Arquivo da categoria: Morumbi

SP segue roteiro de Série B

Leia o post original por Antero Greco

É duro admitir, mas o São Paulo segue roteiro de Série B. O que acontece com ele é filme velho, repetido, visto anteriormente com outros grandes times nacionais. Com desfecho sofrido e invariável.

Os personagens e episódios são conhecidos: elenco bom, embora supervalorizado e que não rende o que se espera dele. Saída de jogadores durante a temporada, oscilação no desempenho e trocas de técnico. A isso se somam os tropeços em casa e o retrospecto ruim como visitante. Então, bate o desespero. Vem a queda.

Em certas ocasiões, ocorre o milagre da salvação em cima da hora. Aquela reviravolta sonhada, que transforma vilões em heróis. Como aconteceu anos atrás com o Fluminense.

E, pelo visto, é nisso que passarão a apostar os tricolores nas 15 rodadas restantes. Além de torcerem para que os diversos concorrentes da parte de baixo da classificação não deslanchem. Ou seja, uma combinação improvável, mas não impossível, de boas notícias.

Outra vez o São Paulo ficou no quase. No jogo com a Ponte Preta, na noite deste sábado, o time de Dorival Júnior não foi bem. Teve dificuldade para criar, chutou pouco a gol, no primeiro tempo, mas ainda festejou vantagem, com cobrança de falta perfeita de Hernanes. Ele mais uma vez. Sempre o Profeta, a estrela solitária da companhia.

No segundo, as coisas melhoraram, com o gol de Bruno aos 11 minutos. Alívio, festa para os 43 mil torcedores no estádio. A confiança de que por algumas horas a zona de rebaixamento ficaria para trás. A Ponte dava a impressão de estar perdida.

O pesadelo visto em outros jogos apareceu aos 19, com pênalti de Jucilei, que tomou cartão amarelo, a cobrança de Danilo e o gol. A síndrome do pânico tomo conta do São Paulo e fez estrago aos 30, com o empate em lance de Leo Gamalho. E foi a Macaca quem teve chance de virar, em outras duas boas jogadas.

O São Paulo ruiu ao ficar com um a menos e ao ceder a igualdade. Sobressaiu o nervosismo, os erros vieram à tona, se acumularam passes errados. A bola queimava os pés dos jogadores.

As duas semanas de treinamentos não serviram para nada. Ou melhor: serviram para mostrar que, além de limitação técnica, o São Paulo está mal da cabeça. O psicológico parece lá embaixo, como a pontuação na tabela.

Dias tensos no Morumbi.

 

Não adianta homeopatizar a queda

Leia o post original por Rica Perrone

Todo saopaulino que encontro puxa o mesmo assunto: o possível rebaixamento. Diante de um rival bancamos firmes e valentes que “nem fudendo”. Entre nós, como toda torcida, a conversa é outra. Saopaulino é o cara que menos quer cair no mundo. Ele passou a vida jurando que “ele não”. E quando alguém sugeria a idéia …

Ex-gerente contesta ‘justa causa’ e abre porta para acionar SPFC na Justiça

Leia o post original por Perrone

Acusado de montar um esquema de venda ilegal de ingressos e camarotes para shows no Morumbi, Alan Cimerman contestou sua demissão por justa causa do cargo de gerente de marketing do São Paulo ao homologar a rescisão contratual. Ele também deixou a porta aberta para ir à Justiça do Trabalho para tentar transformar o afastamento em sem justificativa e cobrar direitos como férias e verbas indenizatórias.

“Fica ressalvado que o ex-empregado discorda da dispensa por justa causa ressalvando-lhe o direito de pleitear em juízo a conversão como dispensa sem justa causa mais férias assinadas e não gozadas tais como todas as verbas rescisórias e indenizatórias e ainda quaisquer outras que entender devidas”. Essa é a ressalva que foi anotada na homologação por Fernando Caleghim, homologador responsável.

Procurado, o departamento de comunicação e marketing do São Paulo afirmou que tanto o fato de Cimerman ter assinado a demissão por justa causa como ter contestado a decisão na homologação da rescisão contratual não alteram os motivos que levaram o clube definir sua saída.

O ex-gerente nega a acusação de ter vendido ingressos e espaços inexistentes em camarotes para shows do U2 e de Bruno Mars no estádio tricolor. O São Paulo levou o caso ao DEIC (Departamento Estadual de Investigações Criminais), que investiga suspeitas de estelionato, apropriação, falsificação de documentos e associação para o crime.

 

Conselho vê mau negócio em aluguel do Morumbi para U2 e sugere nova regra

Leia o post original por Perrone

Para o Conselho de Administração do São Paulo, o clube fez um mau negócio ao assinar contrato de aluguel para quatro shows do U2 em outubro por pouco mais da metade do valor habitual em troca de uma participação na venda de bebidas. Por conta dessa avaliação, recomendou que a diretoria estabeleça um preço fixo para o aluguel do estádio e não aceite participação na comercialização de produtos como variável.

Normalmente, o São Paulo cobra R$ 1,2 milhão por dia pelo aluguel de sua casa para eventos. Mas, no caso das apresentações da banda irlandesa, o preço da diária foi de R$ 650 mil mais uma porcentagem na venda de bebidas.

Os membros do conselho de administração torceram o nariz para o modelo de aluguel porque acreditam ser difícil controlar o valor arrecadado com a comercialização de produtos por terceiros no estádio. Entendem que o clube não deve se propor a isso, pois terá grande chance de fracassar no controle.

Até a publicação deste post, a assessoria de imprensa do clube não havia respondido se a diretoria vai acatar a recomendação do Conselho de Administração.

O estranhamento dos integrantes do órgão ajudou a direção a chegar no que acredita ser um esquema fraudulento montado por seu ex-gerente de marketing, Alan Cimerman. Demitido por justa causa, ele nega as acusações.

SPFC se diz vítima de rede que cometeu estelionato e falsificação em shows

Leia o post original por Perrone

Após a demissão por justa causa de Alan Cimerman, gerente de marketing acusado de promover venda ilegal de ingressos de camarotes para shows no Morumbi, membros do Conselho de Administração cobram da diretoria nomes de mais envolvidos no suposto esquema e medidas contra eles. A tese é de que não seria possível alguém agir sozinho nesse caso.

Cimerman nega por meio de seu advogado ter cometido irregularidades e se diz protegido por contratos que autorizavam a venda dos bilhetes comprados do clube (leia mais sobre as acusações e a defesa completa do ex-funcionário aqui).

Já a diretoria trata as investigações sob sigilo e como caso de responsabilidade da polícia. Porém, internamente, o discurso é de que o São Paulo foi vítima de uma rede de pessoas que, em sua maioria, não eram contratadas como funcionárias do clube. Assim, não puderam ser demitidas, mas vetadas em operações comerciais. Os nomes são mantidos em sigilo sob o argumento de que a divulgação seria prejudicial às investigações.

O suposto esquema funcionaria com o bloqueio de lugares em camarotes sob o pretexto de atender às exigências dos produtores dos shows. Os ingressos que deveriam estar bloqueados, porém, eram colocados à disposição de uma empresa que os negociava, segundo a acusação.

A diretoria acredita que foram praticados crimes de estelionato, apropriação indébita e falsificação de documentos.

Me tirar do Morumbi não livrará o São Paulo do rebaixamento!

Leia o post original por Craque Neto

O que mais se comenta desde de ontem é a notícia de que o programa ‘Baita Amigos’, do Bandsports, que é apresentado por mim às segundas-feiras, deixará de ser exibido ao vivo de um dos camarotes do estádio do Morumbi. Foi divulgado que a torcida organizada estaria por trás dessa decisão. Mas a verdade é que a pressão maior partiu de conselheiros do clube que teriam até ameaçado o dono do tal camarote. Posso falar? Mais ridículo é gente achar que fiquei triste com a decisão. Para vai! A verdade é que jamais vou alisar e parar de criticar esse monte de jogador Zé […]

O post Me tirar do Morumbi não livrará o São Paulo do rebaixamento! apareceu primeiro em Craque Neto 10.

São Paulo, ainda muito a melhorar

Leia o post original por Antero Greco

O São Paulo suou, tomou susto, levou virada e aplicou virada. Enfim, venceu depois de duas derrotas seguidas. No momento, está fora da zona de rebaixamento. Mas os 3 a 2 sobre o Cruzeiro, na manhã desde domingo, Dia dos Pais, mostraram que Dorival Júnior ainda terá muito trabalho para tornar a equipe confiável e segura até o fim do Brasileiro.

O Morumbi lotado por pouco não viu outra decepção tricolor. Dorival mexeu na formação titular, a principal mudança foi a entrada de Militão no meio, no lugar de Jucilei. A intenção era tornar a saída no meio-campo mais ágil. Não conseguiu e ainda enfraqueceu a marcação. Tanto que o Cruzeiro, com mistão, teve a primeira chance, com pênalti que Sassá sofreu, cobrou e não aproveitou.

O time mineiro foi melhor na etapa inicial. Controlou o jogo, reteve a bola, apostou no tempo como fator para deixar o São Paulo intranquilo. Hernanes aparecia pouco, assim como Petros (substituído por Gilberto) e Pratto, Rodrigo Caio em determinado momento adiantou-se para iniciar jogadas, enquanto Militão recuou para a zaga.

A torcida estava tensa, pedia a entrada de Jucilei e ensaiava protestos. Até que veio a falta, no último lance antes do intervalo. Bola perto da entrada da área, a batida perfeita de Hernanes e o gol. Gol de alívio, de esperança, de suspiro para um segundo tempo menos sofrido.

Será? Engano.

O Cruzeiro voltou mais decidido e, em dois lances de velocidade – e de erros da zaga tricolor -, Sassá virou. Em poucos minutos, voltaram o drama, o medo de continuar afundado na tabela. Na base do abafa, e com Jucilei em campo (Militão saiu), veio o empate com Arboleda, de cabeça, e com ele novamente a crença de que a tragédia seria evitada.

E foi, mas com participação decisiva da arbitragem. Rafael Traci viu pênalti de Ezequiel em dividida com Gilberto. Lance pra lá de duvidoso, pois teve um parecido, em favor do Cruzeiro (mas fora da área), que ele considerou normal. Hernanes bateu com categoria e fez o 3 a 2.

O São Paulo tem condições de livrar-se de rebaixamento inédito. Depende apenas de si. Mas continua longe de ser estável, eficiente. Está na fase em que é imprescindível acumular pontos; entende-se a afobação. Porém, tem de evoluir, dar um salto de qualidade para ser consistente. Por ora, o futebol que mostra é pobre.

Coritiba remete SP de volta ao Z-4

Leia o post original por Antero Greco

Amigo são-paulino, pelo visto as fortes emoções continuarão no Brasileiro. Na hora em que se imagina que o time vai tirar de vez o pé do barro, vem o escorregão e lá fica ele todo enlameado de novo. Foi o que aconteceu nesta quinta-feira, com a derrota por 2 a 1 para o Coritiba, no encerramento da penúltima rodada do primeiro turno.

O Morumbi esteve lotado, o público respondeu ao apelo para apoiar o time, pois sabia que era duelo importante, contra concorrente na parte de baixo da classificação. Jogo em que vencer era obrigatório, pois se tratava da tradicional “disputa de seis pontos”. Escalação semelhante àquela da vitória épica em cima do Botafogo, astral em ordem. Tudo parecia conspirar em favor da turma de Dorival Júnior.

Mas quem fez a festa foi a rapaziada de Marcelo Oliveira.

O Coxa foi quem se superou, a começar com a contusão de Adilson com poucos minutos de bola a rolar. A proposta foi a de segurar o ânimo tricolor, tocar a bola, contar com a experiência de Rildo e Alecsandro para dar o ritmo. Enfim, voltar com um ponto, mesmo que não significasse sair da zona de descenso.

O São Paulo tentou impor-se, pressionou, teve uma chance espetacular com Cueva, e ficou nisso na primeira parte. Fraca, por sinal, para ambos os lados. Pratto, Hernanes apareceram com menos intensidade do que no fim de semana, no Rio.

No segundo tempo, na hora em que o São Paulo esboçava aumentar a pressão, Rildo cavou pênalti em jogada com Bruno. A bomba bem colocada de Carleto resultou no 1 a 0. Daí em diante, foi filme manjado: uma equipe em busca do empate a todo custo e outra só à espreita de uma brecha para a estocada final.

E veio, com contragolpe preciso e complemento de Filigrana. O São Paulo murchou ali. Nem o gol de Denilson poucos minutos antes do encerramento empolgou.

Continuo a apostar na salvação são-paulina, pois tem muito time instável fazendo força para despencar para a Série B. Mas haja adrenalina até lá. O mesmo vale para o Coritiba.