Arquivo da categoria: River Plate

Devolve o Pratto pra Argentina!!!

Leia o post original por Craque Neto

Soube que o São Paulo recebeu uma proposta de 10 milhões de dólares do River Plate da Argentina para contratar o atacante Lucas Pratto. Se sou o presidente Leco eu vendo na hora! O gringo fez só 7 gols nesse Brasileirão em 35 partidas. Vergonhoso! E analisando que o Tricolor pagou R$ 20,7 milhões para o Galo em um jogador que está prestes a completar 30 anos, valeria muito a pena negociá-lo. Digo, logicamente, porque o custo-benefício seria bom. Hoje o Pratto nem de longe lembra o jogador raçudo e artilheiro dos tempos de Velez e Atlético/MG. Desempenho que inclusive o […]

O post Devolve o Pratto pra Argentina!!! apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Você PREFERE a magia da DISCUSSÃO ou acabar com a ROUBALHEIRA???

Leia o post original por Craque Neto

Alguém aí viu o que aconteceu na semifinal da Libertadores entre Lanús e River Plate? Em uma virada incrível e favorecido pelo árbitro de vídeo no último gol o Lanús goleou o favorito e garantiu uma das vagas à grande final da competição sul-americana. O técnico Marcelo Gallardo, do River, reclamou um montão. Destilou o veneno contra a arbitragem do colombiano Wilmar Roldán. Agora vamos falar a verdade? O que há de errado corrigir um erro que poderia decidir um campeonato? Tem um monte de gente da imprensa que é CONTRA o uso do árbitro de vídeo. Dizem que ACABARIA […]

O post Você PREFERE a magia da DISCUSSÃO ou acabar com a ROUBALHEIRA??? apareceu primeiro em Craque Neto 10.

O mico, o mito e o burro

Leia o post original por Rica Perrone

Mico foi o River Plate conseguir repetir o mesmo cenário que há décadas lhe deu o rótulo de “galinhas”.  Mito que hoje mais uma vez foi justificado através de sua considerável incompetencia em ser campeão sem que haja um escândalo de algo extra campo para lhes acompanhar. Burro foi o técnico do Lanus, que mesmo …

Cansaço e jogo decisivo na Libertadores blindam Bauza após vexame

Leia o post original por Perrone

A vexaminosa derrota do São Paulo por 4 a 1 para o Audax no último domingo, pelas quartas de final do Paulista, não fragilizou o técnico Edgardo Bauza. Na avaliação da direção tricolor, o time vinha mostrando evolução nos últimos jogos, e o esforço para bater o River Plate na quarta-feira passada interferiu no rendimento da equipe no Estadual.

O entendimento é de que os jogadores sentiram o desgaste físico provocado pela vitória sobre o River, por isso caíram de rendimento no segundo tempo contra o Audax. Outro argumento é o de que o foco dos atletas está no jogo contra o The Strongest, na próxima quinta, que vai definir se o clube segue ou não na Libertadores.

Nesse cenário, não se cogita trocar o treinador caso a equipe seja eliminada na fase de grupos do torneio continental.

Com Bauza protegido pela diretoria, sobram críticas de conselheiros da oposição e da situação a alguns jogadores. O mais cobrado é Denis, que para membros do conselho falhou em partidas seguidas. Os descontentes cobram a diretoria para contratar um goleiro urgentemente.

No dia seguinte ao desastre em Osasco sobrou até para o ídolo Lugano. Alguns conselheiros não gostaram de o uruguaio falar que o elenco é pequeno para disputar duas competições. A declaração soou como justificativa pelo mau desempenho dos jogadores. Além disso, a afirmação vai contra o desejo da ala do conselho que prefere ver mais atletas da base no time principal a novas contratações.

O instável São Paulo busca “La Paz” perto do céu, mas vivendo no inferno

Leia o post original por Quartarollo

O instável São Paulo busca “La Paz” perto do céu, mas vivendo no inferno

Depois dos 2 x 1 sobre o River Plate, no Morumbi, na semana passada, eu disse aqui que o São Paulo estava melhorando e estava melhor porque tentava jogar futebol.

Sem essa bobagem de raça, de gritaria, de motivação extraordinária, é só jogar bola, mas eis que ontem, em Osasco, levou uma sova do Audax, 4 x 1, e Lugano ainda disse que não foi vexame.

Imagine se fosse? Com todo respeito, o São Paulo mesmo com time reserva, e não foi o caso, não pode perder de 4 para o Audax.

Achava até que poderia perder, mas não de forma tão acachapante. Foi humilhado e eliminado do Campeonato Paulista.

Isso só bota mais pressão nos ombros sãopaulinos para o jogo contra o Strongest, na quinta-feira, em La Paz.

La Paz, essa é uma coisa que o tricolor tem que buscar, desculpando o infame trocadilho com o nome da capital boliviana, uma das cidades mais feias que conheci e além de tudo dá nos nervos, falta ar e para quem tem que correr pelo menos para segurar um empate e não tem tanta qualidade futebolística, deve ser ainda mais difícil.

Esse o momento tricolor. Até a paz que procura é num lugar que não condiz com o nome.

Dizem os bolivianos que no topo do mundo estão mais próximos das estrelas, mais perto do céu.

Para o São Paulo pode ser o inferno perto do céu. Se não passar pelo Strongest, Bauza pode dar adeus ao Morumbi antes de esquentar lugar.

Alguns jogadores também podem segui-lo levando a faixa de campeão da instabilidade do futebol mundial.

Cleiton Xavier é o meia que o Palmeiras precisa ou é o novo Valdívia?

Leia o post original por Quartarollo

Cleiton Xavier é o meia que o Palmeiras precisa ou é o novo Valdívia?

O Palmeiras cansou dos chinelinhos de Valdívia. Contratou Cleiton Xavier que tinha tido uma boa passagem pelo clube, assim como o chileno na primeira vez, e ele chegou com muitos problemas de contusões.

Não só herdou a camisa 10 de Valdívia como seu lugar no Departamento Médico.

A diferença é que Xavier é mais profissional que Valdívia que era mau paciente e ainda queria derrubar o departamento médico. Se cuidava menos que Cleiton e ainda arranjava confusão dentro do elenco.

Por isso levou uns sopapos de Marcos Assunção que não suportou suas ironias em um momento terrível da história do time. Enquanto os caras botavam a cara para bater, ele se escondia no DM e ainda queria gozar os companheiros.

Assunção contou pela primeira vez esta história na Jovem Pan respondendo um questionamento deste repórter que vos escreve.

Depois a história virou lugar comum e todo mundo disse que deu de primeira mão. Mas quem levou a primeira mão mesmo foi Valdívia.

Cleiton ficou 7 meses fora e voltou contra o frágil River Plate, do Uruguai, o jogo já estava ganho e o Palmeiras já sabia que não passaria para as oitavas da Libertadores da América.

Foi ontem à noite na Arena Palestra Itália. Mas deu para ver que o toque de bola ainda é de alto nível e que joga objetivamente para a frente. Não errou nada enquanto esteve em campo.

Tudo bem que o adversário não era dos melhores e que já estava cansado pelo calor e pelos gols tomados, mas Xavier entrou bem com muita personalidade.

É jogador para ser titular. Cuca me disse que ele pode jogar com Robinho ou em alguns momentos ambos podem ficar fora se precisar de um time mais rápido.

Não creio que um jogador desse nível fique no banco até porque Robinho não vem conseguindo manter um bom nível. Ontem foi um dos piores em campo.

Cleiton deu entrevista na Academia hoje à tarde e confessou que se desesperou tanto com as contusões que pensou até em parar de jogar.

Ainda bem que não parou, tomara que volte bem porque esse é do bem mesmo. Desteta DM, só ficou lá por inteira necessidade.

De Valdívia tem apenas a camisa 10, mas tem mais caráter e comprometimento com os companheiros e por consequência com a equipe.

Respondendo ao questionamento da manchete: Pode ser mesmo o meia que o Palmeiras precisa.

Que Cuca saiba aproveitar o seu melhor potencial e não o transforme em mais um marcador do meio-campo.

Palmeiras fora. E a culpa não é da caxumba

Leia o post original por Antero Greco

Pode um time ganhar de 4 a 0, jogar uma partida até razoável, completar cinco jogos invictos e deixar o campo de cabeça inchada?

Pode, se este time for o Palmeiras, logo após golear o River Plate uruguaio. O resultado não adiantou nada e os palmeirenses foram eliminados dentro de sua luxuosa arena, ainda na primeira fase da Libertadores.

E não adianta dizer que, na mesma noite, o Nacional não se empenhou em Montevidéu para bater o Rosário Central e ajudar os brasileiros. Nem imaginar que o time uruguaio não foi escalado com todos os titulares: quatro deles inclusive estavam com caxumba e em recuperação. Méritos para o Rosário que foi competente e venceu o Nacional, já classificado, por 2 a 0 e conquistou sua vaga.

Aliás, o Palmeiras não perdeu a classificação no grupo 2 na última rodada. Perdeu anteriormente em partidas medíocres contra o próprio Nacional e o River.

Tivesse jogado como nesta quinta-feira e provavelmente a torcida deixaria o estádio sorridente: o Palmeiras correu, marcou, pressionou e mostrou que pode disputar um Brasileiro com pretensões ao título. Se restou algum consolo para a torcida e para o técnico Cuca, está em nomes em evolução: o zagueiro Thiago Martins, o volante Matheus Sales, o incansável Gabriel e o valente Allione, que fez dois gols contra os uruguaios.

Criando jogadas, Alecsandro – que marcou um gol de pênalti – cresce sob o comando de Cuca. Outro que se sente à vontade em campo com o treinador é o ala Egídio: que fez o primeiro gol da partida.

Para a torcida ficou também a esperança de que Cleiton Xavier, que entrou no segundo tempo, pode ser o jogador que falta no meio-campo.

Agora é esperar o jogo de segunda-feira contra o São Bernardo, pelas quartas-de-finais do Campeonato Paulista. Neste dia, o Palmeiras não vai depender de nenhum outro jogo para seguir na competição. Nem vai poder falar que a caxumba uruguaia atrapalhou seus sonhos.

(Com participação de Roberto Salim.)

O São Paulo melhorou porque está tentando jogar futebol

Leia o post original por Quartarollo

O São Paulo melhorou porque está tentando jogar futebol

De uma hora para outra o São Paulo virou um time aguerrido, que briga com o adversário e deixou de ser aquele time passivo, que tomava gols de todo jeito, que não se preocupava com o placar, que parecia não se incomodar com o resultado.

Virou mesmo ou é apenas uma força de expressão do torcedor? Aqueles que analisam assim não estão vendo a evolução do time. O São Paulo melhorou porque está tentando jogar futebol.

Edgardo Bauza vai encontrando à sua maneira um time quer você goste ou não. O time de antes não era tão passivo como se dizia e nem o de agora é tão corajoso e aguerrido.

Para se ganhar um jogo não é necessário brigar com o adversário. Não foi porque se indispôs com Vangioni, do River Plate, de quem levou um tapa na cara, que Calleri foi um dos melhores em campo.

Foi porque ele esteve presente nos lances mais agudos e oportunista em dois gols fazendo bem a sua função de atacante matador.

Paulo Henrique Ganso está ocupando melhor os espaços e entra mais na área. Dá bons passes, chama o jogo e desequilibra em favor do seu time. Ele não está mais aguerrido, ele só está jogando futebol.

Não me digam que Lugano inflamou o time. Ele nem jogou, ficou gritando do lado de fora como todos os outros do banco de reservas.

Maicon entrou e jogou bem ao lado de Rodrigo Caio, hoje a dupla de zaga titular do time. É só isso.

Falta dar mais confiança ao goleiro Dênis, que ainda falha em alguns cruzamentos fáceis de se evitar e torcer para que Bruno e Mena não façam grandes lambanças nas laterais.

Hudson é fraco, mas vem fazendo sua parte e o garoto João Schimitd paga pela noviciado.

Tomou dois cartões evitáveis contra o River Plate e agora não jogará em La Paz na partida decisiva da Libertadores contra o Strongest.

É bom jogador esse menino, mas ainda está em fase de crescimento profissional.

Quem continua devendo é Michel Bastos. Precisa jogar mais do que está apresentando.

A sorte dele é que Bauza não tem ninguém com qualidade para substituí-lo

Muita gente confunde jogar bem e correr o tempo todo com time valente, machão ou aguerrido. Isso é para MMA, futebol se joga com a cabeça e com os pés. O resto é coisa de arquibancada.

O desafio do São Paulo é manter a regularidade

Leia o post original por Nilson Cesar

O São Paulo fez duas partidas boas nesta temporada. Os dois jogos diante do River Plate e mais nada. O grande desafio do São Paulo é manter a regularidade. Vai jogar na altitude de La Paz e precisa ao menos de um empate para seguir em frente na Libertadores da América. Se jogar o que mostrou nos jogos contra o River, volta da Bolívia classificado, mas se jogar a bolinha que vem apresentando no ano fica de fora com certeza. Cabe aos jogadores do São Paulo muito empenho, luta e futebol de qualidade. Já ganhou 3 vezes a Libertadores e precisa honrar a sua história.

São Paulo joga bem mas passa sufoco desnecessário

Leia o post original por Fernando Sampaio

spxriverO São Paulo matou o River Plate.

No final passou sufoco desnecessário.

O Tricolor entrou concentrado, marcação implacável, não deu chances ao adversário, teve paciência, não rifou a bola, tocou até achar o caminho do gol com Calleri aos 28 minutos.

Merecido. Golaço.

No segundo tempo o River voltou mais ofensivo, o São Paulo foi cozinhando até marcar o segundo. Aos 14 minutos Michel Bastos cruzou sob medida, Calleri fez dois a zero. Impressionante como parte da torcida pega no pé do Michel. Foi mais uma bela assistência e o cara continua sendo duramente criticado. Isso tem atrapalhado, a ansiedade para fazer o gol tem prejudicado na finalização. É uma pena, o cara joga muito.

Ganso vive sua melhor fase do São Paulo.

O São Paulo tinha tudo pra ampliar o marcador mas a expulsão do Vangioni teve efeito negativo. Faltou inteligência. O time tirou o pé, relaxou e levou o castigo. Gallardo mexeu bem no time. Já Bauza foi mal. Não era jogo para o Alan Kardec, era para o Rogério. O River cresceu, marcou e quase empatou.

Que sirva de lição, não pode tirar o pé antes da hora.

A classificação que parecia impossível ficou menos difícil.

Será que os titulares jogarão contra o Audax, em Osasco?

Sei não, o jogo na Bolívia será uma gerra e o time precisa estar bem fisicamente.

Parabéns ao Bauza, o argentino está dando um jeito no timeco do Leco.

Falaram em Fred no São Paulo? Hoje seria um bom reserva do Calleri.

 

 

Foto Marcos Ribolli / Globo.com