10.000 Vezes fora de jogo (2013)

Leia o post original por Gaciba

Aproximadamente a cada 3 minutos ouvimos um apito paralisando uma partida da série “A” do campeonato Brasileiro para a marcação de uma falta. Hoje a noite (17.10.2013), caso as estatísticas se comprovem, um atleta do Vasco ou do Goiás cometerá a falta de número 10.000 do Brasileirão aproximadamente aos 12 minutos de jogo.

No apito final da partida entre Flamengo e Bahia, ontem a noite (16.10.2013) alcançamos a soma de 9996 faltas já sancionadas nesta edição.

O número choca mas, acreditem, estamos melhorando! Ano passado, fizemos o mesmo acompanhamento e a média da competição era de aproximadamente 37 faltas por partida disputada contra 34,71 deste ano (ainda altíssima!).

Os fatores para que isso ocorra já foram profundamente debatidos neste espaço e, a grande verdade é que o “grande vilão” desta história não é único. Uma reunião de fatores concorre para este resultado, entre os quais ressalto o próprio árbitro brasileiro que “pica” demasiadamente o jogo marcando muitas faltas em contatos normais de jogo e os atletas que muitíssimas vezes optam por cair ao ser “tocados” ao invés de prosseguir nas jogadas. Não falo de simulação e sim de valorização de contato natural.

Chegamos a extremos muito grandes quando observamos os 288 jogos disputados. O Grenal do primeiro turno e a partida entre o Galo e o Coxa com 53 faltas guardam o recorde desagradável de jogos com o maior número de faltas enquanto Internacional e Criciúma podem orgulhar-se de ter jogado a partida com o menor número de faltas da competição: 16.

Aliás, chama a atenção que o árbitro Raphael Claus, de São Paulo, dirigiu as duas partidas com o menor número de faltas do campeonato. Além da citada acima, Portuguesa e Corinthians (17 faltas). Quem acompanha a carreira deste árbitro irá perceber que isso não é surpresa. Ano passado, a partida com o menor número de faltas foi disputada por Vasco e Bahia onde ambas equipes fizeram 8 faltas somando um total de 16 marcadas. Adivinhem quem era o árbitro?

Confira os jogos com os maiores e menores números de infrações:

Confira o quadro das vinte equipes do campeonato com suas respectivas médias de faltas cometidas por partida onde observamos o Internacional como a equipe menos faltosa da competição (15,2 faltas por jogo) e o Criciúma como a de maior média (19,9 por partida).

Amanhã, voltarei aqui para postar o nome do atleta responsável pela infração 10.000!

Voltei hoje; com ajuda de Carlos Telles, do Globo.com, aí está o vídeo com as faltas de número 9997 (André, do Vasco, aos 3’30″), 9998 (Roni, do Goiás, aos 4’01″), 9999 (Rodrigo, do Goiás, aos 4’58″) e a grande “honra” coube a PEDRO KEN, DO VASCO DA GAMA que, seguindo a média da competição, aos 12 minutos e 10 segundos, cometeu a FALTA DE nº 10000 da competição sobre HUGO DO GOIÁS apitada por WILSON LUIS SENEME.