Wesley é fundamental para a evolução do Palmeiras

Leia o post original por Neto

O meia não aceita redução salarial para renovar contrato

O meia não aceita redução salarial para renovar contrato

Ninguém nega que a administração do presidente Paulo Nobre deu uma guinada no time do Palmeiras. Ficou ainda mais evidente porque o antecessor Tirone tinha deixado o futebol do clube às traças. O novo comandante além de tomar algumas atitudes políticas importantes, tentou dar uma equacionada nos cofres alviverdes. Saíram alguns jogadores caros e sem representatividade e chegaram outros mais baratos que resolveram tecnicamente.

A saída do Barcos em troca de vários jogadores do Grêmio foi profundamente criticada por todos (inclusive por mim!). Mas não é que deu certo? No rolo veio o Leandro, por exemplo, que vem fazendo muitos gols. Outros nomes como o volante Eguren, Marcelo Olveira e principalmente Alan Kardec deram jeito nesse grupo. Formou uma espinha dorsal. Mas talvez a melhor ação dos dirigentes do Verdão foi fazer o Valdívia voltar a jogar bola. Não sei qual o milagre aconteceu mas ele guardou o chinelo no armário e vem arrebentando novamente com a camisa 10. Voltou a ser aquele ‘Mago’ que cativou a torcida em 2008.

Mas uma herança contratual do Tirone que deveria permanecer é meia Wesley. Esse menino é um jogador de muita qualidade. Acho ele inclusive o melhor jogador do elenco para executar a função de terceiro homem. Fora que vai bem como volante e improvisa com louvor uma lateral. Se o cara ganha muito ou não eu não sei. Se o contrato foi mal feito ou não, também não sei. Mas acho que deveria existir um esforço das duas partes para um acerto de permanência. Para o bem dos dois lados, diga-se de passagem. O vínculo vai até fevereiro de 2015, mas seis meses antes ele poderá assinar um pré-contrato com outra equipe. Abre o olho Verdão! Pra mim o Wesley é fundamental para esse trabalho de reconstrução de um time forte e vencedor.

É verdade que critiquei o Paulo Nobre por algumas atitudes como não honrar dívidas trabalhistas (adquiridas em outras gestões, é bom que se diga), mas ultimamente tenho mais elogios a fazer do que criticas. O resto é conversa fiada