Arquivo da categoria: Horto

“O time” da Libertadores

Leia o post original por Rica Perrone

É evidente que não lhe dá nada além de “pressão”.  Mas é incontestável, notável e hoje gritante em números que o Atlético Mineiro é o time mais forte da Libertadores. Pelo peso que não carrega com os títulos recentes, o elenco campeão que tem, o time recheado de jogadores com passagens por seleções e uma …

O Galo pulsa

Leia o post original por Rica Perrone

As pessoas costumam colocar toda discussão sobre futebol na questão de títulos. Quando sai disso, “torcida”. E quando passa isso, apelam pra qualquer coisa que coloque seu clube acima do rival. Nem mesmo o maior atleticano renegaria: o Cruzeiro é bem mais vencedor que o Galo, é internacionalmente mais conhecido e mais tradicional.  Tudo isso …

Calem a boca!

Leia o post original por Rica Perrone

Eu queria saber que diabos vocês, crucificadores de almas alheias, o que estão esperando para reconhecer um dos maiores erros da vida de vossa associação secreta que deturpa a verdade em troca da reciclagem de vilões. Porque diabos é discutível um sujeito artilheiro de tudo que disputa, com 2 Copas do Mundo, destaque na Copa …

Olimpíadas no Metrô – Clássico é clássico

Leia o post original por Rica Perrone

No ginásio, nos estádios e porque não no Metrô? Brasileiros e argentinos se provocam em todos os lugares e sob qualquer argumento. A caminho de mais um dia olímpico, na linha 4 do metrô, um grupo de argentinos conversava e ria alto num vagão qualquer. Absolutamente do nada, eles começaram a gritar que “Maradona és …

Só morre quem está vivo

Leia o post original por Rica Perrone

“Caiu no Horto, tá morto”.  E assim o Galo transformou aquele estádio acanhado num templo de glórias e sacrifícios.  Estar ali era estar sentenciado a morte, quase que de forma irremediável diante do julgamento daqueles fiéis que tanto acreditam. Ali morreram dezenas. Morrerão outros tantos ao longo dos tempos, mas hoje o Atlético teve que …

Clássico é clássico…

Leia o post original por Rica Perrone

…e vice-versa, diria o filósofo e centroavante Jardel. O que seria do resto deste domingo de páscoa não fosse o delicioso gosto de saber que o resultado deste clássico é discutível até terça-feira?  Que o goleiro pressionado errou como esperado, que o time desfalcado sentiu como previsto? Que embora tenha jogado menos, chutado menos e …

Sem manchas

Leia o post original por Rica Perrone

Na frente de uma loja dois sujeitos se apaixonaram por uma linda camisa.  Quase que ao mesmo tempo entraram e perguntaram ao vendedor o preço.  Constrangido, ele os informou que só tinha uma. Os dois homens começaram a se empurrar, dizer que um chegou primeiro, que outro era mentiroso, etc. Um era mineiro, o outro paulista. […]

Galo segue na trilha. Palmeiras é opaco

Leia o post original por Antero Greco

A primeira rodada do returno do Brasileiro só não foi totalmente favorável ao líder Corinthians porque o Atlético-MG fez a parte que se espera de quem briga pelo título. O Galo recebeu o Palmeiras, ganhou por 2 a 1, de virada, e se mantém como maior sombra para Tite e rapaziada. Com 39 pontos, está a 4 da ponta. Os palestrinos, com 31, veem a possibilidade de alcançar a taça só de binóculos.

O jogo no Horto teve roteiro conhecido por torcedores dos dois lados. O Palmeiras, com meio-campo todo esfacelado, surpreendeu com gol de Girotto aos 4 minutos, na primeira descida ao ataque. Em seguida, recuou, como tem ocorrido com repetição preocupante.

Com isso, deu o espaço que o Atlético desejava – e Lucas Pratto e companheiros foram à frente. Tanto insistiram que conseguiram a reação antes do intervalo, com gols do argentino artilheiro. O segundo deles, de pênalti marcado de Lucas ao deslocar Giovanni Augusto. (Pra mim, lance duvidoso. Pênalti, no duro, aquele ignorado em cima de Edcarlos; em Pratto, o argentino continuou a jogada…)

O Galo teve chance de fazer enorme estrago ainda no primeiro tempo, pois o Palmeiras ficou atordoado. Perdeu a chance e diminuiu o ritmo na segunda parte. Daí, se sentiu pressionado e Edcarlos salvou o time de levar o empate em casa ao tirar bolas em cima da linha.

As oscilações de ambos os lados tornaram o jogo agradável, na etapa final. Taí aspecto para Marcelo e Levir prestarem atenção. Tanto Palmeiras como Atlético-MG não conseguem manter regularidade e, em diversos momentos, abrem flanco para levar gols. Isso explica a perda de pontos importantes.

 

Galo renasce no Horto

Leia o post original por Antero Greco

O bordão “Eu acredito” pode ser gritado com força outra vez pela torcida do Atlético. Depois da vitória por 2 a 0 sobre o Independiente Santa Fé, na noite desta quinta-feira, no Estádio Independência, o Galo ressurgiu. O Horto continua a fazer-lhe bem e a desclassificação, que parecia inevitável depois de duas derrotas, agora é fantasma que ainda assusta, porém menos.

A vaga para a próxima fase depende do desempenho do próprio Atlético. Por enquanto, com 6 pontos está em terceiro lugar, atrás do Colo-Colo com 9 e do Santa Fé, com 6 e melhor nos critérios de desempate. Mas, se ganhar do Atlas no México, na semana que vem, e do Colo-Colo, em casa, na sequência, avança para as oitavas de final. Difícil? Sim, mas não improvável.

O resultado foi construído com dois gols em momentos importantes – Carlos aos 12 do primeiro tempo, numa jogada bem armada, e Guilherme aos 45 do segundo, naqueles minutinhos finais que muitas vezes derrubam vencedores. Ele aproveitou furada do zagueiro e precisou bater duas vezes para superar o goleiro Castellanos. Foi na conta justa, embora um gol a mais ajudasse na situação da chave.

Importante para o renascimento do Atlético, em BH, foi a atuação de Dátolo e de Guilherme, que entrou no lugar de Carlos e deu velocidade e qualidade aos contragolpes. Os dois são criativos – e, em boa forma, desequilibram. Levir Culpi sabe disso; daí, colocá-los em campo com cautela e critério. Aos poucos, sem forçar.

O Galo, enfim, reage numa fase boa e exigente, já que tem o Cruzeiro pela frente, no domingo, pelo Campeonato Mineiro. Desafios demais, claro. Mas, se forem superados, sabe onde pegarão o Atlético? Quando tiver cruzado a linha de chegada à frente dos outros.

Não custa ser otimista.