Arquivo da categoria: Felipão

Alô Tite. Tchê Tchê tem que ser titular da seleção do Brasil.

Leia o post original por Nilson Cesar

Acho Tchê Tchê o jogador de meio campo mais versátil do Brasil. Muito melhor que Paulinho. Faria o meio campo com Casemiro, Tchê Tchê e Renato Augusto. Já passou da hora do professor Tite dar uma oportunidade ao jogador do Palmeiras. Quem têm que jogar são os melhores. Não concordo com essa história de grupo definido. Já tivemos problemas com Felipão, que foi teimoso demais. Tomara que o Tite seja justo e oportunize o Tchê Tchê. Ficaria muito surpreso se Tite não desse oportunidade ao jogador do Palmeiras. Já  passou da hora!

Tite, não hipócrita, quer e irá! É só chamar!

Leia o post original por Milton Neves

Tite - Foto UOL

Foto: UOL

Hipocrisia é grande mal da humanidade.

Em todos os setores de atividade humana.

Amizades falsas.

Abraços pela frente.

Punhaladas por trás.

Futricas.

Igrejinhas de inseguros.

Fofocas.

Alianças espúrias.

Inveja.

Maledicências.

Patrulhamentos.

O bom patrulheiro é sempre um invejoso visceral, fiel, contumaz, determinado.

Um sofredor diário.

Pesquisador e torcedor do mal.

No mundo inteiro.

Acaba dilacerado em suas entranhas por produção incessante de veneno no organismo.

Antes, “em nome da classe”, seja ela qual for, destila todo seu ódio contra os bem-sucedidos de uma de suas profissões, sem jamais defender ou empregar semelhantes.

Mesmo sendo a principal delas a de “cortejador em seu país de quem está no poder”, seja de qual ideologia for, mas desde que cargos obtenha para apadrinhados.

Depois, reparte-se, com ou sem brigas, verificou-se em grandes escândalos políticos do planeta, tipo o Petrolão.

Nele, indicadores e indicados vivem se contradizendo e se digladiando em intermináveis depoimentos.

É regra mundial.

E neste mundo tão hipócrita, também em nosso cantinho do futebol, o gaúcho Adenor Leonardo Bacchi, conhecido pelo comum apelido de Tite, é uma pessoa incomum.

Competente, honesto, ético por completo, transparente, não hipócrita, não traíra, não invejoso, não patrulheiro, unanimidade nacional e melhor treinador do Brasil faz uns 10 anos.

Odiando acertos e conchavos, nunca atingiu o topo: a Seleção!

Ele anda dizendo que entre o Corinthians e a CBF prefere o gigante de Itaquera.

E vocês queriam o quê?

Que ele virasse o Temer da bola?

Ou que ele dissesse que anda louco para tomar o lugar de Dunga como Felipão 7 a 1 tomou do ruim Mano?

Mano, no entanto, que jamais faria o papelão de Felipão-2014!

Não, é claro que Tite pisa em ovos e anda usando em 100% o seu raro português de “Águia de Haia dos Pampas” (SuperTécnico-2000, na Band) e descarta a Seleção.

Ele não mente, é apenas cauteloso, ético, paciente e observador.

E sabe que a Seleção não tem como fugir dele com o iminente “Impeachment Popular e Técnico” de Dunga.

No dia 25 de janeiro de 2012 disse a mim, a Vitor Guedes, a Eduardo Barão e a Alex Muller, em “Mesa Redonda” da Rádio Band News FM no Mercadão da Cantareira, que “quem ganha o Paulistão, o Brasileirão, a Libertadores e o Mundial acaba mesmo na Seleção”.

E disse mais: “Se eu ganhar tudo isso, serei merecedor do cargo principal de nosso futebol, a Seleção! E quero chegar lá!”, frisou.

E hoje, além de ter ganho tudo que almejava, agregou muita experiência e enorme reconhecimento de todos os torcedores do Brasil.

Eu disse TODOS!

Assim, é só esperar.

Antes, ele seguirá em seu nobre dia a dia “esquivando-se” da Seleção, mas, merecidamente, se demitirem mesmo o Dunga, e logo, Tite assumirá!

É certeza!

Eu garanto!

E deixemos de hipocrisia.

OPINE!!!

O achador de espaço

Leia o post original por Antero Greco

Gostar de futebol, todo brasileiro gosta.

Jornalista então, nem se fale.

Quando cobria a Portuguesa era gostoso ouvir as histórias de Oto Glória, que tinha no meio de campo o grande Dicá, mestre em achar companheiros desmarcados.

No Palmeiras, as conversas eram com Jorge Vieira, um buscador incansável de espaços na defesa adversária, com jogadas ensaiadas.

Tinha Oswaldo Brandão no Corinthians… O piadista João Avelino… O “seu” Rubens Minelli.

Todos tinham um 10 especialista em criar jogadas.

Uma vez falei para o Telê Santana, assim que assumiu o Palmeiras, que no clube tinha um meia canhoto bom de bola. Tinha vindo do Sul. Anos depois, quando era comentarista do SBT na Copa de 1994, seu Telê me chamou de lado e falou: “Lembra daquele meia? Não jogava nada…”

E completou sorrindo: “E você… não entende nada de bola…”

Dito isto vou falar de América Mineiro e Palmeiras, jogo de domingo cedo, pela Copa São Paulo.

Foi um jogo gostoso de ver.

No América, destaque para Matheuzinho, meia inteligente, rápido. Arrisco dizer: um futuro craque.

No Palmeiras, o meia Lipe entrou no segundo tempo e jogou muito. Ele acha espaços onde não existe. Jogador inteligente, criativo, como o time profissional não tem.

Um maestro: deu passes inacreditáveis para os companheiros, mas o jogo terminou 1 a 1.

Nos pênaltis, o time mineiro venceu por 5 a 4.

Não sei se verei de novo o Lipe jogando pelo Palmeiras ou por outro time. Uns cinco atrás também vi um meia chamado Ramos comendo a bola na Copa São Paulo e o Felipão disse que ele não servia para o Palmeiras.

Alguém sabe onde anda o Ramos?

(Com Roberto Salim.)

Quero gritar gol em mandarim

Leia o post original por Antero Greco

Crônica do jornalista Roberto Salim.

Eu quero gritar gol em mandarim.

Como se fala escanteio na língua do Mao? E impedimento?

Estão levando nossos melhores jogadores para a China? Então quero ver os jogos do campeonato de lá. Não passam o campeonato Espanhol, Russo, Ucraniano, Inglês, Italiano, Francês? Eu quero o Chinês.

O Luxemburgo está lá, o Felipão, o Mano.

Tem 25 craques tupiniquins ensinando a moçada, suando a camisa, ganhando dinheiro: o tal do yuan.

Eles bem que poderiam levar também alguns dos nossos dirigentes que estão sendo procurados pelo FBI.

Poderiam levar também alguns de nossos narradores, comentaristas, estatísticos.

Por que não?

Já pensou o clássico entre o Guangzou e o Shandong?

De um lado, Felipão escalando Ricardo Goulart e mandando o time do Guangzou cruzar bolas à moda gaúcha para uma cabeçada salvadora do Elkeson.

Do outro, o Mano todo retrancado com o Shandong, colocando o Jucilei para conter o avanço inimigo.

Um de nossos comentaristas falaria do nó tático com que os técnicos gaúchos se enrolaram.

No intervalo do jogo, os anúncios chineses mostrando passeios pela Muralha da China e viagens de barco pelo Rio Li.

O anúncio do novo filme do genial Zhang Yimou.

E um comercial de alimento falando das graças recebidas por quem come o Bolo da Lua.

E mais um milhão de tipos de chás e pimentas.

E a culinária de Cantão?

Ah, seria muito mais divertido que os campeonatos que passam todo fim de semana.

Pelo menos poderíamos ver nossos ídolos que estão indo embora todo dia.

Estou com saudade de Ricardo Goulart, Luis Fabiano, Paulinho, Diego Tardelli, Renato Augusto, Jadson. Até do “profexô” já sinto saudade, ele que está no Tianjin, da Segunda Divisão.

Ô, “profexô”, como será que se grita gol em mandarim?

Quem ganhou mais: Timão sem Sheik e Guerrero, Grêmio sem Felipão ou o Galo sem Ronaldinho Gaúcho?

Leia o post original por Milton Neves

bloggg222

Coincidentemente os três melhores do Brasileirão “perderam” suas estrelas em 2015.

Aliás, o Galo desde julho de 2014 é que ficou mesmo sem “maestro”, um maestro mais no nome do que a bola que estava lenta demais.

E o Palmeiras também não lucrou técnica e financeiramente sem Valdivia?

Estes fatos não “provam” que estrelas com brilho do passado não iluminam mais nada?

E aí, o que você acha: medalhão não dá mais faixa no peito?

Opine!

Um ano do maior vexame da história do futebol mundial! Hoje, com a cabeça mais fria, você já consegue explicar o inesquecível 7 a 1? E será que aprendemos algo com o passeio que levamos da Alemanha no Mineirão?

Leia o post original por Milton Neves

7777Montagem: Futebol da Depressão

7 a 1 foi pouco!

Essa expressão não sai da boca do brasileiro há exatos 365 dias.

Como o tempo passa rápido, não é mesmo?

Afinal, parece que foi ontem que, no Mineirão, Thomas Muller, após cobrança de escanteio, encontrou a zaga brasileira completamente escancarada para abrir o placar da semifinal da Copa do Mundo de 2014.

Depois, Klose, Kroos (duas vezes), Khedira e Schürrle (também duas vezes) completaram o verdadeiro passeio alemão sobre o Brasil.

E, no finalzinho da partida, o destino ainda quis que Oscar marcasse um golzinho de honra, que não diminuiu em nada o maior vexame da história do futebol mundial.

Mas, e então, amigo internauta!

Um ano se passou e, com a cabeça mais fria, certamente já conseguimos analisar melhor os inacreditáveis 7 a 1 para a Alemanha.

Apagão, acaso ou choque de realidade: para você, o que aconteceu?

E, hoje, quem você elege como o grande vilão desse vexame brasileiro?

Eu não vou falar o meu escolhido para não influenciar o seu voto (mas você deve imaginar…).

E tendo em vista os resultados em campo da seleção e toda a crise pela qual a CBF passa neste ano, será que já conseguimos aprender alguma lição com os 7 a 1?

Opine!

Carta para a dona Lucia. Aquela que escreveu para Felipão após o 7 a 1

Leia o post original por Perrone

 

Olá, Dona Lucia. Hoje faz um ano que o Brasil levou de 7 a 1 da Alemanha, e lembrei daquela carta que a senhora mandou pro Felipão depois da derrota. Como a CBF disse que a senhora não queria aparecer, não tenho seu e-mail. Por isso, escrevi pra senhora aqui no blog, talvez chegue ao seu conhecimento.

Fiquei na dúvida se continuou acompanhando a seleção brasileira, por isso escrevo para atualizar a senhora sobre como estão as coisas depois do 7 a 1. Sabe o que mudou? Quase nada.

Lembro que na sua carta, na verdade e-mail lido resumidamente pelo Carlos Alberto Parreira, a senhora disse: “mais uma vez vi diante da câmera um homem íntegro e corajoso”. Falava do Felipão depois do massacre alemão, né?

Sabe o que eu vi depois de outra derrota do Brasil, dessa vez na Copa América, para a Colômbia? Vi diante da câmera um técnico gaúcho reclamando da arbitragem, como na Copa do Mundo. Não, Felipão não continuou na seleção. Mas a CBF chamou pro lugar dele outro gaúcho (nada contra os treinadores do Rio Grande do Sul), Dunga, que nos momentos ruins reclama do juiz como Luiz Felipe Scolari. E que surpreende a imprensa no discurso sobre a eliminação como Felipão. Mas, em vez de falar de apagão, Dunga surpreendeu depois da eliminação diante do Paraguai falando de uma virose que atingiu os jogadores antes da partida. Só que ninguém tinha ouvido falar disso antes do jogo. Ou seja, o fracasso no Mundial não serviu nem para o novo treinador perceber que é melhor assumir totalmente as falhas da equipe.

Pois é, dona Lucia, a CBF perdeu a chance de inovar após o 7 a 1 trazendo um treinador estrangeiro ou dando oportunidade a quem é experiente e nunca esteve lá, mas os cartolas mostraram que pouco aprenderam com a humilhação em Belo Horizonte.

Por falar em dirigente, lembra do José Maria Marin, que era presidente da CBF e desfilava escoltado pela Polícia Federal na Copa? Ele foi levado de um hotel por policiais federais dos Estados Unidos, do famoso FBI,  e por tiras suíços, mas dessa vez parou no xilindró. Está faz mais de um mês em cana na Suíça.

Essa foi uma as poucas mudanças no futebol brasileiro desde os 7 a 1, a prisão de um cartola graúdo, mas só aconteceu porque a cavalaria americana chegou. Os gringos juram que mais dois brasileiros estão no rolo. Estavam no alto escalão da Fifa, da CBF e da Conmebol quando teriam recebido propina.

A senhora, que diz que as mulheres entendem de seres humanos, tem ideia de quem possam ser? Eu não sei. Quem pode saber é o Marco Polo Del Nero, que está faz tanto tempo no futebol e conhece todo mundo nesse meio. Lembra dele? Vivia grudado no Marin. Disse que não sabe quem são os suspeitos.

Del Nero agora é presidente da CBF, e eu seria injusto se dissesse que ele não está fazendo nada para mudar o futebol brasileiro depois do 7 a 1. Ele criou um conselho pra discutir mudanças no nosso futebol. Isso quase um ano depois dos 7 a 1. Acredita? A senhora acha que vai dar em alguma coisa? Acho que não. Precisamos de mais ação e menos conversa.

Enquanto eles conversam, grandes clubes brasileiros atrasam salários, trocam treinador como quem muda de gravata (foram nove em oito rodadas do Brasileirão) e desmancham o time no meio do campeonato em busca de grana. Tudo como antes do fiasco histórico.

Pra não dizer que nada mudou desde que a senhora apareceu e sumiu, virou moda os treinadores brasileiros desempregados viajarem para Europa. Vão se reciclar, dizem. Acho é efeito das críticas que o Felipão sofreu. Aquele papo de que ele estaria defasado.

E que boca a senhora tem. Na carta pro Scolari a senhora disse que tudo passaria e ficaria bem. Pra ele ficou. Depois uma passagem nada empolgante pelo  Grêmio, ele foi trabalhar na China. Belo de um contrato. O time dele até ganhou de sete outro dia.

Mas não ficou bem pra seleção brasileira. Pelo que vi na Copa América, acho que o Brasil nunca correu tanto risco de ficar fora de um Mundial como do próximo.

Bom, como não tenho um Parreira pra fazer um resumo da minha carta, fico por aqui. Veja se dá um sinal de vida, dona Lucia. Um abraço.

Essa gente sem vergonha

Leia o post original por Rica Perrone

Amanhã é o dia do 7×1. Algumas tvs farão o tosco papel de dar um dia de programação dedicado a DERROTA brasileira na Copa. Algo que fizeram no dia da MORTE do Senna, e só. Em nenhuma outra data de conquistas, que convenhamos superam e muito as de fracassos, tivemos um “day”. Em nenhum aniversário […]

Grêmio com Roger, Felipão na China, Timão na oficina

Leia o post original por Fernando Sampaio

Marcelo OliveiraRoger estreou com vitória.

Bela vitória.

Menos? Verdade, o Timão não tem sido parâmetro.

Mas, o Grêmio também não.

O Tricolor do Felipão estava uma decepção. Agora, em menos de cinco minutos 2×0!!!

Vamos aguardar, será que o Grêmio vai disputar G-4? Hoje não vejo assim.

E o Timão, hein? Virando saco de pancadas e fazendo desmanche. Guerrero, Sheik, Danilo, Ralf… Gil está de saída. O campeão mundial Tite  começará a ser bastante pressionado, mesmo não sendo o principal responsável. Quem diria, o favorito à tudo não é mais favorito à nada.

E o Felipão? Acertou com o Guangzhou.

Incrível, depois do fracasso na Copa do Mundo Felipão continua faturando alto.

 

 

Share This:

Osorio, Peseiro, Felipão ou Luxemburgo: quem você escolhe, são-paulino? E Oswaldo de Oliveira, está balançando no Verdão?

Leia o post original por Milton Neves

tecnicos blog

Chegou a hora, torcedor são-paulino.

Após quase dois meses da saída de Muricy, tudo indica que o Tricolor fechará ainda nesta semana com um técnico-técnico, mesmo!

E olha que nome de peso no mercado não falta, hein?

Portanto, são-paulino, analise as sugestões abaixo e deixe nos comentários o nome que você considera ideal para comandar o time do Morumbi no Brasileirão-2015:

– Vanderlei Luxemburgo: demitido ontem à noite pelo Fla, Luxa é um desejo antigo dos tricolores. Assim como treinar o São Paulo também é um sonho de Vanderlei. Será que, enfim, vão conseguir juntar a fome com a vontade de comer?

– Felipão: Scolari foi demitido na semana passada do Grêmio e, até agora, nenhum time manifestou interesse em contratá-lo. O veterano treinador anda em baixa, é verdade. Mas vocês já pararam para imaginar a repercussão que daria a chegada dele ao maior clube da América do Sul?

– José Peseiro: o português seria uma aposta da diretoria em um técnico pouco conhecido no Brasil. Por aqui, o que sabemos é que o treinador não ganha nenhum título há… 20 anos!!! Será que vale arriscar?

– Juan Carlos Osorio: o colombiano é o favorito para assumir o cargo. No entanto, vale lembrar que o técnico deu prioridade para a fracassada negociação com o mexicano Cruz Azul antes de dar sequência nas conversas com o Tricolor. O clube do Morumbi aceitará ser tratado como “a outra”?

Enquanto isso, quem deve estar de rabo de olho nesta lista é o Palmeiras.

Afinal, o Verdão faz um péssimo início de Brasileiro e Oswaldo de Oliveira anda agora por uma frágil corda bamba.

Uma derrota no clássico de domingo, diante do Corinthians, pode ser fatal.

Aí, no caso do Alviverde, qual nome seria o ideal?

Opine!