Corinthians

Leia o post original por Pedro Ernesto

O primeiro, amanhã na Arena, pelo Brasileirão. O segundo, também na casa Tricolor, no dia 23, quarta-feira da semana que vem, pela Copa do Brasil. São jogos decisivos. O Corinthians, nos últimos 12 jogos, tem cinco derrotas, seis empates pelo Brasileirão e um empate contra o Grêmio na Copa do Brasil. A direção avisa os jogadores que ganhar a Copa do Brasil é obrigação.

Tite diz que vai separar os meninos dos homens. São apenas frases. Mas o Grêmio deve ter cuidado. Quem já jogou bem um dia, poderá voltar a jogar novamente. Um desafio nesses dois jogos contra o Timão.

Procurador

Quem procura acha. E não é muito difícil. A televisão mostra, os jornais fotografam e as rádios denunciam. No Morumbi, torcedores da Independente, a furiosa organizada do São Paulo, se pegaram a pau com os policiais. Eles queriam invadir o espaço dos corintianos e foram impedidos pela polícia.

No Mineirão, pedaços dissidentes das organizadas do Cruzeiro se pegaram. Estas duas torcidas foram denunciadas pelo procurador Paulo Schmidt, que promete fortes punições. É uma boa forma de acabar com estas organizadas que só criam problemas e promovem brigas campais.

Organizadas

Não é a primeira vez que escrevo sobre isto, mas devo repetir uma pergunta que continua sem resposta: para que torcida organizada? Alguns torcedores decretaram que é crime quando um outro torcedor veste camisa de um time antagonista.

Dirigentes pagam para estas torcidas em nome de um incentivo que não ganha jogo. O que ganha são jogadores de qualidade. No Grêmio, por exemplo, depois da criação da Geral, muitas brigas com dissidentes, mas nenhum título. Já faz mais de uma década que o Grêmio não ganha competição importante.

Grohe

Espantosa a atuação de Marcelo Grohe no Maracanã. Foram defesas repetidas num mesmo ataque com os pés, com as mãos e com o corpo. De todas as formas.

Claro que Dida tem sido um goleiro muito correto, mas Grohe é fantástico. Não jogava desde o mês de janeiro e, mesmo assim, deu um show particular mostrando, definitivamente, que o problema do Grêmio passa longe da goleira.