Arquivo da categoria: Sem Categoria

Marcelo Rezende

Leia o post original por Mauro Beting

Marcelo Rezende eu lia na Placar. Ótimo repórter esportivo. Esperto e com espírito de manchetar que o Flamengo queria Maradona no auge do gênio gringo. Toda a imprensa foi na dele. Claro que não havia como comprar. Nem desmentir que o Flamengo, como qualquer clube do mundo, queria Maradona.

Coisa do Marcelo com quem pouco conversei. Quase nada vi no auge maradoniano dele. O que adoro o irmãozão Datena que tanto me ajuda na condução de programas que não gosto eu não batia com o Marcelo. O jeito de falar, a voz, o ritmo. Não gosto. E desgostava ainda mais pelo desperdício de grande repórter que é. Como o Bial fazendo BBB. Como o Leifert. Desperdícios.

Mas, e daí? Eles têm os motivos deles. Milhões de motivos. E devem ser respeitados. E mesmo admirados pelas escolhas ousadas. Como a decisão de Marcelo a respeito do tratamento do câncer incurável. É algo que só cabe a ele. Precisa ser respeitado. Ainda que lamentado. Como eu lamentava o programa dele. Mas era obrigado a respeitar pelo tanto de gente que o assistia. E que o adorava.

A imagem que vou guardar dele é a que amigos e colegas têm dele. Meu pai e a mãe de meus filhos tiveram quando trabalharam com ele: um cara legal. Um colega leal.

É o que a gente leva. É o que precisamos ter em vida e na morte com todos: respeito.

Corinthians não acata ordem para pagar agente de Elton e deve ter penhora

Leia o post original por Perrone

O Corinthians não cumpriu determinação da Justiça para quitar dívida com empresa do agente do atacante Elton, Marcelo Robalinho, e agora deve sofrer penhora em suas contas para pagar o débito. Na última terça, a 1º Vara Cível do Tatuapé determinou que a empresa Think Ball pague as despesas para as pesquisas a fim de que o valor cobrado seja localizado em contas corintianas. O caso está em primeira instância, logo cabe recurso.

A Think Ball alega que o alvinegro não cumpriu distrato referente à cessão por parte da empresa dos direitos de imagem de Elton, campeão da Libertadores de 2012 com clube e hoje no Ceará. A dívida era de R$ 270.750 e deveria ter sido paga parceladamente em 2014. De acordo com a ação, nenhuma parcela foi quitada. Em 26 de julho a Justiça havia determinado que o Corinthians pagasse o débito.

Com atualização e juros, a credora calculou o valor atual da dívida em R$ 420.547,56, quantia que será buscada nas contas do clube assim que as taxas para a pesquisa forem pagas.

Luiz Alberto Bussab, diretor jurídico do Corinthians, disse que ainda não tinha conhecimento da decisão na noite desta sexta-feira.

A Think Ball também representa os corintianos Jadson e Leo Príncipe.

Expedito x expertise dos espertos: é preciso dar uma geral na torcida das arenas.

Leia o post original por Mauro Beting

Sei pela @colunadoflamengo que seu Expedito nos deixou nesta sexta. Ele é um que ainda conseguia frequentar os estád, opa, as arenas brasileiras mais caras e modernas, não necessariamente mais ricas e vivas. A gratuidade tão cara a gente como ele e tão custosa aos profissionais e remunerados dos clubes. Barato que sai caro. Mas que é impagável como foi a geral do Maracanã. Como é o futebol que nasceu com a elite e parece querer voltar a ela. Ou só a ela nos está, opa, arenas.

Não sei de contas. Mas tem gente brincando de faz de conta com os fãs que contam dias e dinheiros para ainda apoiar o Flamengo como seu Expedito. Aquele que, como explica o próprio nome, é ligeiro. É ágil. É esperto. Na melhor acepção.

O futebol não pode deixar os Expeditos morrerem nas catracas dos expoentes das expertises e planilhas. A arquibancada ainda vive. Ainda que morra um pouco sem o Expedito rubro-negro. Mas, de fato, de todas as cores e credos que precisam levantar a bandeira do estádio para todos e para tudo.

Tite chama. Final das Eliminatórias.

Leia o post original por Mauro Beting

Goleiros: 
TROCARIA Cássio (Corinthians) x Vanderlei (Santos). 
Alisson (Roma)
Ederson (Manchester City)

Eu ainda confio muito em Diego Alves, apesar do início instável no Flamengo. Não tem como hoje (e desde 2015) não levar Vanderlei, apesar da ótima fase de Cássio. O santista há muito merece ao menos um chamado numa Seleção que até em Muralha já apostou. Alisson está cada vez melhor na Itália, e jogando como titular. Ederson cresce na meta do City e tem mais potencial que os demais. 

Zagueiros: 
Jemerson (Monaco)
Marquinhos (PSG)
Miranda (Inter de Milão)
Thiago Silva (PSG)

Jemerson já merecia mais oportunidades desde o Galo. Rodrigo Caio caiu muito de produção. Geromel está lesionado. Gil ainda corre por fora. 

Laterais: 
Daniel Alves (PSG)
Danilo (Manchester City)
Filipe Luis (Atlético de Madrid)
Marcelo (Real Madrid)

Fagner segue atuando bem. Danilo tem sido usado até como zagueiro por Guardiola, embora seja reserva do ótimo Walker como ala ou lateral pela direita. Vale o teste. 

Meio-campistas: 
Casemiro (Real Madrid)
Fernandinho (Manchester City)
Paulinho (Guangzhou Evergrande)
Renato Augusto (Beijing Guoan)
Philippe Coutinho (Liverpool)
Willian (Chelsea)
Diego (Flamengo)
Arthur (Grêmio)

Fred (Shaktar Donetsk)

Giuliano vinha sendo ótima opção. Versátil, pode fazer várias funções. Assim como Fred, que também tem experiência internacional. Mas nenhum parece ter tanta bola quanto Arthur. O tempo dirá. Jogador para atuar no Barcelona. Merece -e muito – o chamado. 

Atacantes: 
Diego Tardelli (Shandong) 
Gabriel Jesus (Manchester City)
Neymar (PSG)
Roberto Firmino (Liverpool)

Ainda eu apostaria outras vezes em Douglas Costa. Mas é válida a chance para Tardelli. Gosto muito do artilheiro e da versatilidade dele para atuar do lado, também. No mais é isso. Firmino ainda está à frente de Jô, que tem atuado muito bem.

Direção corintiana é cobrada para explicar em conselhos impostos não pagos

Leia o post original por Perrone

Colaborou Dassler Marques, do UOL em São Paulo

A diretoria do Corinthians deverá ser cobrada nos conselhos de Orientação (Cori) e Deliberativo (CD) para explicar por que não pagou em dia cerca de 13 milhões em tributos federais. A inadimplência fez com que a Receita Federal notificasse o clube. Para quitar o débito e evitar maiores problemas a direção vai usar receita referente às cotas de TV do Campeonato Paulista de 2018, o que gera mais polêmica interna.

O não pagamento foi identificado pelo sistema de controle da receita em relação aos times que refinanciaram suas dívidas fiscais pelo Profut. A lei exclui do parcelamento agremiações que deixarem de pagar três prestações. Isso também contribui para a pressão dos conselheiros sobre a diretoria.

Membros do Cori querem que a direção explique ao órgão os motivos para o atraso e detalhem a operação com a Federação Paulista envolvendo as receitas do Paulista de 2018. “Ainda não examinei o caso, mas claro que uma situação dessa magnitude precisa ser explicada ao Cori pela diretoria”, afirmou ao blog Osmar Basílio, presidente do Conselho de Orientação.

Em outra frente, integrantes da oposição estudam apresentar um requerimento para o Conselho Deliberativo também para que a direção detalhe o episódio.

Além do atraso no pagamento, existe a queixa do comprometimento de receita que seria recebida pela administração que vai suceder a de Roberto de Andrade no ano que vem sem consulta ao Cori e ao CD.

Porém, Emerson Piovezan, diretor financeiro alvinegro, alega que não houve antecipação de verba do próximo Estadual. Segundo ele informou à assessoria de imprensa corintiana, a FPF costuma liberar nessa época do ano quantia referente ao Estadual do ano seguinte. Por isso, ele entende que a operação não pode ser tratada como antecipação.

Para Conselho de Administração, SPFC expôs atletas em reunião com torcida

Leia o post original por Perrone

Com José Eduardo Martins, do UOL, em São Paulo

Para membros do Conselho de Administração do São Paulo a diretoria do clube expôs jogadores ao permitir na última quarta uma reunião deles com torcedores no Centro de Treinamento.

Integrantes do órgão acreditam que a atitude pode gerar descontentamento dos atletas com a direção. Os cartolas contrários à  ideia avaliam que, além de deixar o elenco exposto a cobranças de membros de torcidas organizadas, entre outros torcedores, a atitude pode fazer com que o grupo perca confiança na diretoria. A análise é de que a equipe pode se sentir traída pelos cartolas com a permissão para ser questionada pela torcida dentro de seu ambiente de trabalho.

Outro ponto levantado é que a direção teria dado um sinal de fraqueza e que, se o time reagir a partir de agora, as uniformizadas podem usar o fato para dizer que só com a intervenção delas o clube escapou do rebaixamento para a Série B do Brasileiro. O encontro foi idealizado pelos torcedores uniformizados.

Três dos nove integrantes do Conselho de Administração confirmaram que em reunião do órgão na última terça a preocupação com a reação dos atletas foi manifestada para o presidente do clube, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco. O cartola, no entanto, defendeu o diálogo com os torcedores.

“A administração do São Paulo Futebol Clube compete ao Conselho de Administração, um poder de deliberação colegiada, e à diretoria eleita, auxiliada pela diretoria executiva”, diz o site do clube.

Esse Arthur. O tempo dirá.

Leia o post original por Mauro Beting

Sumiu por razões que só a internet explica o texto em que eu falava da melhor revelação do BR-17. O Arthur do Grêmio. Desse Grêmio que, desde o BR-81, conquista o Brasil, Copas, América e até o mundo driblando previsões e imprecisões. “Esse Arthur” que foi trending topic do Twitter aqui no Rio. Assim mesmo. “Esse” tal de Arthur que, se fosse do Flamengo ou do Corinthians, a mídia já teria esquartejado o Tite por ainda não o ter convocado. E já ter bola de gente grande para cogitar essa hipótese que, se sou o Barcelona, já pensaria com muito cuidado. Até para eu não escrever o que manchetei acima. Falo sério. Arthur tem como jogar em 2018. Na Rússia pelo Brasil. E com estilo que casa com a class catalã. Mas o tempo dirá que ele vai longe. Como esse Botafogo segue indo longe demais. Jair aventurou-se mais ao ataque do que foi contra o Flamengo. Tira leite e bola de pedra. Como Arthur tirou a espada na mitologia. Você sabe a história. E essa história do ótimo Grêmio de Renato passa muito por esse Arthur que acerta os passes. Acerca o time. Arruma a meiuca. E garante um Grêmio forte até sem Luan e Geromel.

Foi bom, mas tinha como ser melhor. Barcelona 1 x 1 Santos.

Leia o post original por Mauro Beting

O primeiro tempo foi mais do Barcelona que do Santos. Ou mais do mandante que do visitante. É assim Libertadores. Torneio de mata-mata. E com todos os cuidados com o tal gol “qualificado” que desqualificou esse tipo de confronto. O visitante joga por uma bola e o mandante não se joga tanto por medo do gol do visitante que pesa muito. Na segunda etapa, Bruno Henrique fez mais uma vez toda diferença. Com dois minutos abriu a contagem e enorme vantagem santista. Com ele, os principais contragolpes santistas poderiam trazer a vaga praticamente assegurada. Mas Levir, de novo, de velho, deixou o Santos muito atrás. Recuou e abdicou do contragolpe. Plantou-se excessivamente atrás. Ou deixou o rival pressionar e se sentir ainda mais em casa. Numa dessas chegou ao empate. E o Barcelona só não virou por mais obras e graças de Vanderlei. Outra vez essencial para manter o ponto, o empate com o gol, é essa sequência de placares melhores que a encomenda para o Santos. Resultado que é sempre bom em Libertadores. É ótimo para o único invicto. E dá ainda mais favoritismo para o Santos na volta. Jogue como jogar.

Não é obrigação. Corinthians 1 x 1 Racing

Leia o post original por Mauro Beting

O decepcionante empate em Itaquera contra a Academia da Argentina doeu pela vantagem concedida ao time de Avellaneda. Pela falha rara de Cássio nos últimos ótimos tempos corintianos. Pelo segundo tempo fraco do time de Carille. Por tudo aquilo que faça certo e, agora, não.

Pelo ataque que já não é tão eficiente. Pelo sistema defensivo que já não é aquele. Pela vantagem no Brasileiro que não é tão exuberante.

Mas é ainda importante. Ainda vale muito. E exige paciência e reflexão. Dentro e fora de campo.