Arquivo da categoria: diego cavalieri

Eu AVISEI hein? Sem o patrocinador o TIME iria QUEBRAR!

Leia o post original por Craque Neto

O Fluminense divulgou nota nesta quinta-feira (28) que para aliviar a folha salarial do clube dispensará oito jogadores. Entre eles estão nomes importantes do atual futebol brasileiro, como o goleiro Diego Cavalieri e o zagueiro Henrique, que fez parte da Seleção Brasileira na última Copa do Mundo. Além deles estão na lista de negociação de saída Arthur, Higor Leite, Maranhão, Marquinho, Roberto e o lateral Wellington Silva. Sabe o que é o mais engraçado? Quando a Unimed, patrocinadora que ficou por muitos anos nas Laranjeiras, gastava rios de dinheiro em reforços – bancando uma fortuna para jogadores pontuais – fui […]

O post Eu AVISEI hein? Sem o patrocinador o TIME iria QUEBRAR! apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Santos implacável derruba o Fluminense

Leia o post original por Antero Greco

O Santos continua inclemente na Vila Belmiro. Não há quem resista à força alvinegra na baixada. A mais recente vítima foi o Fluminense, com os 3 a 1 que levou na tarde deste domingo, pela 29.ª rodada do Brasileiro. O campeão paulista terminou a partida no G-4 e ficou à espera de Chapecoense x Palmeiras, em Santa Catarina.

O resultado pareceu adequado, mas não foi. O Santos jogou muito, mas muito mais do que o Flu. Desde o começo até o encerramento apareceu excessivamente na área tricolor, chutou a gol, pressionou, criou chances, marcou e teve lances anulados por impedimentos. Não deixou o rival respirar, pensar, reagir. E só levou gol segundos antes do apito final (Robert aos 46) por relaxamento natural de vitória assegurada.

A superioridade santista contou, para abrir os trabalhos, com a colaboração de Diego Cavalieri. O goleiro do Flu vacilou numa reposição de bola e, na dividida, Lucas Lima fez 1 a 0. O gol no início animou a turma de Dorival Júnior, que dobrou a conta aos 10 com Marquinhos Gabriel.

A vantagem folgada definiu o que aconteceria dali em diante, com cena a repetir-se a todo momento. O Santos ia à frente e o Flu tratava de evitar surra daquelas de envergonhar. Diego Cavalieri evitou outros gols, ainda no primeiro tempo, e só tomou mais um aos 38 do segundo, com Neto Berola.

O Santos tem 46 pontos e briga por vaga na Libertadores. O Flu está com 37 e deve fazer figuração daqui até o fim da temporada. Os dois ainda contam com possibilidade de reencontrar-se na Copa do Brasil, já que são semifinalistas. Os santistas terão o São Paulo pela frente e os tricolores enfrentarão o Palmeiras.

Ronaldinho e duas obras-primas de arrepiar

Leia o post original por Antero Greco

Sem emoção, raras coisas na vida têm graça. O futebol, então, não faz sentido algum, se não despertar sentimentos fortes. E, o máximo, são os gols – benditos sempre aqueles que os marcam. Por isso, toda reverência ao jogador que mandar a bola para as redes.

E, quando o boleiro exagera no capricho, na beleza do gol, então é de se tirar o chapéu e fazer uma reverência, porque o sujeito merece. Se marcar dois, então, palmas em dobro, abraços e, se possível, que seja carregado em triunfo. Aliás, como são marcantes as cenas em que um jogador é carregado pelos colegas ou por torcedores…

Se o autor das obras-primas for Ronaldinho, é pra se arregalar os olhos, ficar com a boca aberta por minutos até a gente se dar conta de que foi realidade e não sonho. Pois o gaúcho perpetrou, na noite desta quarta-feira, mais dois momentos antológicos, no clássico com o Fluminense, em BH. Duas cobranças de falta de perfeição absoluta, irretocáveis, gols de placa.

No ângulo, uma na direita, outra na esquerda. Uma em cada tempo, para premiar cada uma das traves com esses toques de gênio. Sem chance para Diego Cavalieri, que ficou com os pés grudados no chão, encantado também ele com as estrelas cadentes em forma de bola que entravam no gol.

Qualquer um que tenha o mínimo de gosto por futebol, naqueles momentos ficou arrepiado, emocionado, abobalhado. Sem vergonha nenhuma de sentir os olhos marejados. Porque foram gols de fazer chorar de emoção.

A eliminação do Fluminense e a “vingança” corintiana

Leia o post original por Quartarollo

ollimpia

ollimpiaSe dizia que o futebol brasileiro com todos os seus classificados da primeira fase era o favorito para ganhar mais uma vez a Libertadores da América. Seria a quarta vez consecutiva. Ganhou as últimas três com Internacional (2010); Santos (2011) … Continuar lendo

Felipão corrige os erros de Mano Menezes, mas pisa na bola ao ressuscitar “Julio Chester”! E o Cássio, e o Cavalieri?

Leia o post original por miltonneves

Felipão começou seu trabalho à frente da Seleção Brasileira.

Corrigiu os equívocos de Mano Menezes e trouxe Hernanes, Fred, Ronaldinho Gaúcho e Luis Fabiano de volta.

Em compensação, “pisou na bola” e ressuscitou o goleiro Júlio César, que já teve muitas oportunidades.

Concorda com os escolhidos?

Não é um bom momento para Diego Cavalieri?

E o Cássio, então, que brilhou na dobradinha Libertadores-Mundial?

Opine!

Renascimentos de Ronaldinho, Fred e Luxemburgo marcam Brasileirão

Leia o post original por Perrone

Ronaldinho renasceu

O renascimento de quem já parecia carta fora do baralho foi a marca do Brasileirão-2012. A começar pelo campeão Fluminense, que viu ressurgir Fred, Diego Cavalieri e Deco.

No vice-campeão Atlético-MG, a volta por cima foi de Ronaldinho Gaúcho, talvez a mais surpreendente do Nacional. Não foi suficiente, porém, para levar o Galo ao título, mas a segunda posição não deixa de ser um novo sopro de vida para o time mineiro.

Terceiro na tabela, o Grêmio viu Vanderlei Luxemburgo sair da UTI após um longo período e mostrar que ainda tem lenha para queimar. Assim como Ney Franco, resgatado do exílio na CBF pelo São Paulo, quarto colocado. Na rodada derradeira, o time do Morumbi se deleitou ao ver Ganso ensaiar a sua ressureição gastando a bola contra o Corinthians, que passou o Brasileirão entorpecido pela conquista da Libertadores.

Oitavo colocado, o Santos sofreu com a dependência em relação a Neymar e descobriu que precisa de contratações cirúrgicas para não ficar no limbo no ano que vem.

Da metade para baixo, a tabela reuniu o sofrimento de grandes que gastam muito e jogaram pouco. O Inter trançou as pernas por conta da precipitação de seus cartolas ao contratar e demitir treinadores.

Flamengo e Palmeiras sofreram de males semelhantes. Brigas políticas, contratações erradas e relacionamento desbotado entre técnicos e jogadores. A diferença é que os cariocas conseguiram chutar para longe a Série B, novo lar provisório do alviverde.

O despejo na Série A soa como castigo para quem em algumas rodadas desprezou a competição para ganhar a Copa do Brasil. No campeonato das ressureições, o Palmeiras não conseguiu mais do que agendar a sua para 2013.

Brasil ganha da Argentina nos pênaltis. Jogo só teve luz nos minutos finais

Leia o post original por Quartarollo

fred

fredO Brasil especulou bastante o empate de 0 x 0 para ficar com o título de bicampeão do Superclássico das Américas contra a Argentina, em Buenos Aires. Parece que o apagão do jogo que não aconteceu em Resistência se estendeu … Continuar lendo


Finalmente Diego Cavalieri foi chamado para a Seleção. Fred também está de volta

Leia o post original por Quartarollo

cavalieri

cavalieriCom certeza a CBF não aceitou a minha sugestão. Não chamou o Fluminense para representar o Brasil contra a Argentina, dia 21, em Buenos Aires para decidir o Superclássico das Américas. Mano Menezes anunciou hoje 19 jogadores que atuam no … Continuar lendo


Minha sugestão: “Fluminense é Brasil no Superclássico das Américas”

Leia o post original por Quartarollo

flu

fluCampeonato Brasileiro já acabou para o Fluminense. Agora é só festa e bem merecida. Dia 21, o Brasil enfrentará a Argentina, em Buenos Aires, valendo a decisão do chamado e esvaziado “Superclássico das Américas”, antiga charmosa Copa Roca que jogaram … Continuar lendo


Flu, campeão merecido. Palmeiras, a série B é ali

Leia o post original por Antero Greco

Não aceito teorias de conspiração, nem compactuo com quem queira rebaixar os méritos do Fluminense. A rapaziada de Abel Braga conquistou com méritos, neste domingo, mais um título brasileiro. Os 3 a 2 sobre o Palmeiras garantiram vantagem inalcançável e foram o prêmio de quem fez a melhor campanha. Campeão legítimo, que merece respeito e aplausos.

É pequeno, é ridículo, é indisfarçável dor de cotovelo creditar a campanha tricolor a manobras de bastidores, a corrupção, a um bem armado plano que envolveu a arbitragem nacional. O Fluminense sagrou-se vencedor, com três rodadas de antecedência, porque foi mais regular, eficiente, preciso, sóbrio e elegante.

Não se desprezam 22 vitórias, 10 empates e apenas 3 derrotas numa competição longa e inconstante como a Série A brasileira. Não é qualquer coisa uma equipe marcar 59 gols (o ataque mais eficiente) e sofrer só 28 (a defesa mais consistente). Não é por acaso que tem o artilheiro (Fred, 19 gols). Neste caso, os números  reforçam a realidade e não a mascaram.

O Fluminense pode não ser um supertime – e não temos por aqui um Barcelona como aquele de história recente. Mas, dentro do panorama doméstico, sobressai, manteve ritmo forte do começo até agora, soube dar o bote no momento certo e jamais vacilou. O Atlético-MG chamou a atenção pelo início espetacular, mas perdeu fôlego, ao contrário do novo campeão.

O Flu correu riscos, ora se correu. Mas jamais perdeu a cabeça, muito menos o rumo. A prova veio na decisão em Presidente Prudente. Abriu vantagem de 2 a 0, com Fred e Maurício Ramos (contra), tomou susto com a reação palestrina (Barcos e Patrik Vieira), mas se recompôs e, com a autoridade dos vencedores, liquidou a sorte do jogo e do campeonato, com Fred.

E ainda pode reclamar de erros do juiz: Vuaden anulou mal gol de Rafael Sóbis, quando ainda estava 1 a 0, e ignorou pênalti de Maurício Ramos sobre Marcos Júnior nos 2 a 2. Erros que desta vez poderiam tê-lo prejudicado, como teve falhas que em outras ocasiões o ajudaram. Bem ou mal isso aconteceu para todos.

O Flu comportou-se como grande, faz festa e segue em frente. O Palmeiras… Bem, o Palmeiras foi reflexo do que é, dentro e fora de campo: limitado, desnorteado, abatido. A Série B é ali.