muros que já não aguentam mais Mourinho, segundo a imprensa britânica.

Mourinho também gosta de arrumar confusão com o técnico do Arsenal, Arséne Wenger, por este estar há anos no cargo, é quase vitalício, sem ganhar nenhum título importante há muito tempo e sempre muito respeitado pela imprensa e torcedores.

Ele é o técnico que só vê resultado. Chegou a brigar com treinadores, com arbitragem e chutar adversário que caiu perto do seu banco.

Mourinho é assim. Quando não consegue um bom resultado a culpa é sempre dos outros. Ele escolhe alguém para se defender atacando. Já criticou vários jogadores do atual elenco do Chelsea.

Quando o time ganha, a vitória é todinha dele e daí aproveita e defeca um monte de regras como dono da verdade que pretende ser.

Mas a vida sempre dá algumas voltas. Quando o colombiano Falcão Garcia optou por jogar no Mônaco em detrimento do Chelsea, José Mourinho deu uma declaração que agora pode se virar contra ele.

“Tenho um time, mas não tenho um goleador. Falcao é um goleador, mas não tem time. Um jogador como ele não pode jogar apenas com três mil pessoas nas arquibancadas. O Mônaco é um clube para terminar a carreira”, disse o ranzinza Mou na ocasião.

Pois é, o Mônaco é o único clube que estaria disposto a suportar a má educação e o mau humor do treinador.

Pagaria até uma multa ao Chelsea se fosse o caso. Será o fim de carreira do “melhor técnico do mundo” como ele preconizou na época da escolha de Falcão Garcia?

A ironia é que Garcia agora está no Chelsea, mas nunca mais jogou seu brilhante futebol de antes da Copa do Mundo-2014.

Será que o feitiço se virou contra o feiticeiro? Ainda não sabemos, mas que o atual futebol do time de Mourinho não serve nem para ser visto por três mil pessoas, disso eu tenho certeza.

É, cuidado com o que dizes. Somos reféns do que pregamos e do que desejamos.

Campeões pelo mundo – Por Daniel Barud

Leia o post original por Mauro Beting

 

Este final de semana definiu mais alguns campeões nacionais pelo mundo. Depois de PSV, Olympiakos, Bayern de Munique, Juventus e Chelsea conquistarem o caneco, chegou à vez do Benfica, Barcelona, Paris Saint Germain e do Zenit levarem mais uma conquista para suas respectivas salas de troféus.

BENFICA

Em Portugal, o Benfica conquistou o bicampeonato, o que não acontecia desde 1984, somando seu 34º título. A equipe benfiquista não saiu do 0 a 0 com o Vitória de Guimarães, fora de casa, mas se aproveitou do empate do rival Porto, contra o Belenenses, para comemorar a conquista.

BARCELONA

Na Espanha, o Barcelona faturou o 23º título, o 5º nos últimos sete anos. Jogando fora de casa, os Culés venceram o rival Atlético de Madrid no estádio Vicente Calderón, com gol de Lionel Messi e confirmaram a conquista. Como a vantagem para o vice-líder, Real Madrid, se manteve quatro pontos e, faltando apenas uma rodada, a equipe catalã não pode ser mais ultrapassada.

PARIS SAINT GERMAIN

Na França, o PSG alcançou o tricampeonato nacional, somando seu quinto título na história. Após vencer o Montpellier, fora de casa, por 2 a 1 com gols de Matuidi e Lavezzi, a equipe da capital francesa não consegue ser mais alcançada pelos demais adversários. Mounier ainda descontou para o Montpellier.

ZENIT

O Zenit faturou seu quarto título russo, que se junta a outro, obtido na época da URSS. Com um gol de falta do brasileiro Hulk, a equipe do técnico português André Villas-Boas não saiu do empate com a equipe do UFA, mas conquistou o caneco. Com o empate, a equipe de St. Petesburgo chegou a 64 pontos e não pode ser mais ultrapassado.

ESCREVEU DANIEL BARUD