Arquivo da categoria: Destaque

Flamengo e a namoradinha fiel

Leia o post original por Rica Perrone

Eu entendo todos os motivos do Rueda.  Fosse ele, também manteria a possível ex e esperaria o acerto com a nova.  É cômodo, quem nunca?

A culpa dessa facilidade é sempre da atual. Na cara dela, flertando com outra, mesmo que seja outra de nível considerável que cause mais ciúmes do que raiva. Ainda assim, é outra.

Ela pode dar um basta, pode blefar, só não pode assistir.

Enquanto ele vai na academia pra emagrecer pra próxima, ela engorda depressiva pelo que está passando.  E se resolver não partir, ela ainda entenderá como uma vitória e o tratará como troféu.

O Flamengo não pode brincar de ser a namoradinha atual a um mês de começar uma Libertadores, uma temporada promissora, etc.  A montagem do elenco passa por comissão técnica, os princípios de jogo e planejamento físico idem.

É fundamental a decisão do Rueda.

Ele pode sair. Mas não pode deixar prejuízo.  Hoje, a indecisão dele já representa esse prejuízo.  Mas a culpa não é dele, qualquer um faria o que ele está fazendo.

A culpa é “dela”, que está deixando e sofrendo de amor.

O Flamengo está prestes a tomar um pé na bunda. Está esperando pra ver se ele fica, como quem depende daquela relação. E se sair hoje, com o ano começado, planejamento determinado, mercado já tendo comprado e vendido as principais peças do jogo…  É porque ficou sem e ainda ficou grávida.

abs,
RicaPerrone

Claro que faz diferença

Leia o post original por Rica Perrone

Eu adoro o Robinho. Não o conheço pessoalmente, mas como personagem e jogador, gosto muito.  Carinhosamente o chamo de “Nego Robson” nas minhas postagens e não sei o quanto acredito num estupro envolvendo seu nome.  Mas, hoje, ele está condenado pela justiça italiana por isso.

Eu não tenho a menor condição de julgar, e tal qual 99,9% de vocês, só posso respeitar uma decisão da justiça e entender que mesmo cabendo mil recursos, há um processo bem ruim para o jogador em andamento.

Enquanto acusação, ok. Quando condenado, muda de status e sim, tem que mudar mesmo. Não é possível que a gente tenha que ser radical pra um lado ou outro e achar que ele é um estuprador, nem mesmo insinuar que uma condenação de estupro não interfira na sua imagem profissional.

É natural e aceitável que clubes rejeitem a idéia de ter Robinho, como era com o Bruno. Como talvez seja em outra proporção com o Breno, por não envolver terceiros em seu crime. Mas ter uma condenação muda sim o status de qualquer pessoa. E deve mudar. É natural.

Robinho é um jogador diferente. Caro, mas que vende, joga bem, é carismático. Eu sempre gostei da idéia de tê-lo no meu time. Hoje eu pensaria. Porque sim, amanhã você pode ter um condenado por estupro no seu time tendo que estampar a porra da foto em tudo que é jornal com a camisa de voces e seu patrocinador.

Sim, tem um peso.

Eu espero mesmo que ele seja inocente e que seja um erro da justiça italiana. Mas enquanto isso não mudar, é realmente complicado contratar o jogador.

E por mais que cobrem da imprensa um massacre como fizeram com o Bruno, é compreensível o pé atrás em falar sobre. Amanhã pode haver uma segunda decisão e ele ser absolvido. Mas falamos de hoje. E hoje ele foi condenado.

Que merda. Mas é isso. Hoje, é isso. Infelizmente.

abs,
RicaPerrone

Feliz dois mil e hexa!

Leia o post original por Rica Perrone

Em 2018 eu quero que você reuna seus amigos o máximo de vezes que puder. Que faça churrascos com muita cerveja, risadas sem noção e futebol sempre que puder. Quando não puder, dê um jeito.
 
Não precisa ser a picanha mais cara. Se não der, pega aquela de 30 reais. Tudo bem. Compra latão, tanto faz. Mas junta gente, brinda coisas sem sentido, abraça os amigos e promete qualquer merda mesmo que seja só um conhecido.
 
Sorria. Aliás, gargalhe. Morra de rir.
 
Não brigue com seus amigos por causa desses filhos da puta da política. Discuta, mas quando a chapa esquentar, muda de assunto. “E o Corinthians?!”. Pronto, foda-se o Lula, o Bolsonaro, o Doria….
 
Se veste de amarelo. Pinta a cara. Curta a Copa e não seja um idiota que reclama do pão e circo no mes de junho. A gente precisa de circo pra vida ter sentido e pão pra ela continuar. Uma coisa não exclui a outra.
 
Se juntas pessoas para celebrar, cantar o hino, sentir orgulho e confraternizar não é motivo para parar o país, cancela a porra do Natal.
 
Vai ter hexa! Tem que ter.  
 
Não importa onde, mas sempre com quem. E se for com os nossos, o lugar tá ótimo.
 
Um ano cheio de muita risada gostosa, amigos leais, romances surreais, jogos memoráveis do seu time, churrascos com mais pão de alho que picanha e, ainda assim, os melhores churrascos do mundo.
 
Pára de esperar ficar rico. Ser feliz custa menos de 100 reais.
 
Um 2018 do caralho pra vocês! Inclusive pra quem vive aqui só pra me encher a porra do saco.
 
Aos meus, em especial, e quem é sabe, um beijo enorme e obrigado por mais um ano de amizade e tudo que citei acima. Eu tenho os melhores amigos do mundo. Agora pega o cavaco, bota a cerveja pra gelar, acende a churrasqueira chega de papo!
 
Feliz 2018
abs,
RicaPerrone

E quem não quer ver o milagre?

Leia o post original por Rica Perrone

Aos 30, fora de forma, era um risco. Aos 32, uma última chance. Aos 35 anos, sem se cuidar há muitos deles, Adriano e a bola flertam, tem todo o apoio dos lados necessários, até a vontade, mas talvez dessa vez não seja mais suficiente.

Quando esse cara sorri alguma coisa nele transmite sinceridade. Não há um ser humano sensível capaz de ignorar a pureza que há no Adriano.

Eu não o via pessoalmente desde 2008, quando trabalhamos no SPFC.  Encontrei há 2 ou 3 semanas num restaurante no Rio. Ele estava com Carlos Alberto e eu não sabia se ele sequer se lembraria de mim. Parei do lado e arrisquei: “Imperador?”

Cara, ele não é daqui.

Levantou, me abraçou, me deu um beijo, perguntou como eu tava, por onde andei, foi carinhoso ao extremo.  Falou da derrota pro Flu em 2008, que foi uma das ultimas vezes que nos vimos.  Mas independente da educação, a pureza.  Eu sou jornalista. Ele tava bebendo.  Eu podia ser um dos milhões de babacas que cobrem a vida pessoal dele como novela. Que garantia ele tem?

Ele parte do princípio que as pessoas são boas a volta dele. E isso o prejudica muito, mas também faz dele um puta cara diferente. Gostar do Adriano é uma questão de bom senso. Confirmar o que ele transmite é uma oportunidade rara que tive o privilégio.

É o Imperador da favela. O cara que jogava na Inter ainda sendo um moleque que empinava pipa.  Ele nunca saiu da favela, nunca fez mais do que 19 anos, e o corpo dele não acompanha. A cobrança idem.

Ele quer voltar.  Mas aos 35, sem ser um “Zé Roberto”, tudo que ouço dos preparadores físicos é a palavra “milagre”. Todos que consultei falaram em “milagre”.

É realmente muito difícil. Improvável. Talvez, um milagre.

Mas imaginar a volta de Adriano aos gramados pode até parecer um milagre. Não sorrir com essa possibilidade é quase um desvio de caráter.

Viva o Imperador! Com ou sem chuteiras, tanto faz.  Desconfiar dos motivos que levam o povo a adora-lo é um atestado de falta de sensibilidade e, porque não, burrice.

abs,
RicaPerrone

Identidade

Leia o post original por Rica Perrone

Acho incomparável a possível troca de Fred pelo Fla com a ida ao Cruzeiro.  Como falei sobre Kaká outro dia, o mesmo se aplica ao Fred. Ter revelado o jogador não faz dele um ídolo do clube.

A ligação Fred/Cruzeiro nem a esse ponto chega porque ele veio do América. Ou seja, é só um cara que jogou lá (e bem) por 1 ano e meio. Não vi a ida dele pro Galo como “trairagem” ou sequer “polêmica”, idem pra sua volta, embora tenha sido direta.

Ele também não é um ídolo do Galo. Foi só um grande jogador que atuou lá.

Separemos.

No Fluminense ele é um dos maiores, se não for o maior. Ir ao rival tiraria dele uma parte considerável da relação torcida/ídolo que construiu ao longo de 8 anos de clube. Lá foi campeão, jogou Copa, outro patamar.

A ida pro Cruzeiro me chama mais atenção pelo timaço que eles tão montando do que por qualquer dor de corno ou polêmica em terceiros.

Outro dia falava sobre o pensamento pequeno da diretoria do Flu e em massa sua torcida concordava.  Mas sim, achei meio “pequeno” por parte de parte torcida do Flu “comemorar” a ida dele ao Cruzeiro. Afinal, se houve proposta, ele também recusou a sua. Embora “não ir pro Flamengo” seja uma vitória, não se posta festa em família porque o primo saiu de cadeia, né?

Entre os “vencedores e vencidos”, acho que ficou bom pra todos. Eles segue ganhando uma grana, morando perto da família e jogará a Libertadores.

Ah, mas a organizada é contra!

Mais um indicativo que o clube agiu certo. Ótimo reforço. Ainda o melhor do país na posição.

E azar de quem não levou ou não pode pagar.  Simples assim.

Queria eu ter o Fred no meu time.

abs,
RicaPerrone

Eu odeio o Natal

Leia o post original por Rica Perrone

Não entendo essa alegria de vocês.

Só porque no Natal a gente come e bebe sem culpa as melhores comidas do ano em fartura e em família?

Só porque se repete sem cerimônias e nem parecer coisa de pobre a ceia do dia anterior no outro dia e então podemos comprovar sem culpa que tem alguns pratos que ficam melhores no outro dia do que feitos na hora?

Porque?

Porque ligamos pros nossos amigos e dizemos a eles o quanto eles são especiais sem parecer idiotas?

Porque a sociedade se esquiva do escudo do ódio, ignora as dificuldades e nesse dia abraça todo mundo, sorri pra todos, enche a cara e sai declarando amor por aí?

Porque crianças atingem o limite da fantasia esperando um velho de trenó dar um presente numa lareira que 99% das casas não tem e mesmo assim eles nem desconfiam?

Porque seu tio tira o terno e se veste ridiculamente de papai Noel pra tirar sorriso de crianças?

Ou porque nessa data você é menos egoista e acaba doando algo a mais pra ver alguém feliz?

Porque o taxista se despede não só devolvendo o troco mas também te dando a mão e desejando a quem mal conhece um ótimo ano e uma noite feliz?

Porque quem te ama te dá presentes?

Porque aquela pessoa que você teve um mal entendido no ano te manda mensagem e quebra sua raiva do nada nesse dia?

Porque os cachorros ganham petiscos “proibidos” e ficam alucinados com tanta gente em casa pra fazer carinho?

Porque as ruas tão vazias e não tem transito? Porque ?

Porque vocês gostam tanto de Natal?

Eu não gosto.  Então me deem licença, eu vou me arrumar, ligar pros irmãos, desejar tudo de bom a todos que amo, depois comer bem, beber, estar com quem gosto, sorrir, não ter hora pra acordar, alimentar o sonho de algumas crianças por aí e tentar suportar essa noite que vocês tanto gostam e eu não sei porque.

Afinal, eu odeio natal.

Ah! Feliz Natal.

abs,
RicaPerrone

Cadê vocês?

Leia o post original por Rica Perrone

Todo ano eu me pergunto em dezembro onde estavam nos útlimos anos e eleições os clubes que hoje se lamentam pelo calendário.

Todo ano eu tento entender como 10 clubes podem achar ruim a cota de TV e só 2 estarem felizes sendo que 10 podem fazer um campeonato e 2 não.

Todo ano eu tento entender porque o torcedor é tão facilmente manipulado pela mídia que odeia a CBF e não percebe que tudo que está lá é meramente a representação oficial autorizada do SEU clube.

Há meses a CBF não tem presidente que possa sair do país. Algum clube foi lá cobrar da entidade o afastamento dele? Que houvesse nova eleição? Que algo fosse feito pela representação dos clubes?

Não.

Houve algum movimento entre os clubes para que a eleição na CBF seja ANTECIPADA após a suspensão do presidente? Não. Ela será ADIADA para que ele esteja de volta ao cenário político.

Nos últimos anos qualquer analfabeto entendeu que o sistema de corrupção, má gestão e favores do governo só existe porque é sustentado de baixo pra cima.  Não notaram que o futebol brasileiro tem um sistema político muito parecido e, portanto,  tem muita gente muda porque está feliz.

Seu clube, seja ele qual for, é cúmplice e hoje um dos mais covardes pilares do futebol brasileiro. Se há 12 “grandes” que se quiserem mudam tudo, sabemos de quem são.  E eles não estão muito preocupados com nada disso, apenas com qual jogador vão tirar do rival via liminar, ou talvez como vão eleger alguem mais próximo desse ou daquele dirigente.  Ou também, “pra que se indispor com o presidente e amanhã ter um pênalti não marcado?”, como ouvi outro dia.

Não querem mudar. Não vão mudar.

A CBF passou pelo ano todo esperando uma atitude de fora pra dentro que pudesse intervir no absurdo que é ter um presidente que não pode exercer suas funções em sua totalidade e nem ter a dignidade de pedir pra sair enquanto nota ser um atraso pro futebol brasileiro.

Ninguém se mexeu. Nenhuma federação ou clube tentou mudar isso ou protestar contra o cenário.

E você realmente acha que seu clube é “vítima” de qualquer calendário, receita de TV, regras do jogo ou politicagem do futebol brasileiro?

Então tá.

abs,
RicaPerrone

Diminuído

Leia o post original por Rica Perrone

Eu vou escrever algo que não vai soar familiar aos não sócios, talvez agressivo aos sócios. Mas eu sinto tanta falta de escrever sobre a mística do Fluminense que me incomoda muito vê-lo cada vez mais longe dessa pauta.  Reclamam que passei a falar mais desse ou daquele, mas na real é o Flu que não me dá pauta alguma.

Eu não conheço o Abad, conhecia o Peter, tinha ótimo relacionamento com ele e tenho com o Mário.  Na real eles são todos pedaços de um processo de anos que cobrou deles uma postura individual após a saída da Unimed. E então separaram idéias.

Não quero concordar com um ou com outro, pois na real são anos de gestão, anos de diretoria e meses de um trabalho. Situações muito diferentes as dos três, mas que refletem muito do que o Fluminense tem por valor institucional.

Algumas pessoas na diretoria do Fluminense consideram o Flu um time menor. Essa frase não é uma coisa minha, já foi comparado ao Fulham da Inglaterra internamente dito em conselho. Parte concorda por conta da receita, outra parte discorda. Eu sou a segunda parte.

O Fluminense não pode “não ter 20 mil pra pagar” conforme áudio vazado. E mesmo se tiver, tem que fingir ter. Parte da grandeza é parecer grande o tempo todo.

O Fluminense não pode vender seu maior ídolo pra um rival e ele dizer na cara do presidente “eu não estou saindo porque quero”.

O Fluminense não pode negociar seus jogadores top com times brasileiros. Isso o inferioriza. O sucesso no Flu representa a ida pra Europa, não pra um outro time brasileiro antes desse estágio. Os clubes procurarem o Flu pelo Scarpa já me incomoda.

O clube não pode ter alvos e metas tão tímidos. Por menor que seja a condição financeira, ousar não é “loucura”. Loucura é tratar o Fluminense como Figueirense.

O clube precisa de ídolos, expectativa, movimentação de mídia, casa cheia.  Outro dia o Flu tinha a Unimed mas mais do que a grana deles, a loucura e megalomania do Celso, que não via o Fluminense como um time “menor”.

Na saída, o racha se dá muito em virtude de alguns tentarem ousar sem a Unimed e outros quererem o Flu conservador ao ponto de ser coadjuvante.

Nem um, nem outro.

É fim de ano morno, o Flu não promete nada pra 2018, nem sonda nomes que possam coloca-lo na briga. Sugere negociar com times internos seus jogadores. E o torcedor ainda vê seu ídolo negociar com o rival porque há pouco tempo o clube quis se desfazer dele.

A auto estima do torcedor é parte do patrimonio do clube.

Pés no chão é bom, mas quem tem os pés no chão não voa. E time grande tem que voar.

abs,
RicaPerrone

Só o Grêmio se deu “bem”

Leia o post original por Rica Perrone

O sorteio da Libertadores tem essa coisa de evitar confrontos entre times do mesmo pais. E nessa acaba equilibrando os grupos, considerando que os brasileiros estão num degrau acima de investimento, nível de elencos, etc.  Dos 8 brasileiros, só um pode “sorrir” após o sorteio.

O Vasco pra chegar tem um trabalho não tão duro. Mas chegando é com Cruzeiro, U. De Chile e Racing. Grupo dificílimo! Um dos piores, até.

O Cruzeiro, por consequência, idem.

O Santos tem um grupo “ok”. Mas vamos esperar sempre a lógica, e ela indica o Nacional do Uruguai por ali, o que torna o grupo de 2 vagas com 3 grandes.  Mais uma pedreira.

Corinthians tem um argentino campeão da Sulamericana e o atual campeão colombiano. Pedreira.

Grêmio tranquilo, só tem o Cerro com tradição ali. O resto é moleza.

O Flamengo terá uma baba vinda das fases anteriores e o River, que dispensa apresentações.  O Emelec é o divisor de águas em tese. Grupo não é mole não.  Também não chega a ser o inferno que se meteu o Palmeiras.

Boca, Alianza Lima e provavelmente o Olímpia…. O Palmeiras vai precisar estar muito bem já em fevereiro. Não dá pra vacilar. É o pior grupo junto do Cruzeiro, embora os dois casos ainda esperem a “lógica” não confirmada das fases anteriores.

Com uma “sorte” os dois recebem adversários mais fracos. Mas a tendência não é essa.

E o Grêmio, se focar, já sai dessa fase garantindo decidir em casa até a final.

abs,
RicaPerrone

Punir o clube é punir o futebol

Leia o post original por Rica Perrone

Eu nunca entendi bem a relação segurança/clube no futebol.  O clube é responsável pelo jogo mas a segurança é feita pela polícia, logo, não é dele. E embora ele seja o organizador, a parte fundamental de logística de segurança ele não determina.

Então de quem cobrar?

Vou usar exemplos simples:  Quando o Grêmio é expulso da Copa do Brasil por racismo, comete-se um erro brutal.  Se dá o poder a 20 elementos de eliminar o sonho de milhões e o trabalho honesto de um clube, grupo, elenco, diretoria, etc.  Se há o vídeo, se há como saber de onde partiu, porque eliminar 3 milhões de torcedores e não procurar os 20 ou 30 elementos?

“Pra dar exemplo”.

Que bosta de exemplo! Punimos todos porque somos incapazes de identificar e prender aqueles que todos nós sabemos quem são. Exemplo de incompetencia do estado. É o único que foi dado.

Quando acontece dentro do gramado, aí é um problema mais ligado a organização do evento. Ok. Vamos relevar problemas como Boca x River, por exemplo.  Até cabe a discussão de punir o clube.

Mas quem é que cuida da segurança de uma possível invasão ao estádio? A polícia, até onde sei. E então como você pune 30 milhões de pessoas porque 300 das quais sabemos de onde vem, que roupa usam, onde combinaram e até onde ficam na arquibancada, invadiram um local?

Até que página o Corinthians é responsável por um torcedor levar um sinalizador e soltar na Bolívia?

“Ah mas se punir o clube esses marginais vão ter que parar porque está prejudicando o time deles”.

Jura que vocês acham que esses caras tem algum critério de amor a clube que possa fazer dele um “não marginal”?  Essas regras são aplicadas há decadas. Se tira mando, torcida, pune, multa, elimina…. e?  Nada.

Porque diabos não se usa a primeira a simples opção: identifica uns 40, prende e não solta. Jogo seguinte, prende mais 5 que fizeram merda no estádio e não solta.  Quer ver como eles param rapidinho?

São como deputados. Roubam porque tem mil formas de escapar. O problema é social e atrelado a impunidade. Não a Flamengo, Vasco, Santos, Gremio… Eles só usam o futebol e a multidão para esconderem seus crimes.

Quando você dá uma punição esportiva a eles, você dá o direito de que 200 marginais representem e tomem de sequestro uma entidade esportiva que carrega milhões de pessoas de boa índole. É a vitória maior deles.

O que aconteceu é absurdo, lamentável, etc. Mas me diz: Como o clube poderia evitar que 300 marginais sem ingresso invadissem o Maracanã além de avisar a polícia que aconteceria?

Eu honestamente não entendo essa relação. São todos liberados, a polícia dá porrada pra todo lado sem o menor critério e tudo bem, os bandidos respondem em bando e ficam todos livres e o clube perde mandos.  Resolvido!

Mas que puta solução idiota.

E segue o enterro. Ou você acha que o futebol é capaz de se blindar de um problema social? Num estado em guerra, uma cidade onde há aplicativos para avisar onde tem tiroteio, a polícia mal recebe, os moradores de comunidade pedem ajuda a traficante e não a polícia por segurança, e você espera que o Maracanã esteja livre de invasão de marginais?

Meus caros, eles vão fazer mais 300 vezes até que a justiça os torne João, Pedro, Rogério, Marcos, e não mais “a torcida do….”.

Punir clube é punir a gente que ama futebol. E seja você um doente torcedor rival louco pra ver o Flamengo “se fuder”, não seja bobo, amanhã 30 marginais da sua organizada atiram uma pedra num dirigente e quem tá fora do campeonato é você.

Eles só mudam a camisa.  O que a justiça no Brasil não consegue entender é que eles USAM o futebol pra cometer crimes e não os cometem por serem amantes do futebol. Punir o futebol não atinge esses caras.

Mas atinge a nós, torcedores de bem.

abs,
RicaPerrone