Arquivo da categoria: Negueba

O contrato

Leia o post original por Rica Perrone

alecsandro_emelec_flamengo_alexandrevidal1

Enfim, o que todos os torcedores de Fluminense, Botafogo e Vasco sempre desconfiaram chega a conhecimento público.  Este blog conseguiu com exclusividade um termo de contrato assinado em 1895 que pode explicar muito das viradas espetaculares do Clube de Regatas Flamengo.

Confira.

CONTRATO DE PARCERIA

Parceiro Outorgante: Clube de Regatas Flamengo, com sede na Av. Borges de Medeiros, 997 – Lagoa Rio de Janeiro – RJ – Brasil. CEP – 22.430-040.

Parceiro Outorgado: Lucifer Gallardo, com sede no Inferno, sub solo, sem cep, próximo a Bangu, Rio de Janeiro, Brasil.

As partes acima identificadas têm, entre si, justo e acertado o presente Contrato de Parceria, que se regerá pelas cláusulas seguintes e pelas condições descritas no presente.:

DO OBJETO DO CONTRATO

Cláusula 1ª – O presente contrato tem como OBJETO a troca de favores entre as partes. Sendo o Flamengo capaz de proporcionar momentos de muito terror aos seus quando tudo caminha para a paz e vice-versa. Sempre que precisar, porém, o Flamengo terá uma ajuda não justificável no plano físico do Lucifer.

DAS OBRIGAÇÕES DA PARCEIRA OUTORGANTE (C. R. Flamengo)

Cláusula 2ª – Se manter sempre numa divisão igual ou acima dos três concorrentes da cidade sede.

Parágrafo primeiro – Prometer, sempre, mesmo que seja impossível, estar num nível incrivelmente superior a maioria

Parágrafo segundo – Exalar fé e confiança mesmo sem motivos para tal.

Parágrafo terceiro – Aumentar de forma constante o número de fiéis seguidores.

Parágrafo quarto –  Causar dúvida na presença divina sempre que possível contrariando a lógica com algum milagre que cause dor a seus fiéis.

Parágrafo quinto – Usar em seu uniforme sempre um pedaço de cor vermelha em respeito ao Lucifer

DAS OBRIGAÇÕES DA PARCEIRA OUTORGADA (Lucifer) 

Cláusula 3ª –  Lucifer fornecerá ao Clube de Regatas Flamengo, a força do mal suficiente para manipular zagueiros, árbitros e até mesmo tufos de grama tendo como objetivo o resultado acordado entre as partes.

Parágrafo primeiro – Não negará jamais uma queda rival de, pelo menos, 10 em 10 anos.

Parágrafo segundo – Havendo necessidade e interesse, Lucifer solicitará ao Clube de Regatas Flamengo um vexame de proporções nacionais para gerar sofrimento entre os seus.

DAS COMPETIÇÕES

Cláusula 4º –  O Clube de Regatas Flamengo fica responsável por se manter na primeira divisão do campeonato nacional. Lucifer será responsável por evitar a queda quando o Clube de Regatas Flamengo não for auto-suficiente.

Parágrafo primeiro – Será de responsabilidade de Lucifer a conquista de um torneio mata-mata de alto nível por década. O Clube de Regatas Flamengo não precisa manter um elenco digno para tal.

Parágrafo segundo – Em torneios continentais, o Clube de Regatas Flamengo poderá solicitar uma vez por década ajuda a Lucifer para conquistar o título.

Cláusula 5º –  Não haverá ajuda entre as partes nas decisões contra clubes mexicanos

DA PRIVACIDADE E SEGURANÇA

Cláusula 6ª – Fica proibida a captação de dados particulares dos clientes do Clube de Regatas Flamengo pela parte de Lucifer e vice-versa.

Cláusula 7ª–  O contrato em questão jamais será divulgado.

DA RESCISÃO CONTRATUAL

Cláusula 8ª – A parte que desejar rescindir o presente instrumento, notificará de forma expressa sua intenção à outra parte, com antecedência mínima de 60 (sessenta) anos.

Parágrafo primeiro – No casso do disposto da Cláusula 9ª, não caberá indenização em nenhuma hipótese.

Cláusula 9ª – Estará rescindido automaticamente o presente contrato de parceria, em ocorrendo a violação de qualquer cláusula, por dolo ou culpa, constante neste instrumento pelo Clube de Regatas Flamengo.

DA VALIDADE E PRAZO DO CONTRATO

Cláusula 10ª – O presente instrumento de contrato de parceria, passa a vigorar na data de assinatura de ambas as partes.

Cláusula 11ª– O presente contrato de parceria vigorará pelo prazo de 12000 anos, a contar da data de assinatura.

DISPOSIÇÕES GERAIS

Cláusula 12ª – Fica compactuado entre as partes a total inexistência de vínculo trabalhista entre as partes contratantes, excluindo as obrigações previdenciárias e os encargos sociais, não havendo entre CONTRATADA e CONTRATANTE qualquer tipo de relação de subordinação.

Por estarem assim justos e contratados, firmam o presente instrumento, em duas vias de igual teor.

Rio de Janeiro, 13 de março de 1895.

(Lucifer Gallardo)

(Clube de Regatas Flamengo)

São Paulo quase vacila outra vez em Curitiba

Leia o post original por Fernando Sampaio

spxcoxaO São Paulo quase vacilou outra vez.

O Tricolor jogou bem, poderia ter somado 3 pontos, no final quase saiu derrotado.

Com todo respeito, perder de uma equipe com Juan, Kleber e Negueba, é complicado.

O primeiro tempo foi equilibrado.

O São Paulo poderia ter saído na frente, Wilson garantiu o 0x0.

No segundo tempo o Tricolor foi melhor, buscou a vitória, desperdiçou duas boas oportunidades, levou um gol de bola parada, reagiu, foi pra cima, empatou e terminou com fôlego para virar a partida.

Pelo futebol apresentado daria para vencer a partida. Neste sentido o empate ficou com sabor amargo. Pela tabela, é sempre importante somar um ponto fora. Olhando além do resultado, como deve ser feito neste início de campeonato, o time mostrou novamente bom futebol e com time misto.

Centurión destoou.

O Coritiba saiu vaiado, não me surpreenderia ver o time lutando contra o rebaixamento.

Fui de 2×2 no Bolão, somei pontos pelo empate.

Palmeiras decepciona em Curitiba

Leia o post original por Fernando Sampaio

henriqueO Palmeiras perdeu a terceira seguida.

Ney Franco, Henrique, Negueba e Juan.

Meu Deus !!!

O Verdão não jogou nada, o time mostrou afobação, errou muitos passes, deu mole, levou dois gols do lanterna da competição. O Palmeiras que parecia entrar na briga até pelo título agora não mostra futebol nem para disputar o G-4.

Achei válida a troca de Osvaldo pelo Marcelo, porém não vi mudança radical.

Aliás ambos são Oliveira.

Não achei que Osvaldo fosse o culpado pelo fraco futebol no início do Brasileirão. Nunca vi o elenco do Palmeiras como acima da média. Minha expectativa era ver o Verdão entre os dez ou oito primeiros. O elenco não tem individualidades, sua força está no coletivo. É um time operário, e como todo operário, precisa trabalhar muito forte para dar resultado.

Em algumas partidas na temporada o time mostrou força para G-4.

Marcelo Oliveira chegou. Achei que a troca era válida para mexer com o elenco. O clube investiu, trouxe Barrios e Alecsandro para resolver a deficiência técnica do ataque. Pegou uma tabela favorável.  Minha expectativa era de melhora. Fez a lição de casa e subiu na tabela. Nos jogos contra São Paulo, Sport e Vasco fiquei otimista, passei a ver um time que poderia entrar na briga até pelo título. Atlético-MG, Corinthians e São Paulo tem mais time, mas não são insuperáveis.

Ontem o gato subiu no telhado.

Nem tanto ao céu nem tanto à terra, o Verdão continua o mesmo, elenco equilibrado, dois bons laterais que são os pontos fortes da equipe, meio campo sem criação, atacantes razoáveis, zaga tecnicamente fraca. O Palmeiras não tem qualidade técnica acima da média, não tem jogadores que façam a diferença numa partida.

A força do Verdão é o coletivo.

Para que o Palmeiras possa sonhar com título ou G-4 é preciso que os jogadores joguem no limite, mantenham a pegada e a intensidade em todos os jogos. Não vejo isso em alguns jogadores.

O Coritiba manteve o tabu em casa, não perde do Verdão em Brasileiro desde 1989.

O contrato

Leia o post original por RicaPerrone

Enfim, o que todos os torcedores de Fluminense, Botafogo e Vasco sempre desconfiaram chega a conhecimento público.  Este blog conseguiu com exclusividade um termo de contrato assinado em 1895 que pode explicar muito das viradas espetaculares do Clube de Regatas Flamengo. Confira. CONTRATO DE PARCERIA Parceiro Outorgante: Clube de Regatas Flamengo, com sede na Av. Borges de …

Sem deixar lembrança*

Leia o post original por Antero Greco

Frase que não pode faltar ao repertório de lugares-comuns de jogador que acaba de se apresentar no novo emprego é a clássica “Pretendo fazer história no clube”. A maioria se escora nessa promessa como garantia de que não veio pra encher linguiça.

Há, de fato, os que têm passagem marcante e se tornam ídolos. Incontáveis, no entanto, os que vêm, veem e não vencem. Pouco importa se ficam meses ou apenas semanas nos times. A presença deles mal é notada por torcedores, pois nem esquentam banco. Não há uma equipe que possa gabar-se de jamais de ter dado furo n’água em aposta num reforço (palavrinha gasta) – seja jovem candidato a astro ou veterano que rodou o mundo e tem fama.

Lembra do Rei Reinaldo, centroavante de enorme talento revelado pelo Atlético-MG? No meio da década de 80, desembarcou no Palestra Itália com a missão de honrar a 9 e encher os adversários de gols. Salvo engano, não disputou nem dez partidas, antes de pegar o boné sem ter feito um golzinho. O mesmo Palmeiras daquela época de seca apelou para Bizu, artilheiro de Norte a Sul do Brasil. Com a camisa verde, fez 4 gols em 30 jogos, foi embora como veio: sem alarde. E o Corinthians, nos anos 60 do século 20, abrigou o excepcional Mané Garrincha, numa aventura relâmpago de uma dúzia de partidas e raros gols. Uma pena.

A conversa, com exemplos de outrora, preencheria o espaço desta crônica até a Copa. Velhos erros continuam a ser cometidos com generosidade espantosa nos dias que correm – e torram uma grana alta das agremiações. Prova atual? Marcos Assunção no Santos. O meio-campista sobressaiu no Palmeiras, apesar da campanha do rebaixamento em 2012, e arregalou os olhos com proposta de retornar à Vila, porto seguro para pendurar as chuteiras em grande estilo. Fiasco bem pago, de baixo aproveitamento e que deve sair. Destino idêntico deve ter Renato Abreu – está no Santos, não sabia?! Desde agosto. Nem parece.

Adriano, o que um dia acreditou na conversa de que era imperador, teve a proeza de engambelar Roma, Corinthians e Fla na sequência, entre 2010 e 2012. Está aposentado, mas vira e mexe desponta o boato de que há “diversos interessados” em contratá-lo. Acredito. E o Negueba no São Paulo? Deve ter ficado um mês, se tanto, no Morumbi. Vapt-vupt, foi-se! E Carlos Alberto no tricolor? Lenny, no Palmeiras? Dizem algo pra você? Não? Não mesmo.

Se vasculhar arquivos e fichas técnicas de jogos de seu time, vai soltar um monte de vezes exclamação do tipo “Caramba, esse cara jogou aqui?!”. É possível argumentar, sem trocadilho, que faz parte do jogo investir e nem sempre ter retorno. Como na Bolsa. Verdade. Inegável, também, que muitos casos de prejuízos e vexames seriam evitados se houvesse seriedade, profissionalismo, transparência no momento de fechar negócio. O tal do planejamento.

*(Parte da minha crônica no Estado de domingo, dia 20/10/2013.)

Baita bola dentro do Tricolor!

Leia o post original por Neto

Vou ser sincero que em determinado momento da novela achava que o Ganso acertaria com o Grêmio. Principalmente pela provável influência que o Luxemburgo poderia exercer na cabeça do jogador. Mas a diretoria do São Paulo foi inteligente, soube lidar com todas as dificuldades e acertou o negócio. Foram quase R$ 25 milhões! Uma grana que no meu ponto de vista foi bem investida. Tecnicamente ele é o melhor meia do futebol brasileiro. Um dos melhores do mundo. Principalmente no sentido da visão de jogo. Daqueles armadores à moda antiga. Basta apenas ter a cabeça no lugar e desenvolver.

Ganso foi apresentado no São Paulo

O problema é que no Santos a coisa não estava fluindo. Talvez fosse a falta de valorização, que ele reclamava tanto. Ou talvez fosse o constante conflito de seus empresários com o clube. Não sei. Fato é que ultimamente ele vinha frequentando muito mais o departamento médico que os gramados. Isso não só era ruim para a análise do desempenho dele no clube como também na Seleção Brasileira. Foi um fiasco nos Jogos Olímpicos e acabou perdendo a posição para o Oscar.

Espero que agora em um novo ambiente, mais valorizado e paparicado, ele finalmente volte a apresentar aquele futebol genial que o projetou. Creio que vai acontecer.

Reforço carioca: Os cartolas são-paulinos foram inteligentes e acertaram nessa sexta-feira o empréstimo do meia-atacante Negueba, do Flamengo. Ele chega como parte de pagamento dos direitos do Cléber Santana, que foi para a Gávea. Achei um excelente negócio. É uma boa revelação e deve ser mais uma boa alternativa ofensiva para o técnico Ney Franco. Mas atenção torcedores! Tem que esperar: é só para 2013!