Jorge Henrique

Leia o post original por Pedro Ernesto

Sinto, pela opinião das pessoas, muita má vontade com esse jogador. Confesso que sou fã de seu futebol. Claro que para vê-lo repetir o que já fez será preciso um comportamento profissional à altura. Caso contrário, sucumbirá.

Jorge Henrique teve problema de ordem disciplinar no Corinthians a ponto de Tite mandá-lo embora. Não deve ter sido pouco, pois Tite é um homem de diálogo e tem bastante jogo de cintura nas relações do futebol.

Alguns leitores me disseram que o viram na noite. Até aí, nada demais. Se esse fosse o critério, pouco jogadores poderiam exercer a profissão. São jovens e a noite é um fascínio, desde que com medida. Eu acredito nele, pois quem é bom não esquece.


Função

Mano Menezes talvez tenha sido o técnico que melhor usou Jorge Henrique no time. Ele era um dos atacantes da equipe campeã da Copa do Brasil e do Paulistão. No Timão de Mano, o atacante atuou ao lado de Ronaldo e Dentinho.

Tinha dupla função: atacava e voltava para marcar. Fazia bem as duas. Dunga o coloca ao lado de D’Alessandro, Não há outro no grupo. Acho que o treinador acerta. Ele vai se dar muito bem ali se estiver em forma.


Escalação

Pará está punido pelo terceiro amarelo. Chance para Moisés, que veio do Juventude. Com isso, na estreia de Renato, dos quatro homens de defesa, três vieram do Alfredo Jaconi. No meio, tem o problema de lesão de Elano. Deve jogar Guilherme Biteco. São as alterações que Renato se vê obrigado a fazer para o jogo contra o Atlético-PR.

Ainda falando de Grêmio, Fábio Aurélio e Welliton não são mais jogadores do clube. Uma medida acertada, ainda que tardia. O primeiro nunca conseguiu jogar, e o segundo, mesmo entrando em campo, também não conseguiu jogar.


É demaaais!

Pode-se ver contra o Olimpia, do Paraguai, a fragilidade técnica do Santa Fe, da Colômbia, o time que eliminou o Grêmio na Libertadores. Não chutou uma bola a gol durante 90 minutos. Levou 2 a 0 e poderia ter perdido por três ou quatro. Com isso, reforça a conclusão de que o Grêmio, por um processo de incompetência inaceitável, deixou escapar uma Libertadores que estava muito fácil.