Início

Leia o post original por Cristian Toledo

O Atlético precisava vencer uma partida como a de domingo contra o Internacional. Suada, sofrida, mas com boa dose de mérito. Contra um adversário de grande qualidade. E ainda com a intromissão do imponderável, com os dois gols do contestado Nieto. A reação pode ter começado, mas todo mundo sabe que é preciso mais.

E aí será necessária a mobilização de todos os atleticanos. De forma inteligente, até mesmo as rusgas políticas diminuíram com a proximidade do jogo de domingo. A torcida compareceu, ainda ressabiada, e apoiou o time, saindo contente com a vitória. Essa união contrasta com os rivais diretos na luta para fugir do rebaixamento.

Tanto Atlético-MG quanto Cruzeiro, que no papel têm grupos mais fortes que o Atlético, não conseguem se fechar nessa luta. O Ceará patina, e sofre pressão a cada resultado ruim. O Furacão está atrás dos três times, e terá que fazer mais resultados para ultrapassá-los.

Vai precisar de decisões corretas de Antônio Lopes, de jornadas seguras de Manoel e Fabrício, da presença de Deivid, dos gols (quem diria?) de Nieto e principalmente da capacidade de Paulo Baier, Marcinho e Guerrón. A começar pela partida de domingo, contra o Avaí, jogo em que a vitória é possível. Um segundo passo decisivo para uma caminhada que será longa.