Arquivo da categoria: leandro castán

Seis por meia dúzia?

Leia o post original por Neto

É verdade que há muito tempo fala-se no Corinthians contratar esse zagueiro Gil, ex-Cruzeiro, que atualmente defende o Vallenciennes da França. Dizem que o Timão estaria disposto a investir R$ 5 milhões por 50% de seus direitos econômicos. Os franceses querem 5 milhões de euros por um acordo definitivo. Assim as tratativas seguem…

Zagueiro Gil pode acertar com o Timão

Sinceramente só não consigo entender a diretoria querer gastar agora uma grana parecida com a que arrecadou com o Leandro Castán, que foi para a Roma da Itália em julho. Por sinal pouco tempo depois o clube emprestou o Marquinhos para o mesmo lugar. E olha que esse garoto era tido como a maior revelação do setor dos últimos tempos, hein? Vai entender! Se eles avaliaram que o elenco precisa de zagueiro nesse momento, porque então negociou dois de uma vez só no meio da temporada passada? Ainda se fossem propostas irrecusáveis, tudo bem. Mas não me pareceu o caso.

Pra falar a verdade só vejo duas alternativas nesse caso: ou houve um claro erro de planejamento, ou a comissão técnica se decepcionou com o Wallace e já conta com as saídas do jovem Felipe e do experiente Anderson Polga. Aliás, esse mal estreou. Que coisa! Juro que queria entender essas trocas de seis por meia dúzia. Afinal é verdade que os dirigentes estão acertando em quase tudo no Corinthians ultimamente. Fizeram um baita trabalho nessa temporada. Mas não é por isso que a gente deve deixar de analisar e questionar. Certo?

Rodada e posição na tabela refletem falhas de planejamento dos grandes paulistas

Leia o post original por Perrone

 Os jogos deste sábado do Brasileirão mostraram como os principais clubes de São Paulo estão fadados a sofrer até o fim do campeonato por causa de falhas em seu planejamento.

Em Recife, mais uma vez, o Corinthians mostrou uma defesa claudicante após a venda de Leandro Castán. Perdeu do Náutico e não se aproximou dos 45 pontos que Tite quer para decretar a equipe oficialmente livre do rebaixamento. Sua posição na tabela reflete a falta de um elenco capaz de disputar Libertadores e Nacional em alto nível simultaneamente.

Enquanto o Corinthians não é nem sombra do time que conquistou a América, o Chelsea, seu principal concorrente no Mundial, voa baixo. Como aconteceu com o Santos, os corintianos correm o risco de chegarem fora de ritmo em Tóquio.

Na Vila Belmiro, o Santos mais uma vez mostrou que não se preparou para depender menos de Neymar. Sem ele, suspenso, só empatou com o Inter e deve ficar fora da próxima Libertadores, um desastre para quem tem um atacante do nível de seu camisa 11.

No Morumbi, o São Paulo atropelou um adversário ferido por problemas que vão do gabinete da presidência ao vestiário. A derrota palmeirense acabou com a ilusão de que Gilson Kleina teria provocado uma metamorfose no Palestra Itália.

E nem o São Paulo, o vencedor paulista da tarde, está livre dos erros do passado recente. O time que tem Lucas, um dos craques do momento, e Luis Fabiano, ganhou com louvor um clássico e ainda não conseguiu se aproximar do G4. Fazem falta pontos perdidos na época em que os tricolores desperdiçaram energia fritando Emerson Leão e, em seguida, esperando a adaptação de Ney Franco.

Castán era o equilíbrio defensivo do Timão?

Leia o post original por Neto

Zagueiro foi vendido para a Roma da Itália

Pode parecer coincidência e ainda cedo para analisar, mas os números mostram que a saída do zagueiro Leandro Castán tem sido crucial para a queda de rendimento da defesa do Corinthians. Ou seja, apesar de não ter chegado sequer a decisão do Estadual, o Timão sofreu apenas 11 gols em 19 jogos do Paulistão. Foi a zaga menos vazada do torneio. Na Copa Libertadores o sistema defensivo teve desempenho ainda mais extraordinário. Foram míseros 4 gols em 14 partidas. É brincadeira??? Acho que é um recorde! Principalmente nesse novo formato do torneio Sul-Americano.

Mas desde quando o zagueiro se mandou para a Roma da Itália a equipe passou a sofrer mais gols. Da final contra o Boca Juniors (último jogo de Castán) para cá o time do Tite entrou em campo 14 vezes e sofreu 14 gols. É um número tão ruim assim? Claro que não! Mas também está longe de ter aqueles números tão bons de antes. E uma dúvida fica no ar: será que o ex-camisa 4 era o equilíbrio defensivo do sistema do Tite? Seria mera coincidência?

O curioso é que tecnicamente sempre gostei do futebol do Paulo André e do Wallace. O segundo inclusive faz muito bem às vezes de primeiro volante. Mas ainda assim, na minha visão, estão um pouco aquém do Castán e do próprio companheiro Chicão, que por sinal também tem seus méritos por liderar essa defesa desde o início de 2008, quando veio desacreditado do Figueirense.

Afinal, o corintiano tem mesmo motivos para sentir saudades de Leandro Castán ou é exagero??? Será que fará tanta falta assim para a disputa do Mundial do Japão?

Corinthians busca título com heróis que recebem menos do que atletas em baixa

Leia o post original por Perrone

Principal talismã corintiano na final contra o Boca, Romarinho recebe cerca de R$ 40 mil mensais, quase dez vezes menos do que Douglas, achincalhado pela torcida, abandonado na reserva e dono de um salário de R$ 300 mil.

Paulinho, grande ídolo alvinegro no momento, ao lado de Ralf, ganha pouco mais da metade do que Liedson, que já viveu seu apogeu no Parque São Jorge e agora está em baixa. O volante fatura R$ 180 mil mensais contra R$ 300 mil do atacante.

E os abismos salarias no clube que pode conquistar hoje sua primeira Copa Libertadores não param por aí. Cássio, inesperada solução para o gol corintiano, e Leandro Castán, de quem a Fiel já sente saudades antes mesmo de ele se mandar para a Itália, ganham juntos menos do que os R$ 500 mil mensais embolsados por Alex. Titular, o meia  não encanta como a diretoria esperava ao contratá-lo e ainda não caiu nas graças da maioria da torcida.

As distorções salariais no elenco alvinegro são frutos de alguns erros de avaliação dos dirigentes, como endeusar Douglas, que já estava mal no Grêmio. E, principalmente, reflete a política de Tite, que não se acanhou e botou no banco jogadores que custaram caro para o clube. Aconteceu com Alex e Danilo também, além dos casos de Douglas e Liedson. A atitude do treinador foi fundamental para o alvinegro chegar mais longe do que nunca na Libertadores.

Iminente saída de Castán incentiva jogadores do Corinthians a se transferirem

Leia o post original por Perrone

Gente com trânsito no elenco corintiano avalia que a iminente saída de  Leandro Castán para a Roma vai incentivar outros jogadores do elenco a deixarem o clube se receberem propostas.

  A tese, defendida longe dos microfones pelo empresário de um dos atletas alvinegros, é de que o clube dá sinais de que não manterá um time tão forte quanto o atual após a Libertadores. Isso porque o sistema defensivo, ponto alto do time, começa a ser desmantelado.

Quem ficar correrá o risco de sofrer com a queda de rendimento da equipe e se desvalorizar. Assim, o agente ouvido pelo blog aconselhará seu cliente a sair, caso receba proposta concreta.

E o incentivo a novas saídas pode aumentar se Paulinho também deixar o Parque São Jorge.  Seria o segundo pilar da equipe de Tite a bater assas. Ralf, o outro componente do tripé que sustenta o esquema tático de Tite, teria de escolher entre ficar numa equipe enfraquecida ou se transferir.

O cenário seria diferente se  a diretoria já tivesse assegurado a permanência de Castán, por exemplo, sinalizando uma equipe forte  para disputar o Mundial ou reagir no Brasileirão.

Castán, o melhor zagueiro jogando no Brasil atualmente, vai para a Roma depois da decisão

Leia o post original por Quartarollo

castán

castánO Corinthians confirma que Leandro Castán está sendo negociado com a Roma, da Itália. Faltam alguns detalhes, mas o negócio está bem adiantado e deverá colocar cerca de 13 milhões de reais nos cofres corintianos. O diretor de futebol Roberto … Continuar lendo