Arquivo da categoria: Ponte Preta

Principal organizada do SPFC promete ir ao CT cobrar atletas por ‘racha’

Leia o post original por Perrone

A Independente, maior torcida organizada do São Paulo, vinha poupando jogadores de duras críticas na luta contra o rebaixamento. Após o empate com a Ponte Preta por 2 a 2 no Morumbi, a uniformizada subiu o tom de voz. Prometeu ir ao CT do clube cobrar jogadores pelo que chamou de racha no grupo, referência às divergências entre Rodrigo Caio e Cueva.

“Torcida unida, elenco rachado. Vamos no CT. Queremos uma reunião com todos esses jogadores. Acabou a palhaçada. Muito respeito com a camisa tricolor”, escreveu a direção da organiza na conta da torcida no Twitter.

Outra postagem da uniformizada diz: “apoio incondicional ao São Paulo FC continua até o fim. Cobraremos atitude de alguns atletas. O SPFC é muito maior do que eles pensam”.

Em agosto do ano passado, as uniformizadas são-paulinas invadiram o CT do time. Foram acusadas de agredir jogadores e de roubar bolas e uniformes. A invasão rendeu processo contras as entidades e seus líderes.

Já em 2017, diante do risco de queda para a Série B do Brasileiro, as torcidas uniformizadas do São Paulo tem dado seguidas demonstrações de apoio aos atletas, como no mês passado quando cerca de 18 mil torcedores fizeram festa em treino no Morumbi antes do último clássico com o Palmeiras.

SP segue roteiro de Série B

Leia o post original por Antero Greco

É duro admitir, mas o São Paulo segue roteiro de Série B. O que acontece com ele é filme velho, repetido, visto anteriormente com outros grandes times nacionais. Com desfecho sofrido e invariável.

Os personagens e episódios são conhecidos: elenco bom, embora supervalorizado e que não rende o que se espera dele. Saída de jogadores durante a temporada, oscilação no desempenho e trocas de técnico. A isso se somam os tropeços em casa e o retrospecto ruim como visitante. Então, bate o desespero. Vem a queda.

Em certas ocasiões, ocorre o milagre da salvação em cima da hora. Aquela reviravolta sonhada, que transforma vilões em heróis. Como aconteceu anos atrás com o Fluminense.

E, pelo visto, é nisso que passarão a apostar os tricolores nas 15 rodadas restantes. Além de torcerem para que os diversos concorrentes da parte de baixo da classificação não deslanchem. Ou seja, uma combinação improvável, mas não impossível, de boas notícias.

Outra vez o São Paulo ficou no quase. No jogo com a Ponte Preta, na noite deste sábado, o time de Dorival Júnior não foi bem. Teve dificuldade para criar, chutou pouco a gol, no primeiro tempo, mas ainda festejou vantagem, com cobrança de falta perfeita de Hernanes. Ele mais uma vez. Sempre o Profeta, a estrela solitária da companhia.

No segundo, as coisas melhoraram, com o gol de Bruno aos 11 minutos. Alívio, festa para os 43 mil torcedores no estádio. A confiança de que por algumas horas a zona de rebaixamento ficaria para trás. A Ponte dava a impressão de estar perdida.

O pesadelo visto em outros jogos apareceu aos 19, com pênalti de Jucilei, que tomou cartão amarelo, a cobrança de Danilo e o gol. A síndrome do pânico tomo conta do São Paulo e fez estrago aos 30, com o empate em lance de Leo Gamalho. E foi a Macaca quem teve chance de virar, em outras duas boas jogadas.

O São Paulo ruiu ao ficar com um a menos e ao ceder a igualdade. Sobressaiu o nervosismo, os erros vieram à tona, se acumularam passes errados. A bola queimava os pés dos jogadores.

As duas semanas de treinamentos não serviram para nada. Ou melhor: serviram para mostrar que, além de limitação técnica, o São Paulo está mal da cabeça. O psicológico parece lá embaixo, como a pontuação na tabela.

Dias tensos no Morumbi.

 

Não adianta homeopatizar a queda

Leia o post original por Rica Perrone

Todo saopaulino que encontro puxa o mesmo assunto: o possível rebaixamento. Diante de um rival bancamos firmes e valentes que “nem fudendo”. Entre nós, como toda torcida, a conversa é outra. Saopaulino é o cara que menos quer cair no mundo. Ele passou a vida jurando que “ele não”. E quando alguém sugeria a idéia …

Corinthians forte

Leia o post original por Flavio Prado

(Foto: Léo Pinheiro / Código19/Gazeta Press)

O Corinthians mais uma vez mostrou força. A capacidade de um time pode ser medida de várias formas, o Corinthians muitas vezes não faz partidas espetaculares, contra a Ponte Preta mesmo não foi uma atuação fantástica, mas o time dificilmente perde o controle e a consciência do que faz em campo.

O time está bem estruturado taticamente. Desde o início do ano é forte defensivamente e agora cresceu muito com a bola nos pés. O Corinthians perde pouco, até por isso está muito confiante e essa força psicológica fica clara nos momentos ruins.

Uma questão que preocupa é a reposição aos laterais. Fágner e Arana formam a melhor dupla de laterais do Brasil e a reposição é difícil. Léo Príncipe e Moisés estão distantes dos titulares e quando um deles não está presente, os ataques ficam muito concentrados do lado oposto e o time fica previsível em alguns momentos.

Empate sem graça! Santos tenta, mas não “enterra” a “morta” Ponte Preta!

Leia o post original por Milton Neves

Antes de tudo, quero destacar a bela atuação da arbitragem.

Foi perfeita no lance do gol da Ponte Preta, quando anulou a jogada.

Portanto, NADA de “Apito Amigo”!

Quanto ao duelo, mais um partidaço de Vanderlei!

O ótimo desempenho do goleiro santista, só reforça os pedidos por sua convocação à Seleção.

Tá passando da hora, não é mesmo Tite?

Aranha também foi muito bem, evitou a derrota da Macaca.

E o Lucas Lima, hein?

Jogou demais, quase deu a vitória ao Peixe!

No entanto, apesar de ter sido um jogo bastante movimentado, o placar não saiu do zero, uma pena…

O Santos até que tentou, mas não conseguiu “enterrar” na tabela a “morta” Ponte Preta”!

Vasco 1 x 0 Avaí – o duelo teve de tudo, apagão e muita confusão. O futebol foi fraco, mas o Cruzmaltino fez o dever de casa.

Atlético-GO 0 x 1 Atlético-PR – o Furacão acordou! Venceu a segunda fora de casa. E olha, aí tem o dedo de Eduardo Baptista, hein? Será que foi uma boa demiti-lo, Palmeiras?

OPINE!!!

Uma semana de esperança

Leia o post original por Odir Cunha

Clique aqui, conheça e participe da campanha de financiamento coletivo para lançar “Santos FC, o maior espetáculo da Terra”. Os 200 primeiros terão o nome impresso no livro e poderão adquirir um exemplar por apenas 90 reais.


No ano passado foi assim. Acho que quarta vai sair mais gol.

UMA SEMANA DE ESPERANÇA

O santista espera os dois jogos desta semana, pelo Campeonato Brasileiro, com uma expectativa muito boa. Quarta-feira, na Vila Belmiro, contra o Palmeiras, e sábado, no Pacaembu, diante da Ponte Preta, a equipe enfrentará adversários de respeito, mas algo nos diz que a postura, o time e o futebol serão outros. Professor Levir Culpi já deu o recado: quem não quer dar o máximo, quem se queixa de ter de disputar três competições ao mesmo tempo, tem de procurar outra coisa para fazer. Futebol é assim e o Santos sempre foi assim.

Amanhã viajo com a Suzana para Buenos Aires. Vou visitar minha filha e rever alguns estádios onde o nosso Santos fez história: o Monumental de Nuñez, no qual o Glorioso Alvinegro Praiano meteu 3 a 0 no Peñarol e conquistou sua primeira Copa Libertadores, e La Bombonera, onde veio o bicampeonato sul-americano, de virada, sobre o Boca Juniors. Assim como meu amigo e parceiro Marcelo Fernandes, que tem falado de vários lugares do mundo pelos quais o Santos passou, para a campanha da Kickante que recebe os financiamentos para o livro “Santos FC, o maior espetáculo da Terra”, quero gravar uns vídeos na Argentina.

Este blog continuará 24 horas no ar, como sempre. Prosseguirei participando dele de onde estiver e sei que os amigos frequentadores e comentaristas tocarão a bola com a maestria, a inteligência, o humor e a acidez de sempre. Continuemos discutindo ideias, não pessoas. Ideias boas para o Santos e, por que não, para o país e para a vida.

A Livraria do Blog terá o seu estoque zerado para balanço. As vendas só voltarão a ser feitas dia 20 de junho, quando volto. Volto a destacar a campanha para o financiamento coletivo do livro “Santos FC, o maior espetáculo da Terra”. Sei que ele será um divisor de águas na história dos livros de futebol no Brasil e mostrará, como nenhum outro, a real dimensão universal do Santos.

Continuemos ligados. Estarei ali do lado. Ligado nas coisas do Santos, do blog e do Brasil. Abraços a todos!

SANTOS FC, O MAIOR ESPETÁCULO DA TERRA

Entre os anos 60 e 70 o Santos chegou a um ponto inalcançável por qualquer outro time no mundo. E suas marcas permanecem. Sempre que entra em campo, com a mesma camisa e o mesmo distintivo, remete o futebol aos seus tempos mais belos e apaixonantes. É como disse Pelé: “Hoje o time joga no quintal de sua casa, coloca o vídeo no Youtube e todo mundo vê; no nosso tempo nós tínhamos de jogar no mundo todo para sermos vistos. Só não jogamos na Lua”.

Engraçado que o Santos demorou 42 anos para jogar fora do Brasil, mas foi só sentir o gostinho da aventura e se libertou de vez do rabo da saia da mamãe Belmiro. Time brasileiro que mais jogou e venceu equipes estrangeiras, o Glorioso Alvinegro Praiano escreveu histórias que parecem lenda. Em alguns países paralisou guerras, em outros provocou conflitos. Em todos, a causa era a mesma: testemunhar aqueles mágicos homens de branco levitando pelo gramado verde como santos que eram.

Confesso que já tinha dado por encerrado o meu ciclo de livros sobre a história do Santos. Ainda queria escrever sobre alguns ídolos, mas a respeito apenas do time só um livro me apeteceria: queria contar como foram as viagens por todos os continentes, por dezenas de países, mas não me contentaria com nomes e números. Seria preciso sentir o ambiente local, conhecer as opiniões da imprensa estrangeira, conseguir fotos inéditas, ingressos dos jogos, descobrir detalhes, histórias curiosas…

Não via, porém, como conseguir tempo e recursos para empreender essa pesquisa longa e universal. Até que me surgiu um anjo que há muitos anos já fazia esse trabalho meticuloso de garimpagem dos rastros do Santos pelo mundo afora. Morador em Luxemburgo, na Europa, o santista Marcelo Fernandes há muito tempo se dedicava a essa garimpagem. Como o seu trabalho, em uma companhia aérea, lhe permite viajar pelo mundo, Marcelo visitou os lugares pelos quais o Santos passou e neles pesquisou em museus, bibliotecas, exposições, estádios e participou de leilões para adquirir peças importantes da memorabilia das viagens santistas.

Clique aqui, conheça e participe da campanha de financiamento coletivo para lançar “Santos FC, o maior espetáculo da Terra”. Os 200 primeiros terão o nome impresso no livro e poderão adquirir um exemplar por apenas 90 reais.

Começamos os planos para o livro há sete anos, temos falado e completado nossas informações desde então, entramos na reta final no ano passado e agora, finalmente, podemos anunciar, com muito orgulho e enorme prazer, o lançamento do livro “Santos FC, o maior espetáculo da Terra”, próximo lançamento da Editora Onze, de Marco Piovan, outro apaixonado pela história do futebol.

Não conheço nenhum outro livro que fale, exclusivamente, das viagens internacionais de um time. Bem, certamente não há uma equipe que tenha tanto assunto, tantas aventuras a contar que envolvam desde as cidades iluminadas da Europa até as povoações modestas na África. Por isso, não é exagero dizer que jamais haverá um time tão impactante como o Santos de Pelé. Por onde ele passou, deixou sua marca.

Trata-se, portanto, de obra única, inigualável, tão valiosa para a história do nosso Santos como mais um título mundial. E outra notícia sensacional é que você poderá ter o seu nome impresso no livro, garantir presença no evento de lançamento, ao lado de grandes craques daquele Santos formidável e ainda obter outras recompensas por preços promocionais de pré-lançamento.

Se esperarmos que os outros reconheçam os méritos inigualáveis do nosso Santos, morreremos sentados. Portanto, nos unamos para que “Santos FC, o maior espetáculo da Terra” seja lançado com o esmero e a divulgação que merece e espalhe essa história singular do time de uma pequena cidade brasileira que colocou o mundo aos seus pés.

Clique aqui, conheça e participe da campanha de financiamento coletivo para lançar “Santos FC, o maior espetáculo da Terra”. Os 200 primeiros terão o nome impresso no livro e poderão adquirir um exemplar por apenas 90 reais.

Curso de Tênis de Férias da Suzana Silva

Sou suspeito para falar, mas se eu tivesse filhos pequenos, eles já estariam inscritos no Curso de Tênis de Férias da Suzana Silva. As crianças passarão quatro dias aprendendo e aprimorando seu jogo de tênis, fazendo novas amizades e convivendo com professores especializados no ensino e no treinamento de crianças.

O lugar é paradisíaco, nem parece que você está em São Paulo. Considero as quadras de saibro do Clube de Campo Castelo as mais bonitas da cidade. As crianças e seus pais adoraram as clínicas anteriores. Um dia todo de tênis, com refeições, transfer direto do Shopping Morumbi. Abaixo segue o cartaz do evento com o telefone e o e-mail para informações e a inscrição.

Clique aqui, conheça e participe da campanha de financiamento coletivo para lançar “Santos FC, o maior espetáculo da Terra”. Os 200 primeiros terão o nome impresso no livro e poderão adquirir um exemplar por apenas 90 reais.

Participe dessa obra histórica e poderá dizer, para sempre: eu sou um dos responsáveis por um dos livros mais importantes do Santos e do futebol mundial, o livro das viagens do time que ficou conhecido como “O maior espetáculo da Terra”.


Sheik, “pesadelo tricolor”, estreia e ajuda Ponte vencer o São Paulo; Palmeiras vacila e só empata com o Galo; e Grêmio bate o Vasco!

Leia o post original por Milton Neves

Mas que estrela tem esse Emerson Sheik, hein?

Sempre brilha contra o São Paulo, um incômodo pesadelo para o torcedor.

E após o sonolento primeiro tempo, o ex-corintiano entrou e sua presença foi o suficiente para apimentar o duelo.

Além de participar no lance do gol de Lucca, outro ex-corintiano, ele deixou o time de Rogério Ceni atormentado.

Talvez o problema do São Paulo seja o Corinthians, não é mesmo?

E eu que cheguei a pensar que não daria para a Ponte Preta, porque o time estava “apagadinho”.

No entanto, a Macaca reagiu e pôs água no chope do rival, que “morreu” na segunda etapa e inverteu os papéis no duelo dando outro desfecho.

Boa vitória da Ponte, com certeza vai brigar pela ponta da tabela.

Quanto ao Tricolor, liguem o sinal amarelo, as coisas não estão tão boas por lá!

Ou você ainda acha que o São Paulo tem alguma chance neste Brasileirão?

Palmeiras 0 x 0 Atlético-MG

É muito difícil jogar contra Palmeiras no Allianz Parque.

O Galo deu conta do recado, jogou para o gasto e não fez um mau negócio.

Mas reconheço, o Verdão foi superior, mas no Brasileirão é assim, não pode vacilar!

Principalmente se no gol estiver um “São Victor”.

Além de defender o pênalti de Willian Bigode, o goleiro mineiro foi o nome do jogo.

OPINE!!!

Dérbi centenário mostrou nossa capacidade, diz Paulo Roberto

Leia o post original por Craque Neto

O meia alvinegro falou sobre a conquista do 28º título do Paulistão e afirmou que o Dérbi Centenário, no qual o Verdão foi derrotado graças ao gol de Jô, serviu para calar a boca dos críticos e mostrar a capacidade do elenco.

O post Dérbi centenário mostrou nossa capacidade, diz Paulo Roberto apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Capacidade de surpreender é marca do novo campeão paulista

Leia o post original por Perrone

Na conquista do Campeonato Paulista de 2017, sacramentada neste domingo (7) diante da Ponte Preta, o Corinthians deixa como uma de suas principais marcas a capacidade de surpreender.

A demora em contratar e a chegada de reforços modestos fez com que o alvinegro fosse rotulado pela imprensa como a quarta força do Estado. Para surpresa geral, aos poucos o time evoluiu e venceu a disputa de maneira incontestável.

Surpreendeu também o rendimento de Pablo e Jô. O zagueiro estava sem espaço no Bordeaux. Nada em seu histórico recente recomendava a contratação. Acabou sendo fundamental para a solidez defensiva corintiana, um dos pontos altos do campeão.

A situação do atacante era semelhante. Nem jogar ele jogava para ser avaliado. A lógica apontava que ele estava mais para repetir o fracasso de André do que o sucesso de Vágner Love, outros atacantes que chegaram sob suspeita. Jô teve dificuldades no início, mas correu, suou para se movimentar como pedia Fábio Carille, marcou gols em todos os clássicos e reconquistou a Fiel. Ponto para a diretoria corintiana, que fez uma aposta arriscada, contestada, mas acertou.

Outra surpresa foi a maneira avassaladora como o Corinthians abriu os mata-matas fora de casa. Com 2 a 0 sobre o São Paulo e 3 a 0 em cima da Ponte, resolveu as disputas logo no primeiro confronto. Pelo estilo de jogo alvinegro, eficiente nos contra-ataques, era de se esperar um bom desempenho fora de casa. Mas apostar em vantagens tão grandes seria mostrar desapego ao dinheiro.

Surpreendente também, ao menos para este blogueiro, foi a obediência tática dos jogadores em relação ao novato Carille. Dava para imaginar um bom relacionamento dele com os atletas, por conhecer o grupo bem graças ao fato de ter sido auxiliar de outros treinadores por um bom tempo. Porém, é comum boleiro desconfiar de “professor” novo. Até contestações são normais. Não aconteceu com Carille. O elenco comprou seu estilo de jogo, seguiu à risca e chegou ao título.

Só não foi surpreendente o desempenho de Romero. Como sempre, compensou o que falta de habilidade com suor, correu por todos os setores do campo, atacou e defendeu. De novo foi importante para o time sem ser badalado. O paraguaio é o melhor retrato do o estilo desse time campeão, que prioriza o conjunto, a disciplina tática e que surpreende.