Arquivo da categoria: Futebol

CADÊ o mínimo de PROFISSIONALISMO, hein?

Leia o post original por Craque Neto

Acho essa relação de cautela dos clubes brasileiros com os treinadores até um tanto igual. Ou seja, do mesmo jeito que o empregador dá o boné (leia-se DEMITE!) o cara MUITO antes do término de seu contrato, também acho natural um treinador fazer o mesmo quando tem uma proposta de trabalho melhor. É claro que desde que se respeite as regras contratuais. Só que na minha visão o que o técnico Fernando Diniz fez com o Guarani foi uma tremenda sacanagem. Pelo amor de Deus! O sujeito foi apresentado em dezembro e colocaram uma baita esperança dele resgatar o Bugre […]

O post CADÊ o mínimo de PROFISSIONALISMO, hein? apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Ousadia é a nossa marca

Leia o post original por Odir Cunha

Ontem o Santos apresentou o lateral-esquerdo Romário, de 25 anos, vindo do Ceará, e hoje, ao meio-dia, na sala de imprensa da Vila Belmiro, apresenta o diretor executivo Gustavo Vieira e o técnico Jair Ventura. São contratações pensadas, discutidas, amadurecidas.

É sabido que a agilidade para negociar é uma qualidade importante no futebol, mas ela não pode ser confundida com precipitação. O Santos não pode mais se dar ao luxo de entrar em negócios relâmpagos, mal explicados, alguns bastante lesivos ao clube, como ocorreu nas últimas gestões que levaram o Alvinegro Praiano à beira do abismo.

Olhemos os outros clubes grandes do Brasil e perceberemos que mesmo os mais endinheirados estão tateando, analisando muito bem o negócio antes de investir em um jogador. E a situação do Santos é um pouco mais delicada, pois em vez do superávit tão propalado pela última gestão, o que se encontrou foi um rombo enorme, com 30 milhões de reais a serem conseguidos em três dias, sob o risco de novamente jogadores e funcionários recorrerem à justiça por falta de pagamento.

Passamos por uma gestão cujos líderes se serviram do Santos. Estamos iniciando outra na qual as pessoas querem servir ao clube e estão empenhadas em fazer o Alvinegro Praiano novamente impor respeito aos adversários, à opinião pública e aos seus próprios sócios e torcedores. Precisamos dessa confiança de todos para dar os passos que sonhamos.

Precisamos de mais santistas nos estádios, de muito mais sócios, de torcedores que exerçam sua paixão com a confiança de que, por mais que hajam pedras no caminho, no final tudo acabará bem. Confie e não se arrependerá.

Mas Ousadia não é temeridade

Se, em outro post, citei Técnica, Disciplina, Garra e Ousadia como os valores perenes do Santos, qual seria o valor desta gestão comandada por José Carlos Peres e Orlando Rollo? Não há dúvida de que será a Ousadia. A imagem de um Pacaembu lotado de santistas no jogo contra o Corinthians, pelo Campeonato Paulista, será um exemplo dessa nova postura santista.

Porém, assim como agilidade não pode ser confundida com precipitação, Ousadia não é e jamais poderá ser confundida temeridade. Contratar Leandro Damião e colocar em campo um time improvisado para enfrentar o Barcelona, no Camp Nou, foram exemplos de aguda temeridade, ou mesmo de irresponsabilidade. Ousadia é romper os limites sem colocar em risco a imagem e a sustentabilidade financeira do clube.

Que aguardemos o anúncio dos novos contratados com a ansiedade natural do torcedor que somos, mas que confiemos nas pessoas que hoje representam ao Santos e em sua capacidade de montar o melhor time que a nossa capacidade de investimento pode proporcionar.

E você, o que acha disso?


E a base vem como?

Leia o post original por Rica Perrone

Cada dia que passa me questiono mais sobre a necessidade dos clubes em contratar.  Vejo que o nivel técnico do jogo caiu muito, que hoje os jogadores se parecem muito.  Os salários são altos, as transações absurdas, e o retorno… nem sempre.

Pra ser bonzinho. Pois na real, quase nunca.

Eu vou ser prático com exemplos:

A base do Flamengo não tem ninguém que jogue o mesmo que o Gabriel, por exemplo?

Na base do Palmeiras não tem jogadores que possam preencher o elenco e pra isso é preciso contratar quase 2 times inteiros?

O Corinthians precisa de um centroavante pra fazer o que o Romero faz que na sua base não tenha?

Não tem um menino no gol do SPFC em toda a base capaz de não cometer as falhas do Denis por 1 anos?

Você tem 200 meninos na base. Não consegue repor um lateral reserva sem gastar um milhãozinho no mercado?

Será?

Ou será que o dinheiro “dos outros” girando ainda é mais negócio?

Olha pro seu time. Quantos jogadores absolutamente comuns você tem por mais de 150 mil reais por mês?  Será que precisava? E quanto custou pra vir?

Olha o mercado, a janela. Os valores. Quem são os alvos. Não estamos duelando por Carecas, Zicos, Romários. Estamos brigando por Bruno Silva, com todo respeito. Ou lamentando a perda do Fernandinho, de tantos outros “bons jogadores”, mas que são “ok”.  Não fazem nada muito melhor que um garoto possa fazer ganhando 20% do que ele ganha, não tendo que comprar e valorizando o produto que você fez por anos.

Será mesmo que é preciso tanto dinheiro assim pra fazer futebol no Brasil onde a gente inventa jogador todo dia?

Sera que o Grêmio e o Corinthians de 2017 não mostraram nada aos demais? Ou ali tinha algum timaço cheio de contratações?

abs,
RicaPerrone

Não se faz mais jogadores com a PERSONALIDADE de antigamente

Leia o post original por Craque Neto

Sempre fui um cara extremamente crítico quando comparo o futebol do presente com o do passado. Até o final dos anos 90 o Brasil criava jogadores de baciada com qualidade técnica. Sei que a molecada de hoje em dia fica injuriada com essas coisas que eu falo. Mas a diferença é tão grosseira que fica impossível ignorar esse fato. Além disso era muito comum ver há algumas décadas uma boleirada com personalidade. Que cumpria com a palavra! Sem pipocar! Olha só esse tal de Lucas Lima, meia considerado craque e a principal negociação do futebol brasileiro. Poxa vida! O Palmeiras investiu uma […]

O post Não se faz mais jogadores com a PERSONALIDADE de antigamente apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Claro que faz diferença

Leia o post original por Rica Perrone

Eu adoro o Robinho. Não o conheço pessoalmente, mas como personagem e jogador, gosto muito.  Carinhosamente o chamo de “Nego Robson” nas minhas postagens e não sei o quanto acredito num estupro envolvendo seu nome.  Mas, hoje, ele está condenado pela justiça italiana por isso.

Eu não tenho a menor condição de julgar, e tal qual 99,9% de vocês, só posso respeitar uma decisão da justiça e entender que mesmo cabendo mil recursos, há um processo bem ruim para o jogador em andamento.

Enquanto acusação, ok. Quando condenado, muda de status e sim, tem que mudar mesmo. Não é possível que a gente tenha que ser radical pra um lado ou outro e achar que ele é um estuprador, nem mesmo insinuar que uma condenação de estupro não interfira na sua imagem profissional.

É natural e aceitável que clubes rejeitem a idéia de ter Robinho, como era com o Bruno. Como talvez seja em outra proporção com o Breno, por não envolver terceiros em seu crime. Mas ter uma condenação muda sim o status de qualquer pessoa. E deve mudar. É natural.

Robinho é um jogador diferente. Caro, mas que vende, joga bem, é carismático. Eu sempre gostei da idéia de tê-lo no meu time. Hoje eu pensaria. Porque sim, amanhã você pode ter um condenado por estupro no seu time tendo que estampar a porra da foto em tudo que é jornal com a camisa de voces e seu patrocinador.

Sim, tem um peso.

Eu espero mesmo que ele seja inocente e que seja um erro da justiça italiana. Mas enquanto isso não mudar, é realmente complicado contratar o jogador.

E por mais que cobrem da imprensa um massacre como fizeram com o Bruno, é compreensível o pé atrás em falar sobre. Amanhã pode haver uma segunda decisão e ele ser absolvido. Mas falamos de hoje. E hoje ele foi condenado.

Que merda. Mas é isso. Hoje, é isso. Infelizmente.

abs,
RicaPerrone

Vale a pena trazer ROBINHO de volta?

Leia o post original por Craque Neto

Robinho negocia um novo retorno ao Santos. Pode ser a quarta vez que o atacante veste a camisa do alvinegro praiano. Nas três anteriores acumulou marcas importantes. Revelado no Peixe em 2001, já no ano seguinte ele juntamente com uma boa safra de jovens jogadores se sagrava campeão do Brasileirão. Em 2004 conquistou o bicampeonato como PROTAGONISTA do time dirigido por Vanderlei Luxemburgo. Após o sucesso foi negociado com o Real Madrid da Espanha por uma grana RECORDE na época. Em 2010, após mais baixos do que altos na Europa, ele retornou à Vila Belmiro. Junto com Neymar e Ganso […]

O post Vale a pena trazer ROBINHO de volta? apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Os valores do Santos

Leia o post original por Odir Cunha

Neste último dia de 2017, decidi oferecer para a análise de vocês um estudo inicial sobre os Valores do Santos. Baseado na rica e apaixonante história do Glorioso Alvinegro Praiano, com a ajuda de alguns profissionais da área e inspirado também no trabalho similar feito pela Federação Argentina de Tênis, cheguei à conclusão de quais seriam os valores intrínsecos do Santos.

Esses valores exprimem a cultura do nosso clube e sua maneira particular de agir para, ao longo do tempo, alcançar seus objetivos. São baseados nos seus 106 anos de história a serem completados em abril de 2018.

São valores de todos nós, santistas, e pretendemos que sejam respeitados e seguidos por todos que trabalhem e sirvam ao Santos Futebol Clube, independentemente de quaisquer preferências ideológicas. Atletas, funcionários, dirigentes, todos deveremos conhecer e respeitar esses quatro valores fundamentais, que são:

Técnica – Disciplina – Garra – Ousadia

Técnica: para nós, santistas, ela significa aprender a executar nossa atividade com perfeição e desempenhá-la com competência e esmero. Ao mesmo tempo em que um jogador desenvolve seu drible, seu passe e seu chute, lapidando seus fundamentos a cada dia, cada funcionário do Santos fará o melhor que puder e terá a humildade e a vontade de aprender e se aperfeiçoar naquilo que não estiver fazendo com correção. A busca da perfeição no que faz deve ser a meta de cada funcionário santista.

Disciplina: esse valor implica seguir as regras, cumprir as metas, obedecer aos horários, respeitar a hierarquia e os valores do clube. Mas não é só isso. Assim como um jogador prejudica a equipe quando é punido por mau comportamento, um funcionário indisciplinado também afeta a instituição. E essa responsabilidade é ainda maior quando se está representando o Santos. Por isso, em qualquer situação, um santista deve ser educado, ético, disciplinado.

Garra: ao contrário do que se pensa, o Santos só conseguiu e consegue tantas conquistas porque tradicionalmente é um time de guerreiros, de jogadores de muita garra, que não desistem. Atletas como Pelé, Zito, Lima e Mauro são exemplos da perseverança, vontade, destemor e resiliência em busca do sucesso. Enfrentemos as dificuldades com a mesma garra que nossos campeões demonstram em campo, qualidade que deve ser praticada por todos os funcionários do Santos.

Ousadia: time de uma cidade que nem é a capital de seu Estado, o Santos conquistou o mundo. Isso porque não respeitou limites e nem deixou de perseguir seus sonhos e seu destino. Sempre foi atrevido, ousado, impulsionado pela criatividade de seus craques, que sempre encontraram uma saída para as situações mais difíceis. O componente da criatividade deve ser cultivado e incorporado a todas as áreas do clube. Um santista não tem limites para seus sonhos e realizações.

O que você pensa sobre isso?

HOMENAGEM AO GOLEIRO LEONÍDIO FRANÇA

Faleceu, aos 93 anos, o goleiro Leonídio França, que defendeu com ardor a meta do nosso Santos de 1946 a 1952, período em que jogou 64 vezes com a camisa mais apaixonante do futebol. O enterro se dará às 18 horas no Memorial Necrópole Ecumênica, na avenida Nilo Peçanha, 50, bairro do Marapé, Santos. Que Deus guarde o nosso grande arqueiro. Nossos sentimentos aos familiares.


De novo FAVORITO? Será que agora vai???

Leia o post original por Craque Neto

Em meio a esse mercadão de bola muita gente me pergunta qual seria o clube que melhor se reforçou para a próxima temporada. Aquele que deverá ser favorito para conquistar os principais títulos em 2018. Não restam dúvidas, pelo menos para mim, que o Palmeiras foi quem trabalhou melhor nesse sentido. Ao contrário desse ano que despejou um caminhão de dinheiro para inchar o elenco com um amontoado de jogadores (vários deles na mesma posição), o executivo Alexandre Mattos aparentemente pensou melhor a formação do time. Para o gol, até por receio de lesão dos já veteranos Fernando Prass e […]

O post De novo FAVORITO? Será que agora vai??? apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Incrível alguém ainda acreditar no Adriano!

Leia o post original por Craque Neto

Esses dias fiquei sabendo que o Renato declarou que gostaria de dar uma oportunidade ao Adriano no Grêmio. A própria torcida do Flamengo sempre sonhou com o retorno do jogador. Posso falar? Isso não vai acontecer mais! Me desculpem. Esse rapaz foi um baita centroavante! Forte, rápido e com um chute impressionante. Brilhou na Europa e na Seleção por algumas temporadas. Mas infelizmente a carreira dele acabou. Na verdade ela já encerrou desde 2009, quando foi campeão do Brasileirão pelo Flamengo. Dali pra cá não conseguiu mais atuar em alto nível. O que me dá mais tristeza é saber que […]

O post Incrível alguém ainda acreditar no Adriano! apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Entrando nos trilhos

Leia o post original por Odir Cunha

Sabe por que toda nova gestão de um clube de futebol diz, ao assumir, que encontrou “terra arrasada”? Porque é isso mesmo que acontece. O caráter dos dirigentes e a falta de fiscalização nos clubes faz com que os últimos meses de uma administração sejam catastróficos.

No Santos, como se previa, ao invés de um superávit milionário, encontrou-se a necessidade de se conseguir R$ 30 milhões da noite para o dia para pagar salários e o décimo terceiro de jogadores e funcionários. Mas, repito, isso já era esperado. Há muito as despesas superam as receitas no nosso clube.

Conselheiros que fomos, jamais encontramos nos balanços sinais de um crescimento das receitas, muito ao contrário. Assim, temos de ir atrás delas. Não apenas nesse começo de gestão, mas durante os três anos de mandato de José Carlos Peres e Orlando Rollo. Isso implica atuar em estádios maiores e iniciar, logo que possível, a campanha para chegarmos a 100 mil sócios em três anos, iniciativas que trarão muitas outras a reboque.

Se você era sócio do Santos e desistiu por mau atendimento ou por não acreditar nas intenções da gestão anterior, peço que fique agora. Seu voto de confiança será vital para reerguermos o clube. Com mais sócios, atuando mais em estádios maiores, atrairemos também maiores verbas de patrocínio e levaremos menos tempo para colocar o nosso Santos novamente nos trilhos da sustentabilidade financeira.

Sei, também, e como!, que a opção da enquete mais votada (16%) e a que mais preocupa o santista é a montagem de um time forte. De nada adianta fazer tudo certo se no campo o time não corresponder. O torcedor quer saber de nomes e se angustia com a falta de notícias sobre contratações espetaculares. Hoje percebo claramente como a ansiedade do torcedor, legítima por um lado, por outro pode levar um clube à bancarrota.

O santista, nesse ponto igual a todo torcedor, quer o anúncio bombástico: “Fulano foi contratado”, “Sicrano já é do Santos”, “Agora é oficial: Beltrano é santista”. Sabemos que um negócio desses aumenta exponencialmente a popularidade de um dirigente e de uma gestão. Mas, convenhamos, é uma saída fácil e, em boa parte das vezes, irresponsável.

Quantos dirigentes demagogos não gastaram o que o clube tinha e, principalmente, o que não tinha, para encher seus times de jogadores famosos que, mais dia, menos dia, acabaram saindo pela porta dos fundos, com salários e direitos atrasados, agravando ainda mais a situação financeira da instituição?

Uma boa negociação não se faz na primeira sentada à mesa. É preciso analisar todas as circunstâncias. Não é só o Santos que precisa de jogadores. Eles também precisam jogar em um time da história, do peso, da marca e da popularidade do Santos, um time já garantido para a Copa Libertadores de 2018. Uma equipe, enfim, que é uma das mais importantes vitrines do futebol mundial.

Essa gestão só tomará posse dia 2 de janeiro, mas se resolvesse cruzar os braços e não assumir as responsabilidade pelo futuro do clube, provavelmente teríamos um quadro bem parecido com o do final da gestão de Odílio Rodrigues, em que muitos jogadores entraram na justiça trabalhista e conseguiram passe livre. Sabemos que a responsabilidade pelo futuro do Santos, até o final de 2020, será nossa e não fugiremos dela.

E você, o qeu acha disso?