Arquivo da categoria: 0x1

O inexplicável Fluminense

Leia o post original por Rica Perrone

Jogos de puro massacre. 200 chances de gol, 900 finalizações, euforia da torcida, e derrotas. A bola não entra. Troca-se o treinador. A torcida reclama. O futebol cai de produção consideravelmente. O rebaixamento bate à porta. No jogo seguinte, fora de casa, o Flu não pressiona, não joga daquela maneira que jogava e é, inclusive,…

O inexplicável Fluminense

Leia o post original por Rica Perrone

Jogos de puro massacre. 200 chances de gol, 900 finalizações, euforia da torcida, e derrotas. A bola não entra. Troca-se o treinador. A torcida reclama. O futebol cai de produção consideravelmente. O rebaixamento bate à porta. No jogo seguinte, fora de casa, o Flu não pressiona, não joga daquela maneira que jogava e é, inclusive,…

Um chute os separa

Leia o post original por Rica Perrone

Fosse o Grêmio a optar pela estratégia palmeirense, venceria. Fosse o Palmeiras a optar pela estratégia do Grêmio, não sei. Fato é que os dois times tem tantas diferenças conceituais que era o tipo de jogo onde uma bola resolveria a partida. E resolveu. Os dois times se defendem muito bem. Um escolheu se defender,…

Brasileirão 2018 – Cruzeiro 0x1 Grêmio

Leia o post original por Rica Perrone

Se não é novidade pra ninguém que o Grêmio é o melhor time da América do Sul, chega a ser o fato dele atuar sem Geromel e Luan e ainda assim dominar completamente o jogo no Mineirão contra um Cruzeiro que também é apontado como um dos principais times do país hoje.

Primeiro tempo morno, sem graça, com os dois querendo não tomar o gol. Muito passe lateral, nenhuma chance real de gol. Jogo ruim.

Na volta, um Grêmio irritantemente decidido a propor o jogo e manter a posse de bola. O adversário simplesmente não consegue se manter no ataque para uma eventual pressão. Calmo, sem arriscar passes a toa, o Grêmio ganhando é muito difícil de virar.

Só nos acréscimos o Cruzeiro conseguiu alguma pressão. A expulsão do Kanneman foi justíssima. A não expulsão do Ariel, bem contestável. Por trás e sem visar a bola. Se quisesse, o juiz poderia ter deixado o Cruzeiro com 10.

Se tivesse com os 11 titulares diria que o Grêmio fez uma grande estréia, especialmente pelo resultado. Sem Luan e Geromel, não dá pra considerar críticas ao time gaúcho hoje.

Já o Cruzeiro, com uma a mais em boa parte do jogo e sem criar nenhuma situação de gol antes dos acréscimos, há muito o que ser cobrado.

Quadro de tempo de posse de bola individual na partida:

 

Quadro de percentual de passes certos indidual:

 

Quadros individual de dribles no jogo:

abs,
RicaPerrone

Quando vamos sair do armário?

Leia o post original por Rica Perrone

Toda vez que vou fazer alguma reflexão sobre a imprensa esportiva uso o “nós” pra não soar arrogante, mas eu não sou parte dela. Por opinião, acho uma bosta o que é feito. Por coerência faço diferente e por consequências trago resultados que sustentam minha opinião.

Nada pessoal, apenas um negócio.

Algumas vezes me irrita muito acima do normal, como hoje.  Corinthians x Palmeiras é um clássico, uma decisão e ninguém pagou ingresso pra ver espetáculo. Pagaram pra viver uma tarde memorável de disputa e óbvia tensão.

Espetaculo você vê contra o Novorizontino. Clássico é outra coisa.  Aí vem alguém e diz que esporte não é isso, e blá, blá, blá.  Mas vende NFL que tem por um dos seus maiores atrativos a pancada.

Vende Hockey no gelo, que é quase um UFC. Vende Nascar, onde os torcedores vão pra ver acidente, não a corrida.

Torcedor gosta de ver cenas épicas e ter história pra contar. Toda vez que um time perdendo um clássico não se destemperar, é fraude.  Vai alegrar o comentarista da tv? Vai. Mas a torcida, que é quem importa, não.

É NATURAL que numa decisão de futebol haja momentos de descontrole emocional. Estão pressionados, decidindo futuro, milhões vendo e cobrando, inclusive nós.  Algumas pessoas são sangue de barata, outras não. E quem jogou meia partida no condominio sabe disso.

Quem não jogou, nem sei porque comenta futebol.

É lamentável, é ruim, “nós odiamos ter que ver e relatar isso”. Aham! Olha as capas dos sites. Olha as perguntas das coletivas. 99% briga, 1% jogo.

Quem é que odeia o combustivel que te leva adiante?

Deixem de ser hipocritas. Todo mundo quer ver o circo pegar fogo. Não queremos morte, facada, briga de torcida. Mas um belíssimo empurra-empurra com leves tapas e cenas lamentáveis para esquentar o jogo de volta é sempre muito bem vindo.

Não?

Então desafio a imprensa que acha lamentável a promover o jogo de volta sem focar 99% na briga e sim no título.  Quer apostar?

abs,
RicaPerrone

Nós sabíamos

Leia o post original por Rica Perrone

É muito fácil agora fazer cara de susto e ver o Vasco perder pra atual campeã do Clausura do Chile.  Vai continuar sendo estranho se amanhã ou depois o Vasco, de surpresa, virar chacota. É um hábito estúpido que temos por aqui e que não vai mudar tão cedo, parece.

O Cruzeiro é campeão da Copa do Brasil reforçado. O Racing foi quarto no Argentino 2016/17 e agora é quinto disputando paralelamente a Libertadores, tendo negociado essa semana um jogador por 100 milhões.

Ou seja, o Vasco é a surpresa. Mesmo com a camisa igual ou maior que os citados, o time se classificou já de forma pouco provável, fez uma pré Libertadores assustadora com goleadas aplicadas e sofridas e, sabemos, é um time limitadíssimo.

Poderia vencer ontem? Poderia. Mas da mesma forma que poderia e perdeu o jogo.

Essa Libertadores não cabe a Vasco ser cobrado. Não é um time pra estar ali e brigar por isso. Se o fizer, será como o Botafogo de 2017: surpreendente.

Teve virose, falhas individuais, uma atuação acéfala do ataque. Mas não é possível que isso tudo cause a reação de espanto e “fracasso” do pós jogo.

Sejamos coerentes. O Vasco nunca planejou estar nessa Libertadores. E quando soube que estaria, mal sabia quem seria seu presidente, imagine os reforços, o time, etc.

Qualquer coisa nessa Libertadores é lucro. E quando nada se espera, não tem porque se decepcionar.

abs,
RicaPerrone