Criticar o Mundial e fazer uma boquinha na tribuna, não dá…

Leia o post original por Wanderley Nogueira

Jerome ValckeCBF e Federações, antes de jogos importantes, mandam ingressos especiais para autoridades.
Os envelopes vão para os três poderes.
Quando os titulares , por algum motivo não podem ir, enviam representantes.
Geralmente seus familiares mais próximos.
É uma maneira de ter boa relação ou trânsito descomplicado em gabinetes estrelados.
Mas, óbvio, não existe ingresso vip grátis.
Vale vincular à expressão “não tem almoço grátis” .
Ninguém sabe ao certo quando foi a primeira aparição da frase.
Existe uma referência a uma prática comum entre bares americanos do século XIX, por volta da década de 30, que ofereciam uma refeição sem nenhum custo para os clientes que consumissem bebidas.
Esse estilo de administração adotado pela cartolagem do futebol não vai mudar.
A Copa do Mundo está quase começando e nas tribunas dos novos estádios – certamente – vai acontecer um verdadeiro congestionamento de autoridades e seus agregados.
Não são poucas as críticas e acusações que partem das casas legislativas e  tribunais de contas, por exemplo.
A  decepção será enorme se for registrada a presença de alguma autoridade em áreas luxuosas, usufruindo de ingressos de cortesia.
Será inaceitável a desculpa de que “quem está aqui é o cargo…não sou eu”.
Já imaginou o que vai passar pela minha cabeça ao ver uma imagem de algum “ferrenho” opositor da Copa, da FIFA e da CBF fazendo uma boquinha na tribuna “Diamante”, bem pertinho dos donos do evento?
Não quero nem pensar nisso…