Arquivo da categoria: Orgulho

Tem pedalada novamente no quintal do Rei!

Leia o post original por Kako Ferreira

De volta pra casa…

Robinho volta em um grande momento pra nós, precisávamos de alguém de peso, com identificação, um ídolo que faça com que todos possam olhar novamente pro Santos.
Embora ainda com algumas derrapadas, estamos na briga por uma vaga na Libertadores sim, pode acreditar, ao menos eu acredito. Pro marketing também é um grande reforço, precisamos que patrocinadores voltem a apostar no Peixe, para isso é necessário que voltemos pra vitrine, Robinho também fará essa função, essa é nossa torcida.

Enfim, o menino, sim, pra nós será aquele eterno moleque com o calção gigante adornando aquelas pernas finas, rápidas e que tanto apavoraram os adversário. Dizem que ele estão tentando coloca-lo em campo contra o time da Marginal, será que rola?

E você, o que achou da volta do Pedalada?

Pra cima deles, sempre pedalando, Robinho!

¨
CURTA O SANTISTAIADA!

Suarez e os incríveis uruguaios

Leia o post original por RicaPerrone

Abro a web e tem jornais uruguaios questionando se Suarez não deveria jogar mesmo a próxima partida. Pessoas no twitter e no facebook procurando teses para encontrar “injustiça” contra um jogador polêmico que tem ficha suja para justificar qualquer tipo de punição.

Pouco me importa na verdade se Suarez merecia 4, 9  ou 35 jogos.  O que me deixa absolutamente encantado é ver os uruguaios no aeroporto esperando para aplaudir o cara que ontem os salvou mas que hoje, por irresponsabilidade, pode ter ferrado com eles.

Mas não importa. Ele é uruguaio, já fez algo por eles, e portanto, é até o fim.

Mídia, torcedores, colegas. Todos por Suarez.  Ninguém raciocinando se é correto ou não, mas por instinto defendendo o deles.

Acho que após 3 mordidas e um problema com racismo não é nada absurdo imaginar que seja punido desta forma.   Suarez errou.

Os uruguaios, mesmo quase sem argumentos, não.

E se por um surto qualquer ao concordar com isso você pensou: “Por isso que torço pelo Uruguai”, errou mais feio ainda. Ou, não entendeu nada.

abs,
RicaPerrone

12 mil gritos de gol

Leia o post original por Kako Ferreira

O PREDESTINADO

Quis o destino que o gol de número 12 mil, saísse dos pés do menino que carrega o êxtase do futebol em seu apelido. Gabigol é cria do Santos, formado na nossa base, veio pra cá nutrido pela paixão da família por esse time. Sem comparações a qualquer outro ídolo, é mais um que entra pra história antes de completar dezoito anos. Gabriel ainda tem muito a crescer, certamente evoluirá bastante, tem talento, técnica, é bom menino, tem boa família e é trabalhador, não tem como dar errado.

Claro que Gabriel não está sozinho nessa, afinal de contas, somos um time formado de outros tantos e bons meninos, mas claro que essa marca emblemática, tinha que ser anotada por quem veste e ama esse manto desde que nasceu.

O JOGO

A partida que escreveu mais uma linha da nossa história, foi marcada por mais uma goleada, novamente repetimos o placar de 5 x 1, um futebol de encher os olhos, envolvente, que faz o santista colocar um ponto de interrogação na cabeça: será que estamos diante de outra formação que fará história? Impossível não lembrar de 2002 e 2010, quando viemos de um ano desastroso, iniciamos um outro desacreditado, quebramos os discursos dos teóricos, arrogantes metidos a cientistas da bola. Mostramos que somos sim meninos bons de bola, para sempre, da Vila.

Contra o Botafogo de Ribeirão Preto, mais duas crias da casa deixaram suas marcas: Geuvânio, o “Caveirinha”, bom de balançar o esqueleto pra lá e pra cá, deixa os adversários e marcadores tontos, perdidos, aliás tem um procurando ele até agora desde a última quarta-feira. Emerson Palmieri também deixou o dele, joga simples, não inventa e cumpre com perfeição a missão imposta.

E quem diria que, Oswaldo de Oliveira, aqueles que todos afirmavam ser um cara calmo e sonolento à beira do campo, fosse expulso por se exaltar e, pasmem, aconteceu quando já ganhávamos e já aplicávamos uma goleada.
O treinador conseguiu transformar o Santos em um time veloz, de contra-ataques fulminantes, conseguiu tudo isso usando um time que já estava por aqui, não dá pra não notar que toda essa mudança foi obra dele. Oswaldão conseguiu até a proeza de colocar Bruno Peres em duas partidas, as duas fora de sua posição, fez o cara render bem e até fazer gol, veja só.

Ainda falta muito, o time começou a encaixar, isso é o mais importante, o entrosamento começou a aparecer e aquela concepção de TIME começa a ganhar forma, quem começa jogando vai bem, quem entra depois arrebenta. Um luta pelo outro e todos pelo nosso Santos.
Ainda falta o torcedor acreditar mais, voltar ao estádio, apoiar e esquecer diretoria. Os insatisfeitos podem resolver essa pendência na eleição, mas quando a bola rola, é a camisa do Santos que está em campo e não a do dirigente, eles passam, o Peixe é eterno.

Quero acreditar que mais um período vencedor esteja começando…

Pra cima deles, Santos!

Todos passam, o Santos fica!

Leia o post original por Kako Ferreira

Você torce pra quem?

Eu torço pro Santos, pro clube, pra instituição. Quem joga no meu time é passageiro, pode fazer história, me dar títulos, me decepcionar, desmerecer o manto e até faltar com a honra na hora de enverga-lo no peito. Um dia esses caras vão embora, mas quem fica é o meu Santos.

Pode aparecer técnico burro, gênio, inventor de moda, estrategista, falastrão, preguiçoso. Seja lá quem, ainda sim, quem está em campo é o meu Santos.

Entra presidente, sai presidente, troca diretor, superintendente, gerente, faxineira. Gente boa, gente ruim, profissionais que desempenham bons trabalhos, outros péssimos. Gente com caráter, gente sem um pingo dele. Esses aí também passam e sabe quem fica? O meu Santos.

Todos nós somos passageiros perante a grandiosidade do nosso clube, quando insisto que devemos apoiar, ir ao estádio, parar de arrumar confusão, brigar e trocar farpas entre os nossos, por conta de opinião divergente, esquecemos do motivo principal. Usamos desculpas, desafetos pessoais, justificativas infundadas para não apoiar o NOSSO SANTOS, isso me impressiona.

De uns tempos pra cá, se você é um cara que tenta transmitir otimismo, tenta fazer com que seus “companheiros de torcida” foquem no apoio ao clube, é taxado de um monte de impropérios imbecis por gente que não tem argumento, opinião própria e, duvido, sabedoria para amar um time de futebol.

“Não apoio o Santos por causa do futebol apresentado em campo”

Hein? Pera lá, amigo. Se alguém que você ama não anda bem, você vai virar as costas porquê a situação não está te agradando?

“Essa diretoria não me representa”

Tá, e daí? É outro time que entra em campo, por acaso?

Sabe, por muitas vezes ignoro algumas situações que discordo, até porquê tem discussões que não levarão a nada e, no final, por não aceitarem sua opinião, usam a arma do imbecil sem argumento: te atacam!
Mas não vou mudar, faço minha parte, dou meu apoio como torcedor e como sócio. Não quero evangelizar ninguém, mas se puder disseminar um pouco disso, do otimismo e do amor incondicional ao Santos, já me dou por feliz.

E claro que eu não estou satisfeito com a situação do Santos, obvio que reprovo algumas ações do comando diretivo, mas vou aqui me descabelar pra que? Foi assim sempre no futebol e sempre será, independente de quem esteja no comando. Fico p… com algumas coisasdou murro na mesa sozinho, discuto o assunto na roda de amigos, mas desculpem, externar isso por aqui não é meu perfil. Acho antipático, azedo e contaminante. Tenho minha linha, minha conduta, aquele de enxergar o copo sempre “meio cheio”. Até passo por arrogante por conta disso, mas não ligo, quem me conhece sabe quem e o que sou.

E apenas para frisar o que muitos (fingem que) não sabem: não trabalho no Santos, não possuo ligação com conselheiros, não faço parte de grupos políticos, não me sustento ou tiro proventos do clube. Faço por paixão, por ideologia e essa é a minha política.

Eu torço pro SANTOS, e você?

Pra cima deles, Santos!
¨¨
CURTA O SANTISTAIADA!

O predestinado

Leia o post original por Kako Ferreira

SANTOS 1 X 0 GRÊMIO

Ele saiu do banco, entrou e fez o gol salvador de sua equipe!

Até poderíamos, mas não estamos falando de Neymar que, hoje pela primeira vez, balançou as redes em uma partida oficial com a camisa do Barça. Por uma daquelas coincidências (ou não) do futebol, hoje também começa a ser escrita a história de Gabriel. Dois capítulos distintos que iniciam, no mesmo dia com um gol.

Hoje comemoramos o primeiro gol de Gabriel como profissional, quem sabe seja o primeiro da série que abrirá caminho, e quem sabe, trazer de volta o apelido que por precaução, foi deixado de lado.
Se Gabriel um dia deixou pra lá o gol, o gol agora começa a correr atrás de Gabriel.

Na Vila Belmiro, além do magnetismo que atrai raios, a força emanada desse templo faz brilhar estrelas, a de Gabriel acendeu hoje. Ele nem estava relacionado para o jogo, convocado de última hora, jogou pro lado o controle do videogame atendeu o chamado e olha no que deu.

É, meu camarada, quando tem que ser é. Simples assim, hoje foi o dia dele e nosso também, por quê não? Nós que precisávamos tanto desse gol, comemoramos, gritamos, levamos os punhos fechados pro alto, como quem soca o mau agouro pra longe. Fomos testemunhas de um momento histórico e de uma vitória reconfortante.

Parabéns e muito obrigado pelo gol, Gabriel. Mas por favor, não para por aí não tá? Precisaremos ainda de muitos deles!

Que assim seja…

Pra cima deles, Santos!

Quem sabe mais de futebol?

Leia o post original por Kako Ferreira


Vestindo o nosso manto dentro de campo, ninguém até agora mandou tão bem quanto esses
dois. Tiveram os que chegaram bem perto, os coadjuvantes, mas, “os caras” mesmo, não
podemos contestar.

Pelé só não fez chover dentro de campo mas faltou pouco, perto do que foi parar uma guerra
ou expulsar um juiz.

O que Neymar faz nos tempos atuais é digno de estudo, jogador completo em todos os
quesitos: chuta, dribla, corre, quase nunca se machuca e de quebra um “case” de marketing
fantástico, primordial no futebol atual.

Acho uma grande bobagem querer comparar o talento de ambos, impossível. Dizer que se
fosse agora Pelé não jogaria nada, o mesmo afirmando que Neymar seria mero coadjuvante se
jogasse com (e contra) tantos craques nos tempos do futebol romântico. Como saberemos?

São dois seres tão geniais, com uma capacidade de adaptação tão grande conforme o jogo e o
ambiente, que arrisco dizer que tanto um como o outro, brilhariam e se destacariam seja lá qual
época fosse.

Nós brasileiros temos o péssimo hábito de não reconhecer devidamente nossos ídolos, aquele
papo de que “a grama do vizinho é sempre mais verde”. A grama do outro pode até ser mais
verde, mais bem cortada, regada com água mais cristalina, mas quando colocam uma bola pra
rolar, meu camarada, são os pés brazucas que fazem a diferença, e nesse caso, esses quatro
pés desses dois aí, fizeram, fazem e ainda farão o impossível.

Impossível mesmo é saber mais que Pelé e Neymar dentro de campo, mas fora dele tem gente
que manja mais do “esporte bretão” que o Rei e seu súdito prodígio. Eles querem saber quem
são esses gênios da bola no quesito conhecimento, quem sabe é você? Além de mostrar que
sabe, você ainda pode ganhar trinta mil doletas mais prêmios, venha conferir.

Pra cima deles, gênios!

***

Voa alto, Neymar, a gente te espera!

Leia o post original por Kako Ferreira


Já começo dizendo que certamente é o texto mais difícil que já escrevi. Venho pensando o que expressar além de gratidão por tudo o que esse moleque representa pra nós. Não gostaria de finalizar essa etapa com algo triste, seria uma afronta a toda alegria semeada por esse sorriso fácil de cabelo mutante.

Parece que a ficha ainda nem caiu direito, meu coração santista ainda briga com a parte do meu cérebro responsável pela escrita, faz de tudo para que eu não consiga escrever o texto que sempre soube que escreveria, mas sempre quis que fosse o mais tarde possível, o maldito texto de despedida.

Desde o momento em que tive ciência da notícia, aquela que todo santista sabia que um dia chegaria, mas nunca quis imaginar como e quando ela seria dita. Aquela que nos acostumamos a dar de ombros, que os discípulos de Pinóquio e maus profissionais sempre usaram para ganhar um clique a mais, ou quem sabe um pouquinho de atenção, quando ela se confirmou de verdade, por mais que achasse que estaria preparado, confesso, não estava e ainda não estou.

Neymar é diferente, gênio até na hora de se despedir, mostrou que o momento não é apenas difícil pra nós, é pra ele também, mas todos entendemos que a hora chegou.

Prefiro comparar sua partida a de um filho que deixa sua casa para estudar fora, vai pra bem longe se aprimorar, buscar seu caminho, mostrar que só está ali por que foi bem criado, bem nascido, mostrar pro mundo de onde veio.
Vai mostrar a um país monarca que também faz parte de uma linhagem nobre, que foi criado em reino sagrado, é príncipe, discípulo da realeza do futebol.

Só tenho duas coisa pra dizer a você, Neymar:

Obrigado e volta logo!

Santos o time do amor

Leia o post original por Kako Ferreira

Casamento é a palavra que usamos para sacramentar a união entre duas pessoas que se amam. Quando o amor entre elas é fortalecido por uma grande paixão, e as benção são recebidas em território sagrado pelos súditos do Rei, o resultado só pode ser esse:

Vida longa ao casal Yoli e Eloy.

Vídeo brilhantemente produzido pela equipe Attitude Riders, um trabalho que conheço de perto e admiro bastante, confira!

¨

Mais uma final e o tetra mais possível do que nunca

Leia o post original por Kako Ferreira


Novamente não conseguimos resolver pelos pés, Edu Dracena começou usando a cabeça e Rafael, novamente, resolveu com as mãos. Um jogo duro e até feio onde o Santos não conseguia jogar seu futebol, sobretudo no segundo tempo.

Mal tínhamos nos recuperado da disputa de pênaltis contra o Palmeiras, não queríamos passar novamente por aquele sufoco, a bem da verdade é que não passamos por aquilo novamente, foi maior, mais duro, mais difícil e como tudo aumentou, a recompensa não podia ser diferente. Desde 2006, só não fomos pra final em 2008.

Depois de um jogo como esse e com o significado que ele tem, analisar taticamente o time se torna desnecessário, a hora agora é de comemorar o credenciamento que obtivemos em busca de um feito inédito. Ninguém conseguiu ser tetra do paulista, mas nós podemos, Neymar também, ele que em sua carreira profissional não sabe o que é um Campeonato Paulista sem final.

A comemoração de todos foi uma explosão em forma de resposta, o time tem apanhado da crítica, da opinião popular e até (pasmem) dos torcedores. Alguns mais discretos, outros mais expansivos, mas todos externaram seus sentimentos, riram, choraram.

Mas um deles chamou mais atenção.

O choro de Neymar no centro do campo foi um descarrego, um desabafo por todo o linchamento que ele vem sofrendo, até então tem sido um exemplo. Forte, não perde a linha, não responde e não da palco a imbecilidade. Mas ontem ele desmontou, foi como se todo aquele peso nas costas tivesse escorrido por terra. Claro que também deu brecha para os imbecis de plantão metidos a especialistas, colocarem seus turbantes de profetas de quermesse e mandarem uma centena de abobrinhas sobre o fato, lamentável.

Sei que alguns ainda preferem desdenhar e falar mal do time, eu não. Prefiro viver a alegria do futebol, vivenciar as emoções que meu time me dá, tropeçaremos e cairemos algumas vezes, mas isso faz parte do esporte. Quem não quer viver isso, apenas respeite quem escolheu saborear o bom da bola.

Vou lá comemorar…

Pra cima deles, Santos!

¨