Arquivo da categoria: CSKA

Sevilla acena com R$ 44,1 milhões por Arana e também ouve não

Leia o post original por Perrone

Por meio de intermediário, o Sevilla avisou o Corinthians que estava disposto a enviar uma oferta oficial de 12 milhões de euros (cerca de R$ 44,1 milhões) por Guilherme Arana para ter o lateral-esquerdo agora. Os espanhóis ouviram que o clube brasileiro só aceita negociar o jogador por cerca de 20 milhões de euros e  para ele se transferir depois do Campeonato Brasileiro.

A equipe espanhola se assustou com a pedida. Mas, de acordo com quem acompanhou a tratativa, ainda tem interesse no atleta e não sabe se fará nova tentativa.

O CSKA já tinha acenado com 15 milhões de euros ( aproximadamente R$ 55,1 milhões) e ouvido um não dos corintianos.

Outro que teve uma sondagem recusada foi o Bordeaux, disposto a pagar 9 milhões de euros (R$ 33 milhões) e a ceder os direitos de Pablo, fixados em 3 milhões de euros (R$ 11 milhões) para ter Arana agora. O Corinthians acabou comprando os direitos do zagueiro dando como parte de pagamento os 15% a que teria direito numa futura negociação do ex-corintiano Malcom, que deve ser vendido pelos franceses.

A direção alvinegra segue confiante sobre conseguir manter seu lateral-esquerdo titular até o final do ano, apesar do assédio europeu.

Corinthians recusa oferta verbal do CSKA por Arana levada por intermediário

Leia o post original por Perrone

Com Dassler Marques, do UOL, em São Paulo

O Corinthians recusou uma oferta verbal feita pelo CSKA por Guilherme Arana através de um intermediário. O valor é mantido em sigilo pelo clube, porém, de acordo com duas fontes, os russos desembolsariam pelo menos 10 milhões de euros (R$ 37,7 milhões) pelo lateral-esquerdo.

A proposta era para que o jogador fosse liberado imediatamente, o que o Corinthians se nega a fazer. Além disso, o valor foi considerado baixo.

Com a recusa, o clube põe em prática o discurso adotado nos últimos meses de que não negocia Arana antes do final do Campeonato Brasileiro para não enfraquecer o time. Só uma proposta na casa dos 15 milhões de euros (R$ 56,5 milhões) é capaz de fazer os alvinegros repensarem essa decisão. O Corinthians tem 40% dos direitos econômicos de Arana. O restante pertence a investidores.

Pelo fato de a proposta não ter sido enviada por escrito e em papel timbrado do CSKA a direção alvinegra não considera uma oferta oficial, mas assegura que se ela tivesse chegado em forma de documento seria rejeitada do mesmo jeito.

Arana também interessa ao Bordeaux, que pode pagar até 9 milhões de euros (R$ 33,9 milhões), além de ceder os direitos de Pablo, fixados em 3 milhões de euros. O Corinthians está otimista em relação a fechar essa negociação liberando o lateral depois do Brasileiro. Na França, porém, Jocelyn Grouvenec, treinador do Bordeaux, disse que esperar até janeiro para ter Arana não é o ideal e que sua agremiação tem outras opções.

A transação também depende da renovação contratual de Pablo, emprestado pelos franceses até dezembro, com o alvinegro. Apesar de todos os envolvidos confiarem que  chegarão a um consenso ainda há divergências.

O Bordeaux autorizou o Corinthians a tratar da renovação mesmo sem ainda ter definido o repasse definitivo dos direitos econômicos do zagueiro.

 

 

CSKA prepara oferta por corintiano Arana

Leia o post original por Perrone

O CSKA planeja apresentar nos próximos dias uma oferta por Guilherme Arana ao Corinthians. Um intermediário brasileiro ficou encarregado da missão.

A intenção dos russos é gastar entre 8 milhões e 10 milhões de euros (de R$ 30,1 a R$ 37,7), conforme apurou o blog para ter o lateral-esquerdo imediatamente. Mas a direção corintiana pretende manter o jogador até o final do Brasileiro.

Só uma oferta na casa dos 15 milhões de euros (R$ 56,6 milhões) pode fazer a diretoria alvinegra mudar de ideia e liberar o atleta agora. O clube tem 40% doa direitos do jogador, e o restante pertence a investidores.

Nesse cenário, o CSKA está perdendo para o Bordeaux. Como revelou o blog, o clube francês avançou na negociação para receber Arana depois do campeonato nacional e ceder agora, definitivamente, os direitos econômicos de Pablo. As duas diretorias vão conversar ainda no início desta semana para tentar fechar a negociação.

O Bordeaux pode chegar até 9 milhões de euros (R$ 33,9 milhões) parcelados, mas a proposta fica mais gorda com os direitos de Pablo, que custariam 3 milhões de euros (R$ 11,3 milhões) para o Corinthians hoje, se houver oferta de outro clube, ou em dezembro, quando termina seu empréstimo.

Em meio ao interesse de times estrangeiros, o lateral combinou com seus representantes que não quer se envolver nas tratativas para manter a concentração nos jogos de sua equipe atual.

 

Corintiano Paulinho prefere ganhar 600 mil euros anuais a menos no Valencia a jogar no CSKA

Leia o post original por Perrone

Uma das principais esperanças da torcida corintiana na Libertadores, Paulinho é alvo de disputa ferrenha entre CSKA e Valencia. Os dois estão dispostos a pagar 8 milhões de euros para levá-lo, valor que agrada a Audax e BMG, donos da maior parte dos direitos econômicos.

Por isso, passa a ter mais peso quanto cada um quer pagar de salário pelo atleta. Os russos oferecem mais, porém, não contam com a preferência do jogador.

O CSKA está disposto a pagar 1,8 milhão de euros por ano para Paulinho, 600 mil euros a mais do que o time espanhol. O corintiano não fala publicamente sobre o assunto para se manter concentrado na Libertadores, mas prefere receber menos e ir para a Espanha.

A avaliação é de que ficaria escondido na Rússia. E a diferença salarial não compensaria o sumiço. Hoje, Paulinho recebe R$ 180 mil mensais. São R$ 2,1 milhões anuais. Na Espanha, embolsaria o equivalente a R$ 3.112.000 anuais.

As conversas seguem, e vão esquentar quando a Libertadores passar. Detentor de uma fina fatia de 10% dos direitos, o Corinthians pouco pode fazer para evitar a saída, se as partes entrarem em acordo. Teria que cobrir as propostas feitas aos investidores, que possuem 45% cada, e ao jogador. A situação é fora da realidade econômica do clube brasileiro.

Real Madrid: Muito além de Cristiano Ronaldo

Leia o post original por André Rocha

Com dois gols, Cristiano Ronaldo foi o artilheiro dos 4 a 1 impostos pelo Real Madrid sobre o CSKA no Santiago Bernabéu pelo jogo de volta das oitavas-de-final da Liga dos Campeões. O luso é também o principal goleador do time de José Mourinho na temporada com impressionantes 41 tentos em 37 jogos e no próprio torneio continental com seis em igual número de partidas. No clube, já são 128, também no mesmo número de jogos.

Um chute de longe com efeito, mas defensável, que o goleiro Chepchugov aceitou e no final completando sem maiores problemas a assistência de Benzema e uma vitória tranqüila. Mas sem brilho da maior estrela merengue.

Ronaldo até articulou bons lances pela esquerda com Marcelo, procurou jogadas também pelo centro e à direita, fez as rotineiras incursões em diagonal buscando o chute. Mas faltou inspiração.

Só que o Real de Mourinho é um time. Ou melhor, um timaço que nem precisa do fulgor de seu craque quando a vantagem técnica e tática sobre o oponente permite.

Com Ozil e Kaká promovendo com Ronaldo uma intensa movimentação em torno de Higuaín no 4-2-3-1 habitual, atacando pela esquerda com Marcelo e criando espaços para o apoio no lado oposto de Khedira que compensava o posicionamento mais conservador de Arbeloa, o Real se impôs desde o início.

Mesmo com o susto inicial do chute por cima do marfinense Doumbia à frente de Casillas e os problemas para conter Dzagoev – atacante de movimentação no 4-4-2 do time russo – às costas de Xabi Alonso e Khedira, o time mandante comandou as ações e controlou o jogo sabendo a hora de acelerar e cadenciar.

Em uma das aparições de Khedira pela direita, a bola chegou a Kaká que serviu Higuaín para abrir o placar. O meia brasileiro já tinha assustado o goleiro completando jogada de Ronaldo minutos antes. O CSKA respondeu com uma bomba do nigeriano Musa, que procurava as costas de Marcelo e deu trabalho a Casillas. Porém, as ações dos visitantes não eram constantes pela eficiente pressão do Real na saída de bola e a intensidade no ataque.

Primeiro tempo: Real no 4-2-3-1 costumeiro, mas com movimentação mais intensa do trio de meias em torno de Higuaín e o apoio de Khedira e Marcelo; CSKA no 4-4-2 com Dzagoev recuando para atuar às costas dos volantes merengues alimentando Doumbia.

Saldo da primeira etapa: 61% de posse de bola e cinco a três nas conclusões para o time merengue.

O gol de Ronaldo logo no início da segunda etapa encaminhou a classificação e o Real se acomodou. Quase pagou pela letargia quando Doumbia ganhou de Casillas, mas bateu para fora. Até Benzema sair do banco para substituir Higuaín e, na primeira participação, concluir duas vezes para praticamente resolver o jogo.

Kaká deu lugar a Granero. Com o cansaço de Ozil e uma certa ausência de Cristiano Ronaldo, o Real parou de criar. O CSKA diminuiu com um golaço de Tosic e partiu para cima com Necid na vaga do autor do gol repaginando a equipe num 4-2-3-1 bastante ofensivo.

Mourinho poupou Ozil e, ao mesmo tempo, reforçou a marcação com Lass Diarra. No final, o gol de Ronaldo sem goleiro fechou a simbólica goleada que confirmou o favoritismo do elenco mais equilibrado do planeta que não depende exclusivamente do talento do seu craque para decidir.

O trabalho coletivo vai muito além e faz o Real Madrid ainda mais forte para buscar os mais que possíveis títulos nacional e continental.

No final, José Mourinho reforçou a marcação e Benzema e Ronaldo puxaram o contragolpe letal que fechou a goleada, aproveitando os espaços cedidos pelo ofensivo 4-2-3-1 do time russo.


Daniel Carvalho toca em tema explosivo. Aguentará o rojão?*

Leia o post original por Antero Greco

A notícia mais importante do dia veio com a entrevista que Daniel Carvalho concedeu para a rádio Estadão/ESPN na hora do almoço. O meia do Palmeiras admitiu ter usado anabolizantes durante algum tempo, no período em que defendeu o CSKA Moscou. Ele alegou que no início ignorava os efeitos das injeções que tomava, para “encorpar”, e garante que, ao saber dos riscos, pediu para não mais ser submetido ao “tratamento”.

A facilidade de acessos aos anabolizantes, segundo Daniel, vinha do fato de não existir controle antidoping na Rússia. Também informou que, por aquelas bandas, isso é corriqueiro e normal. E observou que outros jogadores brasileiros saem de casa franzinos, embora atléticos, e, com algum tempo de Europa, ficam com corpanzil apropriado para quem pratica o futebol americano ou rúgbi.

O que Daniel disse é da maior gravidade – e muitas vezes a questão dos anabolizantes foi levatanda por aqui. Sobretudo quando se vê jogadores que ficam fortes da noite para o dia. Atletas negam qualquer ardil, negam de pés juntos que tenham tomado algum fortificante, digamos, inventado pelo Professor Pardal e que os faz virar gigantes. Creditam alterações evidentes para os métodos de preparação física.

Para leigos, dentre os quais me incluo, sempre fica aquela dúvida: mas será que o rapazinho de ontem, virou esse gladiador de agora só por ginástica e alimentação? Os ares da Europa, a água, a comida de lá são tão potentes assim? De onde veem tórax enorme, coxas portentosas e pescoço maciço? Puxa, por que aqui é tão diferente?

Daniel pode ter levantado o fio de uma discussão importante para o esporte. A questão, agora, é saber se levará adiante o que afirmou à emissora ou se, pressionado, recuará? A questão de anabolizantes é muito, muito delicada, e envolve interesses altos. A Fifa e as associações médicas, como a Wada (a agência internacional de controle antidoping), entrarão no tema? Pois se trata de questão esportiva e de saúde.

Ou será que logo aparecerão especialistas para atuarem como bombeiros e alegar que Daniel Carvalho falou sem conhecimento do tema? Que pode levar as pessoas a confundirem suplementos vitamínicos com anabolizantes e doping? Enfim, com a conversa fiada de sempre, quando alguém toca num tema tabu? Vamos aguardar.

*No final da tarde, a assessoria de imprensa do Palmeiras divulgou nota em que Daniel Carvalho volta atrás em suas declarações, afirma que não saberia dizer com exatidão se aquilo que tomou era anabolizante e ainda pediu desculpas ao CSKA. Bingo!

Vagner Love no São Paulo?

Leia o post original por Milton Neves

Em outros tempos, Vagner Love estaria nos planos do Palmeiras. Mas essa história da mordaça do Felipão espanta até os veteranos da casa.

Segundo Neto, o comentarista mais falado do Brasil, o atacante negocia sua volta com o outro lado do muro da Barra-Funda.

E ele tem acertado muitas, hein?

Na Europa,  declarou que está cansado de morar na Rússia e que, desta vez, não dará prioridade ao Flamengo.

Em relação ao Palmeiras, sequer mencionou. Seria uma consequencia ao estado de sítio alviverde?

No CSKA, em contrapartida, a saída do jogador é dada como certa. Da mesma forma que Andrés Sanchez decretou o fim da história de Dagoberto no São Paulo. Mais um tiro pela culatra?

No Corinthians, eu duvido que ele jogue. Não tem clima.

Lembra da vez que posou com a camisa do Timão e depois, do nada, trocou a democracia corintiana pelo comunismo russo sem atuar pelo Parque São Jorge?

O Savóia não se esquece…

E do gol que eliminou o Corinthians da Libertadores de 2010?

Aquele jogo lhe deu mais crédito no Morumbi do que as próprias tranças vermelhas utilizadas em outras épocas.

Afinal de contas, estaria o São Paulo se vingando das declarações de Sanchez com um super time para 2012?