Arquivo da categoria: Udinese

Zico de novo contra Platini

Leia o post original por Quartarollo

Entre 1983 e 1985, Zico brigou diretamente com Michel Platini nos campos da Itália.

Ele na pequena Udinese que se tornou maior com a sua presença e o francês defendendo a gigante Juventus, de Turim.

Já no primeiro ano, Zico marcou 19 gols, um a menos que Platini que jogou, no entanto, seis partidas a mais que o brasileiro.

Zico levantou o orgulho do povo de Udine mesmo no início tendo que enfrentar o olhar enviesado de muita gente porque um time pequeno da Itália pagou 4 milhões de dólares pelo seu passe.

Zico era destaque mundial e tinha feito uma bela Copa de 82, na Espanha, isso já servia de justificativa.

Foi eleito o melhor jogador do mundo em 1983 pela revista World Soccer.

Até o presidente italiano Sérgio Pertini teve que se envolver no assunto para liberar a contratação.

Foi também o jogador mais caro do futebol italiano contratado até então.

Zico superou essa pressão com gols e tornando a Udinese um time que impunha respeito aos adversários.

Depois dele, a Udinese nunca mais foi a mesma. Voltou ao seu lugar de time médio para baixo.

Platini jogou de 1982 a 1987 na Juventus e fez 68 gols. Zico em dois anos fez 57 na Udinese, sendo 19 de falta.

Agora os dois vão se encontrar em outro palco. Faltam detalhes ainda, mas pode ocorrer.

Platini, presidente da Uefa, quer ser presidente da Fifa e Zico também se candidatou.

Platini é favorito. Tem mais dinheiro, a exemplo da época de Juventus quando tinha uma equipe melhor por trás dele, e já está na estrada há mais tempo.

Virou um cartolão sem vergonha nenhuma.

Zico precisa ser indicado pela CBF e já enviou documentação para o presidente Marco Polo del Nero, que pode inclusive esvaziar a intenção do galinho.

De qualquer forma, eles se preparam para mais um embate.

A história da década de 80 mostra dois grandes em combate. Cada um no seu time, cada um no seu campo.

Zico foi dos poucos que ameaçaram na época o reinado de Platini, na Itália.

Os números provam tudo isso.

Entre Platini e Zico sou mais Zico. Como jogador acho que são muito parecidos e foram gênios, mas como pessoa conheço mais Zico que é do bem pra caramba.

Seria uma oxigenação para a Fifa hoje tão suja de denúncias e falcatruas.

 

Ex-palmeirense Danilo é condenado em 2ª instância por injúria racial

Leia o post original por Perrone

DO zagueiro Danilo, da Udinese e ex-jogador do Palmeiras, foi condenado em segunda instância por injúria racial. À Justiça, ele admitiu ter chamado o beque Manoel de “macaco do caralho” numa partida contra o Atlético-PR em 2010, pela Copa do Brasil.

Em 2013, Danilo havia sido condenado em primeira instância a um ano de reclusão em regime inicial aberto e multa, mas a pena foi substituída pelo pagamento de 500 salários mínimos (R$ 394 mil) a uma entidade assistencial. Ele recorreu pedindo absolvição, que foi negada. Porém, o jogador conseguiu a redução da pena pecuniária para 100 salários mínimos (R$ 78.800), que agora devem ser pagos a Manoel. Cabe recurso no Superior Tribunal de Justiça.

Ao se defender no processo, Danilo disse que estava arrependido e que a injúria foi cometida num campo de futebol, após ter levado uma cabeçada de Manoel.

Em decisão tomada no último dia 30, a 8ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo entendeu o seguinte: “O fato da injúria ter ocorrido em campo de futebol não afasta o crime, posto que a legislação se aplica aos campos de futebol, não se podendo equipará-lo a local onde as leis do país não se aplicam”.

Neymar x Zico, a preguiça contra o Sorocaba, Montillo, Palmieri…

Leia o post original por Odir Cunha

sorocaba x santos - bola paradasorocaba x santos 1
A torcida Coração Santista, de Piracicaba, espera a vagarosa cobrança de uma falta para a área do Atlético Sorocaba (Foto enviada pelo leitor Antonio da Silva)

Zico mudou de ideia e agora acha que Neymar deve ir para a Europa. Pois eu acho que Zico tem mentalidade de colonizado, e por isso abandonou o Flamengo, onde era rei, para amargar alguns anos na medíocre Udinese, em troca de um dinheiro que hoje seria uma mixaria. E o que ele aprendeu na Europa? A perder pênaltis decisivos? Desculpe…

Ora, costumo tratar os ídolos com o devido respeito, mas quem quer ser respeitado, precisa respeitar antes. Essa mania de todo mundo dar palpite na vida de Neymar já encheu os pacotes. E o pior é que a gente percebe de cara que o conselho para que o Menino de Ouro vá para a Europa esconde a vontade de vê-lo estrebuchar por lá, como já aconteceu e ainda acontecerá com muitos talentos brasileiros.

O que a Europa pode ensinar? A levar porrada por trás e sair de campo de maca enquanto o adversário nem recebe cartão amarelo? Pergunte ao Lucas se a vida no PSG tem sido a maravilha que ele, ingenuamente, sonhou.

Para não ficar nas suposições, pensemos nas hipóteses mais lógicas caso Neymar decida ir para o Barcelona. Lá ele será mais ídolo do que Messi? Óbvio que não. Só mesmo quando Messi parar, daqui a uns seis ou sete anos… Enquanto isso, Neymar será um coadjuvante, talvez menos importante do que Messi e também de Xavi. Messi lhe passará a bola? Ele passará para Messi? O técnico o manterá em campo depois de ele tentar driblar duas ou três vezes e estragar o contra-ataque? Claro que não! Sem contar que a arbitragem deixa o jogo rolar, não é qualquer choque que é falta por lá. E se começar a encenar, será vaiado a cada jogo…

Sem ser alarmista, caso decida mesmo ir, vejo Neymar no banco do Barcelona, para entrar no time quando Messi estiver cansado, ou então jogando pela esquerda, deixando o argentino armar pelo meio. Messi tem estabilidade na firma. Neymar será um novato.

Por que o Barcelona investiria tanto para deixar Neymar no banco? Ora, esta não é apenas uma questão do Barça, mas do futebol europeu. Manter no banco, ou em situação de subalterno, um jogador que é tido como o melhor além da Europa, mostrará ao mundo o quanto o futebol europeu é superior e acabará de vez com a crescente concorrência do futebol brasileiro.

Não quis ser duro nesse texto. Neymar sabe que gosto dele e o respeito, mas é assim que eu vejo, de uma maneira tão clara que pareço estar diante de uma tela 3D. Tenho medo da Europa? Não. A palavra é indiferença. Enquanto o sonho de um jovem craque brasileiro for vencer lá longe de seu país, o Brasil jamais voltará a ter o melhor futebol da Terra.

Que falta de apetite!

Tudo bem, os três pontos vieram. Mas era preciso passar sufoco contra o Atlético Sorocaba? Aliás, o que é esse Sorocaba? Com todo o respeito, é um bando de catados que se reúne para o Campeonato Paulista.

Se a diferença abissal de salários e de infraestrutura não é capaz de fazer os santistas jogarem com vontade e mostrarem, nos gols, a distância que os separa de adversário tão modesto, então o que justifica investir tanto em jogadores que no frigir dos ovos não passam de um Atlético de Sorocaba melhorado?

O caso é que o Santos não esqueceu o seu DNA apenas na formação tática de Linha Maginot preconizada pelo comandante Muricy Ramalho, que após achar um golzinho põe todo mundo atrás da linha da bola para impedir a progressão do oponente. O Santos também está perdendo o tesão de marcar gols, de encher o balaio do adversário – uma das maiores alegrias do torcedor santista.

Então, após linda jogada de Arouca – um dos que sempre quer jogo – Montillo marcou de cabeça e espantou a uruca. Bem que no meio da semana o gringo disse que queria treinar mais. Há jogadores que realmente só se sentem seguros com treinos constantes. Está na hora de os times de futebol tratarem cada atleta com a carga de exercício técnico e físico que ele necessita.

Mas, com o gol, o Santos ficou naquela de “se eles não fizerem nada, a gente também não faz e ganha o dinheiro no mole”. Surpreendentemente Cícero deu lindo drible e serviu para André marcar o segundo. Aí a coisa piorou. O Santos parou de jogar e, o que é pior, de marcar.

O Sorocaba entrava como queria pela defesa. Como volante, Cícero foi nulo. Levou dribles infantis e não mostrou recuperação. E de tanto tentar, o Sorocaba achou mais do que uma avenida, achou uma planície imensa e desértica no meio da defesa do Santos, e fez o seu gol. Não culpemos Renê Junior por não ter cortado a bola, por favor. Um volante não pode ser o último homem. Cadê a dupla de zaga? Onde estavam Edu Dracena e Durval, que não têm saído na foto nesses gols que o Santos voltou a tomar pelo meio de sua defesa?

Depois o time acordou e, principalmente após as entradas de Patito e Felipe Anderson, segurou a bola no ataque e garantiu o sofrido 2 a 1. Foi bom, mas, além da preguiça, o time mostrou uma preparação física capenga. Onde já se viu um garoto como Émerson Palmieri sair de campo com cãibras? Cãibras não são contusão, mas falta de condicionamento físico!

Porém, como os zilhões de santistas do Universo já diziam, Émerson foi bem melhor do que Guiherme Santos, que Muricy manteve por oito tenebrosos jogos como titular da lateral-esquerda. Mais uma prova de que no futebol a voz do povo é mesmo a voz de Deus. Que venham mais garotos! Ao menos eles têm mais fome de gols!

Bem, dei a minha. Agora quero conhecer a sua opinião!

Neymar teve um dia que só os grandes tiveram

Leia o post original por Quartarollo

neymar

neymarAinda repercutem os aplausos da torcida do Cruzeiro para o menino Neymar, sábado, na vitória do Santos, 4 x 0, em Belo Horizonte, com três gols do atacante e um futebol desequilibrante para o adversário. A torcida insatisfeita com o … Continuar lendo


Maicosuel e o preço de uma cavadinha errada

Leia o post original por Antero Greco

Não sei se você acompanhou, mas na semana passada Maicosuel, aquele que defendeu o Botafogo até recentemente, se envolveu em episódio bizarro na Udinese, sua nova equipe. O time italiano havia empatado com o Braga por 1 a 1, pela fase preliminar da Copa dos Campeões da Europa, e a vaga seria definida nos pênaltis. O jogo foi no estádio Friuli.

Foram nove cobranças certas, até que chegou a vez de Maicosuel fechar a primeira série. Ele esperou o apito, caminho gaiatamente para a bola, olhou o gol e… deu uma cavadinha. O chute saiu fraquinho, raquítico e previsível. Foi morrer nas mãos do goleiro Beto, que nem se mexeu para fazer a defesa mais fácil da carreira dele. Vitória por 5 a 4 para os portugueses.

A conta para a Udinese veio na hora: prejuízo de quase 8 milhões de euros, prêmio garantido para todas as equipes que se classificam para a chave principal da competição. Como consolação, restou-lhe vaga na Liga Europa, que não tem o mesmo charme, muito menos o mesmo rendimento financeiro, da outra Copa.

Para Maicosuel, a conta veio nesta segunda-feira, ao ter seu nome fora da lista dos inscritos na Liga Europa. Foi o recado claro da Udinese para o espertinho, que será utilizado apenas nos torneios domésticos – o Campeonato Italiano e a Copa Itália. Quer dizer, mal desembarcou e já queimou o filme por lá. A ponto de ser obrigado, também, a gravar vídeo, em que pediu desculpas aos torcedores e aos companheiros pela mancada.

Gosto de atrevimento, me agradam jogadores abusados. Esses são os que fazem o futebol sair do lugar-comum. Mas inteligência, picardia e malandragem muitas vezes se manifestam no feijão com arroz bem temperado. O momento para Maicosuel, que mal conhece Údine e talvez o caminho para o centro de treinamento, era o de fazer o simples e certo. Encher o pé e mandar a bola para o gol. Era a hora em que não se podia errar, de forma alguma.

Se ele tivesse uma história (como os boleiros gostam do termo…) na Udinese, se em seu currículo houvesse uma infinidade de pênaltis bem cobrados, um monte de gols e passagens memoráveis, a escorregada pegaria menos mal. Mas, puxa vida, chegou outro dia e já foi assim folgado?! E ainda se tivesse a categoria de um Zico, pra ficar num ídolo da Udinese…

Agora nem no banco ficará, e terá de ralar muito para apagar essa bola fora, ou melhor, essa bola nas mãos do goleiro…