Arquivo da categoria: luis fabiano

Fabuloso deve MUDAR o DESTINO para 2018

Leia o post original por Craque Neto

Após perder para o Vitória em Campinas a Ponte Preta foi oficialmente declarada REBAIXADA para a Série B do Campeonato Brasileiro. E um dos principais reforços para salvar o time do descenso está quase certo: Luis Fabiano. O atacante quer retornar ao clube que o revelou com o objetivo de subir a Macaca antes de encerrar a carreira em grande estilo. Aos 37 anos o jogador está prestes a rescindir com o Vasco da Gama, clube com o qual tem vínculo até o final da próxima temporada. A verdade é que o Fabuloso enfrentou sérios problemas físicos no Rio. Além […]

O post Fabuloso deve MUDAR o DESTINO para 2018 apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Alívio e missão cumprida

Leia o post original por Rica Perrone

Ao Vasco, o título que virou “obrigação”.  Ao Botafogo, a digna derrota que o isenta de qualquer pressão. E assim, a final da Taça Rio que não servia pra nada, serviu para aliviar a crise num dos lados, para fortalecer o grupo em outro. Deu Vasco.  E é natural que tivesse sido assim, já que …

Santo nunca foi! Mas sacanagem também não, vai!

Leia o post original por Craque Neto

Após participar do Terceiro Tempo da Band neste domingo fiz questão de acompanhar o lance que gerou a expulsão do Luis Fabiano no clássico do Rio entre Flamengo e Vasco. O árbitro Luis Antônio Silva Santos só pode estar de brincadeira em afirmar que o jogador empurrou ele. Pelo amor de Deus! Todas as imagens mostraram claramente que o atacante vascaíno mal encosta nele. Pelo amor de Deus! Não dá pra brigar contra a imagem. Vejam bem, o Luis Fabiano não é santo e pelo visto nunca fez questão de ser. Mas sacanagem também não! Pra falar bem a verdade […]

O post Santo nunca foi! Mas sacanagem também não, vai! apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Escolha o “Bola Murcha” do final de semana!

Leia o post original por Milton Neves

Em minha página no jornal Agora São Paulo e no Portal Terceiro Tempo, elejo o “Bola Cheia” e o “Bola Murcha” de cada rodada.

Mas, após os jogos do final de semana, são tantos candidatos que eu nem sei a quem entregar o “prêmio” de pior da rodada dos estaduais.

Por isso, resolvi pedir ajuda a vocês.

Abaixo, deixo algumas opções, mas vocês podem sugerir outros nomes também, é claro!

Candidatos ao “Bola Murcha” do final de semana:

– Luis Antonio Silva Santos: o árbitro de Flamengo 2 x 2 Vasco conseguiu ser protagonista do jogo. Afinal, completamente patética a sua performance no desentendimento com Luis Fabiano. Isso sem falar no pênalti que inventou para o Cruzmaltino no final da partida.

– Vinicius Furlan: o árbitro de São Paulo 1 x 1 Corinthians errou bem “pouquinho”: amarelou Maicon apenas por comemorar o seu gol, não expulsou Wellington Nem após tesoura em Léo Jabá, anulou um gol legal do Timão e não mostrou cartão vermelho ao corintiano Pablo.

– Cássio: ele tem crédito de sobra com a Fiel, é verdade. Mas o goleirão foi muito mal no clássico contra o São Paulo. Afinal, o arqueiro ficou completamente perdido no gol marcado por Maicon.

– Luis Fabiano: o juiz exagerou “um pouquinho”, mas o Fabuloso, agora no Vasco, não tinha nada que tirar satisfações após o seu justo cartão amarelo, não é mesmo?

– Maicon: apesar de ter marcado o único gol do São Paulo no Majestoso, o zagueirão não tinha o direito de falhar como falhou no tento anotado por Jô. Ele simplesmente não estava marcando ninguém e, por isso, acabou atrapalhando os seus companheiros de zaga.

Deixe a sua escolha nos comentários!

Opine!

Calleri na Seleção?

Leia o post original por Quartarollo

Calleri viveu uma seca desgraçada nos jogos mais importantes do São Paulo e ontem aproveitou-se bem da fragilidade do Trujillanos, um time primário da Venezuela, que eu sempre confundo com peruano, e meteu quatro gols nas redes.

Se eu fosse o repórter escalado para o jogo diria: “Calleri é o pé que balança a rede, é o nome do gol no Morumbi”, como estão copiando continuamente por aí, mas até me sinto homenageado. Acho que com tanto tempo de estrada alguma coisinha você tem que deixar.

Teria que repetir quatro vezes inclusive com o pênalti batido em dois lances com a participação do goleiro adversário. Nada como treinar bastante antes do jogo.

Entre brincadeiras e coisas sérias, hoje eu ouvi que Calleri deveria se naturalizar brasileiro para defender a nossa Seleção. O quê? Aí não, também não é para tanto.

Está certo que não temos mais aqueles grandes centro-avantes do passado, mas é melhor deixar Calleri para os hermanos mesmo. Nós não merecemos tanto.

Daqui a pouco ele vai para a Itália e o sãopaulino baixa a bola percebendo que não fará tanta falta assim.

Para quem vaiava o bom Luís Fabiano, aplaudir Calleri não é tão difícil. É o que temos para o momento.

A goleada de 6 x 0 sobre o Trujillanos foi boa, o São Paulo precisava ganhar confiança mesmo diante da fragilidade do adversário foi bom fazer o resultado.

Serve também para dar esperanças na Libertadores, mas não pode se esquecer da realidade.

O time precisa melhorar muito ainda no Paulista e na Libertadores se conseguir o milagre da classificação, terá que melhorar muito mais.

A bem da verdade, nos últimos jogos o São Paulo vem melhorando sua postura. Não só pelos seis gols, mas pela distribuição em campo parece que Bauza vai encontrando o time que quer.

Hoje a torcida tricolor é pelo Strongest contra o River Plate, em Buenos Aires. Se o River vencer deixa o São Paulo em terceiro do grupo novamente.

O problema é que o time boliviano não pôde levar para a capital argentina o seu principal jogador, o Altitude, e sem ele o Strongest será um adversário fácil para o River Plate.

Torcer para boliviano é uma desgraça, mas neste momento é o que restou para o tricolor que depois vai receber o River, no Morumbi, e terá que subir para La Paz a fim de enfrentar o Strongest na última rodada.

Precisa vencer o River Plate em casa e ganhar do Strongest fora para descontar a derrota sofrida no Pacaembu que está complicando o time até agora na classificação.

Dificuldades à vista para o time de Edgardo Bauza, mas depois da goleada o ar ficou um pouco melhor lá pelas bandas do Morumbi.

Ganso está jogando sozinho no São Paulo

Leia o post original por Quartarollo

Vocês já ouviram aquela história do cara estar no lugar certo, mas na hora errada ou vice-versa.

Paulo Henrique Ganso está devendo futebol ao São Paulo há muito tempo.

Ninguém discute que ele é um jogador habilidoso e com uma visão de jogo muito acima da média.

Bate bem na bola, mas às vezes é meio indolente. É a sua característica não ser um velocista, tem passadas largas e gosta de endereçar bem os seus passes.

Um dia perguntei ao Ganso: “Você prefere o passe ou gol?” Ele respondeu rapidamente, o passe.

Muricy Ramalho sempre dizia para ele ficar mais próximo da área e tentar fazer gols. Meia tem que fazer gols, dizia o técnico do Santos a época e depois também no São Paulo.

Ganso preferia ficar num terreno mais confortável nem muito atrás nem muito à frente.

Agora tem jogado mais próximo da área e já fez seis gols nessa temporada.

Tem sido o melhor jogador do São Paulo, mas faltam-lhe companheiros.

O elenco tricolor tem muitos defeitos e há qualidade em falta.

Ganso tem feito a sua parte, mas não tem sido muito feliz nos resultados.

Ano passado quando ele tinha Luís Fabiano, Michel Bastos mais empolgado e Alexandre Pato querendo mostrar que ainda era jogador de bola, Ganso não jogava tanto.

Se tivesse jogado, o São Paulo teria ido melhor mesmo com tantos problemas administrativos e a inédita falta de pagamento de salários, coisa que antes não se via no Morumbi.

Esse Ganso de hoje é muito melhor. É participativo, percebeu que se não se movimentar não vai jogar e aperfeiçoou sua entrada na área.

Com a estatura que tem pode fazer a diferença nos escanteios e teria que bater mais faltas também. Com a sua técnica e habilidade pode fazer a diferença nesse tipo de jogada.

O grande Zé Duarte que revelou muitos jogadores para Guarani e Ponte Preta dizia que o meia começa a jogar mais com 25, 26 anos de idade.

Segundo o saudoso treinador, daí ele pensa e enxerga melhor o jogo.

Há exceções. Pita começou novinho como meia e era cerebral, mas melhorou ainda mais com o tempo e Ganso lembra muito o que Pita jogava.

Hoje o jogador é lançado mais cedo e amadurece mais cedo. Tomara que Ganso tenha chegado à sua madurez e continue assim.

É esse Paulo Henrique Ganso que o São Paulo precisa e diria até mais, o futebol brasileiro também precisa de um jogador assim.

Um meia que faz o trabalho de uma área à outra e que faz gols. Coisa rara nos nossos dias.

Quero gritar gol em mandarim

Leia o post original por Antero Greco

Crônica do jornalista Roberto Salim.

Eu quero gritar gol em mandarim.

Como se fala escanteio na língua do Mao? E impedimento?

Estão levando nossos melhores jogadores para a China? Então quero ver os jogos do campeonato de lá. Não passam o campeonato Espanhol, Russo, Ucraniano, Inglês, Italiano, Francês? Eu quero o Chinês.

O Luxemburgo está lá, o Felipão, o Mano.

Tem 25 craques tupiniquins ensinando a moçada, suando a camisa, ganhando dinheiro: o tal do yuan.

Eles bem que poderiam levar também alguns dos nossos dirigentes que estão sendo procurados pelo FBI.

Poderiam levar também alguns de nossos narradores, comentaristas, estatísticos.

Por que não?

Já pensou o clássico entre o Guangzou e o Shandong?

De um lado, Felipão escalando Ricardo Goulart e mandando o time do Guangzou cruzar bolas à moda gaúcha para uma cabeçada salvadora do Elkeson.

Do outro, o Mano todo retrancado com o Shandong, colocando o Jucilei para conter o avanço inimigo.

Um de nossos comentaristas falaria do nó tático com que os técnicos gaúchos se enrolaram.

No intervalo do jogo, os anúncios chineses mostrando passeios pela Muralha da China e viagens de barco pelo Rio Li.

O anúncio do novo filme do genial Zhang Yimou.

E um comercial de alimento falando das graças recebidas por quem come o Bolo da Lua.

E mais um milhão de tipos de chás e pimentas.

E a culinária de Cantão?

Ah, seria muito mais divertido que os campeonatos que passam todo fim de semana.

Pelo menos poderíamos ver nossos ídolos que estão indo embora todo dia.

Estou com saudade de Ricardo Goulart, Luis Fabiano, Paulinho, Diego Tardelli, Renato Augusto, Jadson. Até do “profexô” já sinto saudade, ele que está no Tianjin, da Segunda Divisão.

Ô, “profexô”, como será que se grita gol em mandarim?

Mais competente e mais campeão, Bauza é o novo Osório do São Paulo

Leia o post original por Quartarollo

O São Paulo apelou de novo para um técnico estrangeiro. Depois da derrapada com Juan Carlos Osório que chegou no meio do Campeonato e sem conhecer direito elenco e o futebol brasileiro se deu mal, agora trás o argentino Edgardo Bauza.

É o novo Osório do tricolor que acha que quando contrata um técnico estrangeiro está sendo mais moderno que os outros.

O que é preciso mesmo é aperfeiçoar a mentalidade no seio do clube e com muita gente do elenco.

Bauza é bicampeão da Libertadores, campeoníssimo no San Lorenzo, o time do Papa Francisco, e na minha opinião, é mais competente que o colombiano que também, é verdade, não teve tempo de mostrar o seu trabalho a não ser algumas esquisitices encampadas por parte da imprensa que o chamava de moderno e progressista.

Aliás, ambos, Osório e Bauza, tem praticamente a mesma idade. Aos 57 anos de idade, o argentino já rodou muito e já topou paradas duríssimas para chegar ao patamar atual.

É menos marketeiro que Osório, é mais direto nas suas observações e joga conforme o que tem em mãos.

Dependerá dele alguma reformulação no elenco tricolor que perdeu de uma vez só Rogério Ceni, Luís Fabiano e Alexandre Pato e pode ainda perder Paulo Henrique Ganso.

Milton Cruz foi um sustentáculo de vários treinadores do São Paulo, mas parece desgastado na função embora mais uma vez o clube deva a ele a classificação para a pré-Libertadores da América.

Com Milton o time sempre andou bem. Talvez a única marca negativa tenha sido os 6 x 1 que tomou do Corinthians no Brasileiro. É uma derrota histórica, mas pouco perante o que já fez pelo time.

O São Paulo tem pressa. Pelo menos já tem um treinador, o que era importante nesse momento, e agora terá que mexer no elenco e pensar na estréia do Paulista e da Libertadores.

Começará a pré-Libertadores antes dos outros brasileiros. Ainda não conhece o seu adversário, mas são aqueles jogos mata-mata que matam do coração o torcedor.

Bauza tem a vantagem de conhecer bem a competição, mas a desvantagem será o tempo que terá que para armar o seu time, um time com a sua cara.

A seu favor em relação a Osório além do currículo mais vencedor, tem também a vantagem de começar uma temporada dirigindo a equipe.

Boa sorte, Bauza. Mais um estrangeiro que chega com a missão de modernizar o tricolor.

Se vai conseguir só o tempo dirá.

 

Jadson é o melhor do Brasileiro

Leia o post original por Quartarollo

Eu sei que na votação da CBF deu Renato Augusto como o melhor jogador do Campeonato Brasileiro.

Sei também que Jadson ficou em segundo na votação, mas a exemplo de Renato entrou na seleção do Campeonato.

Mas para mim o melhor jogador da competição foi Jadson. Disse isso a ele há poucos dias em entrevista à Jovem Pan e continuo pensando da mesma forma já que nada mudou de lá para cá.

Talvez devessem dividir o prêmio entre Renato e Jadson. Talvez fosse mais justo.

Eu vejo Jadson com maior técnica, maior habilidade e foi o vice-artilheiro do time com 13 gols.

Fez passes preciosos em praticamente todos os jogos e desequilibrou muitos deles achando seus companheiros em condições ótimas para concluir a jogada.

Por isso fico com Jadson, mas acho que já disse isso muitas vezes.

Nada contra Renato Augusto que teve um ano extraordinário, talvez o melhor da sua vida profissional, e foi também muito importante na conquista corintiana.

Superou suas seguidas contusões ajudado por uma Comissão Técnica que cuidou dele o tempo todo e lhe deu retaguarda e confiança para voltar a jogar o que sabe.

Renato é um jogador que cresce muito quando vem de trás com todo o campo aberto para escolher a melhor jogada e nisso foi também muito ajudado por Jadson, Elias e pelo esquema do técnico Tite.

Não adianta prender Renato à frente facilitando a marcação do adversário. Ele é um volante de chegada, se é que me entendem. É o antigo meia do passado.

Bate bem na bola e fez gols importantes no Campeonato. Pela sua altura devia cabecear melhor do que cabeceia, mas por duas fortes pancadas que já tomou na cabeça que o tiraram do futebol por um bom tempo, entendo o seu receio nas jogadas aéreas.

Ronaldo Fenômeno, Luís Fabiano e outros que passaram por problemas de pancadas na cabeça também ficaram relutantes no cabeceio depois disso.

Enquanto isso, Jadson domina todos os fundamentos do futebol. Menos um, também o cabeceio por causa do seu tamanho.

Tem 1,68 segundo a sua ficha, mas eu acho que é um pouco menos. Tenho 1,71 e já o entrevistei muitas vezes, sei do que estou dizendo.

Acho que a dupla funciona maravilhosamente bem e para provar que nada tenho contra Renato Augusto, fui um dos primeiros a pedir sua convocação para a Seleção Brasileira quando ele ainda não era manchete como é hoje. Já estava jogando bem naquela ocasião.

Daí alguns podem perguntar: “Ué, então porque você não pediu Jadson ao invés de Renato na Seleção?”

Acho que os dois cabem no atual momento da equipe brasileira e seriam bem-vindos se Dunga não fosse tão cabeçudo.

Daria para explorar o entrosamento que já têm com Elias dentro do Corinthians, mas orgulhoso como é, Dunga estaria se submetendo ao esquema do técnico Tite e ele prefere perder com o dele mesmo ao apostar em algo que está dando certo. É orgulhoso e teimoso.

Acho que Renato por ser mais jovem ainda pode dar mais para a Seleção, mas não veria com maus olhos a chamada de Jadson que já esteve lá e tem bola para ajudar a equipe brasileira também.

Afina, o melhor do Brasil na atualidade ainda merece uma chance apesar dos seus 32 anos de idade.

Só iria acrescentar ao time de Dunga.