Arquivo da categoria: contratações

Mesmo descontente com crítica de Ceni, diretoria não vai rebater técnico

Leia o post original por Perrone

A diretoria do São Paulo discordou da crítica de Rogério Ceni ao vaivém de atletas no time e não gostou da atitude do treinador.

Porém, a decisão é não rebater o técnico publicamente para evitar polêmica e uma crise escancarada. Ao mesmo tempo, os cartolas vão continuar assegurando a permanência dele no cargo.

Mas, internamente, fica claro o distanciamento entre direção e técnico. Nesse cenário, é possível afirmar que ele não está mais tão firme no posto como antes.

Após a derrota por 1 a 0 contra o Atlético-PR, em Curitiba, ele afirmou que times vencedores se mantêm. “O clube pensa em estar com o pagamento em dia, em cuidar das finanças, mas também agora em trazer jogadores. Só que agora precisamos fazer com que eles se adaptem e que o esquema se adapte ao que eles oferecerem. Talvez seja necessário mudar o sistema de jogo”, afirmou o técnico.

Para a direção, no entanto, não há erro. Com sua estratégia, o clube busca priorizar as finanças, mas sem enfraquecer a equipe. Por isso traçou como meta usar parte do dinheiro das vendas para pagar dívidas e outra (menos do que 50%) em reforços. A estratégia resultou no vaivém criticado por Ceni.

O maior dos problemas

Leia o post original por Rica Perrone

Claro que pro rubro-negro o problema do Flamengo é a bola entrar e ponto final. Mas entre os mil acertos que essa diretoria tem, comete seus erros. E longe de ser o Zé Ricardo ou algum reforço, considero o maior erro o conceito de auto suficiencia. O Flamengo levou ao flamenguista a idéia de que …

Pior paulista no Brasileirão-16, SPFC foi o que mais investiu em reforços

Leia o post original por Perrone

Em 2016, o São Paulo foi o último colocado entre os times paulistas na classificação do Campeonato Brasileiro com o décimo lugar. A posição destoa da condição de clube do Estado que mais gastou com contratações no ano passado.

Os balanços das agremiações referentes a 2016 mostram a liderança são-paulina no quesito custos de reforços apesar de o tricolor ter receita superior apenas em relação ao Santos.

O time do Morumbi registrou em R$ 89.373.000 o custo com aquisições de direitos econômicos de oito atletas. Campeão brasileiro, o Palmeiras anotou em R$ 87.397.000 essa despesa. O gasto do vice-campeão Santos foi bem menor: R$ 44.575.000. Já o Corinthians, que terminou o brasileiro em sétimo, colocou em seu balanço que a o custo com contratações e vendas de jogadores foi de R$ 69.937.000.

“Não dá pra fazer essa conta (de quanto o clube gastou) sem olhar as receitas que tivemos. Não fizemos nenhuma loucura. Só contratamos quando tínhamos entrada de dinheiro correspondente para cobrir os gastos”, disse Adilson Alves Martins, diretor financeiro do São Paulo.

De fato, a receita operacional bruta (sem desconto de impostos e encargos) do departamento de futebol foi superior aos custos dos reforços. Ela atingiu R$ 337.213.000. O valor, no entanto, é inferior às arrecadações brutas obtidas na mesma modalidade por Corinthians (R$ 458.295.000) e Palmeiras (R$ 410.618.000). O futebol santista apresentou receita bruta de R$ 254.985.000.

O gasto são-paulino com contratações foi puxado pela compra do zagueiro Maicon junto ao Porto. Ele está registrado no balanço em R$ 43.675.000. Quase a metade do total investido em reforços. “Mas o Porto se comprometeu a comprar dois jogadores da nossa base (Inácio e Luizão) pagando 3 milhões de euros por 50% de cada um. Então, na prática, não temos que pagar R$ 43,6 milhões”, disse o diretor financeiro do clube. Como mostrou o blog do Rodrigo Mattos, o São Paulo ainda precisa desembolsar cerca de R$ 15 milhões para quitar a compra do zagueiro.

Os direitos econômicos de Maicon foram comprados num momento crucial para o clube. O empréstimo dele vencia durante a disputa da Libertadores. Se a compra não fosse feita, o beque não poderia disputar as semifinais. Naquele momento, o jogador era tido como principal líder da equipe por torcida e dirigentes. Ele acabou expulso no primeiro jogo do mata-mata contra o Atlético Nacional (Colômbia). Na partida de volta, o São Paulo foi eliminado.

 

Palmeiras é forte, mas não tem obrigação de ganhar tudo

Leia o post original por Flavio Prado

(Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press)

O Palmeiras é o time que mais se destaca no mercado de transferências. Felipe Melo, Guerra e Michel Bastos são nomes consagrados e que podem acrescentar ao time campeão brasileiro.

Os principais adversários estão mais tímidos no mercado. O Palmeiras tem um poder de compra maior do que os rivais e até por isso surge como o time a ser batido em 2017.

Concordo que o Palmeiras tem o melhor elenco no papel e mostrou isso no campo durante o Campeonato Brasileiro, mas não tem obrigação de ganhar tudo.

Esse peso pode atrapalhar o time na temporada. A derrota é normal, principalmente no mata-mata. O Palmeiras leva grande vantagem no elenco, nos pontos corridos é fundamental, mas em relação ao time titular a diferença para os principais times do continente não é absurda.

Um duelo na Libertadores contra Santos, Flamengo, Atlético-MG, Grêmio, River Plate, Atlético Nacional e outros é equilibrado. Não é nenhum absurdo ser eliminado por um deles e isso não pode afetar o trabalho.

A análise deve ser em cima do trabalho e não apenas do resultado e algumas mudanças aconteceram. O Palmeiras perdeu Cuca e Gabriel Jesus, duas peças importantes, dos reforços só vejo Felipe Melo como titular absoluto, os outros podem vir a ser ótimas opções e destaques nas temporada, mas não vejo uma mudança tão grande de patamar em relação ao ano passado.

O Palmeiras é forte. Entra como candidato ao título em todas as competições, mas colocar uma obrigação parece ser um peso desproporcional a realidade.

 

Bananeira que já deu cacho ainda pode alimentar clubes brasileiros!

Leia o post original por Milton Neves

928305570-depois-de-uma-fase-ruim-no-sao-paulo-michel-bastos-chega-ao-palmeiras-para-buscar-felicidade

Você sabe o motivo de a bananeira ser cortada após a colheita do fruto?

Isso acontece porque, pouco tempo depois de dar cacho, a planta seca e morre.

E, se ela não for retirada, acaba atrapalhando o desenvolvimento das novas mudas.

Por isso, surgiu por aí uma expressão que muito provavelmente você já tenha escutado.

“Ah, fulano é bananeira que já deu cacho…”.

Ou seja, ele não tem mais o que acrescentar em determinado assunto.

E eu gosto muito de empregar esta expressão em assuntos futebolísticos

Por exemplo, costumo dizer que quando um jogador não consegue mais lugar em clubes europeus e decide vir jogar no Brasil, é porque ele é bananeira que
já deu cacho.

No entanto, alguns exemplos recentes acabaram desmentindo esta minha teoria.

Diego, que já não cabia no futebol europeu, foi contratado pelo Flamengo e deitou e rolou no ano passado nos gramados brasileiros.

Robinho, que há tempos perdeu espaço nos times mais ricos do mundo, foi o artilheiro do país em 2016, com 25 gols anotados.

E isso tem acontecido porque, hoje, os nossos times, se comparados com as grandes equipes do mundo, são de Série C ou D.

Então, é natural que as bananeiras que já deram cachos na Europa, ainda consigam “alimentar” os nossos clubes.

Por essas e outras, eu aposto que Felipe Melo dará certo no Palmeiras.

Só precisa parar de brigar com jornalistas…

Também acredito que Drogba, mesmo aos 38 anos, ainda tenha lenha para queimar no Corinthians.

Melhor que Jô e que Kazim ele é!

E acho também que Ronaldinho Gaúcho seria uma boa para o Coritiba.

No caso dele, mais pelo marketing do que pelo futebol, é verdade.

Afinal, além do talento com a bola nos pés, os medalhões consagrados também acabam ajudando na divulgação da marca do clube no mundo todo.

E Anelka também teria se dado bem no Atlético-MG.

Pena que toda aquela confusão melou o negócio…

Bom, e tomara que dê certo mesmo essa história do Drogba no Corinthians.

O Timão forte e competitivo garante sempre ótima audiência e, consequentemente, o emprego de muita gente.

É nóis, vai, Curintchá!

Foto: UOL

Corinthians vai reagir aos reforços de peso do Palmeiras? Nāo, diz cartola

Leia o post original por Perrone

Acompanhar o noticiário sobre a atual janela de transferências é uma tortura para os corintianos.

De um lado assistem ao Palmeiras anunciar nomes de peso e disputados por grandes clubes, como Guerra, Felipe Melo e Michel Bastos, além de tentar Pratto ou Borja para o ataque.

Enquanto isso, os alvinegros, incrédulos, sāo informados de que até agora o clube se reforçou com jogadores bem menos badalados, como Jô, que estava parado, Paulo Roberto, reserva no Sport, Luidy e Kazim.

No meio do caminho ainda há o Santos que busca um atacante medalhāo, tenta Robinho e já tentou Barcos e Luis Fabiano.

A Fiel, entāo pergunta: “o Timāo nāo vai reagir e trazer jogadores com status semelhante ou superior aos do Palmeiras e de outros rivais?”.

“Nāo”, responde André Luiz Oliveira, presidente em exercício do Corinthians.

“Nāo vamos entrar na pilha dos rivais por reforços. O torcedor precisa entender que vamos ter um time um pouco diferente este ano. A prioridade é arrumar a casa (colocar as finanças em dia). Vamos continuar contratando com calma, como tem feito o Flávio Adauto (diretor de futebol)”, disse André.

Entāo, com uma equipe modesta, o Corinthians nāo vai brigar pelo título brasileiro, certo?.

Errado, segundo o dirigente. “Vamos brigar pelo título brasileiro,mas as coisas serāo feitas sem desespero. Nāo vamos pagar R$ 600 mil pra nenhum jogador. Pode nāo dar certo e ainda inflacionar a folha salarial. É so lembrar do Pato”, declarou o cartola.

Entāo, como o Corinthians vai montar um time competitivo para o Brasileiro?

“Vamos terminar de reforçar a equipe sem fazer loucuras. Jogaremos o Paulista e veremos onde precisamos nos reforçar para o Brasileiro. Daí vamos arrumando o time, afirmou André.

Nesta segunda, ele devolve o cargo para Roberto de Andrade, que volta de férias pressionado a renunciar para nāo enfrentar um processo de impeachment.

 

Para contratar, São Paulo precisa se desfazer de jogadores

Leia o post original por Perrone

Para contratar jogadores, o São Paulo tem que enxugar seu elenco. Em meio a dificuldades financeiras, o clube precisa reduzir despesas para poder investir em reforços.

Tanto para ter dinheiro a fim de comprar direitos econômicos ou simplesmente pagar os salários de novos jogadores, a direção precisará gerar recursos vendendo atletas ou apenas se livrando de salários atuais que correspondam ao valor a ser investido. Trocas que não aumentem a folha de pagamento também fazem parte dessa engenharia.

“O que tenho combinado com o Leco (Carlos Augusto de Barros e Silva, presidente são-paulino) é que só vamos contratar se tivermos receita para bancar a contratação. Se tem um jogador que não é aproveitado e custa R$ 1 milhão por ano, por exemplo, negociamos esse atleta e aí temos R$ 1 milhão para pagar outro. É assim que deve funcionar. Não podemos aumentar o elenco e a folha salarial”, disse Adilson Alves Martins, diretor financeiro do São Paulo.

Os planos do dirigente se encaixam com os de Rogério Ceni. O novo treinador afirmou que pretende trabalhar com um elenco menor do que o atual.

Um CT é mais urgente

Leia o post original por Rica Perrone

Henrique, Diego Souza e provavelmente Wellington Nem.  Enquanto todo mundo vende o time, o Fluminense se reforça e monta um time de 30 anos pronto pra disputar títulos. Talvez eles venham, talvez não. O que me parece relevante é a discussão do que quer o torcedor do Flu. Se é que ele sabe… Porque se …

Com o desmanche provocado pelos clubes chineses, você acha que o Corinthians conseguirá passar pela primeira fase da Libertadores?

Leia o post original por Milton Neves

TITE

É, amigos, está feia a coisa lá pelos lados do Parque São Jorge…

Inclusive, tem gente dizendo que os endinheirados chineses estão planejando montar uma filial do Corinthians na Ásia.

O clube já teria até nome: Ti-Mao!

Essa foi boa, hein?

Mas, falando sério, o que será do time de Tite nesta temporada, hein?

Uma coisa é perder dois ou três jogadores importantes no início de um ano.

Outra muito diferente é ver metade de seu time titular, sem mais nem menos, saindo do clube.

Por isso, pergunto: vocês acham que o desfalcado Corinthians conseguirá passar da primeira fase da Libertadores?

Eu não boto muita fé…

E até acredito que o Timão terá que fazer muita força para não ser rebaixado no Paulistão, como aconteceu com o São Paulo em 1990.

Mas é bom lembrar que os reservas alvinegros foram muito bem no Brasileirão do ano passado.

Meteram até 6 a 1 no Tricolor, lembram?

Mas será que eles vão conseguir render com toda a responsabilidade em suas costas?

Opine!