Arquivo da categoria: Corinthians

Corintianíssimo!

Leia o post original por Rica Perrone

Do remanescente Cássio ao novo ídolo Carille. Da volta do Jadson ao talento oscilante de Rodriguinho.  Da quarta força ao título brasileiro, esse Corinthians é no mínimo corintiano.

Colocado em dúvida. Sem ser galático, porque ali brilha quase sempre mais o clube do que o ídolo. Um monte de jogadores com pontos de interrogação na cabeça que hoje saem coroados por um título improvável.

Embora o corintiano vá dizer que sempre acreditou, é mentira dele. Quando o ano começou ele mesmo reclamava e dizia que “esse time” não era suficiente.  Mas talvez por não ser se tornou um time. E futebol, hoje, ganha quem tem time e não quem tem jogadores.

Esse Corinthians é chato. Não joga bonito, até porque nem pode.  Mas joga o que dá, como precisar, até que a vitória venha.

Trata-se de uma discussão meio boba o futebol apresentado. Primeiro porque no primeiro turno foi sim um futebol bem jogado. Mas estudam, aprendem, o time sente, cansa, não tem peças sobrando, se torna previsível e ainda assim manteve o título e o conquistou antecipadamente.

Não há “poréns”.

Todos os jogadores entenderam seu papel para criar uma engrenagem que não era provável que funcionasse tão bem. Carille, o autor intelectual deste Corinthians,  nunca forçou uma forma de jogar acima dos limites do que tinha em mãos. Nunca perdeu a linha, o controle e a convicção.

Esse Corinthians pouco brilhante é memorável não só pela conquista, mas pela identificação com a sua história.  Aguerrido, desacreditado, sem nenhuma estrela acima do escudo do clube, e vencedor.

Um Corinthians corintianíssimo! E portanto, campeão.

abs,
RicaPerrone

Corinthians, sem dúvida

Leia o post original por Antero Greco

Título tem de vir de forma incontestável, sem choro nem vela. Com autoridade, com vitória, que é pra ninguém botar defeito. Quer dizer, os outros torcedores chiam, reclamam, desdenham, mas isso faz parte do futebol…

Pois bem, o Corinthians fechou com antecedência, e em grande estilo, a caminhada rumo ao sétimo título do Brasileiro, ao lascar 3 a 1 no Fluminense, na noite deste 15 de novembro. Fez a festa em casa, em Itaquera, mesmo sem a presença da taça.

(Ah, a CBF não quis levar o troféu, porque o clássico acabou tarde e iria prejudicar a volta do torcedor pra casa. Conta outra… Por que não marcaram o jogo para a tarde?)

Deixa pra lá. O que importa é que, com ou sem medalha, taça e rococós, o Corinthians consolidou campanha vitoriosa com resultado incontornável. Com uma ligeira pitada de ansiedade, na forma do gol sofrido com um minuto, em cabeçada de Henrique.

A vantagem tricolor deixou apenas o jogo mais elétrico e fez com que o Corinthians se lançasse à frente desde o início. Encontrou dificuldade no primeiro tempo, ao não encaixar com frequências jogadas de ataque. O Flu, que precisava ganhar, ficou ali, a se segurar.

A história mudou em três minutos, na etapa final. Tempo suficiente para Jô fazer os dois gols que iniciaram a virada. Duas arrancadas, dois vacilos do Flu e a euforia no estádio. Dali em diante só deu Corinthians, com a certeza de que não seria mais surpreendido. E, para não dar sopa pro azar, veio o gol de Jadson, para fechar a conta.

O Corinthians é campeão nacional de 2017 por merecimento. Superou os demais pela regularidade, pela eficiência, pela simplicidade. Nem as turbulências no returno foram suficientes para tirá-lo do prumo.

Os outros não tiveram competência sequer para fazer cócegas no líder. Ah, o nível não é dos melhores? Sim, e daí? Por acaso foi nos últimos anos? A decadência surgiu agora? Assim como houve reconhecimento para as conquistas de São Paulo, Flamengo, Fluminense, Cruzeiro, Palmeiras, para ficar na história recente, o mesmo vale agora para o Corinthians.

Papo de apito amigo, de pouco empenho de outros concorrentes, são apenas amenidades para os torcedores “inimigos”. Zoeira é do futebol, assim como a taça de 2017 é do Corinthians. E vida que segue.

Parabéns aos corintianos!

 

Campeão, Corinthians ensinou nova fórmula para vencer o Brasileirão

Leia o post original por Perrone

Consagrado como campeão brasileiro de 2017 nesta noite diante do Fluminense, o Corinthians deixa como principal legado uma nova forma de disputar o principal torneio do país. O alvinegro provou que é possível praticamente assegurar a conquista já no primeiro turno, ainda que o rendimento da equipe despenque na etapa final.

O desempenho quase perfeito do time de Fábio Carille na primeira “perna” da competição entrou para a história e sustentou os corintianos na liderança mesmo com a perda de gás na metade final da disputa. Fica a lição para os próximos anos. Concentração total na primeira parte do Nacional pode tornar o triunfo irreversível. Principalmente com a Libertadores mais longa, como foi esse ano.

Não estar na competição sul-americana e não ter ido longe em outros torneios ajudou o Corinthians, mas o título veio muito mais por méritos do clube do que por adversários terem escalados reservas em determinados momentos. Os corintianos também sofreram baixas e superaram os problemas com elenco mais modesto do que os favoritos Flamengo e Palmeiras.

Outra herança deixada pelos alvinegros foi seu estilo de jogo,  que acabou sendo adotado por parte significativa das equipes. A estratégia de recuar a marcação, minimizando a importância da posse de bola, e apostando em contra-ataques, virou tendência.

Porém, seria injusto lembrar do novo campeão nacional como um time que joga na retranca ou por uma bola. Dos pés dos alvinegros  também saíram golaços, dribles desconcertantes e fulminantes triangulações.

Para escolher um imagem que simbolize o campeão, fico com a de dois ou três jogadores rodando perto da bola para da opção a um colega marcado. Esse carrossel, frequente na etapa inicial do Brasileirão, costumava desorientar rivais. Mas a cena rareou no segundo turno.

 

Andrés promete se licenciar como deputado caso vença eleição no Corinthians

Leia o post original por Perrone

Com Diego Salgado, do UOL Esporte, em São Paulo

O grupo Renovação e Transparência marcou para a tarde desta quarta uma reunião para escolher seu candidato à presidência do Corinthians na eleição de fevereiro do ano que vem. Porém, nesta manhã o blog teve acesso a uma carta com a assinatura de Andrés Sanchez assumindo a candidatura. Na mensagem, endereçada a amigos, ele assegura que vai se licenciar temporariamente do cargo de deputado federal se vencer o pleito no Parque São Jorge. Sanchez se elegeu em 2014 para um mandato de quatro anos em Brasília a partir de 2015.

“Sei que é difícil conciliar as funções de presidente do Corinthians com as de representante do povo paulista na Câmara Federal. Por isto, no dia em que assumir a presidência, me licenciarei temporariamente do cargo de deputado federal para dedicar-me integralmente ao clube”, diz Andrés na carta.

O parlamentar petista não fala com o blog. Porém, indagado pela reportagem do UOL Esporte sobre a autenticidade da carta, ele respondeu por mensagem, após receber cópia do documento pelo celular: “Se assinei é (autêntica)”.

De acordo com o regimento interno da Câmara, deputados podem se licenciar “para tratar, sem remuneração, de interesse particular, desde que o afastamento não ultrapasse 120 dias por sessão.”

No texto Andrés diz que foi convocado por integrantes de seu grupo para disputar a eleição.

Já em tom de campanha, ele afirma que uma de suas metas é transformar o alvinegro em clube globalizado. Para simbolizar essa busca, promete que no dia de sua posse o Corinthians vai, em parceria, assumir o comando do Corinthian-Casuals. O clube inglês surgiu de uma fusão que envolveu a agremiação inspiradora do nome do time brasileiro. O objetivo, segundo o candiato, é chegar à badalada Premiere League. Hoje, a equipe inglesa diputa a divisão sul da regional Bostik League, reconhecida pela federação da Inglaterra e que está distante da primeira divisão na pirâmide de acesso.

A mensagem começa com o deputado lembrando que tirou o clube da Série B do Brasileiro. Mas ele não lembra que era o presidente quando o time foi rebaixado em 2007. Andrés assumiu durante o campeonato, após a renúncia de Alberto Dualib.

Motivo de piada ou importante na busca pelo título? Números defendem Romero

Leia o post original por Perrone

Alvo de memes, de críticas disparadas por uma parte da torcida de seu time e até sacaneado em rede nacional no Esporte Espetacular, da Globo. Romero enfrentou tudo isso na temporada em que pode se tornar nesta quarta, diante do Fluminense, campeão brasileiro de 2017 com o Corinthians. Apesar das gozações sofridas pelo paraguaio, as estatísticas registradas pelo site Footstats mostram a importância dele para a equipe tanto no ataque como na defesa.

Apesar de ser atacante, Romero é o segundo jogador do time que mais fez desarmes no campeonato. Ele desarmou os adversários 67 vezes na competição, com média de 2,4 desarmes por jogo. Só é superado pelo lateral Fagner com 82 no total e média de 2,8.

Enquanto torcedores adversários fazem chacota com o corintiano, a quantidade de faltas recebidas por ele mostra que o paraguaio é levado a sério pelos adversários. Romero é o corintiano que mais sofreu faltas no Brasileirão e o quinto mais caçado entre todos os jogadores do campeonato. Foram 84 faltas recebidas em 28 oito partidas, média de três por jogo. Rodriguinho, o segundo corintiano mais atingido foi parado com falta em 54 oportunidades nas suas 30 apresentações no campeonato, média de 1,8 por jogo. Lucca, da Ponte Preta, é quem mais apanhou no Nacional sendo parado com infração 105 vezes, média de 3,2 faltas sofridas por partida.

Apesar de ter apenas três gols no certame, o paraguaio é o terceiro alvinegro que mais finalizou até aqui. São 18 arremates. Ele é superado apenas por Jô (39) e Rodriguinho (28).

Aos que contestam sua habilidade, Romero pode exibir orgulhosamente suas estatísticas nos dribles. Ele é o melhor driblador corintiano ao lado de Fágner. Cada um acertou 18 dribles, mas o lateral tem um jogo a mais.

Negativamente, um dado que chama atenção é quantidade de bolas perdidas pelo paraguaio. O atacante é o segundo comandado de Fábio Carille que mais perdeu a posse de bola: 156 vezes, média de 5,9 por apresentação. Pior que ele nesse quesito só Rodriguinho. O meia perdeu a posse de bola em 182 portunidades. Em média, ele entrega 6,1 bolas para os adversários por jogo.

Quem vai ser o maior CAMPEÃO do BRASILEIRÃO na história?

Leia o post original por Craque Neto

Nesta terça-feira tivemos uma baita resenha sobre quem será o maior campeão do Brasileirão na história caso do Corinthians fature – de fato – seu sétimo título. Isso porque os palmeirenses defendem a tese que a CBF unificou as antigas conquistas da Taça Brasil e do Torneio Roberto Gomes Pedrosa. Nessa época, que antecedeu 1971 – ano da primeira edição do Campeonato Brasileiro com essa denominação – o Verdão venceu quatro vezes. Sendo duas delas, o Robertão e a Taça Brasil, no mesmo ano de 67. É brincadeira??? Somado a isso ficam 9 conquistas. Eu particularmente respeito e valorizo o […]

O post Quem vai ser o maior CAMPEÃO do BRASILEIRÃO na história? apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Corinthians faz nova reunião por permanência de Pablo

Leia o post original por Perrone

Nesta terça-feira (14), o Corinthians fará nova tentativa de acerto pela permanência de Pablo. O gerente de futebol Alessandro e o diretor Flávio Adauto vão se reunir com o empresário do zagueiro, Fernando César.

No encontro, a dupla de dirigentes deve apresentar uma nova proposta.

A tentativa de encerrar a novela acontece perto do final do período de prioridade dado ao alvinegro, que termina no próximo dia 30. Até lá os corintianos precisam informar se vão pagar 3 milhões de euros (R$ 11,49 milhões) ao Bordeaux para ficar com o atleta. Em recente conversa entre o empresário do beque e a direção do clube francês ficou combinado que até esta data não seriam ouvidas propostas de outros times.

Pablo está emprestado pelos franceses até o final do ano. Porém, o Corinthians obteve autorização para discutir com o jogador um novo contrato.

O zagueiro esteve perto de assinar compromisso por quatro anos e meio, com validade a partir de julho de 2017, mas a negociação emperrou.

César afirmou para a diretoria do Bordeaux que não existe diferença de valores na negociação com o Corinthians. Alegou que a única discordância é em relação à forma de pagamento.

No clube, apesar de a diretoria não falar sobre de detalhes da negociação, a informação é de que ainda há divergência em relação a cifras.

 

Quartarollo: tinha dúvida se Kazim sabia andar de chuteira

Leia o post original por Craque Neto

O repórter aponta o Corinthians como o melhor formador de goleiros da atualidade, título esse que antes era do Palmeiras. Além disso, comenta sobre o desempenho de Kazim na partida contra o Avaí.

O post Quartarollo: tinha dúvida se Kazim sabia andar de chuteira apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Contestado no Corinthians, Flávio Adauto vira referência para palmeirenses

Leia o post original por Perrone

Alvo de críticas no Parque São Jorge, principalmente no início da temporada, o diretor de futebol Flávio Adauto virou referência para parte de conselheiros do Palmeiras que querem mudanças na gestão da equipe alviverde.

Esse grupo, com integrantes de diferentes alas, quer a nomeação de um conselheiro como diretor de futebol para acompanhar, avaliar e cobrar o trabalho de Alexandre Mattos, dirigente remunerado, e da comissão técnica.

Adauto é usado como exemplo para demonstrar a necessidade de mudança. Os palmeirenses defensores da ideia avaliam que o corintiano está praticamente sempre próximo do time, é ciente do que acontece no vestiário, atua em conjunto com o gerente de futebol Alessandro, ajuda a apagar incêndios e a corrigir rotas, além de ser o elo entre o time e o presidente Roberto de Andrade.

Os descontentes entendem que o alviverde não tem alguém para fazer tudo isso. Criticam o que chamam de autonomia de Mattos, que seria um dos motivos para o clube trocar tanto seus elencos nos últimos anos.

Existe uma articulação entre os insatisfeitos para tentar uma reunião com o presidente Maurício Galiotte para pedir que ele nomeie um conselheiro como diretor de futebol.

Curiosamente, Adauto é contestado no Corinthians.

Conselheiros e empresários de jogadores afirmam, por exemplo, que falta habilidade para o cartola ao tratar com jogadores sobre luvas atrasadas, não definindo uma data para o pagamento.

Ele também foi criticado por sua participação na tentativa frustrada de contratação do atacante Drogba. Ele teria sido omisso na negociação, que começou com gente ligada ao departamento de marketing e terminou com a participação direta do presidente Roberto de Andrade.

A perda de Pottker, ex-Ponte Preta, para o Internacional também é motivo de queixa. A negociação com o atacante estava bem encaminhada, mas foi descartada depois de ser escalado pela Ponte na Copa do Brasil. A partir daí ele ficaria impedido de defender o Corinthians na mesma competição. Nos momentos de dificuldade do ataque alvinegro no Brasileirão, conselheiros lembraram de Pottker, afirmando que ele teria feito a diferença.

Não sonhem

Leia o post original por Rica Perrone

Eles deixaram. Em determinado momento é justo dizer que deixaram os demais sonhar. Mas por incompetência alheia, méritos próprio, a soma dos dois ou seja lá o que for, a história está no fim.

Se o final dela não tem data e local, tem roteiro. O Corinthians será campeão brasileiro de 2017 com méritos,  sorte, inteligência, planejamento, fraqueza alheia, efeito Libertadores o ano todo, enfim, pouco importa. O sonho acabou.

Se havia um palmeirense iludido, não há mais. Um gremista pensando em “compensar” caso não dê na Argentina, idem. Santistas, Botafoguenses, demais sonhadores, é hora de acordar.

A “quarta força” de São Paulo é a primeira do país. Talvez seja um exagero porque o Grêmio foi além. Mas na incapacidade brasileira de aceitar a não conquista é capaz dele terminar o ano em crise e só o Corinthians “aceitando” a temporada.

Inteligentes, jogaram no limite. O time passa longe de ser algo especial, mas a capacidade de leitura do cenário foi brilhante. Do calculo da hora de disparar, ao ótimo aproveitamento em cima de cada rival focado em outro torneio, até mesmo a hora da retomada das vitórias.

Agora são 3 seguidas, e mesmo não jogando bem contra Atlético PR e Avaí, os 6 pontos estão lá e não há fé que mova ninguém a nada amanhã a tarde.

Contentem-se com suas vagas em Libertadores, tapas nas costas e “vagas diretas”.  O sonho de todos acabou, o do Corinthians se tornou real.

abs,
RicaPerrone