Libertadores, emoções para todos os gostos e sofrimento

Leia o post original por Mion

A realidade com ou sem dor

A realidade com ou sem dor

    Não precisou ser torcedor do Atlético-PR para viver emoção intensa na partida diante do Sporting Cristal. Já acompanhei milhares de jogos, poucas conseguiram despertar tal sentimento. Os atleticanos fizeram um teste cardíaco, quem passou, pode ter certeza não morrerá tão cedo por problemas no coração. A Libertadores realmente é um torneio diferenciado e para superar obstáculos precisa de algo mais. A meninada do Furacão mostrou que tem este algo a mais e a partir desta classificação suada, amadureceram barbaridade. Já o Botafogo proporcionou emoções bem opostas. Antes do jogo aquele clima de insegurança, entretanto bastou Wallison mostrar porque veio e a galera explodiu de alegria. O clube carioca não só ganhou a vaga como tem um novo candidato a ídolo depois da saída traumática de Seedorf.

A festa brasileira diante de seus adversários sul-americanos deu a largada oficial do ano de 2014. Não há como negar que até então com os campeonatos estaduais desprezados pela maioria dos grandes clubes, o futebol ainda estava naquele período de aquecimento. Logicamente o Botafogo viverá uma nova fase. A saída de Seedorf esfriou a esperança dos botafoguenses. A bela partida de Lodeiro e o surgimento do carrasco Wallison recoloca o Fogão no prumo, estado que permaneceu durante todo o ano de 2013.

Sem dúvida o Furacão tem que comemorar em dobro. Durante a partida por duas vezes estava desclassificado, manteve o equilíbrio para reverter. Uma equipe que tem em média 24 anos poderia tremer, não foi isso que vimos. Ao contrário com maturidade instantânea superou todas as fragilidades, assumiu o espírito de Libertadores e carimbou seu passaporte para a fase de grupos. As duas vitórias comprovam que Furacão e Fogão estão na briga e vão incomodar outros tidos como favoritos.