Arquivo da categoria: luiz flávio de oliveira

Polêmicas do apito NUNCA acabarão! NUNCA!

Leia o post original por Craque Neto

Só para variar essa rodada do Brasileirão foi marcada por vários lances polêmicos. No clássico do Morumbi pelo menos dois lances capitais decidiram o jogo e tiraram a provável vitória do São Paulo contra o arquirrival e líder Corinthians. Em um dos lances o Tricolor reclama de um gol legal do zagueiro Militão. O árbitro deu falta do atacante Lucas Pratto no goleiro Cássio. Em conversa com muitos amigos cheguei a conclusão que as opiniões ficaram divididas. Eu achei que o lance foi normal e o gol deveria ter sido validado. Em contrapartida várias pessoas – e não só corintianos […]

O post Polêmicas do apito NUNCA acabarão! NUNCA! apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Palmeiras reclama com razão da arbitragem, mas o Santos mereceu a magra vitória

Leia o post original por Quartarollo

Foi só 1 x 0 dizem por aí, mas é uma vitória e o Santos diante disso jogará por um empate contra o Palmeiras na grande decisão da Copa do Brasil na próxima quarta-feira, na Arena Palestra Itália.

É claramente reversível, mas o mas aparece de novo. O Santos mostrou de novo que é mais efetivo no ataque com falhas defensiva de vez em quando.

Já o Palmeiras jogou claramente para trazer a decisão para a capital paulista e por pouco não trouxe um 0 x 0, o que seria o ideal para o time de Marcelo Oliveira.

Fernando Prass foi o grande nome do jogo. Por causa dele o Santos ficou só no 1 x 0 citado.

Foi um jogo muito truncado, violento em alguns lances e com muitas provocações dos dois lados.

Ricardo Oliveira e Fernando Prass vem trocando farpas desde o Campeonato Paulista. Ontem foram protocolar, não tiveram problema e também não se beijaram. Tudo certo.

O pênalti aos 50 segundos de jogo de Arouca agarrando a camisa de Ricardo Oliveira foi bem marcado e desperdiçado por Gabriel com um chute na trave esquerda.

É incrível um jogador experiente como Arouca fazer um pênalti desses, mas acontece mesmo com um grande jogador como ele.

Ricardo Oliveira não é mais o batedor oficial do Santos e por isso sobrou para o chamado Gabigol que tem batido e convertido, mas ontem não.

O técnico Dorival Júnior reclama de uma cotovelada de Jackson em Ricardo Oliveira ainda no primeiro tempo que não resultou em nada para o zagueiro.

Ele matou um contra-ataque e fez a falta, Dorival queria vermelho para ele. Não achei que era para tanto, talvez um amarelo, mas também é verdade que matou um contra-ataque importante.

Segundo tempo foi mais viril ainda e o Palmeiras reclama com razão de um pênalti não dado em cima de Lucas Barrios.

O argentino-paraguaio estava a frente do zagueiro, se preparava para fazer o gol e foi tocado por trás pelo estabanado David Braz.

Na minha opinião, Luiz Flávio de Oliveira tinha que dar o pênalti e ainda expulsar o zagueiro.

Mas dá para entender. A visão dele era por trás do lance, poderia ser ajudado pelo bandeira Emerson de Carvalho, que a exemplo do árbitro, achou tudo normal na sua interpretação.

Mais tarde Luiz Flávio saiu por contusão muscular. Substituição na arbitragem entrando Marcelo Aparecido de Souza que expulsou acertadamente Lucas que chutou a bola contra Lucas Lima caído.

Foi provocado pelo camisa 20 do Santos e acabou caindo na provocação. Ele queria amarelo para Lucas Lima que estava pendurado e desta forma não jogaria a grande final quarta-feira, aqui em São Paulo. É discutível.

Depois de tantas rusgas, Gabriel inventou uma jogada em cima do fraco Amaral, que no entanto não teve tanta culpa, foi mérito do atacante que fez um golaço e deu 1 x 0 para o Santos.

Hoje se me perguntarem quais as possibilidades de cada um, eu diria que o Santos tem 60% de chance de conquistar o título e o Palmeiras os 40% restantes.

Mas o jogo está aberto e até certo ponto o técnico Marcelo Oliveira conseguiu seu objetivo. Trouxe a decisão para o seu campo e aqui o Palmeiras é mais forte. Pode mesmo ser campeão da Copa do Brasil.

O pênalti que foi e o pênalti que não foi

Leia o post original por Quartarollo

A discussão continua a mesma em lances diferentes.

Domingo pênalti de Uendel não dado para o São Paulo no clássico do Morumbi.

Até Tite chegou a conclusão que o pênalti aconteceu.

Mas lembrou, e com razão, que Felipe não devia ter sido expulso por Leandro Pedro Vuaden.

Ontem a CBF escalou árbitro paulista, no Itaquerão, e Luiz Flávio de Oliveira marcou pênalti já no apagar das luzes para o Corinthians que venceu por 4 x 3.

O lateral Guilherme Arana tentou o cruzamento e a bola bateu na mão de Rithely e o pênalti foi marcado.

Vão falar em movimento não natural, que ele correu o risco, mas para mim não foi pênalti.

É o chamado pênalti de televisão, o pênalti da câmara lenta, mas que no futebol brasileiro tem árbitro que dá e tem árbitro que não dá. Ontem ele deu.

Como já havia a polêmica de um árbitro da casa, no caso paulista, apitando um jogo do Corinthians contra um time de fora, o Sport Recife, a análise foi tendenciosa contra o árbitro que é excelente e honesto. Luiz Flávio ficou muito exposto com essa escala da CBF.

Jadson, o melhor em campo para mim, converteu o pênalti e selou a vitória fazendo com que o Corinthians assumisse a liderança do Campeonato com um jogo a mais e um ponto na frente do Atlético Mineiro que hoje recebe o Grêmio, no Mineirão, e terá toda a torcida contra do time do paulista.

Pênalti ou não pênalti à parte, o Corinthians mereceu a vitória. Fez por onde, jogou com sabedoria contra um adversário muito bem armado por Eduardo Batista.

Tem bonito toque de bola o Sport, não dá chutões e sabe o que fazer em campo. Foi um dos bons jogos deste Campeonato que parece que nesse quesito tem melhorado muito.

Não sei se eu é que estou vendo demais ou se estou sendo otimista, mas em toda a rodada há bons jogos.

Luciano se confirma como atacante titular do Corinthians com os dois gols de ontem e Jadson viveu mais uma grande noite.

Problema teve Fagner para marcar o lado esquerdo do Sport Recife.

O garoto Guilherme Arana poderia ter problemas maiores não fosse a jogada que originou o suposto pênalti.

Ele falhou no segundo gol do Sport ao recuar uma bola de forma errada dando chance para Hernane Brocador tocar bonito para as redes a frente de Cássio.

Minutos depois Diego Souza driblou Arana e cruzou para mais um gol do Brocador.

A falha do menino recolocou o Sport no jogo. O time de Recife tentava ainda mostrar alguma coisa, mas não mostrava força e o Corinthians estava mais perto do quarto gol quando tomou o segundo nesse presente de Guilherme, que é bom jogador e que pelo menos não será queimado porque o time venceu também por culpa dele com  jogada do suposto pênalti.

O jogo mereceu tanto gols e Tite vai encontrando a forma do seu time jogar. Ora mais recuado, ora marcando adiantado e quando coloca a bola no chão acaba sendo muito envolvente.

Ainda dá alguns bicões desnecessários, mas segundo Tite isso acontece por causa da força do adversário.

Corinthians vai se colocando como um dos favoritos para o Campeonato embora faltem jogos demais para a competição acabar.

Árbitro também devia cumprir suspensão automática

Leia o post original por Quartarollo

Manoel Serapião Filho, que foi um árbitro de médio para medíocre, agora faz parte da Comissão de Arbitragem da CBF.

Nada contra. Há muitos que são bons na teoria e falhos na prática. Talvez seja o caso de Serapião.

Assim como Emídio Marques de Mesquita. Conversar com ele era aula de arbitragem, mas no jogo não funcionava tão bem.

Serapião reconheceu nesta segunda-feira que o São Paulo foi prejudicado no domingo com o pênalti cometido por Uendel e não marcado por Leandro Pedro Vuaden, do Rio Grande do Sul, e nem pelo bandeira Guilherme Dias Camilo, de Minas Gerais.

Foi um momento crucial do jogo. Se marcado o pênalti aos 48 do segundo tempo, o São Paulo teria grande chance de vencer o jogo por 2 x 1 e Uendel seria expulso. Nada disso aconteceu e o jogo acabou na sequência.

Quando um jogador comete uma falta e leva cartão fica pendurado. Se leva vermelho cumpre automaticamente na próxima partida.

Agora até treinador está cumprindo automática coisa que não acontecia antes.

Só o árbitro continua apitando como se não tivesse acontecido nada.

Defendo a liberdade do árbitro para errar e acertar. Afinal, é um ser humano e não tem tantas câmeras para vigiar todos os detalhes e às vezes tem a câmera lenta contra si, mas ele também tem que responder de alguma forma pelos seus erros e não é o que está acontecendo.

Sua voz é suprema, sua súmula é base de julgamento, só superada pela imagem, mas quem paga a pena mesmo é o jogador.

Ou por ficar suspenso ou por ver uma possível vitória escapar pelo apito do juiz que não funcionou devidamente.

Para se ter uma ideia, apesar da crítica de Serapião, os integrantes da equipe de arbitragem de domingo, no Morumbi, foram sorteados na rodada deste meio de semana no Campeonato Brasileiro e além disso têm sorte, pois a bolinha sempre os escolhe.

Alex Ang Ribeiro, que foi bandeira 2 no domingo, será o bandeirinha um no jogo desta quarta-feira entre Corinthians x Sport Recife, no Itaquerão. É a sua sétima escala no sorteio.

Leandro Pedro Vuaden vai apitar Joinvile x Cruzeiro, em Santa Catarina. Será a décima segunda escala em 18 rodadas.

Guilherme Dias Camilo,  de Minas Gerais, é o mais sorteado deles. Pela décima quinta vez está escalado.

Será o bandeira um de Santos x Vasco da Gama, na Vila Belmiro, nesta quarta-feira.

Ele e Vuaden tinham toda a visão do lance de Uendel no domingo e nada fizeram, só assitiram.

Também houve a expulsão errônea de Felipe que foi um ato apenas de Vuaden.

Esses deviam no mínimo ficar de fora de uma rodada do Campeonato Brasileiro como punição pela má atuação do último domingo, no Morumbi.

Não bastasse isso, a CBF optou por escalar um trio mesclado para o clássico São Paulo 1 x 1 Corinthians e sorteou um trio paulista para Corinthians x Sport, no Itaquerão.

Não era melhor ter escalado um trio paulista para um clássico paulista no último domingo?

O árbitro de Corinthians x Sport é Luiz Flávio de Oliveira, que eu acho muito bom, tendo como bandeiras o citado Alex Ang e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa.

O futebol brasileiro está metendo os pés pelas mãos

Leia o post original por Quartarollo

Frase nova essa que complementa a manchete aí de cima.  “Meter os pés pelas mãos” é uma frase tão antiga quanto o futebol, mas agora capricharam muito. Só no Brasil bola na mão virou pênalti. O problema é que os … Continuar lendo