Arquivo da categoria: Jô

Tem que se MEXER aí Andrés! E RÁPIDO!

Leia o post original por Craque Neto

Acabou agora! O Corinthians perdeu para o São Bento por 1 a 0 em sua volta à Arena de Itaquera. Posso falar? Acompanhei a partida inteira e é impressionante a falta de capacidade ofensiva que o time do Carille ficou após a saída do lateral Guilherme Arana e principalmente do Jô. Incrível! Não consegue criar mais nada. Às vezes que venceu – o que ainda lhe mantém na liderança do grupo A – foi na base da qualidade técnica de um Jadson ou Rodriguinho. Fora a zagueirada que vai pra área fazer gols. Por que o restante está difícil de […]

O post Tem que se MEXER aí Andrés! E RÁPIDO! apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Com verba gasta em comissão na venda de Jô, Corinthians brigaria por Love

Leia o post original por Perrone

Confira abaixo o que o Corinthians poderia fazer com os cerca de R$ 9,6 milhões em comissões pagas a dois agentes na venda de Jô para o Nagoya Grampus, do Japão. Giuliano Bertolucci ficou com aproximadamente R$ 6,4 milhões. Por volta de R$ 3,2 milhões foram para Beto Fedato. O atacante foi vendido por cerca de R$ 31,9 milhões. Ou seja, o clube comprometeu perto de 30% do que recebeu com pagamentos de comissões. Normalmente, empresários levam 10% do valor do negócio. O alvinegro ainda ficou encarregado dos impostos referentes às comissões.

Proposta por Vágner Love

Segundo o jornal turco “Fanatik”, o Besiktas está disposto a pagar cerca de R$ 7,8 milhões pelo atacante do Alanyaspor, também da Turquia. Assim, com a quantia paga a agentes na venda de Jô, o Corinthians poderia oferecer R$ 1,8 mi a mais pelo atleta. Segundo a mesma publicação, a equipe do brasileiro o avalia em R$ 15,6 milhões.

Pagar pouco menos do que a multa cobrada pelo Vitória por Tréllez

O Corinthians desistiu da contratação do atacante da equipe baiana porque se recusou a bancar a multa rescisória de R$ 10 milhões, R$ 400 mil a mais do que aceitou pagar em comissões na transferência de Jô.

Fazer oferta melhor do que a do Santos por Gabigol

O alvinegro do litoral alinhavou o empréstimo de seu ex-jogador por uma temporada, por cerca de R$ 6,6 milhões. Ou seja, a Inter de Milão deve receber para emprestar o atleta aproximadamente R$ 3 milhões a menos do que embolsaram os empresários envolvidos na venda de Jô.

Aumentar a proposta por Henrique Dourado

Enquanto negociava com o Fluminense, o Corinthians estava disposto a pagar R$ 8 milhões por 50% dos direitos econômicos do artilheiro. O tricolor carioca, no entanto, pedia o pagamento da multa de cerca de R$ 17,7 milhões equivalente a 100% dos direitos.

Pagamento de comissão em venda de Jô vira alvo de oposição corintiana

Leia o post original por Perrone

A venda de Jô para o Nagoya Grampus, do Japão, se transformou em vidraça do grupo situacionista durante a campanha eleitoral corintiana. Candidatos de oposição atiram pedras principalmente por causa dos R$ 9,6 milhões em comissões pagos a dois empresários.

Um dos agentes é Giuliano Bertolucci, influente internacionalmente e amigo de longa data de Andrés Sanchez, candidato da situação à presidência no pleito marcado para 3 de fevereiro.

Jô foi vendido por cerca de R$ 32 milhões. Ou seja, o clube pagou aos agentes comissão de 30% e ainda se responsabilizou pelo pagamento de impostos. Normalmente, os intermediários são remunerados com 10% do valor da negociação.

Bertolucci, parceiro de Kia Joorabchian em muitas negociações e também amigo de Andrés, ficou com R$ 6,4 milhões na operação.

“Se for verdade os 30% (de comissão), é uma vergonha. Parece mais pagamento de outra coisa que não comissão”, disse ao blog Felipe Ezabella, candidato à presidência e ex-integrante do grupo político de Andrés.

“O Corinthians não precisa de intermediário para vender o artilheiro do Campeonato Brasileiro. Não é um jogador desconhecido. Ganhando a eleição, vou pegar os contratos e investigar. Temos lei que protege o clube contra gestão temerária, o Profut. Pagar comissão exorbitante e desnecessária é gestão temerária”, declarou Romeu Tuma Júnior, também candidato à presidência.

Ao UOL Esporte por meio da assessoria de imprensa do Corinthians, o presidente Roberto de Andrade disse que não gostaria de comentar sobre os valores da transferência. Andrés Sanchez não pôde ser ouvido porque não fala com o blog. Paulo Garcia, candidato à presidência, não respondeu à mensagem enviada pelo blog sobre o assunto.

Opinião: Corinthians repete falha ao não se preparar para saída de campeões

Leia o post original por Perrone

Após as saídas de Guilherme Arana, Pablo e Jô, o Corinthians revive a situação de 2015, quando venceu o Brasileirão e sofreu para remontar a equipe. Na opinião deste blogueiro as perdas são compreensíveis. O que não dá para entender é a nova falta de planejamento da diretoria que acarreta demora para repor os desfalques.

Já pela campanha arrasadora no primeiro turno do campeonato nacional era esperada a valorização dos atletas corintianos e a dificuldade para manter parte deles. A própria política da direção alvinegra de segurar atletas na janela de transferências para Europa no meio do ano com a promessa a empresários de analisar propostas depois do campeonato indicava isso. O caso mais emblemático é o de Arana. Desde de agosto estava prevista sua saída para o Sevilla. Difícil segurar um jovem jogador nesse caso. Porém não é demais cobrar dos dirigentes que antes do fim da temporada já tivessem contratado o substituto do lateral-esquerdo.

A saída de Jô pegou a Fiel de surpresa, mas também é uma situação para a qual o clube poderia ter se preparado melhor. O Corinthians possuía 100% dos direitos econômicos do artilheiro. Ou seja, tinha um bom controle da situação. A proposta do Nagoya Grampus foi irrecusável para clube (cerca de R$ 38 milhões) e jogador. Trazer um reserva com características semelhantes às de Jô já estava nos planos. Júnior Dutra, que pode atuar como centroavante ou pelos lados do ataque foi contratado enquanto Jô ainda fazia parte do elenco, mas ele não é exatamente o que os alvinegros procuram como substituto.

Em relação a Pablo, a saída também era previsível. A negociação pela renovação do contrato do zagueiro travou faz pelo menos três meses. Era de se imaginar que ao endurecer com o empresário Fernando César, responsável pela carreira do beque, a diretoria tivesse uma carta na manga. Um substituto que fosse anunciado logo depois da oficialização do rompimento com Pablo. Mas nada aconteceu.

Ex-diretor de futebol e agora candidato à vice-presidência do clube na chapa de Paulo Garcia, Flávio Adauto diz que enquanto estava no cargo chegou a conversar sobre possíveis saídas de atletas com o técnico Fábio Carille. Ele acredita que há tempo para reconstruir um time forte desde que a base seja mantida.

Evidentemente, a situação de momento está longe de ser desesperadora. Mas o atual campeão brasileiro poderia se sentir mais confortável em relação a 2018 se tivesse olhado para erros do passado e se planejado um pouco melhor.

 

Insistência em colombiano é sinal do ADEUS do artilheiro?

Leia o post original por Craque Neto

Não dá pra negar. Nessa sexta-feira o atacante colombiano Santiago Tréllez confirmou que aceitou a proposta para jogar no Corinthians em 2018. Cabe agora ao clube paulista negociar com os baianos do Vitória a multa de rescisão que está na casa dos R$ 10 milhões. Mas posso falar uma coisa? Com experiência de quase quatro décadas dentro do futebol tudo indica que o Jô está de malas prontas para o exterior. Aí o torcedor corintiano vai me perguntar: ‘Como assim? Tem alguma informação oficial?’. Sinceramente não. Mas a diretoria já contratou o Junior Dutra do Avaí e corre atrás do […]

O post Insistência em colombiano é sinal do ADEUS do artilheiro? apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Se o Timão perder o Jô a coisa fica feia, hein?!

Leia o post original por Craque Neto

Não vou começar esse post antes de admitir que fui contra a contratação do Jô pelo Corinthians. Achava que era muita grana investida para um jogador que estava completamente desacreditado e rejeitado pelo futebol chinês. Agora vou ser sincero, a bola que esse rapaz jogou em 2017 foi impressionante. CALOU minha boca com estilo! Participou da maioria das partidas do Timão na temporada e fez 25 gols. Foi campeão do Paulistão e do Brasileirão, sempre como artilheiro do time e/ou do torneio. Arrematou quase todos os prêmios individuais. É mole? Arrisco a dizer que o time do Carille se tornou […]

O post Se o Timão perder o Jô a coisa fica feia, hein?! apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Outro GRINGO furada??? Cuidado Corinthians!!!

Leia o post original por Craque Neto

Olha, fiquei sabendo que a diretoria do Corinthians está correndo atrás de mais um centroavante para o elenco da próxima temporada. Ou seja, dá um baita indicativo que o clube pode estar perdendo o Jô para o futebol do exterior, hein? Até porque já contratou o Junior Dutra, que chegará do rebaixado Avaí. Para que outro? E o outro nome que pode estar pintando no Timão é o do colombiano Santiago Tréllez. Pra quem não conhece esse gringo é aquele que levou a DEDADA do Rodrigo da Ponte. Lembram? Ele fez 10 gols no Brasileirão em 23 jogos pelo Vitória […]

O post Outro GRINGO furada??? Cuidado Corinthians!!! apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Velloso: Timão tem que reconstruir o elenco para 2018

Leia o post original por Craque Neto

O ex-goleiro e comentarista acredita que, para manter o ritmo que teve esta temporada, o Timão precisa reconstruir seu elenco após a possível saída de jogadores importantes como Guilherme Arana, Pablo e Jô.

O post Velloso: Timão tem que reconstruir o elenco para 2018 apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Corintianíssimo!

Leia o post original por Rica Perrone

Do remanescente Cássio ao novo ídolo Carille. Da volta do Jadson ao talento oscilante de Rodriguinho.  Da quarta força ao título brasileiro, esse Corinthians é no mínimo corintiano.

Colocado em dúvida. Sem ser galático, porque ali brilha quase sempre mais o clube do que o ídolo. Um monte de jogadores com pontos de interrogação na cabeça que hoje saem coroados por um título improvável.

Embora o corintiano vá dizer que sempre acreditou, é mentira dele. Quando o ano começou ele mesmo reclamava e dizia que “esse time” não era suficiente.  Mas talvez por não ser se tornou um time. E futebol, hoje, ganha quem tem time e não quem tem jogadores.

Esse Corinthians é chato. Não joga bonito, até porque nem pode.  Mas joga o que dá, como precisar, até que a vitória venha.

Trata-se de uma discussão meio boba o futebol apresentado. Primeiro porque no primeiro turno foi sim um futebol bem jogado. Mas estudam, aprendem, o time sente, cansa, não tem peças sobrando, se torna previsível e ainda assim manteve o título e o conquistou antecipadamente.

Não há “poréns”.

Todos os jogadores entenderam seu papel para criar uma engrenagem que não era provável que funcionasse tão bem. Carille, o autor intelectual deste Corinthians,  nunca forçou uma forma de jogar acima dos limites do que tinha em mãos. Nunca perdeu a linha, o controle e a convicção.

Esse Corinthians pouco brilhante é memorável não só pela conquista, mas pela identificação com a sua história.  Aguerrido, desacreditado, sem nenhuma estrela acima do escudo do clube, e vencedor.

Um Corinthians corintianíssimo! E portanto, campeão.

abs,
RicaPerrone

Corinthians, sem dúvida

Leia o post original por Antero Greco

Título tem de vir de forma incontestável, sem choro nem vela. Com autoridade, com vitória, que é pra ninguém botar defeito. Quer dizer, os outros torcedores chiam, reclamam, desdenham, mas isso faz parte do futebol…

Pois bem, o Corinthians fechou com antecedência, e em grande estilo, a caminhada rumo ao sétimo título do Brasileiro, ao lascar 3 a 1 no Fluminense, na noite deste 15 de novembro. Fez a festa em casa, em Itaquera, mesmo sem a presença da taça.

(Ah, a CBF não quis levar o troféu, porque o clássico acabou tarde e iria prejudicar a volta do torcedor pra casa. Conta outra… Por que não marcaram o jogo para a tarde?)

Deixa pra lá. O que importa é que, com ou sem medalha, taça e rococós, o Corinthians consolidou campanha vitoriosa com resultado incontornável. Com uma ligeira pitada de ansiedade, na forma do gol sofrido com um minuto, em cabeçada de Henrique.

A vantagem tricolor deixou apenas o jogo mais elétrico e fez com que o Corinthians se lançasse à frente desde o início. Encontrou dificuldade no primeiro tempo, ao não encaixar com frequências jogadas de ataque. O Flu, que precisava ganhar, ficou ali, a se segurar.

A história mudou em três minutos, na etapa final. Tempo suficiente para Jô fazer os dois gols que iniciaram a virada. Duas arrancadas, dois vacilos do Flu e a euforia no estádio. Dali em diante só deu Corinthians, com a certeza de que não seria mais surpreendido. E, para não dar sopa pro azar, veio o gol de Jadson, para fechar a conta.

O Corinthians é campeão nacional de 2017 por merecimento. Superou os demais pela regularidade, pela eficiência, pela simplicidade. Nem as turbulências no returno foram suficientes para tirá-lo do prumo.

Os outros não tiveram competência sequer para fazer cócegas no líder. Ah, o nível não é dos melhores? Sim, e daí? Por acaso foi nos últimos anos? A decadência surgiu agora? Assim como houve reconhecimento para as conquistas de São Paulo, Flamengo, Fluminense, Cruzeiro, Palmeiras, para ficar na história recente, o mesmo vale agora para o Corinthians.

Papo de apito amigo, de pouco empenho de outros concorrentes, são apenas amenidades para os torcedores “inimigos”. Zoeira é do futebol, assim como a taça de 2017 é do Corinthians. E vida que segue.

Parabéns aos corintianos!