Arquivo da categoria: Ponte Preta

Preocupante! Eu avisei, viu?

Leia o post original por Craque Neto

O Corinthians estreou seu time principal fazendo talvez seu pior início de temporada dos últimos anos. Pelo amor de Deus! Criou poucas chances, perdeu pênalti e não conseguiu superar os campineiros que passaram boa parte da partida com um jogador a menos em campo. É brincadeira??? Sinceramente acho que o torcedor alvinegro precisa realmente se preocupar em 2018 se a diretoria mantiver esse elenco. Muito fraco! E o tal do Kazim? Sei que criticá-lo é chutar cachorro morto, mas um clube como o Timão não pode ter um cara desses no comando de ataque. Vira piada, poxa vida! E mais! […]

O post Preocupante! Eu avisei, viu? apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Corinthians ainda de ressaca da Flórida

Leia o post original por Antero Greco

Fábio Carille fez o certo: na rodada inaugural do Paulistão, colocou em campo o Corinthians que mais deve aproximar-se do titular. O resultado não foi animador: derrota por 1 a 0 para a Ponte Preta, no Pacaembu. A largada em 2018 não foi entusiasmante.

A noite quente em São Paulo não ajudou o campeão estadual e brasileiro. Ainda meio sonado, depois da semana passada na Flórida, teve dificuldade diante de uma Ponte firme na marcação. Carille optou pelo retorno do 4-1-4-1, que não empolgou.

Não foi apresentação abaixo da crítica; nada disso. Apenas o Corinthians não teve desempenho que se espera de um grupo parecido com o do ano passado e que teve duas grandes conquistas. Por mais que se dê desconto por viagem, início de trabalho, etc, etc, claro que o torcedor “mal-acostumado” sempre deseja divertir-se – com vitória.

No primeiro tempo, houve movimentação interessante dos dois lados, com bola na trave a favor dos corintianos e expulsão do ponte-pretano Felipe Cardoso, por acúmulo de amarelos (o segundo um pé no peito de Cássio!).

Os alvinegros da capital tiveram escalação muito parecida com aquela que terminou 2017. Claro, com três mudanças importantes: Pablo, Arana e Jô bateram asas. Pedro Henrique já havia sido muito utilizado no ano passado e não destoou na zaga. Romão não foi bem e ainda tomou vermelho no segundo tempo. Kazim, já da casa, mostrou que, no máximo, é opção. Não tem estofo para ser o dono da posição no comando do ataque.

Na segunda parte, bateu cansaço no Corinthians, até natural pelo desgaste dos últimos dias. O jogo ficou em ritmo lento e só melhorou após o gol, decisivo, de Felipe Saraiva, aos 23 minutos. Houve chance do empate, em pênalti desperdiçado por Jadson. Dali em diante, as jogadas de ataque eram na base do chutão, lançamentos longos e cruzamentos para a área.

Para repetir imagem usada anteriormente no comentário que fiz sobre o jogo do São Paulo, foi somente um tira-gosto, uma entradinha no cardápio corintiano – e não teve sabor. No entanto, ainda é muito cedo, cedo demais, para achar que o prato principal desagradará.

CADÊ o mínimo de PROFISSIONALISMO, hein?

Leia o post original por Craque Neto

Acho essa relação de cautela dos clubes brasileiros com os treinadores até um tanto igual. Ou seja, do mesmo jeito que o empregador dá o boné (leia-se DEMITE!) o cara MUITO antes do término de seu contrato, também acho natural um treinador fazer o mesmo quando tem uma proposta de trabalho melhor. É claro que desde que se respeite as regras contratuais. Só que na minha visão o que o técnico Fernando Diniz fez com o Guarani foi uma tremenda sacanagem. Pelo amor de Deus! O sujeito foi apresentado em dezembro e colocaram uma baita esperança dele resgatar o Bugre […]

O post CADÊ o mínimo de PROFISSIONALISMO, hein? apareceu primeiro em Craque Neto 10.

É pra comemorar, sim!

Leia o post original por Rica Perrone

Eurico, eleições conturbadas, time mediocre, dinheiro curto. O Vasco chegou a ser um dos candidatos a rebaixamento.  Quando sondou o Z4, todo mundo esperava que ali, no máximo, se livraria.

E então a bola passou a entrar, São Januário voltou, Zé Ricardo ajeitou a casa e o Vasco fez mais do que dele se esperava. A Libertadores 2018 é motivo pra se comemorar muito. Ao contrário de outros rivais onde cobrava-se essa vaga, o Vasco apenas sonhava com ela.

Quando se alcança um sonho, se comemora. Quando se cumpre uma obrigação, nos aliviamos.

Não era obrigação deste Vasco estar na Libertadores. O que transforma sua vaga em conquista.  E conquista se comemora.

Entrar no clube com uma nova gestão, outra cabeça, outras pessoas e já na Libertadores pode ser o combustível perfeito para que o Vasco retome seu lugar no futebol brasileiro até mais cedo do que o planejado.

A bola já entrou. Falta uma urna cair, e o Vasco terá muito pra comemorar.

abs,
RicaPerrone

Troca-troca favorece o São Paulo

Leia o post original por Craque Neto

Há umas duas semanas fiquei sabendo que o Dorival Junior, técnico do São Paulo, estava seriamente interessado na contratação do atacante Lucca, que vem disputando o Brasileirão pela Ponte Preta. O jogador, que ainda tem os direitos federativos presos ao Corinthians, fez 22 gols na temporada. Sendo 12 deles no Nacional onde é um dos principais goleadores. A diretoria já teria entrado em contato com o presidente Roberto de Andrade para uma negociação. Isso soube lá atrás. Só que para minha surpresa está para sair uma troca do Lucca com o lateral Junior Tavares, que apesar de ter qualidade, terminou […]

O post Troca-troca favorece o São Paulo apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Fabuloso deve MUDAR o DESTINO para 2018

Leia o post original por Craque Neto

Após perder para o Vitória em Campinas a Ponte Preta foi oficialmente declarada REBAIXADA para a Série B do Campeonato Brasileiro. E um dos principais reforços para salvar o time do descenso está quase certo: Luis Fabiano. O atacante quer retornar ao clube que o revelou com o objetivo de subir a Macaca antes de encerrar a carreira em grande estilo. Aos 37 anos o jogador está prestes a rescindir com o Vasco da Gama, clube com o qual tem vínculo até o final da próxima temporada. A verdade é que o Fabuloso enfrentou sérios problemas físicos no Rio. Além […]

O post Fabuloso deve MUDAR o DESTINO para 2018 apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Os dedos do rebaixamento

Leia o post original por Milton Neves

Foto: Foto: Fábio Leoni /AAPP

Por Túlio Nassif, da Redação do Portal Terceiro Tempo

A Ponte Preta volta à Série B do Campeonato Brasileiro mais uma vez após estar na elite do futebol nacional durante três anos. Vale lembrar que em 2015 e 2016 o time fez campanhas que superaram as expectativas, nas quais a Macaca revelou alguns bons jogadores.

E a derrota por 3 a 2 para o Vitória-BA, no último domingo (26), não foi o que determinou a sua iminente queda.

Muito menos pelo que alguns torcedores andam dizendo sobre o atual elenco, de que ele é fraco por contar com seis atletas rebaixados em 2016: Luan Perez (Santa Cruz), Artur (Internacional), Danilo Barcelos (América-MG), Fernando Bob (Internacional), Naldo (Joinville) e Jadson (Santa Cruz).

Por um acaso lembrei do atacante Keno, que fez um ótimo campeonato pelo Palmeiras neste ano e veio do Santa Cruz. Isso, claro, todos sabem, mas não fazem questão de comentar!

Assim como se esquecem de que o primeiro turno da Macaca, de razoável para ruim, poderia ter servido de alerta para uma eventual melhora, ao invés de aceitar a má fase, o que praticamente todos fazem. Atlético-MG, Chapecoense e São Paulo (o primeiro no Z4), são clubes que terminaram atrás da Ponte na tabela, mas assimilaram a realidade e deram a volta por cima no returno.

Criticar duramente o time, dar pouco apoio, ameaçar jogador e tomar atitudes que causam pressão só pioram as coisas, como de fato aconteceu. Basta lembrar do incidente em que parte da delegação foi agredida no aeroporto, dia 25 de setembro, quando o time campineiro retornava de Santa Catarina após derrota por 1 a 0 para a Chapecoense, pela 26ª rodada.

Verdade seja dita, a Ponte não merece estar na Série B. O que aconteceu no Moisés Lucarelli foi outro episódio para ser esquecido e apagado da história.

Encontrar um culpado neste momento é o pior dos erros. Portanto, atrelar toda a culpa do descenso ao zagueiro Rodrigo, não é a mais sábia das ações. Pois em muitos jogos ele foi fundamental para um resultado positivo ou satisfatório.

Talvez não haja mais clima para ele continuar e o mais certo a se fazer seja realmente envolvê-lo em uma negociação como muitos pedem, obviamente pelo que aconteceu último duelo.

Porém, o que deve se levar em conta é que não foi apenas “um ou dois dedos” que decretaram esse triste rebaixamento, mas sim uma somatória de circunstâncias, como “todos os dedos” de quem soube apontar as falhas durante o Brasileirão e não teve a capacidade de resolvê-las.

Opine!

Comentaristas brincam com ‘DEDADA’ de Rodrigo em Tréllez

Leia o post original por Craque Neto

Durante o ‘Os Donos da Bola’ desta segunda (27), os comentaristas não deixaram barata a “dedada” de Rodrigo no colombiano Tréllez e fizeram piadas analisando as imagens do lance.

O post Comentaristas brincam com ‘DEDADA’ de Rodrigo em Tréllez apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Sem receber propostas, Lucca vê indefinição do Corinthians

Leia o post original por Perrone

O Corinthians quer um atacante para se reforçar na próxima temporada. Mesmo assim, não existe certeza no clube em relação ao aproveitamento de Lucca, emprestado até dezembro para a Ponte Preta.

De acordo com a diretoria, a palavra final sobre todos os jogadores que voltarão de empréstimo será de Fábio Carille, mas o treinador não quer pensar nisso agora, antes de o Brasileirão acabar, mesmo com o título já conquistado pelo alvinegro.

Pelo menos parte da direção entende que a melhor opção é negociar o atacante, autor de 11 gols pela Ponte no Nacional. Porém, até agora nenhuma proposta apareceu para ele. Assim, Lucca vive uma indefinição sobre sua próxima temporada, apesar do bom desempenho.

Na janela europeia no meio do ano, o Nantes, da França, acenou com  cerca de US$ 3 milhões pelo jogador, mas a direção alvinegra achou pouco. O clube do Parque São Jorge tem 60% dos direitos econômicos do atleta.

Em palpos de Aranna

Leia o post original por Antero Greco

Antes de mais, vamos ao óbvio: o Corinthians depende só dele para chegar ao título. Sim, senhor, com seis pontos (por enquanto) à frente de Santos e Palmeiras, basta recuperar o prumo para fazer a festa até a 38.ª rodada. Isso é matemática simples e simplória.

Vamos à tendência de momento: o que parecia improvável vai dando o ar da desgraça, pois o líder chega pressionado à reta final do Brasileiro. Vem ladeira a baixo, na banguela, com freio emperrado, e pode trombar de vez com outros rivais, Palmeiras sobretudo, e Santos a correr na pista lateral.

Inimaginável supor queda tão brusca de desempenho, de quase 82% no primeiro turno para 33% no segundo. Se foram 15 vitórias e 4 empates nas primeiras 19 rodadas, agora acumula 6 derrotas, 3 empates e 3 vitórias. Foram 49 pontos contra 12 acumulados por ora. Nas contas anteriores, se mantivesse aproveitamento em torno de 49 ou 50%, chegaria com facilidade à sétima taça.

Embolou tudo – e pode enroscar ainda mais, se o Palmeiras ganhar do Cruzeiro, nesta segunda-feira, no Allianz. Daí, o dérbi de domingo em Itaquera pega fogo.

O Corinthians enroscou-se numa teia criada por ele mesmo. Sim, caro amigo alvinegro ou não, a rapaziada de Fábio Carille é responsável pela situação delicada em que se encontra. Se no turno, superou expectativas, com futebol correto, eficiente, solidário e preciso, agora emperrou, dispersou, brecou ousadia e criatividade. O Timão virou equipe comum, que não bota medo nos adversários.

Outra prova veio neste domingo, no duelo com a Ponte, em Campinas. Não foi a pior partida nessa série negativa. Até que o Corinthians buscou ao menos o empate, especialmente no segundo tempo, com uma infinidade de finalizações – a maioria parou em Aranha. Fazia tempo que não via o goleiro já veterano pegar tanto! Fechou o gol, foi um paredão.

No entanto, os corintianos não assustaram a turma de Eduardo Baptista. A Ponte se propôs segurar a pressão, que existiu, e apostou nos contragolpes. Artifício manjado no futebol, tão velho quanto o primeiro chute na bola. E deu certo. Por ironia tão frequente, o golpe de misericórdia veio por meio de Lucca, cria do Parque São Jorge: gol de cabeça, aos 39 minutos do primeiro tempo e fim de conversa.

Carille apostou na formação que não havia perdido no ano – 7 vitórias e 5 empates – e nem isso funcionou. Apelou para mudanças mais atrevidas, com a entrada de Cleyson, Pedrinho, Kazim, e… nada. A tal limitação de elenco, cantada antes do início da Série A, só agora revela sua face cruel. O banco corintiano, considerado fraco, mostrou que é… fraco mesmo.

A apreensão chegou, não há como negar. Só não pode transformar-se em pânico. Afinal, o Palmeiras pode não passar pelo Cruzeiro e pode perder no domingo que vem. Daí, tudo volta ao normal. Ao mesmo tempo, também é indisfarçável que o Corinthians está em palpos de aranha… por obra e arte, ao menos neste domingo, pelas defesas do Aranha.

Com o perdão do trocadilho.