Jogo para ver se o Inter está pronto

Leia o post original por Pedro Ernesto

O Inter estreia hoje em uma das competições mais importantes do país, que é a Copa do Brasil. Faz muitos anos que o Colorado não ganha este título. Não sei se chega bem preparado, pois seu time titular jogou apenas seis partidas na temporada. Mas há casos em que as equipes estreiam em competições importantes quase sem ter jogado. Acho que não é por aí.

Abel Braga diz que tem seu esquema montado com apenas um volante e entende que é suficiente para que o time não seja vulnerável. No Gauchão, tem tido bom aproveitamento, afinal, é o time de melhor campanha disparado. O Remo pode trazer mais dificuldades, e aí veremos se o técnico tem razão. O ambiente será contrário, o estádio vai lotar, chove e o gramado está em péssimas condições. São agravantes que terão de ser driblados pelo time colorado nesta estreia importante.

Aproveitamento

O uso de jogadores das categorias de base se dá muito mais facilmente quando os dirigentes não tem dinheiro. As dívidas dos clubes são diretamente proporcionais ao aparecimento de valores das categorias de base. Este tem sido o início de ano do Grêmio, onde Luan pinta como o grande destaque.

Outros jogadores estão muito próximo da titularidade. Tivesse grana e a direção do Grêmio recordaria anos anteriores quando foram contratados jogadores de muito nome, muitos caros e, quase sempre, em fim de carreira e com pouco futebol.

Xavante

O Brasil de Pelotas tem sido a grande sensação do Gauchão. Disputa com o Grêmio a segunda posição geral da competição e busca a vantagem de jogar as partidas do mata em sua casa, no Bento Freitas.

Claro que ele vai lotar com a grande torcida xavante. No comando Rogério Zimmermann, que tem se destacado como um dos melhores profissionais dos últimos tempos como treinador no futebol gaúcho. O Interior continua produzindo grandes profissionais do futebol e Rogério é o exemplo mais recente.

DEMAIS

O governo federal não quer que o país corra riscos com manifestações e quebra-quebra durante os jogos da Copa do Mundo. Seria um desperdício enorme para o país. Podemos mostrar nossa belezas, que não são poucas, ou nossas mazelas. Não vejo vantagens em mostrar ao mundo nossos problemas porque quem terá de resolvê-los somos nós mesmo. Além disto tem a questão da eleições de outubro.

Quanto mais bagunça pior para o governo. Além disto, nem Dilma Rousseff nem Joseph Blatter farão discurso no jogo inaugural da Copa para que não se repita o que aconteceu na Copa das Confederações, em Brasília, quando os dois foram duramente vaiados pelos torcedores.