Indonésia temeu o vexame

Leia o post original por Wanderley Nogueira

* Publicado na Gazeta Esportiva de 09/10/1981

Indonesia(Do enviado especial de A GAZETA ESPORTIVA, Wanderley Nogueira) – Depois de duas incríveis goleadas impostas pela Seleção Paulista de Novos da 2ª Divisão de Profissionais da FPF – uma em Medan outra em Padang – a Seleção Principal da Indonésia resolveu cancelar a próxima partida que estava marcada para a próxima  segunda-feira, dia 12, a qual, contaria inclusive, com a presença do presidente da FIFA, João Havelange. As autoridades de futebol da Indonésia ficaram assustadas e tentaram, assim, evitar o novo vexame, o que segundo os dirigentes locais, seria certo.

Agora, a Seleção Paulista jogará em Bandung, outra cidade do interior deste país, onde jogará amanhã às 16 horas – que corresponde às 6 da manhã em Brasília. O estádio de Bandung tem capacidade para 20 mil pessoas e a, exemplo de onde todas as cidades onde tem se apresentada a Seleção Paulista, os ingressos foram vendidos antecipadamente. Hoje à tarde, o técnico Mauro Vieira de Abreu vai ministrar um treinamento com bola para que o elenco conhecer bem o estado do gramado, mas o time já está confirmado: Toni; Quequi, Jarbas, Zecão e Antônio Carlos; Zanata, João Luís a Arnaldo; Barbosa, Júlio César e Waltinho. O ponteiro esquerdo Tuico já está liberado pelo doutor Marco Aurélio Cunha, mas ficará no banco, podendo ser aproveitado no segundo tempo desta partida em Bandung.

A viagem de regresso a Jacarta, capital do país, será no domingo pala manhã e na segunda-feira , dia 12/10/81, a Seleção Paulista viajará para a cidade de Surabaya, por vai aérea, jogando à noite, naquele mesmo dia, contra um combinado local. É possível, ainda, que o time do São Paulo seja obrigado, por compromissos assumidos pelo empresário, a atuar na terça-feira, dia 13/10/81, em outra cidade do interior da Indonésia, mas para isso é necessário uma autorização a FPF e do Conselho Nacional de Desportos.

Ambiente em Bandung

De Pandang a Jacarta, a viagem durou cerca de 90 minutos de avião e na capital do país o noticiário dos jornais era farto em elogios as duas últimas goleadas danossa seleção, o que – obviamente – fez com que as autoridades da Federaçaõ de Futebol da Indonésia resolvesse cancelar uma partida contra  a seleção principal daquele país. A morte do estadista egípcio Anuar El Sadat provocou um impacto na Indonésia: as pessoas lamentam o atentado e a morte de “alguém que sempre lutou pela Paz”. E a crise no Egito veio, também, dificultar a ação do empresário que pretendia levar a Seleção Paulista para mais dois jogos na Arábia Saudita.

A viagem de Jacarta para a cidade de Bandung, teve lances cinematográficos,ao ritmo de autêntica aventura. A delegação viajou sobre forte calor num ônibus velho e de más condições de ar, sem ar condicionado. A viagem de 180 quilômetros demorou cerca de quatro horas, numa estrada estreita e de péssimo asfalto. Bandung é uma cidade situada a centenas de metros acima do nível do mar e a estrada que liga a Jacarta está cheia de abismos e buracos. Os motoristas (inclusive o do ônibus da delegação) não respeitam a sinalização e fazem ultrapassagens perigosas. A viagem ocorreu através de uma paisagem pobre: casas antigas, construídas sem nenhuma infra-estrutura de saneamento. Por isso, todos imaginavam, antecipadamente, a cidade de Bandung como “terrível, assustadora e desconfortável” localidade. Mas a surpresa foi positiva e agradável. Trata-se de uma cidade com cerca de um milhão e meio de habitantes, muito limpa e bonita, com grandes ruas e avenidas. O Savoy Homann – hotel onde está a delegação paulista – pode ser qualificado como o melhor utilizado até agora nesta viagem pela Ásia. Luxuoso e sotisficado, com amplos apartamentos e um atendimento acima da média.

Os destaques

A pergunta foi feita para alguns integrantes dessa seleção que viaja pelo continente asiático: “o que de mais importante você destacaria nesta excursão?”

QUEQUI –  o fato de estar no exterior, eleva o nível profissional e cultural do atleta profissional.

TUICO – estar vivendo com outros povos, conhecendo outras culturas…

ANTÔNIO CARLOS – Ter disputado a Copa Nacional da Malásia…

TONI – a disputa de um torneio internacional e perder a decisão…

JÚLIO CÉSAR – não há dinheiro que pague a experiência dessa viagem…

DANIEL – hoje, com esta viagem, me sinto mais vivido e experiente…

ZANATA – essa experiência internacional valoriza a minha carreira…

WILSON GOTARDO – é gostoso conhecer pessoas de outros países, comoutros costumes e tradições…

ZECÃO – para mim, marcou muito o bom relacionamento que tivemos com o povo da Malásia…

MAURO VIEIRA DE ABREU (treinador) – um fato digno de destaque foi a promoção que a  nossa seleção recebeu na Ásia e a experiência absorvida na viagem…

MIRO (massagista) – os problemas enfrentados nas viagens com o transporte da bagagem. Aprendo muito com esta viagem…

DR. MARCO AURÉLIO CUNHA (médico) – o destaque desta viagem, para mim, foi o elogio que recebi do Rei da Malásia na conversa que tive com ele…