Na briga

Leia o post original por Cristian Toledo

O Coritiba fez a parte dele. Jogou com autoridade (descuidou em parte do jogo, é verdade) e venceu o Cruzeiro com méritos. Somou os três pontos em casa e agora vai para a “hora da verdade” – os jogos fora do Couto Pereira contra Ceará e Figueirense. E é bom lembrar que foi com duas vitórias sobre esses adversários que o Coxa, no primeiro turno, saiu das últimas posições e começou o processo de subida que o coloca hoje a quatro pontos da zona de classificação para a Libertadores.

Apesar de ainda ser colocado em segundo plano, o Coritiba tá na briga. E com razão, pois tem time para estar nesta disputa. O que precisa agora é ser mais regular fora de casa. Não será, claro, o mesmo time que joga no Alto da Glória. No jogo da quarta, o Cori impôs seu jeito de jogar, pressionou até abrir o placar e depois voltou com a intenção de ampliá-lo, o que aconteceu. O relaxamento após o 2×0 certamente será alvo de conversa do técnico Marcelo Oliveira, que tem uma temporada de alta qualidade, e que nos últimos jogos vem trabalhando muito bem.

E é na capacidade do treinador, na força coletiva, na ótima fase de Tcheco, Emerson, Jonas e Leandro Donizete e no talento de Rafinha e Marcos Aurélio, que o Coritiba se coloca, sim, como postulante a uma vaga na Libertadores.