Arquivo da categoria: eleições

Quanto vale o seu amor?

Leia o post original por Rica Perrone

Eu poderia fazer essa pergunta a qualquer vascaíno, qualquer conselheiro, qualquer torcedor organizado e especialmente ao Eurico Miranda.  Farei a todos eles neste post. Porque todos precisam esclarecer isso.

O que houve hoje em São Januário não é uma questão política, nem mesmo um caso de justiça. É imoral. É deboche. É estupidamente descarado. É humilhante.

Eu não sei mapear os problemas políticos do clube. Não frequento pois desde que cheguei ao Rio a gestão do Vasco é “isso aí” e eu não concordo com ela, embora tenha feito ações para o marketing do clube sempre que fui solicitado em minhas mídias sem jamais cobrar por isso.  E não negaria isso ao Vasco com Eurico lá, diga-se.

Sabe porque? Porque é o Vasco e não o Eurico. Não importa quem comande, quando você ama você quer limpa-lo e não deixa-lo. O vascaíno está de mãos atadas acordado até as 3 da manhã em dia útil pra saber se a fraude da urna seria suficiente para causar discussão sobre o resultado.

E foi.

É evidente. É grotesco.  Centenas de sócios novos num curto período, cadastros bizarros, mais de 50 no mesmo endereço. mesmo cenário de 2014, mas dessa vez a justiça entrou no meio. Ela viu! Ela sabe! E a brutal diferença das 6 urnas pra essa, que separavam os suspeitos, é impossível de ignorar.

O presidente eleito no Vasco é Julio Brant. O dono Vasco é Eurico Miranda.

Dono do conselho, dono de torcida, dono de formas para se perpetuar no poder e entender no alto de sua prepotencia que só ele pode cuidar do Vasco.

Talvez seja a idade. Talvez seja maldade.  A única certeza que temos é que isso não é mais amor. Pelo menos não o amor de verdade.

É vaidade. Covarde.

Um sujeito com serviços relevantes prestados a história de um dos maiores patrimonios culturais do país, o Vasco da Gama, consegue escolher deixa-lo pela porta dos fundos e só sairá empurrado. Porque sozinho se recusa.

Não é uma questão de justiça. É uma questão de vergonha na cara.  O Vasco não pode aceitar aquela urna. O conselho do Vasco não pode amanhecer nesta quarta-feira como se fosse mais um dia comum.

Não foi. Foi o dia que o amor pelo Vasco tomou conta do Rio, o dia em que torcedores de outros clubes se revoltaram tamanha cara de pau.

Foi também o triste dia que pela segunda vez um homem derrotou um clube.

Então não parem! Não parem, não!
Não abandone seu amor antigo, seu primeiro amigo.

Parabéns, Julio!
Parabéns, torcida vascaína!

abs,
RicaPerrone

Os “menos piores” do povo

Leia o post original por Rica Perrone

Esse Rio de Janeiro atordoado e sem opções escolheu a que achou “menos pior”.  No domingo de eleição pouco importam as propostas, o ideal,  ou mesmo a carreira de cada um dos candidatos. O que importava era a discussão filosófica sobre “diga-me com quem andas e te direi quem é”. Nós passamos 2 meses de terrorismo …

Dória constrange o bom senso

Leia o post original por Rica Perrone

Passa longe de mim querer indicar alguém, sequer insinuar que este ou aquele seria um bom prefeito para São Paulo.  O que passa na nossa cara e não podemos aceitar é a presença do Dória ser condenada pela sua condição. Assisti aos debates, tenho visto alguma coisa de propaganda política e me sinto um brasileiro ofendido …

Viva a zebra, o combustível da paixão pelo futebol!

Leia o post original por Milton Neves

Goiano's Wendell Lira of Brazil reacts after receiving the Puskas Award for Best Goal during the FIFA Ballon d'Or 2015 ceremony in Zurich, Switzerland, January 11, 2016. REUTERS/Arnd Wiegmann

Você conhece a origem da expressão “deu zebra”?

Explica o professor Ari Riboldi, em seu livro “O Bode Expiatório”, que o nome do simpático animal virou sinônimo de um resultado inesperado no popular Jogo do Bicho.

Isso pelo fato de a zebra não fazer parte do grupo de 25 animais que emprestam seus nomes a essa loteria ilegal.

Logo, quando de uma surpresa no sorteio do Bicho, os apostadores costumavam comentar: “Xiii, deu zebra…”.

E não é que a tal zebra decidiu passear por Zurique, maior cidade da Suíça, durante a cerimônia de entrega da Bola de Ouro da Fifa?

No anúncio do “Prêmio Puskas”, que é entregue ao autor do gol mais bonito do ano, foi sensacional ver a cara de espanto da “gringaiada” ao ouvir que o vencedor era o desconhecido brasileiro Wendell Lira, e não Lionel Messi, sempre favoritíssimo em tudo que concorre.

Só não foi mais sensacional do que o discurso do modesto jogador, agora do Vila Nova-GO.

E como ver e não chorar com a vitória, com o sotaque caipira, com o teor e com a perfeita analogia da mensagem de Wendell ao receber seu merecido prêmio?

E vocês repararam no olhar de carinho, emoção, torcida e orgulho de Kaká enquanto o goiano fazia seu doce agradecimento?

Definitivamente, foi um dos dias mais marcantes do futebol mundial nos últimos tempos, apesar de ser um acontecimento extracampo.

Isso pelo fato de a zebra, grande motivo de o esporte bretão ser tão apaixonante, estar sendo extinta do mundo da bola pelos detestáveis “pontozzz corridozzz”.

Então, quando o imponderável aparece, algo raro hoje em dia, mesmo que em uma premiação, acaba chamando a atenção de torcedores mundo afora.

Pena que os nossos cartolas ainda não sacaram isso e seguem insistindo no insosso sistema de pontos corridos, que é completamente blindado contra ataques de zebras.

Paciência…

E por falar em zebra, o Corinthians, tão temido no final do ano passado, mas que agora se tornou um verdadeiro leão banguela por conta do desmanche em seu elenco, entra em campo domingo (17) contra o Galo, pela Flórida Cup, como grande azarão.

O Atlético, que já enfiou uma “sacolada” no Schalke 04 lá nos Estados Unidos, tem tudo para devolver aquela dolorosa derrota para Timão no segundo turno do Brasileirão-2015.

E com juros e correção monetária, hein?

Desta vez a zebra, o grande combustível da paixão pelo futebol, não dará as caras.

Aposto em 5 a 1 para o Galo de Diego Aguirre, que ainda vai pedir para o time tirar o pé no segundo tempo.

Podem anotar!

Foto: UOL

Não há CEO para gerenciar paixão

Leia o post original por Rica Perrone

Jogadores do Flamengo são considerados problema no elenco por irem a baladas, serem descompromissados e terem abusado da noite antes do treino. Dias depois estes jogadores voltam ao elenco. No dia seguinte, entre os titulares. Qual a leitura que um grupo de comandados faz de seu comandante quando acontece algo do gênero? Qual a hierarquia […]

ABCD: Brasileiros bombando, viva o macarrão e xô, pizza!

Leia o post original por Milton Neves

pdt_img_121607

Estou jogando minha pequena toalha.

Não pude em 2015 meter o pau nos “pontozzzzz morridozzzzz…”.

Foi e está sendo um sucesso o nosso futebol pós-Felipão-7 a 1.

E é paradoxal.

Mesmo com tanto cartola ruim e com o brutal apequenamento de nossa Seleção.

Fizemos uma Copa pífia, vergonhosa, inesquecível.

E o defunto ainda não esfriou.

Levará séculos.

Pobre Barbosa, o sem culpa.

Bem feito para Felipão, que enterrou sua biografia.

Quem mandou ser carreirista e tomar o lugar do mediano Mano?

Pelé não disputou em 1974 a Copa da Alemanha para manter sua coroa no lugar, e Felipão deveria ter se contentado com 2002.

Tiro no pé.

E em 400 milhões de todos os nossos pés.

Hoje Felipão está na China mais trilionário do que nunca.

China que recebeu em 1.271 o mítico veneziano Marco Polo.

Aos 17 anos ele se mandou para lá, lutou contra Kublai Khan, neto de Gêngis Khan, e teria inventado o macarrão.

Só que não é verdade.

250 anos antes o italiano macarrão já existia conforme escreveu Martino Corno no livro “Vermicelli e Maccaroni Siciliani”.

Mas ele desbravou o mundo e adorava viajar.

Foi um Marco Polo internacional!

Já o nosso Marco Polo…

E será que a sua auto-reclusão na CBF e no Brasil está dando sorte aos nossos campeonatos?

Bobagem minha.

Mas como pode o abecedário da bola, na base do ABCD, estar tão maravilhoso em nossos Brasileiros, se a Seleção Brasileira e nossos cartolas estão tão mal?

Marin está preso.

E parem de dizer e escrever que aquele apartamento dele com 200 metros quadrados no 41º andar do Trump Tower da Quinta Avenida de Nova York, vale só 2 milhões de dólares.

Ora, conheço quem compraria 50 apartamentos do mesmo padrão por essa quantia incompatível de Série Y em Manhattan, território de “jogo pesado”.

Ainda mais sendo um imóvel na cara do Central Park e com uma vista maravilhosa.

Vale por volta 8 a 10 milhões de dólares.

E os outros dirigentes?

Carlos Miguel Aidar também danificou a sua biografia.

Marco Polo Del Nero não aceita nem jogar truco aqui do lado no Paraguai.

Laor e Odílio são réus perante a Justiça espanhola na esteira da mal cheirosa venda de Neymar, um enigma.

Mesmo assim o Corinthians empolga, o Galo também, o Grêmio sem Felipão cresceu, o Santos sem dinheiro pós-Laor e Odílio virou competitivo e as outras séries estão lotando estádios.

Na Série B, Botafogo e Vitória vão voltar, sete times lutam por duas vagas, e nas esquecidas Séries C e D temos e tivemos emoções a mil com públicos recordes.

Vila Nova-GO, Lusa, Brasil de Pelotas, Fortaleza, Asa, Tupi-MG, Londrina, Confiança, Botafogo-RP, São Caetano, River-PI, Lajeadense, Caldense, Ypiranga-RS, Remo e Operário-PR empolgam e empolgaram seus torcedores nesta reta de chegada da temporada.

E com esses times todos tão abnegados viajando para todo lado neste Brasilzão de Deus!

Coisa que nosso Marco Polo definitivamente não gosta de fazer, ao contrário de seu xará famoso que tanto o fez há 800 anos.

O mesmo italiano Marco Polo que não inventou de fato o macarrão, mas o nosso Marco Polo adoraria reinventar a pizza.

Foto: UOL

Seja gigante, Modesto!

Leia o post original por Kako Ferreira

MODESTO ROMA JÚNIOR É O NOVO PRESIDENTE DO SANTOS!
por dias melhores
Com o fim das eleições para presidente e conselheiros, o Santos termina o melancólico ano de 2014. Se valeu de alguma coisa essa temporada, ao menos como torcedor, foi a “vingança” de ter rebaixado o Botafogo. É triste, mas tivemos que nos apegar a alguma coisa para termos o mínimo de alegria.
Que essa sede de vingança tenha sido saciada dentro de campo, que fora dele, na condução do Santos, esse sentimento não seja combustível para atitudes de alguns, que já demonstraram estarem tomados por ela.

Não conheço pessoalmente o novo presidente, mesmo assim é inegável a percepção do amor que nutre pelo Santos, amor que vem de berço. Que ele possa minar na origem o ódio enraizado, o sentimento de vingança e a raiva no olhar que alguns de seus simpatizantes estão expondo. Felizmente, muitos dos que tem demonstrado esse ranço, estão do lado de fora das cadeiras administrativas, assim espero. Já pude conhecer alguns nomes que farão parte de sua equipe, tem gente boa, de bom caráter e muito bem intencionada que, espero de coração, não sejam contaminados pelos sedentos e famintos por vingança gratuita.

Teremos os ares renovados na Vila, mas os narizes que irão respira-lo, nem tanto. Teremos de volta muita gente que já trabalhou no clube e, de novo, esperamos que o foco seja o Santos, fazer o time crescer novamente, Gigante como o nome da chapa vencedora, voltar a estampar manchetes que nos orgulham, não mais aquelas que nos enchem de vergonha.

Vergonha! Se há um sentimento que perseguiu os santistas nos últimos meses foi esse. Como castigaram o nosso Santos. Por conta de um projeto de poder que naufragou, pagamos um alto preço. Ao menos alguém aqui está pagando alguma coisa né?
Fizeram de tudo pra tomar o poder e tentar mantê-lo fora de campo, fracassaram e tornaram o Santos administrativamente terra arrasada.
Destruíram um departamento de comunicação brilhante e vitorioso, terceirizaram um departamento estratégico pensando apenas no dinheiro. Dispensaram bons profissionais, outros bons que permaneceram e alguns competentes que chegaram, foram sumariamente engessados.

Destruíram o marketing, recheado de gente competente, profissionais com currículos que os colocariam em grandes empresas, poderiam render muitos frutos ao Santos, mas estão ali, também engessados por uma cúpula umbiguista e covarde.
Aliás, sobre isso, me dói ver gente que não sabe como funciona um departamento de marketing, o que é marketing, que também não sabe como e de que forma funciona o do clube, gente que nunca vendeu um saco de pipoca, descarregar regras (pra não dizer outro termo) e atacar covardemente gente que não tem nada a ver com esse circo de horrores.

Enfim, a resposta e o tapa na cara foram dados nas urnas, que alguns até tentaram fraudar. Quem defendia os que ali estavam, entenderam o recado. A incompetência foi tão grande, que conseguiram jogar o clube no colo de seus maiores adversários políticos. Que fique a lição.

Ainda acho que pelo número de sócios aptos a votar, cerca de 19.000, ter menos de 5.000 que compareceram as urnas, é pouco.

Que no fim disso tudo, ganhe o Santos, mesmo sendo judiado por uns e outros, que voltemos ao lugar que é nosso por merecimento. Que Modesto Roma tenha uma administração condizente com nossa grandeza e com a nomenclatura de sua chapa. Como santista, sou mais um nessa torcida.

Pra cima deles, Santos!

E a vergonha só aumenta…

Leia o post original por Kako Ferreira

vergonha

Nunca me conformei com uma derrota, mas aprendi que ela faz parte do jogo, dela podemos tirar lições e aprendizados que podem nos fortalecer e nos preparar para a vitória.
Entender a derrota não é aceita-la e dar de ombros, ela deve ser estudada, saber o motivo da “não vitória” para não repetirmos os mesmo erros.

Mas tudo tem um limite…

Sempre me inspirei nessa frase após um resultado adverso:
“Se você não sabe perder, não está preparado pra ganhar”.

Ok, mas tem hora que cansa né? Principalmente quando a derrota passa a ser rotina e nada dela é extraída como aprendizado. Quando o descomprometimento com o resultado é tão rasteiro quanto o profissionalismo aplicado. Na boa, dá férias pra todo mundo, chama a categoria de base incluindo comissão técnica, chega de vexame, o torcedor não aguenta mais.

Somos o reflexo daquilo que acontece extra-campo, das pataquadas, dos mandos e desmandos que fizeram as receitas sangrarem, o dinheiro sumir, os salários atrasarem e com ele a falta de comando, já que é complicado você exigir e cobrar de alguém que não recebe.

Que fim de ano melancólico, meu querido Santos!

Nossa sorte, se é que podemos falar dela esse ano, é que essa crise começou a aflorar com mais gravidade na segunda metade do campeonato, se fosse no início, estaríamos de mão dadas com o Botafogo, reeditando em 2015, exatamente 20 anos depois, uma final de campeonato Brasileiro só que dessa vez, pela série B.

Não me cobrem analise de jogos e resultados de partidas, em nove jogos o texto seria o mesmo e você sabe como ele começa e termina. Que acabe logo tudo isso, felizmente temos eleições chegando e, quem sabe, possamos melhorar o cenário pro ano que vem.

Pra cima deles, 2015!

¨¨

Santos pede autorização de conselho para negociar atletas antes de eleição

Leia o post original por Perrone

A diretoria do Santos colocou na pauta da próxima reunião do Conselho Deliberativo, dia 25 de novembro, um item polêmico. Ela determina que o órgão vote pedido de autorização para o Comitê de Gestão negociar jogadores às vésperas da eleição para presidente do clube.

Integrantes da oposição já se manifestaram contra a autorização, pois entendem que as negociações (compra e venda) devem ser feitas pela próxima diretoria, que terá seu presidente eleito no dia 6 de dezembro.

“O estatuto diz que em período eleitoral o comitê precisa dessa autorização justamente para evitar que a diretoria venda atletas para pagar dívidas urgentes, como 13º salário, e entregue um elenco enfraquecido para o próximo presidente. Por isso, vamos nos articular para não aprovar isso”, disse ao blog Orlando Rollo, um dos candidatos de oposição à presidência santista.

Na mesma reunião será apresentado relatório sobre investigação a respeito das carteirinhas de sócios do clube com nomes fictícios que teriam direito a voto. Em tese, o caso pode até culminar com o adiamento da eleição, abrindo uma discussão sobre quem fica no poder até lá.

Abaixo, leia a convocação da reunião.
Reprodução

Lista de dispensa e falta de ingressos causam nova turbulência no Palmeiras

Leia o post original por Perrone

A derrota para o Sport na inauguração de sua arena provocou nova turbulência no Palmeiras. Ela atinge o vestiário e a disputa eleitoral no clube.

Entre os jogadores, o problema é ter chegado ao ouvido deles a existência de uma lista de dispensa que estaria sendo preparada para o ano que vem, em caso de reeleição de Paulo Nobre, com mais detalhes do que os divulgados pela imprensa. De acordo com gente que frequenta o vestiário, a informação de que a maioria do elenco não vai ficar gerou mal estar entre os atletas e causou abatimento em parte deles. Fernando Prass, Nathan, Henrique, João Pedro e Tobio estão entre os poucos que não aparecem na relação de dispensados que circulou pelo elenco.

No entanto, Dorival Júnior tem negado ter conversado sobre a montagem da equipe para o ano que vem. O treinador não tem permanência garantida.

Em suas entrevistas Nobre tem dito que irá manter a “espinha dorsal” do time, contrariando o que os jogadores ouviram. Mas o presidente também saiu chamuscado da partida da última quarta. Antes mesmo de o jogo começar, sócios do clube revoltados por não terem conseguido ingressos para a inauguração do estádio afirmavam que, em represália, não votariam mais em Nobre.

Outro problema é que a equipe voltou a ficar em situação delicada na luta contra o rebaixamento o que, em tese, prejudica a candidatura de Nobre. Tanto que após a derrota por 2 a 0 diante do Sport um dos portões do estádio alviverde foi pichado com pedido de saída do presidente.

O presidente disputa a eleição do próximo dia 29 com o oposicionista Wlademir Pescarmona.