Arquivo da categoria: Seleção

Luan e Geromel precisam ir à Copa

Leia o post original por Rica Perrone

Eu nem acho o Thiago Silva tão fundamental assim. Aliás, a história prova ano após ano que sua apurada técnica não basta para ser o que ele almeja.

Acho que ele é melhor que o Geromel se você der a mesma bola na altura do joelho para ambos. O Thiago vai dominar melhor, sim.

Se der a bola nos pés de um rival frente a frente, na velocidade, possivelmente o Thiago roube a bola antes do Geromel.

Mas se você for jogar uma grande partida, fora de casa ou contra um time muito forte, eu também não tenho a menor dúvida em quem confiar mais.

Luan é a mesma coisa. Não deve jogar mais que o Jesus, Coutinho, Firmino, talvez.  Mas se você precisar jogar contra o Boca em Buenos Aires, desses todos o único que vai entrar na área dos caras andando e dar um tapa por cima é o gremista.

“Bandido”.

Não o que comete crimes. O que não tem medo de cara feia. O que adora o desafio. O sujeito que quanto pior, melhor.

Copa do Mundo são 7 jogos, 3 pedreiras, sem jogo de volta. É matar ou morrer. E toda vez que ganhamos isso tivemos em campo ou ao menos no grupo diversos jogadores que se divertiam com o pânico.

Não me interessa quem vai sair. Me interessa saber que teremos na defesa e no ataque os jogadores mais decisivos possível. E que eles não gostem tanto de brilhar no domingo a tarde.

Craque brilha na quarta-feira.

abs,
RicaPerrone

Quanto vale um ídolo?

Leia o post original por Rica Perrone

O futebol cada dia mais se resume a números.  É um tal de “X gols em x jogos”, “x assistências”, como se pudessemos coloca-lo no patamar esportivo dos demais esportes e avalia-lo por dados estatísticos.

Como um dos primeiros caras a usar estatísticas no jornalismo esportivo eu lhes garanto: não! Ajuda, mas passa longe de ser o fator determinante de avaliação.

Futebol é sonho. Jogo é basquete, volei, tenis. Futebol é outra parada.

Quando o Fluminense vende o Fred e alguém diz que o clube “se livrou de um salário alto” ou fala da saída dele em cima dos números do ano anterior, está falando de outro esporte.

Ídolos sustentam o esporte, especialmente o futebol.

Ao trazer Julio César o Flamengo leva gente pra perto dele. Compra um goleiro espetacular, um dos maiores que vi na vida, e mesmo em fim de carreira e não jogando no seu nível há algum tempo, é um ídolo, identificado e que carrega gente com ele.

Ele vem da Europa pra passar 3 meses numa cidade em guerra pra ganhar quase nada só pra se despedir no clube dele de coração. E você não entende a contratação?

Trata-se disso o futebol.

Eu vou ao Maracanã na estréia dele. Talvez meu pai que nada tem com isso me ligue de SP e diga que quer ir também. Porque é o Julio César, e se você não entendeu, olha pro jogo das estrelas em dezembro o que foi o Adriano em campo.

É mais do que um goleiro.

O Flamengo anuncia ser mais Flamengo a partir de hoje.

abs,
RicaPerrone

O vigésimo quarto

Leia o post original por Rica Perrone

Tite convoca David Luis e Rodrigo Caio com alguma frequência. Isso incomoda muita gente porque é evidente que Geromel, por exemplo, merece mais que os dois.
Não concordo com quem quer eternizar a exclusão do David por 2014. Ele errou no 7×1, mas foi um dos poucos indignados no jogo. E até ali, poucos lembram, era eleito o melhor jogador DA COPA, não da seleção apenas.  Lembra? Não. Eu sei que nao.

E se Jesus não chegar 100% para a Copa?

Leia o post original por Milton Neves

Foto: Lucas Figueiredo/CBF

Gabriel Jesus não é nenhum Ronaldo, Romário ou Careca, é verdade.

Nos últimos tempos, cheguei a brincar com o bom garoto revelado pelo Palmeiras, dizendo que no City de Guardiola ele só marca “gol fácil”.

Mas a verdade é que ele é o melhor nome que temos para fazer dupla de ataque com Neymar na Copa deste ano.

Só que a lesão no joelho sofrida por Jesus na partida do Manchester City diante do Crystal Palace deixou os amantes da seleção brasileira com a pulga atrás da orelha.

Os médicos do clube inglês garantem que ele voltará em seis semanas.

Mas…

E se Jesus não chegar 100% para a Copa?

Quem Tite deveria colocar em seu lugar?

Você apostaria no agora “japonês” Jô?

Opine!

Flamengo e a namoradinha fiel

Leia o post original por Rica Perrone

Eu entendo todos os motivos do Rueda.  Fosse ele, também manteria a possível ex e esperaria o acerto com a nova.  É cômodo, quem nunca?

A culpa dessa facilidade é sempre da atual. Na cara dela, flertando com outra, mesmo que seja outra de nível considerável que cause mais ciúmes do que raiva. Ainda assim, é outra.

Ela pode dar um basta, pode blefar, só não pode assistir.

Enquanto ele vai na academia pra emagrecer pra próxima, ela engorda depressiva pelo que está passando.  E se resolver não partir, ela ainda entenderá como uma vitória e o tratará como troféu.

O Flamengo não pode brincar de ser a namoradinha atual a um mês de começar uma Libertadores, uma temporada promissora, etc.  A montagem do elenco passa por comissão técnica, os princípios de jogo e planejamento físico idem.

É fundamental a decisão do Rueda.

Ele pode sair. Mas não pode deixar prejuízo.  Hoje, a indecisão dele já representa esse prejuízo.  Mas a culpa não é dele, qualquer um faria o que ele está fazendo.

A culpa é “dela”, que está deixando e sofrendo de amor.

O Flamengo está prestes a tomar um pé na bunda. Está esperando pra ver se ele fica, como quem depende daquela relação. E se sair hoje, com o ano começado, planejamento determinado, mercado já tendo comprado e vendido as principais peças do jogo…  É porque ficou sem e ainda ficou grávida.

abs,
RicaPerrone

Cadê vocês?

Leia o post original por Rica Perrone

Todo ano eu me pergunto em dezembro onde estavam nos útlimos anos e eleições os clubes que hoje se lamentam pelo calendário.

Todo ano eu tento entender como 10 clubes podem achar ruim a cota de TV e só 2 estarem felizes sendo que 10 podem fazer um campeonato e 2 não.

Todo ano eu tento entender porque o torcedor é tão facilmente manipulado pela mídia que odeia a CBF e não percebe que tudo que está lá é meramente a representação oficial autorizada do SEU clube.

Há meses a CBF não tem presidente que possa sair do país. Algum clube foi lá cobrar da entidade o afastamento dele? Que houvesse nova eleição? Que algo fosse feito pela representação dos clubes?

Não.

Houve algum movimento entre os clubes para que a eleição na CBF seja ANTECIPADA após a suspensão do presidente? Não. Ela será ADIADA para que ele esteja de volta ao cenário político.

Nos últimos anos qualquer analfabeto entendeu que o sistema de corrupção, má gestão e favores do governo só existe porque é sustentado de baixo pra cima.  Não notaram que o futebol brasileiro tem um sistema político muito parecido e, portanto,  tem muita gente muda porque está feliz.

Seu clube, seja ele qual for, é cúmplice e hoje um dos mais covardes pilares do futebol brasileiro. Se há 12 “grandes” que se quiserem mudam tudo, sabemos de quem são.  E eles não estão muito preocupados com nada disso, apenas com qual jogador vão tirar do rival via liminar, ou talvez como vão eleger alguem mais próximo desse ou daquele dirigente.  Ou também, “pra que se indispor com o presidente e amanhã ter um pênalti não marcado?”, como ouvi outro dia.

Não querem mudar. Não vão mudar.

A CBF passou pelo ano todo esperando uma atitude de fora pra dentro que pudesse intervir no absurdo que é ter um presidente que não pode exercer suas funções em sua totalidade e nem ter a dignidade de pedir pra sair enquanto nota ser um atraso pro futebol brasileiro.

Ninguém se mexeu. Nenhuma federação ou clube tentou mudar isso ou protestar contra o cenário.

E você realmente acha que seu clube é “vítima” de qualquer calendário, receita de TV, regras do jogo ou politicagem do futebol brasileiro?

Então tá.

abs,
RicaPerrone

Eu nunca fui fã do Kaká

Leia o post original por Rica Perrone

Kaká se aposentou. Aos 35 anos encerra sua carreira brilhante por notar que há algum tempo não é mais o mesmo jogador e que ao contrário da maioria, pode continuar sendo ótimo profissional em outras áreas.  Kaká não limita sua capacidade aos pés, e por isso é quem ele é.

Ao contrário do que era previsível pelo meu time ser o São Paulo, eu nunca fui fã do Kaká. O que não significa que não gostasse dele, apenas que nunca o tive como referência de personalidade ou mesmo de jogador. Sempre gostei mais do perfil menos correto, e também do jogador mais fortemente identificado com um clube brasileiro.

Kaká teve tudo. E ao contrário do Ronaldinho, não teve a “sorte” de se tornar “jogador de alguém” aqui antes de parar.  Ronaldinho ia encerrar sendo o ídolo de todos, mas também o de ninguém.  O Galo lhe abriu a porta e ele levantou um caneco ao apagar das luzes que lhe deu uma camisa para ostentar por toda sua aposentadoria.

Kaká sempre vestirá a do SPFC, mas não cabe a ele o rótulo de um dos grandes ídolos do clube exatamente por não ter deixado muita coisa ali, nem mesmo muita grana. Por azar, por fase, seja lá pelo que for, faltou ao Kaká uma taça aqui dentro. Aquela imagem que eterniza o jogador num clube.

Ao final de 2010 me lembro de ter discutido com o amigo Diogo, assessor dele, que ele viria para o  São Paulo novamente. Era meio que uma esperança que eu tinha de ter um “melhor do mundo” campeão no meu time. Não aconteceu. Kaká embora tenha ido bem, passou como outros tantos.

É a hora em que uso o exemplo Kaká para refletir. Ele tem absolutamente tudo. Rico, bonito, jovem, ídolo pelo mundo, exemplo, títulos, saúde. Onde ele passa é aplaudido.  Mas eu gostaria muito de perguntar a ele se não faz falta, tendo tudo que tem, ser  um grande ídolo do “nosso time”.

Conca, que recentemente fez a estupidez de abrir mão da única coisa que ele tinha além de dinheiro que era a idolatria do Flu para ser encostado no Flamengo, que o diga.

Kaká não teve essa escolha. Não cometeu um “erro”. A vida não lhe deu esse título. Acontece.

Mas eu queria saber o que o Kaká diria para essa geração de jogadores que saem daqui em 2 semanas de profissional se vale a pena tentar marcar sua historia num clube nosso ou se não faz a menor diferença.

Eu sinto falta de tê-lo como ídolo.  Embora ele não precise disso, acredito que ele também tenha essa vontade guardada com ele de ter sido o ícone de uma grande conquista no São Paulo.

Parabéns Kaka! Você foi brilhante. Pena que sempre tão distante.

abs,
RicaPerrone

Vocês nunca vão entender

Leia o post original por Rica Perrone

Dizem que eu sou muito bom em conseguir cativar torcedores. Eu só gostaria de conseguir enxergar alguma coisa apaixonante no futebol atual, e assim atingiria um público enorme que hoje não entende o que escrevo, sobre o que escrevo e pra quem escrevo.

Talvez eu pudesse ser comercialmente genial escrevendo sobre o Ibra. Falando com amor por Messi e Cristiano. Mas, entendo quem só viu isso, e entendo que quem não viu nunca vá me entender. Mas esse futebol que se aproxima não me interessa. Meu futebol é um elo de pai e filho. Uma história familiar presencial de estádio. O da tv, por um time gringo, pra mim tem o mesmo apelo emocional do MasterChef.

O que eu queria, sem birrinha, que essa garotada entendesse é que o futebol que nós vimos há 30 anos era jogado pela técnica. O que hoje se joga é físico, tático, psicologico e também técnico.  Os jogadores que nós vimos prezavam por um tipo de jogo que não existe mais. Então é óbvio que hoje não haveria espaço pra eles fazerem o que faziam.

Mas também não haveria a menor chance de você chamar o Robben de craque.  O nível de talento puro do que víamos era simplesmente brilhante. Jogadores que você nem ouve falar hoje seriam titulares e ídolos de uma geração com facilidade.

Vou ser simples no exemplo. Houve um meia na década de 80 que se chamava Pita. Jogou no Santos e no São Paulo.  Se o Pita jogasse no time do Barcelona de 3 anos atrás, ele seria o Iniesta. E você nem sabe quem é o Pita. Mas vai morrer idolatrando o Iniesta.

Essa discrepância técnica e midiática faz de quem só viu o futebol recente um alienado sem culpa.  Não é demérito do rapaz ter 20 anos de idade. Mas pra quem tem 40 por exemplo soa absolutamente surreal ouvir que o futebol com 5 times voando e 200 se arrastando é um puta negocio mais bem administrado que antes.

Eu vi PSV, Ajax, Roma, Napoli, Valencia, La Corunha. Eu vi 20 times do Brasil podendo ganhar de qualquer outro do mundo. Vi uns 30 times europeus grandes disputarem título de Champions League. Vi um mundo com 40 ou mais craques simultaneos em atividade.

E vocês assistem um futebol de 5 times com 3 craques em atividade e tá otimo. Afinal, a referência do passarinho que nasceu na gaiola é só a gaiola.

Respeitem Zico, Socrates, Falcão, Careca, Cerezo, Pita, Muller, entre tantos outros. O Van Basten, pra não dizer que só citei brasileiros, jogava mais futebol que a soma do Suarez, o Benzema e a porra do Isco. E você nunca mais vai ouvir falar dele.

Não é porque vocês são burros. Mas é porque vocês não tem idéia do que já foi o futebol, do que ele representou em nossas vidas, do quanto era próximo de nós e da diferença técnica brutal entre antes e hoje permitida pelo modo de jogar.

Façam dos seus idolos heróis. Mas não ridicularizem quem fez o futebol chegar a ser essa doença mundial que é hoje. Porque esse futebol atual não apaixonaria o mundo ao ponto de transforma-lo no que é. O que nós vimos trouxe o futebol até aqui.

O Biro Biro jogava tanto quanto o Mascherano. E nós o chamávamos de “grosso”. Vocês, de craque.

abs,
RicaPerrone

Um empate preocupante em Wembley!

Leia o post original por Milton Neves

Foto: Lucas Figueiredo/CBF

Inglaterra 0 x 0 Brasil

No histórico estádio de Wembley, Inglaterra e Brasil fizeram um amistoso tão emocionante quanto dançar de rosto colado com a mãe ao som de “Sentimental Demais” na voz do saudoso Altemar Dutra.

A sensação era de que o jogo poderia ter mais uns 300 minutos que ninguém conseguiria nem acertar um chute no gol.

Tá louco, sô!

Mas, honestamente, por mais que tenha sido um amistoso, esse duelo me deixou com a pulga atrás da orelha.

Afinal, a Inglaterra foi a primeira seleção europeia que o Brasil de Tite enfrentou.

E, logo neste primeiro grande teste, chamou a atenção a dificuldade que o escrete canarinho teve para criar jogadas no ataque.

Agora, se sofremos tanto diante dos ingleses, como será quando enfrentarmos os alemães em março do ano que vem?

Quero nem pensar!

Opine!

“O que se espera dele”

Leia o post original por Rica Perrone

Assisti atentamente alguns programas de TV nos últimos 3 dias em virtude de uma merda de pneumonia que arrumei. Fazia tempo que não fazia isso. Me arrependi, óbvio.  Mas algo me chamou atenção. De dia tinha um pessoal comparando Messi, Cristiano e Neymar, algo que toda vez que não há assunto pra mesa é convocado …