Arquivo da categoria: marquinhos gabriel

Última chance do último ‘tiriça’?

Leia o post original por Craque Neto

Quem acompanha minhas mídias sabe que na última temporada fui extremamente crítico ao elenco que a diretoria do Corinthians montou. Gastaram uma baita de uma grana e trouxeram uma legião de jogadores sem vontade e sem o ‘espírito’ para atuar no clube. Foram os casos principalmente do atacante Guilherme e do meia Marlone, ambos emprestados para outros corajosos times do futebol brasileiro. Outros dois, Marquinhos Gabriel e Giovanni Augusto ainda permanecem no elenco. O primeiro melhorou bastante. Tem ficado como opção no meio aos titulares Rodriguinho e Jadson e quando acionado tem executado bem a função. Sinceramente acho que merece […]

O post Última chance do último ‘tiriça’? apareceu primeiro em Craque Neto 10.

‘Pep’ Carille?

Leia o post original por Craque Neto

Não dá pra negar que no início da temporada poucas pessoas acreditavam nesse elenco do Corinthians. Afinal o que tinha de jogador ‘tiriça’ desinteressado era uma grandeza. Mas hoje tudo mudou da água para o vinho muito em função do excelente trabalho do técnico Fábio Carille. Esse rapaz chegou quietinho, sem fazer muito alarde e está se transformando em um baita profissional. Soube mexer na equipe e encaixou um esquema competitivo e vencedor. Nessa goleada contra o Vasco por 5 a 2, mesmo com a ausência dos jogadores que estão na Seleção, ele fez o time jogar bem. Até o Marquinhos […]

O post ‘Pep’ Carille? apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Se arrependimento matasse, hein?

Leia o post original por Craque Neto

Olha como é a vida de comentarista e crítico de futebol… desde o ano passando quando critiquei as contratações milionárias de nomes como Giovanni Augusto e Guilherme muito corintiano virou a orelha pra mim. Ficaram bravos porque eu como ídolo do clube, teoricamente, não poderia falar mal da atitude dos dirigentes. Ou seja, de certa forma os caras ficam bravos comigo e ignoram os desmandos dos cartolas que queimam o dinheiro dos cofres adoidado. Muitas vezes um dinheiro que nem existe, diga-se de passagem! Vejam só o caso do Giovanni Augusto! Há 14 meses esse rapaz se tornou um dos […]

O post Se arrependimento matasse, hein? apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Corinthians tomou remédio e matou as tiriças!

Leia o post original por Craque Neto

Lembro que na temporada 2015 fiz questão de passar durante o programa ‘Os Donos da Bola’ uma receita caseira para matar a lombriga do Vágner Love. Levava folha de boldo amassada com suco de limão e tudo mais. Terrível de azedo! E vou falar que acho que surtiu efeito já que o atacante – que era uma ‘nhaca’ só – evoluiu bastante e foi um dos principais nomes do hexacampeonato brasileiro do Corinthians. Agora me parece que o técnico Fabio Carille matou a tiriça na origem. Tirou do time titular nomes como Guilherme, Marquinhos Gabriel, Marlone e Giovanni Augusto. E […]

O post Corinthians tomou remédio e matou as tiriças! apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Corinthians vira e volta a embolar o Brasileiro

Leia o post original por Antero Greco

A torcida do Corinthians andava meio cismada com o time. Nas últimas rodadas, acumulou escorregadelas e corria o risco de ver aumentada a diferença em favor dos líderes. Mas, por uma conjunção de resultados, eis que o atual campeão brasileiro voltou a encostar na ponta. Para tanto, contribuíram os 2 a 1 que lascou em cima do Vitória, na noite desta segunda-feira, em Itaquera, além de tropeços de Santos, Grêmio e Palmeiras. Com a combinação de placares, os alvinegros estão em terceiro lugar, com 37 pontos.

Em resumo, o campeonato continua embolado pra chuchu. O Palmeiras tem 40 pontos, o Atlético-MG está com 38. Junto com o Corinthians vem o Fla (a diferença está no saldo de gols). Logo na sequência, aparecem Santos (36) e Grêmio (35, mas com  um jogo a menos). O Furacão perdeu fôlego, está com 31 e caiu para oitavo lugar. Na frente dele, saltaram Flu e Ponte, ambos com 31. Ou seja, a briga pelo título permanece abertíssima e equilibrada. Difícil apontar um favorito nesta altura da temporada.

O Corinthians, no entanto, teve trabalho para superar o Vitória e ampliar para 33 o número de jogos em casa sem perder. No primeiro tempo, esbarrou numa marcação boa da equipe baiana e ainda amargou o gol contra de Yago, aos 43 minutos, em cruzamento de Marinho. A propósito, Marinho foi o jogador do Vitória que mais deu trabalho, mesmo no segundo tempo.

Cristóvão Borges mexeu no time no intervalo e colocou Marlone no lugar de Romero. E, com isso, obteve a reviravolta. Marlone entrou a todo vapor e logo aos 5 minutos empatou com um chute espetacular de fora da área. Além disso, ajudou na marcação e na armação. Tanto que participou do segundo gol, aos 26, marcado por Marquinhos Gabriel, de peito. O Vitória só criou uma chance, mesmo com boa distribuição em campo. Pouco para quem está perto da zona de rebaixamento.

Ficou claro que Cristóvão mantém a busca de formação equilibrada do meio para a frente. Desta vez, iniciou com Bruno Henrique, Romero, Elias, Rodriguinho. Só perto do final, colocou Giovanni Augusto em campo. O treinador não parece convencido a respeito de alguns jogadores. Mas, resultado à parte, o Corinthians do segundo tempo lembrou, em alguns instantes, aquele do ano passado: trocas de passes, paciência e rapidez no contragolpe.

 

Corinthians mantém a sombra no Palmeiras

Leia o post original por Antero Greco

O Corinthians continua numa toada forte – e até certo ponto surpreendente – na corrida pelo topo do Brasileiro. Em 14 rodadas, está ali, ponto a ponto, fazendo sombra ao Palmeiras na liderança. Neste sábado, bateu a Chapecoense por 2 a 0, foi a 28 pontos, assim como o rival, que joga na terça-feira com o Santos, no Allianz Parque.

O índice de aproveitamento com Cristóvão Borges é extraordinário. O técnico chegou para substituir Tite, perdeu a primeira e depois enfileirou quatro vitórias consecutivas – ou 80% no total. Uma subida incrível, para um time que ainda continua a passar por transformações e que se reconstrói desde o começo do ano.

O resultado foi merecido, pelo segundo tempo. No primeiro, não foi teve nada a destacar. Ao contrário, o Corinthians foi confuso, sem pegada; criatividade lá embaixo. A rigor, construiu uma jogada de gol. O adversário catarinense não ficou atrás; e parece ter perdido aquele ímpeto inicial, que o levou a ser o último a perder invencibilidade.

A mudança veio na etapa final, com o Corinthians ao menos ligado e que buscou o ataque. Tanto que abriu o marcador, com gol de Balbuena, de cabeça, e mal anulado pelo árbitro Ricardo Ribeiro. O juiz errou também no lance do gol de Rodriguinho: ele considerou normal a jogada que abriu o placar, mas Luciano, em impedimento, interferiu na visão do goleiro Marcelo Boeck. Um erro contra e outro a favor dos alvinegros.

Com 1 a 0, o Corinthians desestabilizou a Chapecoense e fechou a conta com Marquinhos Gabriel. Nona vitória e reação forte de quem achava, algumas rodadas atrás, que iria perambular pelo meio da tabela. Agora, jogou mais responsabilidade para o Palmeiras no clássico com o Santos.

 

Corinthians volta a fazer a coisa certa

Leia o post original por Antero Greco

O beabá de qualquer competição por pontos corridos indica que um time que pretende ser campeão não pode vacilar diante de adversário em situação inferior. O Corinthians conhece de cor essa lição e voltou a colocá-la em prática com aplicação. Na noite desta quarta-feira, recebeu o Santos em Itaquera, ganhou por 1 a 0 e se mantém no bloco de cima do Brasileiro. Simples e direto.

O gol custou a sair – veio com Giovanni Augusto lá pelos 36 minutos do segundo tempo. Na origem do lance, uma falta que jogadores do Santos reclamaram não ter existido. Mas a vantagem justificou o esforço da equipe que buscou mais o jogo, tentou a vitória. O Corinthians não foi excepcional; no entanto, não entrou em campo disposto a segurar o empate a qualquer custo, como fizeram os santistas. Dorival Júnior parece ter colocado 20 no gramado, todos atrás.

A desculpa do campeão paulista é aceitável – desfalques de gente como Lucas Lima, Gabriel e Ricardo Oliveira. Apenas a alma do conjunto. Mas não precisava exagera na retranca, à espera de um lance de contra-ataque. Walter praticamente assistiu ao jogo.

O Corinthians sentiu a dificuldade de passar pelo paredão do lado de lá. Dessa vez, o trio Marquinhos Gabriel, Giovanni Augusto e Guilherme não foi tão bem quanto nas vitórias anteriores sobre rivais em situação delicada (3 a 0 na Ponte, 2 a 0 no Sport) e criou menos do esperado. Sobretudo no primeiro tempo.

No segundo, houve melhora, menos para Marquinhos, que saiu aos 15 minutos e deu lugar para Lucca. Depois, Luciano é quem foi para o banco e entrou André. Não mudou muito e a posição de comando de ataque é um enrosco para Tite. O nó foi desfeito com o gol de Giovanni Augusto, que mantém o Corinthians no alto e afunda o Santos.

O Corinthians consegue paz para recompor-se. O Santos sente na pele a ausência de jogadores importantes. Enquanto a dupla Lucas Lima e Gabriel se valoriza na seleção, a equipe está na parte de baixo da classificação. O torcedor deve estar muito satisfeito com a CBF…

 

Corinthians faz o certo e Sport afunda

Leia o post original por Antero Greco

O Corinthians costuma levar ao pé da letra a lição de aproveitar-se de adversário instável. No meio da semana, sapecou 3 a 0 na Ponte Preta e deu uma reerguida. Neste domingo, lascou 2 a 0 no Sport e subiu muito na tabela. Sabe que o caminho para o sucesso passa por não ceder pontos para quem anda por baixo.

Não foi moleza, como se pode supor. Foi necessário um pouco de suor – mais pelo calor de Recife do que pela qualidade atual do Sport. Impressiona como caiu o time pernambucano. Um ano atrás, a esta altura, era das sensações da Série A, frequentava o topo da classificação e assustava rivais de porte.

O Sport de hoje é limitado, assustado e perdido. Não por acaso segura a lanterna, com 1 ponto. E dela não sai nesta rodada. Para complicar, na quarta tem clássico com o Santa Cruz, que o substituiu na condição de destaque do torneio. Oswaldo de Oliveira já é um dos que entram no alvo de mira da crítica e da cartolagem.

No primeiro tempo, houve equilíbrio, diria até com o Sport ligeiramente melhor na marcação. Tanto que impediu que Giovanni Augusto, Guilherme e Marquinhos Gabriel criassem. O Corinthians a rigor teve uma chance, contra ao menos três da turma da casa. Parecia promissor.

No segundo, o ritmo caiu, e ficou evidente que os dois lados sentiram os efeitos da temperatura de início de tarde. O Corinthians, um pouco mais solto, foi à frente e só não abriu o marcador numa finalização de Marquinhos Gabriel por causa de defesa preciosa de Marcão. O Sport tratou de responder e testou Walter.

A mudança veio com a saída de Luciano e a entrada de Lucca. No segundo lance de que participou, aos 24 minutos, o rapaz abriu o placar, ao completar de cabeça bola lançada por Giovanni Augusto. O gol desmontou o Sport, escancarou brechas. O segundo, aos 33, foi numa conclusão impecável de Marquinhos Gabriel. Ficou fácil daí pra frente. O Sport desmoronou e o Corinthians só gastou o tempo.

A tendência: Corinthians sobe, se estabiliza no bloco principal. O Sport entra em turbulência, surge como o primeiro dos candidatos para lutar contra o rebaixamento. E terá dificuldade. Em compensação, tem tempo para reagir.

 

Corinthians e Grêmio, empate sem graça

Leia o post original por Antero Greco

Ao fim dos noventa minutos foi difícil acreditar que os dois times que estiveram na Arena de Itaquera eram respectivamente o campeão e o terceiro colocado no Brasileiro de 2015. A estreia de Corinthians e Grêmio foi morna: 0 a 0 sem graça, indício do que pode vir deles nas próximas rodadas.

Ok, o Corinthians campeão não existe mais. O time teve várias peças principais negociadas antes do Paulistão. Mas já era hora de Tite ter dado um ritmo mais veloz à equipe, que voltou a jogar de  maneira previsível.

No ataque, André tem a antipatia da torcida, desde o pênalti perdido na Libertadores. No meio, Rodriguinho não deslancha. De bom, de expectativa otimista, ficou a atuação de Marquinhos Gabriel.

Aos 30 minutos do primeiro tempo, ele fez uma jogada de cinema: driblou quatro gremistas dentro da área, mas finalizou mal. A bola ainda sobrou para André, que estava impedido. E foi também de Marquinhos Gabriel, no segundo tempo, outro lance de efeito, quando serviu de calcanhar a bola para Fagner.

O Grêmio teve alguns bons momentos no início com Bolaños e Luan, mas foi gostando do empate e da ideia de que um ponto na casa do rival é para ser comemorado.

Nos últimos 15 minutos, o técnico Roger trancou o time para garantir o empate. Conseguiu, mas se expôs em demasia. E já nos descontos quase sofreu o gol. Primeiro numa jogada de Giovanni Augusto, que Luciano quase finalizou para a meta. Depois, quando Marcelo Grohe desviou uma bola traiçoeira cruzada na área.

Foi uma estreia preocupante para as duas torcidas. Pensar em título depois dela é só para os fanáticos. Vamos aguardar, que o torneio é longo…

(Com participação de Roberto Salim.)

Corinthians empata com Grêmio no Itaquerão

Leia o post original por Fernando Sampaio

maiconO Corinthians ficou no empate no Itaquerão.

Bom para o Grêmio.

Acertei o empate no Bolão, coloquei 1×1.

Acreditava em gols, faltou qualidade técnica para colocar a bola pra dentro.

Giuliano desperdiçou uma, Bobô duas…

Marquinhos Gabriel quase fez um golaço.

André saiu vaiado, Romero saiu bravo.

O Timão perdeu muita força ofensiva sem Jadson, Sheik, Guerrero, Renato Augusto…

O Corinthians terá muita dificuldade para chegar no G-4 com este elenco.