Paulistas

Leia o post original por carlos cereto

Santos

O Santos não perdia de 8 a 0 há 58 anos. Em 13 de novembro de 1955, perdeu por esse placar numa partida do Paulista contra a Portuguesa. Ironicamente a mesma Lusa que um dia fora chamada de “Barcelusa”. Um vexame histórico. Difícil de ser apagado. Pelé, Coutinho, Pepe, Zito e Neymar, que divulgaram o nome do Santos pelos quatro cantos do planeta, não mereciam tamanha vergonha.

São Paulo

Nos últimos 15 jogos, 11 derrotas, 3 empates, e 1 vitória. Os são-paulinos deveriam ter vergonha de comemorar a Copa Eusébio, conquista insignificante perto da grandeza de um clube cujo currículo é recheado de títulos internacionais.
A explicação da pior fase da história está fora de campo. No “Mesa Redonda” da TV Gazeta, Marco Aurélio Cunha, principal nome da oposição, e Julio Casares, vice-presidente de comunicação, protagonizaram um bate boca digno de time de várzea. Casares disse que foi chamado de mentiroso por Marco Aurélio, que rebateu chamando o dirigente de “puxa saco” de Juvenal Juvêncio. A briga, ao vivo, em rede nacional, durou cerca de 14 minutos.
Foi-se o tempo em que São Paulo se orgulhava de ser um clube diferente, exemplar, organizado, de dar inveja aos adversários. Esse clube não existe mais.

Corinthians

Qual o time que tem no banco de reservas jogadores como Alessandro, Ibson, Douglas, Pato, Renato Augusto ou Emerson Sheik? Mesmo com a saída de Paulinho o Corinthians continua muito forte, com um dos melhores, se não o melhor, elenco do Brasil. Vai brigar forte pelo título brasileiro e pela Copa do Brasil. Com boas chances de conquistar tudo.

Palmeiras

O Mago voltou a jogar muito. Mas fazer mágicas contra o Bragantino é fácil, com todo respeito ao time da terra da linguiça. O que se espera de Valdívia é que ele aposente de vez o “chinelinho” e que faça “mágicas” também contra os grandes. A Copa do Brasil será um bom teste.