Arquivo da categoria: Paulista

Corinthians x Ponte Preta. Final justíssima e muito interessante. Aposto minhas fichas no Corinthians.

Leia o post original por Nilson Cesar

O Corinthians foi melhor que o São Paulo em dois jogos e está na final do Campeonato Paulista. A Ponte Preta sobrou no jogo de Campinas e o Palmeiras não teve forças para reverter. Portanto, ninguém pode questionar os méritos das equipes que irão decidir o Paulistão 2017. Entendo que o Corinthians é o favorito por jogar em casa a partida decisiva. O jogo de Campinas é a grande chance para a Ponte Preta. De toda maneira acho que a Ponte Preta não irá vencer nem o jogo de Campinas. Serão dois jogos apertados , mas o Corinthians deve levar a melhor. Por já estar fora da Copa do Brasil o Corinthians vai se aplicar e muito para conquistar o Paulistão. Tem mais time que a Ponte Preta e todas as chances para ser Campeão Paulista em 2017.

Palmeiras vence e evolui

Leia o post original por Flavio Prado

Foto: Djalma Vassão/Gazeta Press

O Palmeiras passou com muita facilidade pelo Novorizontino, no placar agregado 6×1. Muito mais importante do que o resultado e a classificação é a evolução do Palmeiras.

Ninguém tem dúvida sobre a qualidade do elenco do Palmeiras, mas isso não é garantia de bom futebol e nem de resultado. No início da temporada, a cobrança e a desconfiança eram grandes em cima de Eduardo Baptista e o técnico tem mostrado competência no comando do badalado elenco palmeirense.

Eduardo é diferente de Cuca. Prefere um jogo mais cadenciado, troca mais passes, já o técnico campeão brasileiro prioriza um jogo mais direto. No sistema defensivo, Cuca gosta da marcação individual, Eduardo marca por zona, são diferenças que precisam de tempo para serem assimiladas e o time tem evoluído no tempo certo.

O Palmeiras tem o elenco mais forte do continente, mas é sempre bom lembrar, isso não obriga o time a conquistar todos os títulos da temporada, isso é muito difícil de acontecer em um futebol tão equilibrado, principalmente no mata-mata.

Santos precisa jogar muito mais para eliminar a Ponte Preta.

Leia o post original por Nilson Cesar

O Santos está jogando mal.Tem um elenco de muito boa qualidade, mas não está rendendo. A Ponte Preta jogará por um empate na segunda feira dia 10 no Pacaembu. Se jogar da mesma maneira que se apresentou em Campinas o Peixe ficará de fora das semi finais do campeonato paulista. Corinthians irá passar jogando em casa diante do Botafogo. São Paulo e Palmeiras na minha opinião já estão garantidos para a próxima fase. Gosto muito do Paulistão e acho que teremos jogos empolgantes na fase final. Só como palpite acho que os quatro grandes seguirão em frente. O Santos irá se superar e estará com Corinthians, Palmeiras e São Paulo decidindo o campeonato paulista de 2017.

Ponte larga na frente

Leia o post original por Flavio Prado

A Ponte Preta foi melhor que o Santos na maior parte do jogo. Os times tinham propostas opostas, o Santos queria a posse de bola e a Ponte buscava o contra-ataque. O time de Campinas conseguiu executar melhor.

Em muitos jogos no campeonato, o Santos teve muita posse de bola e pouca finalização, o time roda a bola de forma lenta, não consegue avançar e agredir o adversário. A Ponte Preta se defende bem e usa velocidade pelo lado.

No primeiro tempo, o lado direito da Ponte funcionou bem com Nino Paraíba e Claysson. Jean Mota, que jogou na lateral, muitas vezes teve que encarar os dois jogadores da Macaca. Com dificuldade de avançar, Lucas Lima recuou muito para ajudar na saída de bola e ficou distante de Ricardo Oliveira, os pontas também não conseguiam encostar no camisa 9. Dorival inverteu Vitor Bueno e Bruno Henrique, por alguns minutos pressionou, mas não conseguiu manter a intensidade por muito tempo.

No intervalo, saiu Vitor Bueno e entrou Copete. O Santos passou a ter dois jogadores de força física pelo lado, mas só conseguiu pressionar nos primeiros minutos. A Ponte voltou a levar perigo no contra-ataque, principalmente com Potker aberto pela direita.

O resultado foi justo. O time de Campinas esteve até mais perto do segundo gol do que o Santos do empate. A volta será no Pacaembu com o confronto ainda muito aberto.

Ótimo jogo na Vila

Leia o post original por Flavio Prado

Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press

Santos e Palmeiras fizeram um excelente clássico. Nos últimos dois anos, as equipes decidiram Campeonato Paulista, Copa do Brasil e brigaram pelo título brasileiro.

O Palmeiras tem um elenco numeroso. Eduardo Baptista tem opções para mexer na equipe e mudar a característica do time dentro de um jogo complicado, isso faz grande diferença no Campeonato Brasileiro por pontos corridos.

O time titular do Santos é muito bom, não deve nada para nenhum outro do Brasil. No confronto direto, pode derrotar qualquer adversário no continente, mas falta reposição, isso fez diferença na briga com o Palmeiras no Brasileirão e pesou no início do ano com as ausências de Renato, Lucas Lima e Ricardo Oliveira.

O Palmeiras venceu, o resultado de um clássico sempre tem peso nas avaliações, nos elogios e nas críticas, mas os dois times jogaram bem. Claro que o resultado é importante, mas a avaliação deve ser feita pelo desempenho.

O Santos melhorou com a volta de seus principais jogadores, voltou a apresentar um futebol parecido com o que mostrou em 2016. A situação na tabela é fruto do início complicado. Como são apenas 12 rodadas, existe o risco de eliminação, mas o que importa é o desempenho que pode render bons resultados ao longo do ano.

Resultado melhor do que o desempenho

Leia o post original por Flavio Prado

Foto:Sergio Barzaghi/Gazeta Press

O empate contra a Ponte Preta em Campinas foi bom para o Corinthians. O time não apresentou um bom futebol e escapou da derrota.

Nos jogos contra Santos e Luverdense, a equipe mostrou evolução na parte ofensiva, mas em Campinas lembrou o time dos jogos anteriores, lento na troca de passes e com pouca intensidade.

Jádson acrescenta qualidade, mas ainda não está inteiro fisicamente, a sequência de jogos pesou para o meia que foi substituído por Marlone na segunda etapa.

O ano de 2017 é de reconstrução no Corinthians. A primeira etapa de reconstrução defensiva funcionou, ofensivamente o time dá sinais de melhora, mas ainda não consegue ter uma boa regularidade no nível de atuação. Dentro das possibilidades, o ano é bom até aqui para o Corinthians, nas copas pode até obter sucesso, no Brasileiro por pontos corridos não tem como sonhar tão alto.

Palmeiras ainda em fase de ajustes

Leia o post original por Flavio Prado

Foto: Djalma Vassao/Gazeta Press

O Palmeiras ainda busca um melhor rendimento na temporada. No primeiro tempo contra o Red Bull, Eduardo Baptista repetiu o 4-2-3-1 utilizado contra a Ferroviária. Zé Roberto formou uma dupla de volantes com Felipe Melo, Dudu jogou centralizado na linha de 3 meias, desta vez com um armador pelo lado direito, o venezuelano Guerra e Keno pela esquerda.

O time começou bem, marcação alta, sufocando o adversário. Ainda no primeiro tempo diminuiu o ritmo e correu riscos. No intervalo, entraram Michel Bastos e Borja nas vagas de Guerra e William. O sistema também mudou, voltou para o 4-1-4-1. Felipe Melo centralizou como único volante, Zé Roberto jogou mais adiantado com Michel Bastos por dentro, Dudu foi para a ponta esquerda e Keno, depois substituído por Róger Guedes, foi para o lado direito.

O time de 2017 está mais modificado do que o esperado em relação a equipe campeã de 2016. Todos sabiam que Gabriel Jesus sairia, mas ninguém esperava pelas contusões de Tchê-Tchê e Moisés, jogadores fundamentais no Brasileirão.

O Palmeiras ainda oscila no seu rendimento, situação normal para uma equipe que ainda não completou 10 jogos oficiais na temporada. O grande problema é a cobrança, muitas vezes exagerada. O investimento foi alto e muitos esperam que o time vença e dê espetáculo rapidamente e isso ainda está longe de acontecer.

Palmeiras vence bem

Leia o post original por Flavio Prado

Foto: Djalma Vassão/Gazeta Press

O Palmeiras conquistou uma vitória tranquila contra a Ferroviária. Destaque para Borja, o colombiano entrou no segundo tempo e marcou pela primeira vez no novo clube.

A derrota no clássico contra o Corinthians deixou o ambiente mais pesado ou pelo menos aumentou o som das cornetas prematuras em cima de Eduardo Baptista.

O futebol é coletivo, o tempo é necessário para que as peças se encaixem, ainda mais em um time que é cobrado para ganhar e dar espetáculo, mas as coisas não acontecem de uma hora para a outra.

O time está mais modificado do que o esperado. Eduardo não conta com três peças fundamentais na conquista do título brasileiro. Destas peças, ele sabia que não contaria com Gabriel Jesus, mas contava com Tchê-Tchê e Moisés que estão lesionados.

No jogo coletivo, isso não significa uma simples mudança de peças. Os jogadores tem características diferentes, as peças precisam se encaixar, os movimentos devem acontecer de forma natural e isso leva tempo.

Na dúvida a arbitragem sempre erra contra a equipe menor.

Leia o post original por Nilson Cesar

Historicamente é sempre assim. Quando joga uma equipe grande contra um pequeno a arbitragem na dúvida é pró grande. Acho isso lamentável. Joga-se o  trabalho de profissionais sérios na lata do lixo. Acho que a única solução para tentar minimizar essa situação é punir o árbitro na mesma proporção em que os atletas são punidos. A Federação Paulista deveria vir a público e fazer algo para tentar mudar esse quadro que é histórico.  Dificilmente alguém tomara uma atitude. Afinal de contas não existe mesmo interesse em mudar. Acho triste e lamentável que os chamados “pequenos” sejam  sempre prejudicados por arbitragem.

Os “gatos” nas categorias de base.

Leia o post original por Nilson Cesar

Lamentável o que ocorreu. Mais uma vez aparecendo “gatos”no futebol. Estamos vivendo a era da informação imediata,  alta tecnologia e isso nos dias de hoje eu entendo ser inadmissível. Culpa também do Paulista de Jundiai na minha opinião. No mínimo os seus dirigentes foram negligentes. O garoto errou muito. Não se preocupou com os seus companheiros de equipe e muito menos com os torcedores que lotaram o estádio Jaime Cintra em quase todas as fases da Copa São Paulo de Juniores. Espero que esse episódio não volte a acontecer. O futebol é algo muito sério. Trata-se de muito mais do que 22 caras correndo atrás de uma bola. Envolve paixão, emoção, vida, futuro. Claro que com isso não se brinca.