Arquivo da categoria: Olímpiadas

A covarde geração que tem medo de discutir

Leia o post original por Rica Perrone

2017, ano que as redes sociais se tornaram verdade e a vida real uma mentira paralela.  O que importa é o que as pessoas postam, não o que elas dizem. O que vale é a foto, não o que os olhos vêem.

Eu não faço idéia quem seja Tiffany, mas sei que ela é um homem que se sentiu mulher e resolveu mudar.  Ok, justo, problema dela, zero discussão sobre isso. Mas ela é um homem. Queira, goste ou não, ela não tem como mudar fisiologicamente o fato de ser um homem com a força de um homem, as características de um homem e portanto tem vantagem num esporte feminino.

É um dopping.

Se existem condições diferentes entre o feminino e masculino é porque todos concordam que há discrepância fisiológica de força, tamanho, etc. E você se sentir de outro sexo, deixar o cabelo maior, colocar seios e mudar de nome não muda em nada essas coisas.

Portanto, se isso é aceitável, amanhã poderemos ter os 10 mais bem pagos jogadoras de futebol do mundo sendo trans. Eu diria que é até tendência. Porque se faz uso de uma condição desigual aceita pelo esporte por mero medinho do que as patrulhas vão dizer.

A Confederação não acha justo. Óbvio que não! O que ela tem é o mesmo que 90% das pessoas hoje tem: medo. Ninguém acha porra nenhuma diferente do que a cartilha manda. E a cartilha tá sendo escrita por pessoas que brigam por direitos e TAMBEM por um grupo radical que quer aparecer a todo custo.

Isso inclui qualquer tipo de preconceito. Sempre haverá a causa e os oportunistas. E o medo dos oportunistas dá a causa uma condição tão equivocada quanto o preconceito inicial, só que ao contrário.

A Ana Paula, brilhante jogadora, corajosa e influente em rede social, é uma das raridades que fala o que pensa sem medinho da rejeição online em bando. E por isso hoje ela foi mais manchete indo contra do que a liberação da trans em jogar no feminino.

Jesus, que mundo é esse? A notícia que repercute mais é a opinião contrária de alguém na rede social do que a óbvia e controversa liberação de uma vantagem pra se praticar um esporte em busca de…. “igualdade”??

Que igualdade é essa que beneficia?

Que caminho toma uma sociedade que ao invés de discutir se divide entre quem tem coragem de ficar gritando e quem se borra de medo de quem grita?

Tiffany, nada pessoal. Mas você é o primeiro caso de “doping” não bioquímico da história do esporte. Vai levar vantagem sobre as colegas.  Porque não ser a primeira trans no masculino? Seria tão marcante quanto, só que ao mesmo tempo justo.

abs,
RicaPerrone

Não é machismo

Leia o post original por Rica Perrone

No momento em que o mundo discute a fome, não se joga nem comida estragada fora. Quando se discute o casamento gay, não se brinca de chamar alguém de “viado”, e quando o machismo é o foco, sobra pontapés pra todos os lados, até para os que não merecem. Discute-se machismo e preconceito com o …

Paralimpiadas no Metrô – Deu tudo “errado”

Leia o post original por Rica Perrone

Domingo, fim da tarde. Alguns voltam do Parque Olímpico, outros vão na direção do Maracanã.  Alguns fazem as duas coisas ao mesmo tempo. Naquele vagão de metrô um sentimento misturado de “missão cumprida”, “saudades” e um pouco explícito “e aí?!”. Fácil entender a missão cumprida e a saudades. O “e aí?” é pra uma turma …

Paracomisso 2016

Leia o post original por Rica Perrone

Acho do caralho, uma lição de vida. Se dependesse do meu reconhecimento, seria como eu quero. Mas está na hora das pessoas pararem de hipocrisia em rede social e aceitar que a vida tem uma lógica e que ninguém, nem mesmo quem tanto critica, trabalha por “amor”. Trabalho é por dinheiro. Alguma satisfação, talvez até …

A rampa do ouro

Leia o post original por Rica Perrone

Todo torcedor que se preze tem alguma superstição.  Eu tenho as minhas e conforme o jogo vai ficando mais complicado elas vão aumentando. Pois vou contar a história da medalha de ouro que dei ao Brasil no dia 20 de agosto, no Maracanã. Estavamos em 3. Aníbal, um amigo mexicano, Nivinha, uma amiga carioca, e …

E se Bolt fosse brasileiro?

Leia o post original por Rica Perrone

Imaginemos, então.  Usain Bolt nascido no Méier, chamado Antonio Batista, recordista mundial dos 100 e 200 metros rasos, fazedor de pose pra fotos e com declarações do tipo: “Eu hoje sou uma lenda. E também sou o maior atleta vivo.”. Ele é o único que dá a volta no estádio, que sorri pra camera antes da …

Olimpíadas no Metrô – As lágrimas

Leia o post original por Rica Perrone

Eu não fui. Na verdade voltava quando estive com as pessoas que iam. Você já foi a um velório?  Se sim, não preciso mais explicar o ambiente.  Mas era um velório diferente.  O morto estava respirando, as pessoas não queriam que ele partisse mas tinham um orgulho dele e uma vontade de homenagea-lo inacreditável. O …

Neymar é moleque

Leia o post original por Rica Perrone

A comparação com outros atletas olímpicos e suas reações ao vencer beira a burrice. Mas respeitemos, pois ela é interminável e como um câncer vem em quem as vezes não pode se defender. Nenhum atleta olímpico toma porrada o ano inteiro, todos os dias, e é cobrado individualmente por um coletivo. Nenhum deles tem a …

Fim!

Leia o post original por Rica Perrone

Fico feliz que tenha gostado e que agora saiba ser exagero todo medo que foi criado. Não pude te oferecer o maior conforto de todos, mas te ofereci a melhor das intenções. Se faltou caviar, me perdoe, espero ter compensado com sorrisos. Aqui não fazemos muito caviar. Mas sorrimos como se pudéssemos comê-lo todos os …