Arquivo da categoria: Ricardo Teixeira

Tostão foi generoso e exagerado com o aniversariante do dia

Leia o post original por Quartarollo

Romário completa 50 anos hoje. Parabéns a ele. Foi um dos maiores atacantes da história.

Fisicamente não era atleta, não gostava de treinar, mas nas noitadas não bebia, aliás, dizem os seus companheiros de balada, que jamais bebeu.

Era esperto, ficava sóbrio e também podia escolher melhor as mulheres.

Bêbado topa qualquer coisa. A bebida turva as ideias e a visão e isso traz problema quando se acorda mal acompanhado no dia seguinte.

Normalmente o cara diz: “Não foi com isso aí que eu dormi, não. Trocaram ela enquanto eu dormia”

Se bem que para boleiro não falta Maria chuteira de boa qualidade. Algumas vivem disso.

Mas baladas sem bebida à parte, Romário foi gênio como jogador.

Como pessoa eu não confio. Acho que soa muito falso muitas vezes e depois virou político e eu não confio nesse classe.

Estava na foto que confirmou o Brasil como sede do mundial-2014 ao lado de Dunga, Ronaldo, Ricardo Teixeira e Lula.

Era época do apoio total esperando uma boquinha no Comitê Organizador que acabou sobrando para o Fenômeno e não para ele.

Daí virou inimigo e até bateu certo em muita gente, mas já era para ter batido antes. Eles estavam do seu lado.

Parece político que se esquece onde está ou onde esteve até ontem.

Só como dois exemplos de como isso acontece. Temer faz parte do governo e diz que o PMDB quer ser governo em 2018. Oras, o que ele é agora?

Marta Suplicy foi ministra desse governo e agora faz de conta que nunca esteve lá.

É tão responsável quanto os que lá estão, aliás demorou demais para sair e ingênua ela não é. Vai convencer quem?

Em meio a tudo que se pode falar de Romário como jogador e agora político no Senado, surge a voz sempre inteligente do Dr. Eduardo Gonçalves de Andrade, popularmente conhecido como Tostão e me surpreende.

Ele respeita muito o gênio Romário e diz que na Seleção de 70 o baixinho seria titular no seu lugar. Duvido, Tostão foi o criador das principais jogadas daquele time ao lado de Gerson.

Era um Iniesta mais completo. Jogou com problema na retina que o tirou do futebol aos 26 anos de idade, em 1973, uma pena para ele e para o futebol.

Tostão era mais completo que Romário. Jogava armando pelo meio, pelos lados e dentro da área.

Tão baixinho também se meteu a fazer gols de cabeça em algumas ocasiões como contra a Argentina no ano seguinte à conquista da Copa, em amistoso, em Buenos Aires.

O passe para o quase gol do drible de corpo de Pelé contra Mazurkiewicz, do Uruguai, foi de Tostão.

O passe para Clodoaldo empatar o jogo contra o mesmo Uruguai, foi de Tostão.

Aquela obra prima desmontando a defesa da Inglaterra no gol de Jairzinho, foi obra de Tostão.

Até mesmo o arremesso lateral para Rivelino levantar a bola para Pelé abrir a contagem contra a Itália, foi de Tostão.

Numa época que lateral tinha que ser batido pelo lateral do time, Tostão pegou a bola e resolveu a situação ele mesmo.

Pegou os italianos ainda se arrumando após a bola sair e tomaram um gol de Pelé.

Se Romário jogasse naquele time de 70, meu caro Tostão, ele não ia querer o seu lugar.

Do jeito que é marrento, iria querer o lugar de Pelé. Nesse time ele não jogaria.

Nesse, eu que tanto concordo com suas observações, eu não concordo com você. Naquele time o 9 tinha que ser você mesmo. Romário seria um bom reserva assim como foram Paulo César Caju, Edu e outros que nem foram.

Tostão foi generoso e exagerado com Romário, é o que eu penso. Mas o baixinho de Minas sempre jogou mais para o time do que para ele mesmo, ao contrário do baixinho carioca.

Fifa chuta a bunda de Valcke

Leia o post original por Quartarollo

Parece que o novo século está mudando algumas coisas que eram consideradas imutáveis até há bem pouco tempo atrás.

Aqui no Brasil tem empresário de grosso calibre preso, ex-presidentes sendo acusados abertamente, um deles até já prestou depoimento a Polícia Federal, outros nomes de peso também estão sendo investigados e as coisas embora rendam manchetes preocupantes, são mais transparentes.

No futebol, há dirigentes presos nos Estados Unidos, Blatter caiu na Fifa, Platini que virou um cartolão nada honrado depois de abandonar os campos onde simplesmente foi genial, está afastado da Uefa e da Fifa, e muitos dirigentes temem sair do Brasil com medo de prisão também.

Vai parar por aí ou a depuração será total em todos os níveis? Acho que deve-se ir até o fim para oxigenar todos os setores e dar maior credibilidade não só na coisa pública, mas nas relações comerciais e também nos resultados dos jogos.

Agora foi a vez de Jérôme Valcke cair. A Fifa o demitiu, demorou, mas demitiu. O motivo ele participou de um processo de vendas ilegais de ingressos na Copa-2014 que lhe rendeu mais de dois milhões de euros que eu não sei se serão devolvidos para alguém ou para alguma instituição.

A verdade é que esse tipo de gente não age sozinha. Valke deve ter tido ajuda de alguém de dentro da Fifa e aqui de dentro do Brasil para realizar sua operação. Esse tipo de ação não é de apenas um agente, há outros envolvidos, podem ter certeza.

A grande ironia de tudo isso foi que um dia, em 2012, ao lado do seu amigo figadal, Ricardo Teixeira, Valcke, disse que o Brasil precisava de um chute na bunda para as coisas andarem mais rápido para a Copa-2014.

Foi criticado, hostilizado, pediu desculpas de forma meio obscura, mas nunca disse que não disse. Até porque disse e talvez tenha sido a única coisa certa na sua passagem pelo Brasil.

O que os brasileiros estavam ensebando nas obras para a Copa era uma grandeza. Mas tinha uma explicação que qualquer bandido internacional saberia só de ouvir e Valcke não percebeu ou fingiu que não percebeu.

Estavam esperando o tempo passar para acabar com essa coisa chamada licitação.

Quando a Copa foi se aproximando tudo foi feito a toque de caixa sem precisar se preocupar com prestação de contas e a conta estourou em mais de 30 bilhões, mais ou menos, o que governo diz hoje que falta para fechar a sua conta anual. Nossa que coincidência, não?

Mas hoje, o “ingênuo” Valcke também levou o seu chute na bunda.

Vai embora da Fifa da pior maneira possível, mas só vai preso mesmo se depender dos americanos, porque na Suiça ele não será detido por enquanto.

Antes dele tem Blatter, Platini e outros nomes do primeiro escalão da Fifa.

Brasil, o país que regride mesmo quando avança

Leia o post original por Quartarollo

Marco Polo del Nero deixa a CBF pelas portas dos fundos.

Ele também está sendo processado pela justiça americana ao lado do ex-presidente Ricardo Teixeira, o homem que “vendeu” a Seleção Brasileira para uma empresa internacional e a fez jogar por muito tempo apenas na Europa.

Já não temos tanta identidade com a atual seleção e nunca jogando aqui se perdeu completamente qualquer contato com o torcedor da nossa terrinha.

Saiu Ricardo Teixeira também pelos fundos pouco antes da Copa do Mundo passando o bastão para o inefável José Maria Marim, hoje preso nos Estados Unidos por corrupção.

Entrou del Nero que com medo de ter o mesmo destino de Marin voltou correndo de Zurique e nunca mais botou o pé fora do país. Se pudesse sumiria de vez dos olhos do público e da polícia americana, é claro.

Agora se afasta pelo processo do FBI e entra no seu lugar um outro cartola que adora o poder.

Ficou 20 anos a frente da Federação de Futebol do Espírito Santo onde o dito cujo esporte bretão vai de mal a pior, mas ele não larga o osso e ainda se comporta como salvador da pátria.

É uma espécie de eminência parte no glorioso futebol do seu estado, mas na verdade ainda se acha o detentor do poder supremo na entidade.

É mais um pária do esporte que virou deputado nas costas dos torcedores apoiado por cartolas iguais a ele.

Senhor Marcos Vicente é um dirigente ultrapassado e um político franciscano fazendo jus a sagrada frase de um homem que virou santo: “É dando que se recebe”

E vai receber 200 mil reais mensais para ser presidente da CBF que vão se juntar aos 33 mil como deputado federal.

Defende seu quinto mandato e pertence a chamada “Bancada da Bola”, a bancada da CBF, portanto está no lugar certo embora por vias tortas.

Mas se não fosse “São Vicente”, seria Delfim Peixoto que também não tem nada a melhorar a qualidade dos dirigentes da CBF.

É mais um que não larga o osso, mas o estado pelo menos botou 4 equipes na Série A nesta temporada.

Essa talvez seja a maior tragédia brasileira. Mesmo quando há uma mudança, um suposto avanço, na verdade se anda para trás com gente de pouca qualidade e com os velhos maus costumes.

É o país onde Eduardo Cunha vira herói por propor o impeachment da presidente mesmo sendo um chantagista barato e estando mais sujo que pau de galinheiro.

Esse é o homem que não sabia que tinha dinheiro não declarado fora do país. Pior, conseguiu ser presidente da Câmara Federal. Adivinhe apoiado por quem?

Como dizem por aí. Que caiam os dois, ele e a presidenta, mas…. É ou não é para TEMER?

Por falar em temer, há o vice que coincidentemente tem o sobrenome que também pode ser verbo e se parece muito com os cartolas que esperam vez na CBF. Ele pode ser o Marcos Vicente da Dilma.

É uma bunda a procura de uma cadeira para sentar. Esse sempre esteve do lado deles, nunca do nosso lado.

Esse é o país que desenvolveu a urna eletrônica, mas que vai voltar no papel nas próximas eleições.

Vamos retroceder de novo. Sem falar que com voto de papel é mais fácil fraudar uma eleição.

Tudo para economizar um bilhão de reais, segundo as contas apresentadas. Uma ninharia para um país que tem um rombo de 140 bilhões. Um a mais, um menos, não iria fazer tanta diferença.

Estão pedalando em cima da gente de novo. Melhor fez o Hadad que deu logo uma bicicleta e não tem mais conversa.

Você ainda acha que devemos ter esperanças? Dá mesmo para acreditar em alguma coisa?

Marin não se opõe à quebra de sigilo fiscal e bancário

Leia o post original por Perrone

Na pauta da reunião desta quarta-feira à tarde na CPI do Futebol está a votação da quebra do sigilo bancário e fiscal de José Maria Marin. Porém, antes mesmo de saber o resultado, o ex-presidente da CBF decidiu que não vai tentar impedir na Justiça que seus dados sejam entregues aos senadores, se o requerimento for aprovado.

Na semana passada, o cartola discutiu o assunto com seus advogados, que o visitaram na prisão na Suíça. Ele ouviu que poderia ser estratégico tentar impedir a quebra, mas que Marco Polo Del Nero, seu sucessor, sofreu derrota com manobra semelhante.

Marin, então, respondeu que não tem nada a esconder e dispensou seus defensores de tentarem recorrer contra a medidaa em caso de aprovação.

Del Nero teve um pedido para impedir a quebra de seu sigilo negado pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

Para os advogados de Marin, com a decisão de não se opor à quebra, o dirigente reforça sua tese de inocência nas acusações de conspiração para lavagem de dinheiro e envolvimento em esquema de propina na venda de direitos de transmissão de jogos feitas pela Justiça americana. No entanto, eles não fazem comparações com a decisão de Del Nero por considerarem diferentes as situações de quem está na presidência da CBF e de quem já saiu dela.

Na reunião desta quarta, se houver quórum, além da quebra do sigilo fiscal e financeiro de Marin, serão votados requerimentos para serem convocados Del Nero e Ricardo Teixeira, entre de outras solicitações.

Fifa dá um pé na bunda do secretário que chutou os fundilhos do Brasil

Leia o post original por Quartarollo

teixeira

Quem diria, hem? Jérome Valcke, o poderoso secretário geral da Fifa foi demitido por causa de envolvimento com venda de ingressos na Copa-2014 disputada no ano passado no Brasil.

Ele era amigo figadal de Ricardo Teixeira e andava de carinhos com o então presidente da CBF antes que ele fosse apeado do cargo.

Sobraram até beijinhos em um encontro no Rio de Janeiro como mostra a foto em destaque no Blog.

Valcke chegou a sugerir em dado momento um chute na bunda dos brasileiros pelo atraso nas obras da Copa do Mundo, muitas delas, exceção das Arenas, que não foram realizadas até hoje.

Isso é mais triste ainda. Ele tinha razão, nós merecíamos mesmo um chute nos fundilhos.

Quem manda também ter no Comitê Organizador local o atual presidiário da Suiça José Maria Marin e antes dele o investigado pela Receita Federal Ricardo Teixeira? Queriam o quê? Que tudo funcionasse a mil maravilhas.

Dentro de campo funcionou, mas fora os problemas estão sendo discutido até hoje.

As chamadas obras de mobilidade urbana que seriam o legado da Copa ficaram no esquecimento e o PAC da Dilma empacou há muito tempo. Não pode ajudar mais ninguém.

Hoje a Fifa fez com Valcke o que ele sugeriu para os brasileiros. Deu-lhe um chute na bunda e o mandou para a rua.

Afinal, a rigorosa Fifa dirigida pelo não menos rigoroso Blatter não quer alguém sob suspeita na sua diretoria.

Valcke vai responder as acusações fora da entidade.

A pergunta é: Por que tantos dirigentes estão presos e Blatter está solto? Por que ele não está sendo investigado a fundo?

Estaria entregando cabeças como aprendeu com o brasileiro João Havelange?

Blatter é o único presidente do mundo que renunciou, mas continua no poder.

Nem o Papa Bento XVI conseguiu tal façanha.

Será que ele está ajudando a desvendar alguns caminhos escuros no porão da Fifa por isso é que permanece intocável?

Bom, seria melhor perguntar para o agora defenestrado Valcke. Ele com certeza sabe das coisas.

Eis aí um grande nome para deleção premiada. Quem aceita “míseros” trocados da venda de ingressos, faz qualquer negócio.

Ele pode ser o caminho das pedras. Alô investigadores do FBI, Walcke é o caminho. Esse é o homem.

Não entenderam : “Walcke is the way. This is the man”

 

Ausência de senadores atrasa trabalhos da CPI do futebol. Bom para Marin

Leia o post original por Perrone

Na última quinta, a CPI do Futebol realizou uma sessão com apenas três senadores presentes. Além de ouvir o depoimento do jornalista escocês Andrew Jennings, o encontro serviria para a votação de uma série de requerimentos, como a quebra dos sigilos bancário e fiscal de José Maria Marin. Só que a ausência da maioria dos integrantes impediu a votação.

Para os pedidos serem aprovados são necessários um parecer favorável de Romero Jucá (PMDB-RR), relator da CPI, e seis votos a favor. A comissão tem 11 senadores titulares.

Responsável pelo pedido de quebra do sigilo bancário de Marin, Paulo Bauer (PSDB-SC) diz não acreditar em boicote arquitetado pela bancada da bola para prejudicar os trabalhos. Por meio de sua assessoria de imprensa, ele afirmou avaliar o baixo quórum como normal, apesar de ruim. Creditou o esvaziamento ao fato de sempre existirem outras sessões acontecendo ao mesmo tempo.

Além da abertura dos dados financeiros de Marin, preso na Suíça, estão na gaveta os pedidos para que sejam convocados o atual presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, e Ricardo Teixeira, ex-ocupante do cargo. Os dois requerimentos foram feitos em 4 de agosto pelo senador Romário, (PSB-RJ).

Também não foram apreciados ainda pedidos para que a comissão receba informações sobre movimentações financeiras da confederação com empresas internacionais. Ao todo, são oito pedidos que aguardam votação.

A CPI tem 180 dias contados desde 14 de julho para concluir os trabalhos.

O 7 a 1. 1 7 1. Mas que nada.

Leia o post original por Mauro Beting

Que o contrato firmado pela CBF em 2006 com uma empresa para promover e organizar seus amistosos sempre foi algo que escancara como a entidade não quer trabalhar e como é fácil vender o futebol brasileiro, até Ricardo Teixeira (que nada sabia de bola, mas bastante de bolada) sabia.

Que a empresa que organiza a Brazil World Tour vai exigir por contrato os melhores jogadores disponíveis (ainda que coloque “marketing” à frente das qualidades técnicas…), até Dona Lúcia sabe.

Que não tem nada demais nisso, e sempre foi assim com qualquer seleção e qualquer clube em qualquer época, e que qualquer organizador, quando quer contratar Eric Clapton, não aceita Mauro Beting na guitarra, até Eremildo, o Idiota de Elio Gaspari, desconfia.

Que é pueril imaginar que a empresa interfira na convocação, também é. Ou alguém vai deixar de chamar Neymar por conta de um empresário? Ou alguém vai convocar um jogador discutível se a própria empresa quer medalhões?

Que é ainda mais pueril imaginar que qualquer treinador tenha tido autonomia total para chamar quem bem entender, é ainda mais. E isso, claro, algumas vezes, não todas, atrapalha a renovação da Seleção.

Que a reportagem de Jamil Chade, no Estadão, é excelente, ninguém discute.

Que tudo é 171 no país do 7 a 1…

Aí é exagero.

Mas que tudo pode ser 7 a 1 no Brasil do 171…

Nem Dona Lúcia discorda.

 

 

Eles votam e depois reclamam

Leia o post original por Quartarollo

Vem aí mais uma chamada Data-Fifa e o Campeonato Brasileiro não vai parar. Viverá várias rodadas simultaneamente aos jogos da Seleção na Ásia contra Argentina, no sábado, em Pequim, e dia 14, em Singapura, contra o Japão. Os técnicos dos … Continuar lendo