Arquivo da categoria: torcida organizada

Podcast: Torcida única no RJ

Leia o post original por Rica Perrone

Justiça mostra sua incompetência e pune o alvo mais frágil O problema é o futebol? Assine o Podcast pelo feed:  http://feeds.soundcloud.com/users/soundcloud:users:46195801/sounds.rss Ou pelo Itunes: https://itunes.apple.com/br/podcast/podcast-do-rica-perrone/id1167622638?mt=2

“Torcedores do …”

Leia o post original por Rica Perrone

Quantas vezes você virou marginal na boca covarde da mídia? “Torcida do….” causa problemas. “Torcida do… ” briga no estádio”. Qualé a dificuldade que se tem em olhar pra imagem e dizer: “Torcida Independente”? Medo? Ok. Eu sei, também tenho. Afinal, se a polícia do meu país sabe quem são e não faz nada, imagine …

A notícia certa

Leia o post original por RicaPerrone

Corrigindo uma informação que tem sido divulgada neste domingo, quero sugerir aos colegas jornalistas uma nova abordagem.

Briga de gangues quebra um parachoques na Anchieta

Durante a tarde deste domingo dezenas de pessoas foram até a estrada que liga Santos a São Paulo, disfarçados de palmeirenses e santistas, para fazer uma guerra armada.

Levaram paus e pedras para tentar matar as pessoas da gangue rival. No meio disso, vítimas passavam com seus carros.

A vítima maior, ainda não identificada, passava pelo local e teve seu parachoques atingido por um marginal, que aliás, não resistiu e morreu.

Não se sabe se ele tem seguro e se precisará do carro para trabalhar amanhã. Fato é que pobre cidadão viajava tranquilamente quando teve seu carro atingido por um marginal descontrolado.

Outras vítimas ficaram presas no trânsito por horas atrasando almoços com suas dignas famílias.  Outros até cancelaram a viagem em virtude da guerra.

As gangues não foram identificadas, mas especula-se que estarão com plumas e carros alegóricos fugindo das autoridades no sambódromo do Anhembi em fevereiro de 2015.

A polícia alega dificuldade em encontra-los.

 

É preciso punição forte para as gangues das arquibancadas

Leia o post original por Pedro Ernesto

Rodrigo Cardoso/ Divulgação

Rodrigo Cardoso/ Divulgação

Não surpreende o confronto entre integrantes da chamada Nação Colorada com os da Guarda Popular. Quero convidar meus queridos leitores para que não caiam no erro comum de chamar esse amontoado de pessoas de torcidas organizadas. Torcedor nada tem a ver com processo de marginalidade que se cria nos estádios de futebol.

São gangues que se metem no meio de pessoas comuns nas arquibancadas para delinquir. Se odeiam, na maior parte dos casos, por interesses financeiros. Normalmente são patrocinados pelos clubes, com altas doses de irresponsabilidade.

Se os dirigentes não adotam essa posição, são alvos de graves ameaças e vítimas de típico comportamento de gangues delinquentes que infestam as sociedades. Penso que os responsáveis pela segurança devem dar um basta. Chega de discursos e atitudes fantasiosas. É preciso ação, forte e determinada.

Prejuízos

Fico imaginando o enorme prejuízo que teve o dono do posto de gasolina da Avenida Borges de Medeiros, onde ocorreu a batalha entre estes marginais. Funcionários do local foram agredidos e tiveram ferimentos leves.

Objetos foram roubados da loja de conveniências. Um absurdo completo. Mas insisto: não devemos chamar de torcedores de futebol esses vândalos.

Giuliano

Contra o Figueirense, o novo meia gremista fez seu primeiro gol. Imagino que seja o primeiro de uma série. Giuliano é um ponta de lança, de capacidade de conclusão excelente. Se apresenta no ataque e chuta muito bem.

Em um time no qual os atacantes não marcam gols, essa virtude fica ainda mais enriquecida e fundamental. Giuliano começa a reforçar a ideia de que o Grêmio fez uma grande contratação.

Aránguiz

O chileno será desfalque para sábado à noite, contra o Bahia. Mas o técnico Abel Braga conta com o retorno de Alex. Restabelece a qualidade. Duro foi ficar sem os dois e mais o Welington, como aconteceu contra o Corinthians.

Além disso, o Bahia terá que jogar na Fonte Nova com portões fechados por punição imposta pelo STJD. É jogo para fazer três pontos.

Demais

Viver o Beira-Rio quase lotado no domingo foi magnífico. Teve a ver com o jogo, um clássico brasileiro, a homenagem a Fernandão, que comoveu a todos, e o retorno ao Beira Rio depois dos cinco inesquecíveis jogos da Copa do Mundo. O Beira- Rio foi devolvido aos colorados. Foi lindo de ver.

De menos

Enquanto o Beira-Rio recebe 32 mil torcedores, o Botafogo joga para 3,5 mil pagantes. O futebol carioca vive momento terrível.

O Flamengo é lanterna, e sua torcida surra os jogadores. O Vasco patina na Segunda Divisão. Sobra o Fluminense como último sopro de qualidade.

Os sete que a torcida organizada mandou o Corinthians demitir após a eliminação na Copa do Brasil

Leia o post original por Quartarollo

Corinthians eliminado da Copa do Brasil nos pênaltis pelo Grêmio, em Porto Alegre. No dia seguinte a diretoria do Corinthians recebe a lista da torcida organizada pedindo a demissão de sete atletas. O primeiro da lista Alexandre Pato, que perdeu … Continuar lendo

Você pode sentar do lado do Goiaba ou da Maria do Pó

Leia o post original por Wanderley Nogueira

Briga de torcidasNão é um sucesso o trabalho do departamento responsável pela captura de bandidos foragidos.

O setor tem pouca estrutura e grande dificuldade para prender os fugitivos.

A Secretaria da Segurança Pública do Estado de São Paulo tem seus portais os nomes e fotos dos “mais procurados”.

Crimes de todas as espécies.

Óbvio, todos eles, perigosos.

É um grupo que certamente você quer distancia.

Mas, pense bem…um deles poderá estar sentado ao seu lado, no próximo jogo de futebol.

Edilson Donizete Neves, conhecido como Goiaba, é acusado de triplo homicídio.

Ele é considerado um criminoso de alta perículosidade e é procurado pela polícia japonesa. Matou a mulher e mais dois adolescentes.

Sandoval Amadeu Lopes, 24 anos, está entre os mais procurados pela polícia de São Paulo.

Cometeu um homicídio em Santo André.

Julio Cesar Ribeiro da Silva é procurado por ter cometido alguns assassinatos e formação de quadrilha.

Matou, também, dois policiais civis.

Sonia Aparecida Rossi fugiu da Penitenciária Feminina, envolvida com tráfico de drogas, conhecida como Maria do Pó.

As autoridades policiais e os responsáveis pela organização das partidas, não sabem quem entra nos estádios.

A venda de ingressos permite que alguém que deveria estar na prisão esteja comemorando um gol ao seu lado.

A checagem nas portarias não existe.

Nas próximas horas , a PM diz que torcedores organizados só poderão entrar por um portão e mesmo assim com ” as carteirinhas de torcedores organizados” .

Vestiu camisa de organizada, diz a PM , terá de ter “carteirinha” de cadastramento, caso contrário não entrará no estádio.

Como eu não acredito que o Goiaba ou a Maria do Pó, sejam integrantes de uma “organizada” , defendo que todas as pessoas que forem à uma praça esportiva , sejam identificadas de alguma maneira.

Compra de ingressos com antecedência e com cartão de crédito é uma sugestão.

Lugares numerados e respeitados.

Câmeras registrando o rosto de todos que passarem pelas catracas, poderiam flagrar alguns fugitivos…

Ladrões, assassinos, sequestradores, pedófilos, talvez, gostem de futebol.

Controle eficiente nas portarias dos estádios poderia tirar de de circulação muita gente que você não gostaria de ter na “poltrona ao lado”…

Torcidas organizadas, 12 mil gols e a preguiçosa ignorância da mídia

Leia o post original por Odir Cunha

Dorval merece um belo presente de aniversário. Conto com você!

Dorval, Mengálvio, Coutinho, Pelé e Pepe, quase uma rima poética
Dorval, o primeiro homem do ataque dos sonhos.

Dia 26 de fevereiro o grande Dorval fará 79 anos. Quem se sente grato a ele pelas alegrias que proporcionou e ainda nos proporciona a cada vez que revemos as façanhas daquele Santos, que deposite o que puder na sua conta bancária:

Dorval Rodrigues
Banco: Bradesco
Agência: 0093-0
Conta: 0091840-7
CPF: 130371068-40

Estou combinando com o amigo Wesley Miranda de criarmos o Dia do Dorval em 26 de fevereiro e comemorarmos seu aniversário em São Paulo, com convite livre a todos que quiserem prestigiar a festa. Vamos ver se tudo corre bem e ele se recupera de um problema de saúde que o tem atormentado. Seria um encontro inesquecível.

Torcidas organizadas, 12 mil gols e a preguiçosa ignorância da mídia

Não aconteceu com o Santos, mas poderia acontecer. O medo de ser agredido por integrantes dessas gangues assusta a todos no futebol. Milhares, milhões de pessoas não vão aos estádios no Brasil com receio de terem a mesma sorte do garotinho boliviano. Como acabar com isso?

Ora, é só aplicar as leis. Talvez seja preciso erguer mais presídios só para esses que usam o futebol como pretexto para a violência. Que assim seja. Um presídio para esses torcedores brigarem até a morte, se quiserem. Mas será que lá brigariam? Que eu saiba ninguém brigou em Oruro. Ao contrário. Foram de uma cordialidade comovente.

Até a presidência da República intercedeu pela soltura dos coitadinhos. E agora, pelo que li, o governo e a organização da Copa querem as torcidas organizadas como aliadas. Que maravilha! Os black blocs brigando com as organizadas em torno dos estádios do Mundial. Não sobrará pedra sobre pedra!

Sabe quando tudo começou? Quando Lula, para chegar ao poder, se aliou a todos que ele chamava de corruptos. Quércia, Sarney, ACM, todo mundo virou amigo na hora da eleição. E depois veio a política das vistas grossas, como se houvesse um pisca-alerta nos céus de Brasília dando sinal verde para a corrupção: “Roube e deixe roubar”.

A tolerância com a sacanagem se espalhou pelo Brasil. As pessoas do bem ficaram acuadas. Hoje é perigoso falar certas coisas. Todo mundo sabe o que está errado, mas as pessoas disfarçam, fingem que sempre foi assim. Mas não foi! A criminalidade avança a olhos vistos. Quem está por trás disso? Quem está por trás da invasão do CT do alvinegro paulistano?

É preciso falar mais alguma coisa da relação promíscua entre as direções dos clubes de futebol e as torcidas organizadas? Tudo já foi dito. Basta colocar as leis em prática. É claro que é difícil aplicar punições no país da impunidade, mas deve haver quem consiga isso. Advogados, policiais e juízes não faltam. Falta vontade, coragem, determinação.

Se as torcidas existirem só para torcer, sujeitas às mesmas leis que nós, pobres trabalhadores brasileiros, tudo bem. Mas terem privilégios para promover arruaças e massacres, mil vezes não! E a lei tem de ser igual para todas, quaisquer que sejam seus times. Falei.

Recebi esta carta de apoio ao co-irmão da capital:
Nota de Apoio (1)

12 mil gols, sim. É só saber contar

Nem sei quantas vezes esse garotinho repetiu “Gol do Santos!”. Quem não se lembra dele? Depois que escrevi o livro “Pedrinho escolheu um time” vi esse Pedrinho quando ele visitou a Vila e lhe dei um exemplar. Um santista convicto assim tem de ser tratado como um príncipe.

Agradeço ao Sportv e ao comentarista André Lofredo por me darem mais uma oportunidade de ensinar alguma coisa à equipe do meu colega Paulo César Vasconcelos. Lofredo duvidou, um dia desses, que o Santos tenha chegado a 12 mil gols e creditou a façanha à alquimia dos historiadores do clube.

Como humilde integrante dessa equipe composta por Guilherme Guarche, Guilherme Nascimento, Wesley Miranda, Marcelo Fernandes, Leo Devezas e muitos outros aos quais peço desculpas por não lembrar os nomes agora, devo dizer a Lofredo e a qualquer outro jornalista ou não que duvide dessa informação, que antes de demonstrar publicamente sua ignorância, leia o Almanaque do Santos, trabalho de longos anos do professor Guilherme Nascimento, que traz a ficha técnica de todos os jogos do Santos até o seu Centenário.

Já escrevi algumas vezes sobre isso e revelei informações que a qualquer jornalista interessado seriam importantes. Pelos recordes, pelas marcas expressivas alcançadas durante sua história, é evidente que a sinergia entre o Santos e o gol é algo atávico, ancestral, que sempre acompanhou o time.

Veja você, amigo leitor, amiga leitora, veja também você, jornalista camuflado que vem aqui beber da fonte, que o Santos já mostrava essa vocação para o gol desde os tempos do amadorismo, desde quando era apenas um coadjuvante na competição mais importante que disputava, ou seja, o Campeonato Paulista.

Note que em 1924, quando tinha um ataque formado por garotos vindos da várzea de Santos, reforçado por Araken Patusca, filho de Sizino, primeiro presidente do Santos, o Alvinegro Praiano marcou 45 gols no Campeonato Paulista, apenas um a menos do que o campeão do ano, o Corinthians. Seu ataque era então formado por Omar, Camarão, Siriri, Araken e Hugo.

Saiba que o Alvinegro da Capital ainda seria tricampeão paulista em 1928/29/30, enquanto o Santos só conquistaria o seu primeiro título em 1935. Pois bem, meu caro e minha cara, note que de 1924, quando iniciou verdadeiramente sua vocação ofensiva, até 1935, o Santos foi campeão estadual apenas uma vez, enquanto seu rival da metrópole ergueu o caneco quatro vezes.

Pois bem. Agora cheguei onde eu queria. Preste atenção: em 12 anos, de 1924 a 1935, um time ganhou quatro títulos e foi badalado pela mídia, enquanto o outro foi apenas uma vez campeão e poucos notaram os seus feitos. Mas eu, como pesquisador do Santos, tenho obrigação de mergulhar na história e descobrir que mesmo conquistando apenas um título estadual nesse período, o Santos marcou 541 gols nos Campeonatos Paulistas de 1924 a 1935, enquanto o Corinthians marcou 486, o que dá uma diferença de nada menos de 55 gols a favor do Alvinegro das Praias.

Perceba, então, agora, definitivamente, que a vocação para o gol é algo que o Santos já ostentava mesmo nos seus períodos mais obscuros. Se mesmo sem ser campeão, ele já marcava mais gols do que os times que se revezavam na hegemonia do futebol de São Paulo, imagine o que aconteceu depois que ele, Santos, passou a dominar esse futebol, entre meados dos anos 50 e início dos 70.

Tenho algumas anotações sobre esse dom artilheiro do Santos. Leia:

Se o gol é o momento de maior alegria no futebol, o santista é o torcedor mais feliz. Seu time já chegou a 12.001 gols marcados e não se conhece nenhuma outra equipe no planeta que tenha chegado aos 11 mil.

14 anos seguidos

De 1957 a 1970, por 14 anos seguidos, o Santos teve o ataque mais positivo do Campeonato Paulista. Nesse período marcou 1.208 gols, média de 86,2 por edição.

Primeiro a marcar 100 gols

O primeiro time a alcançar a marca de 100 gols em uma competição na América do Sul foi o Santos, que no Campeonato Paulista de 1927 chegou, exatamente, aos três dígitos. O ataque responsável por essa façanha era formado por Omar, Camarão, Siriri, Araken e Hugo (ou Evangelista).

Maiores artilharias no Paulista

O Alvinegro Praiano detém as três maiores artilharias na história do Campeonato Paulista: 155 gols em 1959 (pesquisa de Leo Devezas, corrigindo a Federação Paulista de Futebol, que marcava 151 gols); 143 em 1958 e 113 em 1961. O Santos chegou ainda aos 100 gols em outras três oportunidades: 1927 (100), 1960 (100) e 1962 (102).

Artilheiros

O Santos teve o artilheiro do Campeonato Paulista em 24 edições. Só Pelé foi 11 vezes, nove delas consecutivas (de 1957 a 1965). O recorde de gols também é de Pelé, com 58 gols em 1958. Antes dele, o recordista era outro atacante do Santos: Feitiço, que em 1931 marcou 39 gols.

Recorde de gols em uma partida

Em São Paulo, o recorde de gols de um jogador em uma única partida pertence a Pelé, que marcou oito vezes na goleada de 11 a 0 sobre o Botafogo de Ribeirão Preto, em 21 de novembro de 1964, na Vila Belmiro. A marca anterior era de outro jogador do Santos: Araken Patusca, que em 3 de maio de 1927, na mesma Vila Belmiro, marcou sete vezes na goleada sobre o Ypiranga por 12 a 1.

Competições Nacionais

O Santos detém a artilharia ou a melhor média de gols em todas as competições nacionais realizadas no Brasil, mesmo quando o título brasileiro era dado ao vencedor do Torneio Roberto Gomes Pedrosa e da Taça Brasil.

É o que marcou mais vezes em uma edição do chamado Campeonato Brasileiro (103 gols, em 2004); do Torneio Roberto Gomes Pedrosa/Taça de Prata (44 gols, em 1968), da Copa do Brasil (39 gols, em 2010) e tem as três melhores médias da Taça Brasil (3,75 gols por jogo em 1963; 3,60 em 1961 e 3,33 em 1964).

Libertadores da América

A melhor média de gols de um time na Copa Libertadores da América também é do Santos (3,22, em 1962). O time já teve o artilheiro da competição por quatro vezes: 1962 (Coutinho, seis gols); 1965 (Pelé, sete); 2003 (Ricardo Oliveira, oito) e 2012 (Neymar, oito).

Mundial Interclubes

Com média de quatro gols, o Santos é o recordista de uma decisão do Mundial Interclubes. Em 1962 venceu o Benfica por 3 a 2 e 5 a 2. Pelé marcou cinco vezes nesses dois jogos.

Signo do ataque

Fundado em 14 de abril de 1912, o Santos é de Áries, o signo da guerra, do destemor. Coincidentemente, ou não, 80% de seus grandes jogadores são atacantes, a maioria revelados no próprio clube. Dois de seus fundadores – Adolpho Millon Jr. e Arnaldo Silveira –, pontas direta e esquerda, respectivamente, dois anos depois, em 1914, já eram titulares da Seleção Brasileira que ganhou a Copa Roca, primeiro título do futebol brasileiro.

Bem, acho que isso ajudará a entender porque o Santos é o time recordista de gols no planeta. Que alguém do Sportv imprima e entregue para o André Lodredo, por favor.

E você, o que acha de torcidas organizadas e da vocação do Santos para o gol?

Torcida do Palmeiras agride os jogadores em aeroporto na Argentina!!! Quando vão desorganizar as organizadas? E agora, Sra. Conmebol, vai ter punição exemplar à la Corinthians?

Leia o post original por miltonneves

As horrorosas torcidas organizadas atacaram novamente.

Integrantes da Mancha Alviverde agrediram os jogadores no aeroporto Aeroparque Jorge Newbery, após a fraca exibição do Palmeiras que acabou derrotado diante do Tigre, pela Copa Libertadores.

Segundo jornalistas brasileiros que viajaram para cobrir a partida, o cenário presenciado era de guerra e muita violência.

Mais uma atitude imbecil da minoria burra que parece comandar todos os clubes do país.

E que vergonha, torcedor palmeirense.

Por acaso algum dos “animais” que agrediram os jogadores acha que vencer a Libertadores é obrigação?

O time é fraco, e isso não é de hoje.

Venceu a Copa do Brasil lotericamente, com incompetência de Grêmio e Coxa.

E agora vive um pesadelo na América, vislumbrando o vexame iminente da eliminação precoce em um grupo de nível inferior.

Mas nada justifica a violência destes “organizados”.

Aliás, quando vamos desorganizar as torcidas organizadas?

É tão difícil assim fechar o cerco com os pseudo-torcedores.

Os marginais que matam e morrem pelo esporte que só faz bem à vida.

E que fique claro que não foi um “fato isolado”, principal desculpa dos delinquentes.

A torcida palmeirense tem o histórico de muita confusão, vide João Vitor, Marcos Assunção, Vagner Love e Luxemburgo…

Ah, e Sra. Conmebol, o que fazer agora?

Depois de punir exemplarmente o Timão, terá que manter o pulso firme no resto da América.

Opine!!!

Precisou aparecer uma Bolívia para enquadrar os torcedores brasileiros. E quando as organizadas serão desorganizadas?

Leia o post original por Milton Neves

Realmente, a Bolívia está de parabéns.

Com o triste episódio ocorrido em Oruro, os nossos simpáticos vizinhos estão nos ensinando a fazer justiça.

Quem diria, mas precisou aparecer uma Bolívia para enquadrar os torcedores do Brasil, país que ainda se diz ser o do futebol, mas que poucas vezes pôde se orgulhar dos “clássicos” disputados nos tribunais.

Mas para ganhar nota mil de todo o mundo, que tal os queridos bolivianos terem esta mesma veemência no combate ao tráfico de drogas?

E o que estamos esperando para agirmos com pulso firme para que se desorganizem as sempre tão problemáticas torcidas organizadas?

Sim, pois sabemos que tristes acontecimentos, como a morte do menino Kevin, não são de exclusividade da Gaviões da Fiel.

Afinal, o verdadeiro torcedor brasileiro é o torcedor-desorganizado. É o torcedor-comum. É o torcedor-família. É o torcedor-torcedor.

E é este tipo de torcedor que cada vez mais tem fugido dos nossos estádios, temendo as ações dos tais “organizados”.

E nesta manhã, a Conmebol decidiu manter a punição ao Corinthians, que jogará contra o Millonarios, quarta-feira, sem o seu maior patrimônio: o torcedor-desorganizado.

No player abaixo, ouça o comentário da manhã desta terça-feira de Milton Neves na Rádio Band News.

 

Atualizado às 15h00 –

O Corinthians levou a decisão da Conmebol à risca e, até segunda ordem, a partida desta quarta-feira contra o Millonarios, da Colômbia, sequer terá transmissão na TV. Nesta terça, o clube consultou a entidade sul-americana e aguarda uma resposta para, só então, autorizar a entrada da imprensa no Pacaembu.

 

 

 Você concorda com Milton Neves, Eduardo Barão e Ricardo Eugêncio Boechat, tem que desorganizar as torcidas organizadas?  E na sua opinião, o que a torcida organizada agregou ao futebol?

 

A cartolagem adora confusão!

Leia o post original por Wanderley Nogueira

O SINDAFEBOL é quase desconhecido. Agora, passa a ser mais acompanhado. E não deve essa exposição a ações engrandecedoras. Com quase quatro anos de existência, a entidade que reúne a nata da cartolagem é acusada de ter recebido uma grande verba para executar um serviço que, diz, não tem competência para executar.

Pouco mais de R$ 6 milhões para executar o trabalho de cadastramento de torcidas organizadas. Tem lógica, no fundo, tem lógica! Organizadas e cartolas têm grande afinidade. São parceiros. Quando alguns dirigentes precisam de alguns “serviços”, digamos, braçais, contam com o “apoio” das facções.

A união entre Ministério do Esporte, torcidas organizadas e o Sindafebol não dá um caldo saboroso. Não é preciso ser um especialista em fusões para desconfiar que a chance de indigestão é enorme.