Arquivo da categoria: Sem Categoria

Rildo escreve com bic. Vitória 0x1 Coritiba

Leia o post original por Mauro Beting

Escreve Gustavo Roman

Três jogos sem marcar. Duzentos  e setenta minutos sem balançar as redes. Esse é o saldo ofensivo do Vitória do gerente de futebol e treinador Petkovic. Hoje, armado em um 4-2-3-1, com William Farias e Uillian Corrêa como volantes. Paulinho, na direita. Cleiton Xavier por dentro e David na esquerda. Além do retorno do artilheiro Kieza no comando do ataque. o rubro-negro até tinha mais a bola, mas não sabia o que fazer com ela. Pouco ameaçou. Praticamente nada criou.

Por outro lado, o Coritiba foi sempre mais perigoso. Armado no 4-4-2 por Pachequinho, ex jogador e ídolo do clube, o time paranaense mostra em três rodadas que não deve sofrer tanto como nos últimos anos. Alan Santos é o volante que fica mais preso a marcação. Tomas Bastos joga pela extrema direita. Mateus Galdezani arma por dentro. Neto Berola, quem diria, virou meia pela esquerda. Na frente, Kléber e Henrique Almeida. Foram três oportunidades claras de abrir o marcador na primeira etapa. Nenhuma balançou as redes baianas.

O panorama se manteve o mesmo no segundo tempo. Em um só lance, aos nove minutos, o Coritiba teve três chances claras. Fernando Miguel e o pé de Paulinho sobre a linha fatal não deixaram. Aos 27, não teve jeito. Jogada de ex jogadores do Vitória e que vieram do banco. Mérito de Pachequinho. Tiago Real cruzou rasteiro. Rildo, de letra, fez um GOLAÇO. Assim mesmo. Com letras garrafais.

No desespero, Pet repaginou sua equipe num 4-3-3, com Uillian Corrêa, Pisculini e David no meio. Rafaelson, Kieza e Pineda na frente. O Coxa espertamente segurou mais seu time. Até mesmo os bons laterais Dodô e William Mateus ficaram mais. E seguraram mais um triunfo desse bom Coritiba.

Para os baianos, fica a pergunta. Será que o gerente de futebol Pet irá ter peito para demitir o treinador Pet? Aguardemos as cenas dos próximos capítulos.

Escreveu Gustavo Roman

Veja a análise de Gustavo Roman 

 

Tricolor é rei, Verdão em choque. São Paulo 2 x 0 Palmeiras. 

Leia o post original por Mauro Beting

No Choque-Rei, historicamente, o Palmeiras fica em choque. O São Paulo é rei. Nos últimos 15 anos no Morumbi, nunca o Verdão chegou tão mais forte que o rival, e o Tricolor, tão instável. O clássico, mais uma vez, igualou os desiguais. Na última vitória verde, a dos chapéus, em 2002, o São Paulo vinha de uma sequência de goleadas de quatro gols até levar quatro. Agora, se o Palmeiras não vinha dando show, vinha melhor que o rival. Deve ter um 2017 melhor. Desde que jogue o que não jogou no Morumbi.
Se historicamente o tabu segue e pesou para o Palmeiras, o clássico do sábado era mais importante para o São Paulo. E assim foi.

Rogério surpreendeu com o 3-4-1-2, com Lucão de volta em mais um clássico, Marcinho improvisado como ala pela direita, Cícero rmais preso por dentro ao lado de Jucilei, e Cueva (mal de novo) tentando articular com Luiz Araújo correndo pela esquerda, e Pratto errando mais do que o normal no primeiro tempo de poucas chances. Cuca resolveu espelhar taticamente a mudança de Ceni. Plantou Felipe Melo entre Mina (que saiu bastante e, também por isso, ficou exposto) e Juninho; abriu o estreante Maike pela ala direita e deixou Michel Bastos bem pelo outro lado, mesmo marcado por toda a torcida tricolor. Guerra muito bem articulando. Mas ninguém jogando o que pode e o que sabe tecnicamente. Culpa dos treinadores?
Apenas duas chances pro mandante no primeiro tempo, uma boa chegada do Palmeiras num bom duelo tático, mas chato de emoção. Vão dizer que eram os 3 na zaga. Só não disseram mais porque Felipe Melo, como se sabe, é volante. E pra muitos não foi zagueiro – mesmo tendo sido. Mas não faltaram os que reclamaram dos três “volantes verdes”…
Segundo tempo. O Palmeiras tentou atacar mais. Não acertava o pé. Até Prass falhar pela segunda vez seguida em dois jogos e Pratto abrir o placar, aos 16. Keno já estava pronto para entrar. E até entrou bem. Ajudou a criar o lance do pênalti que Jean sofreu e ele fez sofrer o palmeirense ao chutar longe, aos 22. Cuca foi empilhando atacantes, o São Paulo foi se encolhendo, até Pratto encontrar Luiz Araújo para bater cruzado e Prass falhar pela terceira vez, aos 38. Algo raro na carreira de um atleta exemplar. Raríssimo para um goleiro do nível dele falhar três vezes seguida. Mas não é raro um cara como ele assumir os erros. Palmas pra Prass.
Não é normal. Como não é o Palmeiras estar há 15 anos sem vencer o Tricolor no Morumbi. Como não era o São Paulo jogar tão pouco nas últimas partidas. Desta vez acertou o pé e aproveitou as falhas de um Palmeiras que por vezes parece achar que vai vencer quando quer. Algo que não consegue desde 2002 no Morumbi. Algo que, antes mesmo de Jean bater o pênalti longe, parecia que o Palmeiras não ganharia.

Veja a análise de Gustavo Roman 

Time da virada. Vasco 3 x 2 Fluminense. 

Leia o post original por Mauro Beting

ESCREVE GUSTAVO ROMAN

Vitória justa de um Vasco tido e detonado como provável rebaixado. Um primeiro tempo em que os times mais se preocuparam em marcar do que em jogar. Marcação dobrada do lado direito vascaíno. Pikachu e Gilberto não dando espaços para a velocidade de Richarlison, o meia aberto pela esquerda no 4-3-3 tricolor. Apenas uma oportunidade para cada lado. Luís Fabiano colocou nas redes a bola que Nogueira acertou no travessão de Martim Silva.

Na etapa final, o tricolor saiu mais pro jogo. Passando a atuar num 4-4-2, com Gustavo Scarpa tendo liberdade para encostar em Henrique Dourado. Deu certo, o time voltou melhor e conseguiu a virada em dois pênaltis. O primeiro, discutível. O segundo, inquestionável. Deixou a impressão que poderia ter conseguido um resultado melhor se tivesse sido mais ousado.

Mas o Vasco não é mais aquele time sem movimentação e que pregava no fim dos jogos. Nenê entrou para fazer encostar em Fabuloso no repaginado 4-4-2 do bom Milton Mendes. E Manga Escobar teve sua tarde de gala em São Januário. Aos 29, driblou Douglas e empatou com um tiro cruzado. Já nos acréscimos, fez a jogada que Nenê finalizou para dar números finais ao jogo.

Para o torcedor cruzmaltino, um alento. Mesmo atrás no marcador o time agora tem pernas para buscar o resultado. E num campeonato brasileiro equilibrado como esse, a juventude pode ser um fator primordial para uma competição sem sofrimento.

ESCREVEU GUSTAVO ROMAN

Veja a analise de Gustavo Roman 

7 motivos que me fazem acreditar na vitória do Palmeiras

Leia o post original por Michelle Giannella

Foto: Djalma Vassão/Gazeta Press

Não é fácil fazer um prognóstico do que vai acontecer dentro de campo , ainda mais numa partida de futebol entre dois grandes clubes como São Paulo e Palmeiras. Mas, apesar do futebol ser uma caixinha de surpresas, aposto no Palmeiras contra o São Paulo neste sábado. Abaixo listo as minhas razões para acreditar numa goleada verde na bela noite de sábado que se aproxima:

  1. O Palmeiras é favorito e o time não vai entrar de salto alto. Sabe da importância da partida e da dificuldade de vencer o adversário no Morumbi.
  2. Desde março de 2002 o Verdão não vence o Tricolor. É hora de Cuca colocar a calça vinho e mudar essa história.
  3. Falando sério agora, o momento do Palmeiras é melhor: se classificou às oitavas da Libertadores e continua firme na Copa do Brasil. Já o São Paulo vem três eliminações: Paulista, Copa do Brasil e Sul-Americana.
  4. Cuca gosta de jogar pra frente, é mais agressivo que o técnico antecessor, então aposto num time que vai dar trabalho para a frágil defesa tricolor.
  5. O Palmeiras tem um elenco mais forte, mais consistente e um treinador mais experiente.
  6. Rogério Ceni ainda tem dúvidas quanto à escalação da equipe e isso atrapalha o próprio elenco.
  7. Apesar do time ter vencido o Avaí segunda feira e isso ter animado o elenco são paulino, a situação entre treinador e time ainda não está 100%.
  8. A verdade é que ao escrever todas as razões para a vitória do Palmeiras, vejo que o São Paulo tem também muitos motivos pra vencer e isso pode acontecer, afinal, tem um treinador que entende muito de futebol e uma equipe que pretende sair de campo com a cabeça erguida mostrando seu valor contra um time teoricamente mais forte. Essa é a maravilha do futebol! Não há favoritos dentro das quatro linhas! Quando a bola rola, o que importa é acertar a rede! Aí, até a sorte conta. Bom jogo, turma!

Porto e Corinthians divergem sobre pagamentos referentes a Felipe

Leia o post original por Perrone

Corinthians e Porto divergem sobre a situação dos pagamentos referentes à compra do zagueiro Felipe pelos portugueses. Como mostrou o Uol Esporte, o alvinegro alega que não recebeu duas parcelas, uma de R$ 1,8 milhão e outra de cerca de R$ 3,6 milhões. Um dia após a publicação da reportagem, o Porto emitiu uma nota à imprensa contestando a informação que fora confirmada por Emerson Piovezan, diretor financeiro corintiano, e alegou que o dirigente se desculpou com os portugueses.

“A verdade é que ontem à tarde recebemos um e-mail assinado pelo próprio diretor financeiro do Corinthians que se desculpava e confirmava que o plano de pagamentos está a ser cumprido”, afirmou o clube português.

Porém, Piovezan contesta essa versão. “Não quero polemizar, como você gosta, mas não reflete a realidade. Só isso”, declarou o dirigente ao blog por mensagem via celular. O cartola respondia se procedia a informação do Porto de que ele pediu desculpas e reconheceu não haver atrasos.

Confira a declaração oficial do Porto divulgada na newsletter oficial do clube para a imprensa portuguesa:

“Ontem circulou no Brasil uma notícia que relatava um alegado atraso do FC Porto no cumprimento do plano de pagamentos da transferência de Felipe do Corinthians para o nosso clube. Isso é falso e essa mesma informação já tinha sido prestada ao jornalista que anteontem nos tinha contactado. O texto apresentava a versão do FC Porto, mas com muito menos destaque do que a versão apresentada por Emerson Piovezan, diretor financeiro do clube brasileiro. A verdade é que ontem à tarde recebemos um mail assinado pelo próprio diretor financeiro do Corinthians, que se desculpava e confirmava que o plano de pagamentos está a ser cumprido”.

 

Conselho do Palmeiras fará sindicância sobre comissão para agente errado

Leia o post original por Perrone

Com José Edgar de Matos, do UOL, em São Paulo

O Conselho Deliberativo do Palmeiras vai abrir sindicância para apurar possíveis responsabilidades de dirigentes no caso envolvendo o pagamento de comissão pelo volante Wesley. A operação feita em 2012, durante a gestão de Arnaldo Tirone, foi parar na Justiça com o clube acusado de não pagar os valores devidos a um agente envolvido no negócio. Em sua defesa, os cartolas alviverdes alegaram ter pago o empresário errado. 

Na ocasião, o alviverde pagou R$ 1,3 milhão de comissão a Maickel Portela, que seria representante daempresa MKT Brasil. Porém, neste mês, a Justiça determinou que o clube pagasse a mesma quantia para Renee Pinheiro, que se apresentou como dono da empresa e alegou que o dinheiro nunca foi pago para ela. Ou seja, o Alviverde teria feito o acerto com o empresário errado.

Ao blog, Tirone afirmou que o Palmeiras tratou do caso com o agente que tinha autorização do Werder Bremen (time vendedor) e que o clube deve mesmo fazer uma apuração para esclarecer os fatos. O ex-presidente disse ainda que também está apurando o episódio e que, se o clube pagou a quem não devia, o recebedor precisa devolver o dinheiro. Leia a entrevista com ele no fim do post.

A derrota na Justiça incomodou conselheiros especialmente porque o juiz Gustavo de Carvalho afirmou não ser minimamente crível que um clube como o Palmeiras pudesse agir de maneira tão “amadora” no tocante a uma de suas atividades mais corriqueiras, a contratação de jogadores. Ele afirma ainda que não há elementos nos autos que indiquem que Portela, “se é que recebeu algo”, agiu em nome da empresa.

Indignados, membros da nova oposição palmeirense, formada por conselheiros que tentaram barrar a candidatura de Leila Pereira a uma cadeira no Conselho Deliberativo, alegando irregularidade na candidatura, passaram a cobrar a abertura de sindicância sobre o caso.

“Já pedi ao departamento jurídico que me apresente todos os documentos referentes a essa situação. Assim que eu receber, vou formar a comissão de sindicância. Ela vai apurar o que aconteceu e apresentar sua decisão ao Conselho Deliberativo, que vai decidir o que fazer”, disse ao blog Seraphim Carlos Del Grande, presidente do órgão.

Entre as medidas que podem ser tomadas, estão punições a quem for considerado culpado pelo prejuízo ao Palmeiras e pedido de ressarcimento de dinheiro na Justiça.

Abaixo, leia entrevista feita por troca de mensagens pelo celular com Tirone sobre o assunto.

Blog – Qual a sua opinião sobre a decisão do presidente do Conselho de abrir sindicância para apurar o motivo para o Palmeiras pagar o empresário errado na compra de Wesley?

Arnaldo Tirone – Não tenho nada contra a abertura de sindicância para apurar os fatos. Muito pelo contrário, uma apuração aprofundada e realizada com isenção vai esclarecer todos os pontos. O Palmeiras deve apurar, sim, esses fatos.

Blog – O que o senhor achou da decisão do Juiz obrigando o Palmeiras a pagar de novo a comissão e dizendo não ser crível o pagamento errado?

Tirone – Ainda não tenho visão integral do processo e por isso não consigo dizer em que contexto essa frase foi dita. Já pedi para o meu advogado levantar integralmente o processo e, quando eu tiver essa visão, vou poder me manifestar. Também estou levantando informações com todos os que estiveram diretamente ligados a essa contratação. O fato é que o Palmeiras tratou com o empresário que tinha autorização do Werder Bremen para negociar o Wesley.

Blog – O que aconteceu para o pagamento ser feito ao agente errado?

Tirone – Como já te disse, estou apurando para não cometer injustiças. Mas o fato para mim é muito simples: se o Palmeiras pagou a quem não devia, quem recebeu tem que pagar para o Palmeiras.

 

Cada jogo tem sua… Atlético-GO 1 x 2 Flamengo.

Leia o post original por Mauro Beting

Para simpósio a diferença entre o que foram os jogos de Atlético Goianiense x Flamengo no Serra Dourada. Na segunda rodada dos pontos corridos, no sábado, baile carioca. No jogo de volta de mata-mata, quase o Dragão espeta um dos maiores favoritos a tudo no Brasil.

Deu a lógica. Mas quanta coisa muda de um jogo a outro. Não só cada partida tem sua história. Tem seu regulamento, também.  

Veja a análise de GUSTAVO ROMAN